segunda-feira, agosto 05, 2013

Rússia voltará a lançar foguetões Rokot em setembro


A Rússia vai voltar a lançar, depois de um intervalo de dois anos, um foguetão portador Rokot no próximo mês de setembro, depois de corrigir as falhas detetadas nos blocos aceleradores Briz-KM que se usam no lançamento destes aparelhos, anunciou hoje a agência espacial russa Roskosmos.
O diretor da agência, Vladimir Popovkin, explicou que o foguetão portará satélites de comunicação Gonets.
Em fevereiro de 2011, a Rússia perdeu um satélite militar geodésico por uma falha no bloco acelerador (a última etapa do foguetão) do Rokot, que deixou numa órbita errada o aparelho espacial.
Em dezembro do ano passado, as Forças Aeroespaciais do Exército russo adiaram o lançamento do foguetão Rokot depois de detetarem uma nova falha técnica no Briz-KM.
Preocupado com as falhas graves que sofreu a indústria espacial russa nos últimos dois anos: nove acidentes desde o verão de 2011, o Governo decidiu-se pela reestruturação integral de todo o setor depois do último falhanço do passado 2 de julho, quando um foguetão portador Proton-M explodiu um segundo depois de levantar voo.
A Rússia perdeu então três satélites Glonass-M do sistema de posicionamento russo GLONASS (análogo do GPS norte-americano) e não foi pela primeira vez, já que outros três caíram no mar em dezembro de 2010 devido a uma falha no bloco acelerador.
Em agosto de 2011, um cargueiro russo Progresso, que transportava carga importante para a Estação Espacial Internacional, caiu depois de levantar voo, sendo o primeiro acidentes deste tipo de nave em mais de trinta anos.
A isto junta-se a perda de vários satélites e o fracasso, em novembro do ano passado, do lançamento da estação marciana Fobos-Grunt, que desferiu um duro golpe nos planos russos de exploração interplanetária.
Também em finais do ano passado, as autoridades russas anunciaram a abertura de um processo penal por um alegado roubo de 6.500 milhões de rublos (cerca de 160 milhões de euros) durante o desenvolvimento técnico do sistema GLONASS.

7 comentários:

PortugueseMan disse...

Meu caro,

Uma vez mais você faz uma análise demasiado negativa e sem indicar os dados POSITIVOS.

Se só mostramos uma parte da realidade e ainda por cima essa ser a parte negativa, estamos a DETURPAR NEGATIVAMENTE a REALIDADE.

Em 2011 você tinha feito uma crítica semelhante e eu nessa altura também adicionei informação que achei relevante para o assunto em questão.

Se quiser recordar:

http://darussia.blogspot.pt/2011/08/vergonha-nao-tem-limites.html, post das 17:03

Dado que este post é de Agosto de 2011, vamos começar por aqui, dado que faz agora referência a este periodo.

...Preocupado com as falhas graves que sofreu a indústria espacial russa nos últimos dois anos: nove acidentes desde o verão de 2011..

2011 (Um ano mau para a Rússia com 5 falhas)

Rússia - 35 lançamentos 5 falhas
China - 19 lançamentos 1 falha
EUA - 18 lançamentos 1 falha
Europa - 5 lançamentos 0 falhas

2012
Rússia - 29 lançamentos 2 falhas
China - 19 lançamentos 0 falhas
EUA - 13 lançamentos 1 falhas
Europa - 8 lançamentos 0 falhas

2013 (até ao momento)
Rússia - 19 lançamentos 2 falhas
EUA - 9 lançamentos 0 falhas
China - 5 lançamentos 0 falhas
Europa - 4 lançamentos 0 falhas

A frase que escreveu deveria ser assim: ...Preocupado com as falhas graves que sofreu a indústria espacial russa nos últimos dois anos: nove acidentes em 83(!) lançamentos desde o verão de 2011..

Meu caro, você fala em 9 acidentes mas nada diz dos 74 lançamentos com sucesso!! Veja os dados, veja quantos lançamentos faz a Rússia e quantos faz o resto do mundo.

Meu caro, não perca a perspectiva das coisas. Estamos a falar do país com mais lançamentos por ano no mundo, um país que ainda quer lançar mais e melhor.

É disto que estamos a falar.

José Milhazes disse...

Caro PM, compreendo o seu comentário pois você não deve estar ao corrente das discussões e lutas que têm lugar em torno da qualidade da realização do programa espacial russa. Se você for ler as declarações de altos dirigentes russos verá que eles reconhecem que a situação neste campo está muito má. Leia por exemplo o que diz o vice-primeiro-ministro Rogozin, encarregado deste sector. Claro que também há êxitos, sobre os quais aqui escrevo.
Além disso, se quiser escrever algo mais, sabe que o meu blog está sempre aberto.

PortugueseMan disse...

Meu caro,

Há sempre críticas. Seja onde fôr. Qualquer país com indústria espacial tem a mesma situação INTERNAMENTE.

É e bom que se critique, que se averigue, que se fiscalize, que se tenha mão pesada, para a coisa não resvalar.

É que não é apenas como diz Claro que também há êxitos

Há muitos, mas muitos mais êxitos.

A Industrial Espacial russa não tem rival até ao momento. Se alguém quer algo lá em cima, vai ter com os russos.

Se tiver urgência, e a lista russa está demorada, procura outro país.

Internamente pode haver a crítica, discussões, etc.

Para o CLIENTE, a Rússia é o melhor fornecedor.

Os políticos discutem? os técnicos entregam. E é isto que importa para o cliente que paga e quer serviço feito.

E com uma grande taxa de sucesso.

Anónimo disse...

PortugueseMan, o Japão tb faz lançamentos.

PortugueseMan disse...

...PortugueseMan, o Japão tb faz lançamentos...

Verdade, mas não estou a ver a relevância para o caso...

Anónimo disse...

PortugueseMan,

Os lançamentos da Europa e do Japão são mais confiáveis.

PortugueseMan disse...

Os lançamentos da Europa e do Japão são mais confiáveis.

E são mais confiáveis porquê? você baseia-se em que dados para fazer essa afirmação?