sexta-feira, dezembro 14, 2012

Autoridades russas abrem novo processo-crime contra dirigente da oposição




 O Comité de Instrução (CI) da Rússia abriu hoje um novo processo-crime contra um dos dirigentes da oposição extraparlamentar Alexei Navalni e o seu irmão, Oleg, por roubo e fraude.
“Oleg e Alexei Navalni roubaram pelo menos 55 milhões de rublos (1 400 mil euros) a uma empresa comercial”, informou o porta-voz do CI, Vladimir Markin.
Segundo a investigação, Navalni convenceu, em 2008, os gestores de uma empresa com capital estrangeiro para adquirir serviços de transporte por um preço inflacionado de outra empresa “Agência Geral de Assinaturas”, alegadamente criada pelo próprio opositor.
“Navalni criou a empresa “Agência Geral de Assinaturas”, mas declarou como fundador e diretor um conhecido seu que nada tem a ver com as atividades desta”, explicou Markin.
Em Maio passado, o CI da Rússia abriu outro processo-crime contra Navalni, que se tornou conhecido por denunciar a corrupção na administração pública russa e nas mais altas esferas do poder.
Entre outras coisas, ele publica no seu blog nomes de amigos e filhos de numerosos políticos russos, alguns dos quais já são proprietários de grandes bancos e corporações, embora ainda nem sequer tenham 20 anos.

Segundo o CI, Navalni, em 2009, quando era asesor do governador da região de Kirov, persuadiu o diretor de uma empresa para que assinasse um acordo desvantajoso contra outra entidade.
“Compreendi que eles consideram que eu sou pouco para eles e, agora, decidiram meter-se com a minha família?”, comentou o opositor a nova acusação.
“Eu li o comunicado do CI. Trata-se de um verdadeiro inferno, delírio completo e total”, acrescentou.
Esta acusação é feita na véspera de mais uma manifestação da oposição, cuja realização as autoridades de Moscovo proibiram.
Perante a recusa das autoridades, sob o pretexto de que “a manifestação dificulta o trânsito”, o Comité Coordenador da Oposição, depois de explicar a ilegalidade da proibição, deixa ao critério dos cidadãos a participação ou não nela.

1 comentário:

Gilberto Mucio disse...

O pior é que deve ser verdade.