domingo, março 02, 2014

Desinformação para justificar erro de cálculo russo


As autoridades de Moscovo estão a organizar uma campanha de desinformação para justificarem a decisão de envio de tropas para a Crimeia, recorrendo a medidas violentas para esmagar a oposição que contesta essa posição.
Os órgãos de informação do Kremlin tentam fazer chegar aos russos a ideia de que os militares ucranianos estão a desertar em massa e a passar para o lado da Rússia, o que é desmentido pelo Ministério da Defesa e por jornalistas no local. Caso essas notícias fossem verdade, as tropas e a polícia ucranianas já tinham todas mudado de campo.
O primeiro canal da televisão russa informa que mais de 140 mil ucranianos atravessaram a fronteira russo-ucraniana em procura de refúgio, mas mostra imagens de um posto fronteiriço no extremo contrário da Ucrânia, na fronteira com a Polónia.
O canal de notícias Rossia 24 informa que militares do grupo radical Sector de Direita entrou no território russo e tentou cortar caminhos, notícia que foi “confirmada” pelo governador da região russa de Velgorod, mas que foi desmentida pelo Serviço Fronteiriço do Serviço Federal de Segurança da Rússia.
Agências de informação russas como Interfax e Ria-Novosti nada falam das muitas dezenas de moscovitas que já foram detidos por protestarem contra a intervenção russa na Crimeia, mas certamente que irão noticiar sobre os milhares de apoiantes dessa acção que se irão manifestar em Moscovo. Numerosas pessoas vão participar nesta manifestação, porque estão a ser obrigados pelas autoridades, principalmente funcionários públicos.
E o principal. Ao pedir ao Conselho da Federação da Rússia autorização para o envio de tropas russas para a Crimeia, o Presidente Putin (imaginem!) baseou-se em dados falsos sobre o número de vítimas nesse território da Ucrânia, revelou Andrei Iurov, membro do Conselho para os Direitos Humanos junto do Presidente da Rússia. A dirigente do Conselho da Federação da Rússia, Valentina Matvienko, foi a que ontem pôs a circular essa mentira.
Hoje, o Presidente do Parlamento da Crimeia (pró-russo), Vladimir Konstantinov, veio desmentir essa informação, sublinhando que não há notícias de vítimas.
Se não houve, nem há vítimas, então para quê Putin deu ordem aos militares russos na Crimeia actuarem? Certamente que não foi para proteger russos e russófonos.
Talvez por isso, bem como devido à forte internacional, o Kremlin vem agora dizer que Putin recebeu autorização para empregar tropas russas na Ucrânia, mas isso não significa que o vá fazer.
Além do mais, uma guerra na Crimeia, a acontecer, não será fácil como contra a Geórgia.
Entretanto, Kirill I, Patriarca da Igreja Ortodoxa Russa, também não quis ficar para trás e já veio dizer que o envio de tropas russas será “uma missão de paz”.

Putin e Kirill arriscam-se a perder completamente a Ucrânia.  

17 comentários:

Anónimo disse...

"Agências de informação russas como Interfax e Ria-Novosti nada falam das muitas dezenas de moscovitas que já foram detidos por protestarem contra a intervenção russa na Crimeia"

Devem ser a Pussy Riots e lobby gay, Putin e bem pôs essa tropa toda na linha.

A Rússia é um país de bem com bons costumes, a ultima fronteira contra a depravação e bizarria exportada vinda do lado de lá do oceano.

Putin, o defensor da velha europa cristã e conservadora.

Europeísta disse...

A Rússia é signatária de um tratado que proibe frota armada no Mar Negro. A Rússia vai rasgar esse tratado?

Emanuel A. disse...

Esta noite, recebi este relato a partir do teclado de um colaborador meu; quem quiser saber o que se passa na Ucrânia através do relato na primeira pessoa e não souber russo, pode usar o google translate:

"Я в Донецке,а сегодня тут был тяжелый день и народ хочет войти в Россию!Я против!Лож во всех СМИ...они разрывают страну,Путин хочет забрать Крым,и придумывает причины что бы ввести войска,в Украину уже вечером вошли войска России,и пехотинцы....Это война!!!"

Sissil disse...

admito que Putin corra esse risco, perder a Ucrania...mas perde para quem para a UE, não gabo o gosto aos ucranianos, a UE está ingoverenavel cada um pinta a manta,andam todos a ver quem rouba o quê, e em Portugal ultrapassou os limites do razoável, logo coitados...mais pergunto para que quer a Eu, mais um Estado, quando não consegue gerir decentemente, os que tem?

Anónimo disse...

A palavra KOSOVO diz alguma coisa a alguém?
Não era parte da Sérvia? Aliás o berço da sua nacionalidade.
Quando nos toca a nós é que dói, não é?
Hipócrisia se pagasse já tinha resolvido a crise na UE.

Anónimo disse...

O Chefe de Estado Maior da Marinha Ucraniana, Almirante Denis Berezovsky deserta para o lado Russo.

http://sicnoticias.sapo.pt/especiais/ucrania/2014-03-02-chefe-de-estado-maior-da-marinha-da-ucrania-desertou;jsessionid=ED4824F0AA990BE0E9DE365F0AA95984

http://www.bbc.com/news/world-europe-26410431

A Marinha da Ucrânia "desapareceu".

Carrega Putin!

José Corvo disse...

Milhazes
Mas Putin não está sozinho. Tem consigo a imensa maioria do povo russo influindo o próprio Partido Comunista que lhe dá todo o apoio e como dizem não há um russo que não tenha um familiar ou um amigo na Ucrânia.
Também é estranho o ocidente aceitar tão facilmente um governo golpista parecendo ignorar que isso abre a porta a muita coisa a começar por Portugal onde a oposição tudo tem feito para manter os níveis da contestação dentro dos limites da calma e do pacifismo.
O governo venezuelano já provou em eleições democráticas sucessivas a sua autenticidade contudo o governo americano não o reconhece e reconhece agora um governa na Ucrânia que agiu de forma virulenta?
Oremos com o Papa que se apressou também a orar pela Ucrânia em detrimento de muitas outras orações que ficaram por fazer.
Um abraço
JC

Gabriel Silva disse...

Da desinformação: «Patriarca Kirill promete não tolerar derramamento de sangue na Ucrânia» http://portuguese.ruvr.ru/news/2014_03_02/Patriarca-Kirill-promete-n-o-tolerar-derramamento-de-sangue-na-Ucr-nia-3791/

Pippo disse...

"Putin e Kirill arriscam-se a perder completamente a Ucrânia."

Eheh! A sério, JM? Mas... e QUAL Ucrânia? A do Oeste? Nunca foi dele, foi sempre dos russófobos. A do Leste? E quem é que a vai "ganhar"? O "Pravi Sektor"? O ""Svoboda"" (com duas aspas)? Ou será a NATO?

E se se reconhecer um governo saído de um golpe de estado, como é que será aqui no Velho Continente? E se por aqui as manifestações assumirem contornos violentos como em Kiev, como é que farão as autoridades? Irão mandar a polícia carregar e usar canhões de água? Com que legitimidade, se era precisamente isso que contestavam às autoridades ucranianas?

Muito complicado, isso.

Carlos Caseiro disse...

Minha gente haja calma! Para haver guerra é necessária a vontade de duas partes para guerrear entre si. Nunca na vida os ucranianos irão guerrear com os russos. Só mercenários o farão da parte da Ucrânia. Aqueles que estiveram na "Maydan" (à exceção de alguns jovens que acreditavam que aquela seria a maneira de acabar com a corrupção na Ucrânia), estavam ali para obter algum lucro chegando aos locais onde se encontravam os governantes corruptos.
Estes infelizes que estão agora no governo da Ucrânia e se dirigem a todo o mundo, são agora reféns da situação a que levaram a Ucrânia. Apelam à ajuda da Nato, à ajuda ONU ..., exigem à Rússia que faça marcha atrás.
A própria imprensa mundial está a perder a razão. Quantas vezes mostram uma coisa e falam e escrevem outra. Até agora só nos mostraram movimento de tropas russas. Por que razão não nos mostram movimento das tropas ucranianas? Porque não reagem as forças armadas do país à invasão Russa?
Por que razão só se vê gente nas ruas das principais cidades industrializadas da Ucrânia a gritar "Rússia"?
Não será porque o povo está farto da forma como tem sido governado, mas não acredita nestes novos governantes?
Se há algo que a vida me ensinou é que os maus momentos depressa se esquecem. Recordam-se apenas os bons. Podem chamar saudosistas à faixa de pessoas que apoia agora a ajuda da Rússia e rejeita ser governado por pessoas que demonstram ser fracas. Eles nunca em tempo algum viveram bem depois da independência da Ucrânia após o desmembramento da URSS, recordam-se apenas de como era bom quando viviam num único país enorme.
Embora ninguém daqueles que toma decisões me vá dar ouvidos, ou a minha opinião vá influenciar quem quer que seja, estejam todos descansados, que não há guerra nenhuma na Ucrânia e que os ucranianos serão os primeiros a evitar conflitos com a Rússia. Eles são da mesma família e hão de se entender entre si.
A única certeza é que a Ucrânia se encontra numa profunda crise económica e política e que o único país capaz de resolver a situação é a Rússia. Tal como em Portugal a dita “Troyka” nos ajudou impondo-nos condições, a Ucrânia será também ajudada sob condições impostas. O que não se pode permitir é que a bagunça continue nas ruas das cidades da Ucrânia.
O que o povo quer é paz…

Vitaly disse...

é obvio que há muita gente tem razoes para irse embora da Ucrania: em Kiév ao poder subiu uma junta contolada pelos EUA de um lado e de outro - pelos neo nazistas do Setor de Direita. Os radicais neo nazistas amenazam com purgas e discrimanacoes nao só aos russófonos e russos, mas também aos húngaros. Vandalos saqueam as lojas. Há um vazio da legitimitade na Ucrania que organizou Ocidente (na revolucao laranja participaram físicamente: embaixadores de EUA, Francia, Espanha, Alemanha, Dinamarca; Victoria Nuland, portavoz do Departamento de Estado, senadores estadounidenses Cris Murphy y John Mccain, Guido Westerwelle, ministro das relacoes exteriores de Alemanha, Catherine Ashton, alta representante da UE para Acuntos Exteriores y Política de Seguranza, Mijaíl Saakashvili, ex presidente da Georgia, Frans Timmermans, ministro de relacoes exteriores de Holanda, Jacek Protasevich, diputado do parlamento europeo, Linas Linkevicius, ministro das relaciones exteriores da Lituania, Yaroslav Kachinsky, ex primer ministro da Polonia, etc. até os "intelectuais" como josé... Sem falar sobre 5 bilhoes de dólares de EUA e bases militares da Polonia e Lituania onde se preparavam os terroristas).

A Polona ja se prepara para recebir aos refujiados, mas a Rússia? Para josé milhazes é absurdo... ¿Como se pode irse para a Rússia? Impossivel!

Como os militares de "failed state" Ucrania podem se passar ao lado da Crimeia que simplesmente nao reconhece à junta golpista de Kiév? É impossivel para os propagandistas como josé mlhares...

mannipulo disse...

RUSSOS PARASITAS, FILHOS DA MÃE.....

Paulo disse...

Os russos nunca se preocuparam com a verificação dos factos. Durante a invasão da Georgia, o então presidente Medvedev aparecia na TV a justificar a invasão com o massacre de 2000 pessoas na cidade de Tskinvali.

Pouco depois, quando se foi procurar as vítimas dos algozes georgianos, foram encontradas 46 a 48 vitimas.

São 46 a 48 mortos a mais, claro, mas o Massacre mongol que justificou o avanço russo nunca aconteceu, era uma mentira.

Não nos podemos por isso espantar com a utilização dos mesmos métodos.

O extremismo nacionalista russo, que é em tudo parecido com o extremismo nacionalista-racista, que conhecemos como nazismo, é um problema para toda a Europa.

Provavelmente os americanos é que tinham razão quando quiseram desmembrar a Russia.

O Putin ainda hoje deve acender velas para São Gerard Schroeded, o homem que salvou a Russia e que foi recompensado com um bom emprego na GAZPROM

Pippo disse...

"Não nos podemos por isso espantar com a utilização dos mesmos métodos.

O extremismo nacionalista russo, que é em tudo parecido com o extremismo nacionalista-racista, que conhecemos como nazismo, é um problema para toda a Europa."

Paulo, presumo que já fosse vivo e atento em 1999. Aquando do bárbaro ataque à Sérvia, de queixou o país economicamente de rastos, qual foi a desculpa? Salvar os milhões de "kosovares" (albaneses) que estavam a ser "vítimas de um genocídio" cometido pelos sérvios.

Nas televisões, lembro-me disso perfeitamente, o secretário de Estado norte-americano já avançava números entre 100.000 "kosovares" mortos!

Pois bem. Sabe quantos destes "kosovares" é que foram mortos? menos de 3000. E destes, a maioria eram guerrilheiros.

Já agora, a NATO matou mais de 1000 pessoas, menos de metade das quais militares sérvios.

E já agora também, depois da ocupação do Kosovo pela NATO/UÇK, os verdadeiros kosovares, que são os sérvios, foram fisicamente erradicados da província, agora tornado país graças à NATO; EUA e UE "que respeitam as fronteiras internacionais e a soberania dos Estados".

Portanto, voltando atrás, QUEM é que usa desinformação e é extremista???

marcosomag disse...

Os "jornalistas no local" são bonecos de ventríloqüo dos patrões e não têm qualquer credibilidade. Foi um grande erro de Obama apoiar a fanática secretária Nuland (realmente, uma nulidade) em sua aliança maluca com neonazistas na Ucrânia. Agora, estão linchando judeus em Kiev! O que Obama vai dizer à AIPAC? A Rússia já dobrou Napoleão e Hitler. Vai ser fácil colocar de joelhos um presidente tão facilmente manipulável pelo aparato industrial-militar como é Obama.

marcosomag disse...

Antes que eu me esqueça: um jornal brasileira de direita, a "Folha de São Paulo" mostrou, creio que de forma inadvertida pois sempre apoiam os EUA, "manifestantes" armados com fuzis M-16 (estadunidenses) atirando contra a multidão em Kiev na quinta-feira retrasada. Self-behind operations típicas da CIA.

marcosomag disse...

Os "jornalistas no local" são bonecos de ventríloqüo dos patrões e não têm qualquer credibilidade. Foi um grande erro de Obama apoiar a fanática secretária Nuland (realmente, uma nulidade) em sua aliança maluca com neonazistas na Ucrânia. Agora, estão linchando judeus em Kiev! O que Obama vai dizer à AIPAC? A Rússia já dobrou Napoleão e Hitler. Vai ser fácil colocar de joelhos um presidente tão facilmente manipulável pelo aparato industrial-militar como é Obama.