segunda-feira, junho 02, 2014

Portugueses na luta pela Crimeia



Gomes Freire de Andrade

Nos últimos meses, muito se tem falado da Crimeia, península da Ucrânia que foi recentemente anexada à força pela Rússia. Moscovo baseou os seus direitos no facto de ter conquistado esse território à Turquia há mais de 200 anos e ele ter sido ilegalmente entre à Ucrânia pelo líder comunista Nikita Khruschov em 1954.
É verdade que o Império Russo sacrificou milhares de homens para conquistar a Crimeia e a parte meridional da Ucrânia, pois permitiu-lhe ganhar posições nas costas do Mar Negro.
Como era costume nessa altura, nas campanhas contra os turcos participavam militares estrangeiros, principalmente oficiais de alta competência. Por exemplo, nas campanhas realizadas entre 1788 e 1791, participaram dois ilustres militares portugueses que se cobriram de glória: Gomes Freire de Andrade e Manuel Inácio Pamplona Côrte-Real.
Sob o comando do Marechal de Campo e Príncipe Potemkin, o sargento-mor Gomes Freire de Andrade distinguiu-se nas batalhas nas planícies do Danúbio, na Crimeia e no cerco de Otchakov, no sul da Ucrânia. Pela sua valorosa atuação, Catarina II, imperatriz da Rússia, promoveu-o a tenente-coronel em 1790 e a coronel do Regime de Minas em 1791, concedendo-lhe ainda a Ordem de S. Jorge e uma espada de honra.
A 28 de abril de 1789, Francisco José de Horta Machado, embaixador de Portugal em São Petersburgo, escrevia para a corte portuguesa: “Gomes Freire de Andrade entrou no número dos que receberam a Ordem Militar de S. Jorge das mãos da imperatriz. Com que trará de aqui por diante no seu vestido um sinal de ter sido bravo... Quando agradeci ao Marechal Príncipe Potemkin a boa conta que devia ter dado do meu compatriota, e que lhe tinha conseguido esta distinção, respondeu-me: Monsieur Freire serviu perfeitamente bem”.
A 24 de setembro do ano seguinte, o militar português volta a ser premiado pela sua bravura em combate. Francisco Xavier de Noronha Torresão, encarregado da correspondência da Legação de Portugal em S. Petersburgo, comunicava para Lisboa: “O Comendador Gomes Freire de Andrade recebeu ontem uma espada de ouro, com a inscrição: “Pelo Seu Valor”, que Sua Majestade Imperial lhe mandou dar pelo Príncipe de Nassau. Faz gosto ouvir os elogios que não só os chefes, mas os seus companheiros, fazem da bravura, do zelo e da atividade do Comendador Gomes Freire Andrade”.

                         
                       Manuel Inácio Martins Pamplona Côrte-Real 

Manuel Inácio Martins Pamplona Côrte-Real entrou ao serviço da Rússia em agosto de 1784, sendo nomeado tenente do Batalhão de Granadeiros de Kiev. Em abril de 1790, quando já tinha sido promovido a primeiro major, foi enviado para a Flotilha a Remos do Negro, onde participou nos combates contra os turcos, nomeadamente em operações nas margens do Danúbio e na conquista de Ismail, que os turcos tinham transformado numa fortaleza inexpugnável.
Ele comportou-se como um oficial bravo, valoroso, inteligente e laborioso”, escreveu o general Iossip Ribas na certidão passada ao oficial português.
Outro conhecido general russo, Alexandre Suvorov, destacou também a bravura do primeiro major Pamplona na tomada de Ismail, tendo sido por isso condecorado com a Ordem de São Vladimir (4º grau com fita).

Mais tarde, este militar português foi agraciado com o título de conde de Subserra e foi ministro de D. João VI.

9 comentários:

PortugueseMan disse...

Artigo interessante.

Eu desconhecia esta participação de portugueses.

Vamos sempre aprendendo.

PortugueseMan disse...

Rússia suspende ultimato feito à Ucrânia para pagamento do gás

A companhia energética pública da Rússia, Gazprom, anunciou o levantamento do ultimato que tinha feito à Ucrânia, para pagamento da dívida do fornecimento do gás.

Kiev pagou uma tranche de 786 milhões de dólares – o equivalente a 576 milhões de euros – dos 3,5 mil milhões que deve a Moscovo.

Este pagamento corresponde ao gás fornecido nos meses de fevereiro e março e vai permitir que as negociações prossigam entre as duas partes para um novo acordo de contrato.

O encontro decorre esta segunda-feira, em Berlim. Kiev quer que o preço do gás volte aos valores do passado mês de dezembro. Na altura, a Rússia – em apoio ao ex-presidente Viktor Yanukovich -tinha reduzido o preço de 485 para 268,5 dólares por mil metros cúbicos, mas quando o regime de Yanukovich caiu voltou a aplicar as condições estabelecidas no contrato de 2009.


http://pt.euronews.com/2014/06/02/russia-suspende-ultimato-feito-a-ucrania-para-pagamento-do-gas/

Começaram as negociações a sério para o futuro da Ucrânia.

Vamos a ver no que a Ucrânia terá que ceder, para continuar a ter gás russo e gás com algum desconto.

Astromac disse...

No séc. XXI temos o Pippo, N. Amorim, chukcha, e de certo modo o PortugueseMan, ávidos lutadores pela propaganda russa na internet.

A propósito, agora que os cadáveres vão a enterrar na Rússia, já vão admitir que uma boa parte dos homenzinhos verdes no leste da Ucrânia são de facto soldados russos? É que já ninguém parece ter dúvidas, as explicações é que começam a ser cada vez mais rebuscadas.

Pippo disse...

A vida marcial do Gomes Freire em terras russas é de sobremaneira conhecida. Ele havia entrado tarde no exército e as suas perspectivas de promoção eram reduzidas, mas como era competente, ascendeu rapidamente no estrangeiro (Áustria, se não me engano, e Rússia). Se não estou em erro, ele foi o primeiro oficial a passar as muralhas de Oshakov.
A sua propensão para a intriga e o desprezo, quando não mesmo hostilidade pura e simples, em relação aos que ele considerava serem-lhe "socialmente inferiores", fez com que incorresse no desagrado do Potëmkin.
Essa sua atitude perante os outros também veio ao de cima durante a Campanha do Rossilhão, durante a qual ele e Marquês de Alorna, ambos do "partido aristocrático", fizeram a vida negra, entre outros, ao Teixeira Rebelo, homem do povo que subiu a pulso, com muito esforço, dedicação e estudo, mas que não era nobre! Teixeira Rebelo viria a fundar o Colégio da Feitoria, mas tarde Real Colégio Militar.

O Pamplona é famoso pela sua participação na "Legião Portuguesa ao serviço da França", unidade composta por elementos retirados do exército português sob Junot e que serviu Napoleão em Espanha, na Áustria e... na Rússia!

Curiosamente, quer o Gomes Freire, quer o Pamplona, quer o Alorna, serviram na Legião. Este último morreu em Riga ou Talinn (algo do género).

Pippo disse...

Pois, eu do lado da propaganda russa, o Astromac do lado da histérica propaganda filo-nazi de Kiev.
E quanto aos tais "soldados" serão eles, de facto, SOLDADOS russos? Pertencem às FA russas?
É que o que eu tenho lido na imprensa anglo-saxónica mais isenta (e que tem gente in loco) é que eles são voluntários, não sendo enviados para lá pelo governo de Moscovo como o são os "voluntários" do Oeste da Ucrânia (mercenários aparte) que nem sequer falam a língua da região.

Portanto, torna-se curioso que, aos olhos dos Astromacs e Dmytros de serviço, os que falam "galego" tenham legitimidade para intervir no Leste da Ucrânia, mas aos russos, a quem essa região pertencia há alguns séculos e que têm afinidades óbvias com a população local, tal legitimidade lhes seja negada.

Mas façamos troca de galhardetes noutra mensagem. Aqui fala-se do Gomes Freire e do Pamplona.

Já agora, JM, creio que esse seu "Iossip Ribas" era, na realidade, José Pascual Domingo de Ribas y Boyons, um grande oficial hispano-irlandês nascido em Nápoles que prestou inestimáveis serviços à Rússia.
Foi ele quem capturou a povoação que viria a refundar com o nome de Odessa, cidade RUSSA.

PortugueseMan disse...

Boa contribuição caro Pippo.

N. Amorim disse...

Caro Astromac, aqui fica mais uma contribuição de propaganda Russa.

Hoje Lugansk foi bombardeada pelas forças de Kiev. Kiev negou o ataque e adiantou que a explosão foi devido a um missel disparado pelos "terroristas" que seguiu o rastro de calor do aparelho de ar condicionado que o edifico tinha instalado e tal fez o missil explodir no edificio.

(In)Felizmente que cada vez mais pessoas tèm neste um momento um telemovel capaz de gravar e fazer upload rapidamente para todos os cantos do mundo.

Fica á sua disposição procurar pelo resultado final da incursão de Kiev, garanto-lhe que não faltam videos.

Hoje, felizmente, não precisamos de levar com tudo aquilo que os "experts" nos enfiam pelas goelas na TV.

Pippo disse...

Obrigado, PM. Ainda sei umas coisas de História Militar e a memória pouco me falha.

Jair Custodio Silva disse...

Site vergonhosamente anti russo. Perde totalmente a credibilidade.