sábado, dezembro 28, 2013

Moscovo proíbe exibição de documentário sobre as Pussy Riot


O Departamento da Cultura de Moscovo suspendeu a estreia na Rússia do filme documental: “Pussy Riot: A Punk´s Praver”.

Por ordem especial do Departamento da Cultura de Moscovo, a estreia de amanhã do documentário sobre as Pussy Riot, nomeado para o Oscar, foi anulada”, escreveu Piotr Versilov, marido de uma dos membros do grupo punk, no Twitter.
O filme, que aborda o julgamento e condenação de três jovens que foram condenadas a dois anos de prisão por cantarem, num templo ortodoxo, uma canção a Nossa Senhora para que livrasse a Rússia de Vladimir Putin, foi realizado por Michel Lerner e Maxim Posdorovkin.
Depois da amnistia decretada pelo Presidente russo, duas das três membros das Pussy Riot foram libertadas. A terceira já tinha sido libertada antes.

Se o Kremlin queria obter para si algum resultado positivo, nomeadamente o melhoramento da imagem do atual poder no estrangeiro, esta proibição terá o efeito contrário. 

9 comentários:

Pippo disse...

O documentário é isento ou é politicamente comprometido?

Já agora, será "a punk's prayer" e não "a punk's praver", certo?

José Milhazes disse...

Eu ainda não vi o filme, mas pelo que me disseram é pró-Pussi.

Pippo disse...

Quem diria!
Bom, em abono da verdade, eu também gosto muito de pussy (não consegui resistir, eheheh!)

Em termos de "manchar a imagem", esta proibição, quase de certeza passará ao lado da maior parte da população russa. E o facto das meninas terem invadido um espaço de culto cristão (a ver se invadiram uma mesquita! É o invades!) poderá fazer com que as Pussy fiquem sempre conotadas como um grupo de vândalos, de pessoas que não respeitam nem a religião nem os fiéis russos.
Portanto, creio que a medida do governo não causará grande impacto na opinião pública.

Anónimo disse...

Confesso a minha admiração por estas senhoras que foram torturadas, nomeadamente sexualmente à conta dos trocadilhos com o termo pussy.
...................
Por outro lado, estou admirado com o facto do caro Milhazes não ter escrito uma palavra sobre a libertação do Khordokovsky.?!
Eu aproveito para oferecer um visto gold para o senhor vir investir e viver aqui no burgo, que bem precisamos de ricos civilizados.
Ah, e as senhoras podem vir também, se ele pagar as contas...

Fernando Negro disse...

O que eu leio na imprensa internacional, é que o documentário foi proibido de ser exibido num teatro que, por receber dinheiro do Estado russo, é considerado uma instituição cultural governamental.

http://www.buzzfeed.com/miriamelder/moscow-official-bans-showing-of-pussy-riot-film-at-leading-t

E, se assim for, o governo russo tem todo o direito de recusar que o seu dinheiro seja gasto em espectáculos que (aos seus olhos, e não só) visem denegrir a sociedade russa.

O que é, claramente - pelo menos, para mim - de que se trata este documentário. (E, não de uma mera crítica ao Governo Putin e à Igreja Ortodoxa.) Pois, não tendo eu visto o mesmo, nem sequer vontade de o ver, estou certo de que se trata de um elogio a - e promoção de - este grupo de vândalas, de muito mau gosto musical, e às suas acções de desestabilização de - e desrespeito para com - a sociedade russa.

Eu próprio recusar-me-ia a deixar passar, por exemplo, documentários que promovessem o Fascismo, o Racismo, ou o Sexismo, se fosse eu uma das pessoas que financiasse e fizesse parte de uma instituição cultural anarquista.

"Liberdade de Expressão" é a liberdade de poder dizer o que quisermos, nos sítios onde quisermos, nos quais não esteja explicita ou implicitamente estabelecido que tal expressão se deva desenrolar segundo certos parâmetros.

(E, para dar um exemplo... Eu próprio, que sou imensamente a favor da Liberdade de Expressão, tenho tomado parte de discussões sobre a temática do Software Livre, num fórum onde é dito às pessoas que não podem ir para lá promover software proprietário ou ajudar outros a usar este último tipo de software - concordando eu, até, e muito, com este princípio.)

Há muitos sítios, hoje em dia (com a Internet, até) onde as pessoas podem ver esse documentário, que não em instituições que recebam dinheiro governamental. E, se não é o governo russo estúpido ao ponto de querer exibir propaganda anti-russa, que vão as Pussy Riot para outro sítio qualquer passar tal documentário.

E, já agora, um importante aspecto em que acho que todos deverão reparar...

Este filme, é um filme em língua russa, sobre uma banda russa que critica/ataca o governo russo e a igreja ortodoxa russa.

(Ou seja... Um filme dirigido maioritariamente ao público russo...)

E, se assim é, porque razão foi feito no Reino Unido e é distribuído por uma companhia britânica e uma outra estadunidense?

Pippo disse...

Exactamente, Fernando: a HBO (EUA) e a Roast Beef Productions (RU), o que é "curioso".
Lembra-me, assim de repente, o apoio que o "Oeste" deu aos "democratas" do Oeste da Ucrânia que protestaram contra a decisão do presidente deste país em por as relações com a UE de molho...

Antigamente, ao menos, ainda havia a ombridade de se fazerem intervenções armadas, agora é tudo pela calada.

Infelizmente, cheira-me que no documentário ninguém perguntou às moças pussy porque é que não se manifestaram numa mesquita (nomeadamente numa construída pelo Kadirov júnior). O clero islâmico também apoia Putin, não apoia?

Anónimo disse...

Digam o que disserem, esse documentário é pro-geopolítica. Sejam os globalistas ocidente, seja a elite eurasiana russo-chinesa entre eles o diabo que escolha.

Fernando Negro disse...

Pippo,

Porque o objectivo último deste documentário (assim como de todas as acções desta "banda", de outras que a sigam e de outras pessoas que a ela se associem) é destruir cultural e economicamente a Rússia. Sendo isso o que eu quero dizer, quando falo em "propaganda anti-russa" e numa peça que visa, claramente, "denegrir" esta sociedade.

(Constituindo a exibição deste filme o que, na comunidade que está bem informada e que pesquisa seriamente sobre este tipo de assuntos, se chama uma "operação psicológica".)

Sendo a maioria da população russa (cerca de 80%) seguidora da religião cristã ortodoxa, é esse o primeiro alvo a abater. E, por isso, a religião que deve ser primeiramente atacada.

E, sendo o Putin quem ocupa presentemente o poder, de um modo que não permite que o seu país seja destruído economicamente, da mesma maneira que estão a ser destruídos os países ocidentais, é também ele alguém que o Ocidente quer mesmo muito que seja eliminado ou tirado do poder.

O objectivo último de tudo isto é:

1) denegrir a sociedade russa ao ponto de já ninguém respeitar, se preocupar com, ou se revoltar com, nada - segundo alguns princípios que ainda tenha (muito como já está a acontecer, em grande escala, no Ocidente) - de modo a reduzir as pessoas à condição de meros animais, fáceis de dominar

2) e, tal como diz o próprio Putin, destruir a Rússia, enquanto estado-nação que realmente cuida dos seus cidadãos, de modo a que se possa efectivamente destruir a Economia da mesma, tal como foi tentado nos anos 90, para reduzir a população desta e, subsequentemente, salvaguardar os muito preciosos recursos naturais que este país tem para as elites ocidentais e alguns fantoches locais que estas consigam instalar no poder.

Isto é uma longa história, que demora muito a explicar...

Mas, quem quiser, pode começar por aqui, aqui e aqui.

E, você tem muito razão, quando diz que, hoje em dia, é quase tudo feito pela calada...

O principal modo como se combatem, hoje em dia, movimentos políticos opositores nem é pela via física - mas sim, pela via psicológica e encoberta.

Sendo por isso que se fala, cada vez mais, hoje em dia, em "operações psicológicas", "guerra da informação", "trolls" na Internet etc...

E eu que o diga, com esta história da subcultura "punk", com origem também no Reino Unido e já bem-sucedidamente associada, hoje em dia, ao ideal anarquista, ao ponto de ter contaminado, denegrido e deteriorado o mesmo, de tal modo que já muitas pessoas, dentro e fora de tal movimento, confundem Anarquismo com Niilismo.

Foi esta uma operação mais bem sucedida, em termos de destruição de tal movimento, do que qualquer acto de repressão física, que tenha sido feito em regimes democráticos.

Fernando Negro disse...

"de modo a reduzir as pessoas à condição de meros animais, sem valores, fáceis de dominar"

(Deveria eu ter escrito, para ser mais explícito e mais claro no que queria dizer...)

A lógica por trás disto é que, destruindo o sistema de valores de uma população (seja este de origem religiosa, ou não) - sendo isto feito através da lavagem ao cérebro das novas gerações, através deste e outro tipo de propaganda, que tenta fazer com que estas novas gerações (em idade de formação da personalidade) abandonem os valores das mais antigas - torna-se muito mais fácil vergar uma população às vontades que lhe são impostas.

Quando uma população tem um muito bem definido sistema de valores, tal nação ou conjunto de pessoas é muito mais difícil de vergar e poderá estar até disposto a morrer por esses mesmos valores, em lugar de contrariá-los ou de os trair. (Vejam, por exemplo, como os primeiros cristãos estavam dispostos a ser mortos na arena pública, se fosse preciso, em vez de renunciar à sua fé.)

Enquanto que, quando uma população não tem qualquer sistema de valores, tal população é muito mais fácil de dominar, pois não possui as "barreiras psicológicas" - individuais ou colectivas - que uma que tem fortes valores possui. Estando tais pessoas mais próximas da sua condição animal primitiva, não se preocupando com o estado da sociedade, em geral, nem com o que acontece aos outros, à sua volta, mas apenas consigo próprias e com pequenos prazeres imediatos. (Vejam em como muitas das pessoas politicamente inactivas, ou que não seguem qualquer religião ou sistema de valores, só se preocupam em ter dinheiro para a comida, para as drogas, para ir para os bares engatar membros do sexo oposto etc - e em como, não só não oferecem qualquer resistência às mudanças para pior, como ainda criticam quem oferece resistência às mesmas, dizendo mal dos grevistas, gozando com quem é religioso etc.)

O objectivo final de tudo isto é chegar a uma sociedade totalitária, semelhante ao regime nazi, feita de indivíduos completamente subjugados à vontade de um pequeno grupo de elites económicas (que será o único a viver bem) e uma sociedade que será, entre outras coisas, uma mistura de "Mil Novecentos e Oitenta e Quatro" e "Admirável Mundo Novo". (http://www.youtube.com/watch?v=S7_YFKyhQMI)

E muito do lixo que, hoje em dia, passa na televisão - como na MTV e afins - são peças de lavagem ao cérebro que tentam "educar" as novas gerações para tal nova sociedade. (http://forum.prisonplanet.com/index.php?topic=97552.0 + http://forum.prisonplanet.com/index.php?topic=79424.msg594255#msg594255)