terça-feira, dezembro 10, 2013

Oposição ucraniana poderá escorregar no ringue de patinagem da Praça da Independência


As autoridades de Kiev decidiram montar um enorme ringue de patinagem no gelo a céu aberto na Praça da Independência Maidan, onde desde 21 de novembro decorrem acções de protesto com milhares de participantes.
Segundo as autoridades municipais, o ringue irá funcionar entre 15 de dezembro e 15 de março do ano seguinte de 2013 a 2016.
Por enquanto, a Maidan continua ocupada pelos manifestantes que defendem a aproximação da Ucrânia em relação à União Europeia e, se for concretizada a citada decisão da Câmara de Kiev, a retirada voluntária ou expulsão dos manifestantes terá de ocorrer nos próximos dias, pois é preciso ainda algum tempo para limpar as barricadas da praça e para montar o ringue.
Como a polícia desbloqueou sem grandes problemas os edifícios do Governo e da Presidência da Ucrânia, as autoridades esperam que o mesmo aconteça na Maidan.
Entretanto, foi anunciado que Victor Ianukovitch está disposto a sentar-se à mesa das conversações com a oposição amanhã, quarta-feira, mas os dirigentes das forças pró-UE exigem a presença da elite intelectual e cultural da Ucrânia, bem como altos representantes da União Europeia. Por isso, é ainda uma incógnita se a mesa redonda se irá realizar ou não.
Hoje, chegou a Kiev Catherine Ashton, Comissária dos Negócios Estrangeiros, que se encontrou com Ianokovitch, passeou entre as barricadas da Maidan e encontrou-se com a oposição. A sua porta-voz, diz que a baronesa tem três propostas para a saída do impasse no país, mas recusou-se a revelar pormenores.
Uma das formas de compromisso poderá passar pela substituição do primeiro-ministro ucraniano, Mikola Azarov, e do seu governo, como propôs Leonid Kravtchuk, antigo presidente da Ucrânia, que hoje esteve reunido com Ianukovitch.
Outro pronto do compromisso poderá passar pela garantia de Ianukovitch aceitar assinar mais tarde o Acordo de Associação do seu país com a UE, ou assiná-lo por partes.
A União Europeia tem gerido muito mal este processo desde o início. Se, desta vez, a sua mais alta representante diplomática não conseguir um acordo entre as partes do conflito, então a imagem da UE sairá ainda mais prejudicada.
Entretanto, a Rússia continua à espera do resultado destes acontecimentos. Começam a surgir notícias de que dirigentes de alguns países e organizações internacionais anunciaram que não irão estar presentes na abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno em Sotchi. Espero que isso não desague em apelos ao boicote dos jogos. Isso seria um erro de palmatória.

P.S. Fico espantado com a convicção que nas nossas televisões e órgãos de informação revelam alguns jornalistas de que Victor Ianukovitch é pró-russo, vai aliar-se à Rússia, etc., etc. Esta opinião é extremamente redutora. Ianukovitch e pró-si próprio e pró-oligarcas que o apoiam. Já escrevi que esse dirigente político é capaz de vender a mãe, trata-se apenas de uma questão de preço.

3 comentários:

Pippo disse...

É curioso que se fale em eventuais boicotes aos JO de Sotchi quando os JO de Pequim (a capital desse farol da Democracia e dos Direitos Humanos que é a RP da China) foram tão participados e disputados...

PortugueseMan disse...

...Outro pronto do compromisso poderá passar pela garantia de Ianukovitch aceitar assinar mais tarde o Acordo de Associação do seu país com a UE, ou assiná-lo por partes...

Parece-me que esta seria a saída mais fácil para este impasse, desde que não ficasse implícito uma data concreta...

mikaelrc ribeirocardoso disse...

Kkk to no brasil no rs so da qui mesmo é pela primeira vez vou concordar com o jose milhares so mais uma pergunta jose milhares tu é português?