domingo, junho 01, 2014

Abkházia: a segunda Ucrânia para a Rússia?



O Kremlin passou a ter mais um foco de tensão perto das fronteiras da Rússia, num feudo seu chamado Abkházia. O dinheiro que Moscovo envia para este “estado” saído da guerra contra a Geórgia parece não chegar para todos.
No passado dia 29 de maio, o Parlamento da Abkházia aprovou um voto de desconfiança no primeiro-ministro Leonid Lakerbaia e propôs ao presidente Alexandre Ankvab que se demitisse. A 31 de maio, o Parlamento decidiu marcar eleições presidenciais antecipadas para 24 de agosto e nomeou o seu dirigente, Valeri Bganba, presidente interino do país.
Sem esperar resposta do presidente, a maioria dos deputados, que representam a oposição nessa região separatista da Geórgia que proclamou a independência em setembro de 2008 com apoio de Moscovo, ocuparam o palácio presidencial.
Claro que Alexandre Ankvab se recusou abandonar o cargo e refugiou-se numa base militar russa instalada na região.
Entre as causas do conflito estão o facto de a clã de Ankvab ficar com a quase totalidade da ajuda económica russa, a corrupção, o alto nível do desemprego e da pobreza entre a população local.
O Kremlin ficou preocupado com este potencial novo foco de tensão e decidiu enviar para a Abkházia dois altos funcionários seus: Vladislav Surkov, assessor de Vadimir Putin, e Rachid Nurgaliev, vice-secretário do Conselho de Segurança da Rússia.
Por enquanto, não parece ser provável o aparecimento de alguma força que ponha em causa o poder russo na Abkházia, porque 2/3 do orçamento desse “estado” é constituído por dotações da Rússia, mas o Kremlin não quer ver aparecer mais um foco de tensão junto das suas fronteiras, principalmente no Cáucaso.
Do ponto de vista jurídico, o conflito na Abkházia faz lembrar a crise na Ucrânia, onde o presidente Ianukovitch foi derrubado pela oposição com a ajuda do parlamento, mas as semelhanças, por enquanto, ficam-se por aqui. Os apoiantes da oposição manifestam-se nas ruas de Sukhumi, capital da Abkházia, mas essas manifestações não se deverão transformar em mais um “Maidan”.
A Geórgia, que não perde a esperança de recuperar este território seu, olha com atenção para o desenrolar do conflito.
Irakli Alassania, ministro georgiano da defesa, comentou: “o país ocupante continua não só a anexação militar, mas também política”.

Entretanto, os enviados do Kremlin tentam conseguir um acordo entre Ankvab e a oposição para estabilizar a situação.

P.S. Depois de intensas conversações, Ankvab aceitou renunciar ao cargo. Vamos ver  desenrolar dos acontecimentos.

8 comentários:

nuno_inzaghi disse...

caro JM a populacao que exigiu a demissao do presidente da abcasia tinha bandeiras do seu pais mas tambem da russia por isso nada tem a ver com a revolucao patrocionada pelo ocidente na ucrania

nuno_inzaghi disse...

caro JM a populacao que exigiu a demissao do presidente da abcasia tinha bandeiras do seu pais mas tambem da russia por isso nada tem a ver com a revolucao patrocionada pelo ocidente na ucrania

José Milhazes disse...

Nuno, leia com atenção o que escrevi.

PortugueseMan disse...


Abkházia: a segunda Ucrânia para a Rússia?


Não.

Patamares diferentes.

Não estou a ver grandes problemas vindos daqui. Será apenas mais uma situação entre tantas para gerir.

Anónimo disse...

Com a ajuda do Parlamento?
O José Milhazes vê as coisas um pouco do avesso e nem sei como Moscovo o tolera.
Isto é tudo uma anedota pegada a começar no delegado, da OSCE para o Cáucaso, João Soares, o tal que dá lições de moral ao Putin até a este divulgador da cultura Russa por terras de Portugal.
José Corvo


Pippo disse...

Tinha enviado este artigo para publicaçao neste blog, mas presumo que o JM esteja com um problema no seu email...


REVELAÇÕES SOBRE A MATANÇA DE KRASNOARMEYSK (parte 1)

http://cdn-parismatch.ladmedia.fr/var/news/storage/images/media/images/ukraine-24/5223768-1-fre-FR/Ukraine-2_inside_full_content_pm_v8.jpg

Andrey Denisenko , um dos líderes do grupo nacionalista Pravy Sektor, visto aqui entrincheirados na Câmara Municipal de Krasnoarmeysk no domingo, dia 11 de maio, a falar para a multidão que quer entrar para tomar parte no referendo. Ao lado, o mesmo, fotografado em 22 de Março de 2014 em Kiev, durante uma conferência de imprensa dada pelo Pravy Sektor . A bandeira do grupo pode ser visto no fundo : vermelho e preto com um tridente.
© DR / Paris Match

Membros do grupo ultra- nacionalista ucraniano Pravy Sektor participaram num ataque tipo comando contra o referendo no Donbass no último domingo, matando dois civis desarmados na cidade de Krasnoarmeysk , conforme descobriu uma investigação da Paris Match.

Rumores circulavam entre os separatistas durante várias semanas sobre a existência de militantes radicais do Pravy Sektor (ou «Sector de Direita») escondidos no meio das forças leais ao governo de Kiev com vista a perpetrar acções visando os grupos pró-russos no Leste da Ucrânia . Apesar de ser uma pequena força política, o Pravy Sektor desempenhou um papel significativo nos combates de rua que conduziram à queda do ex-presidente Viktor Yanukovitch durante a Revolução da Maidan, em Kiev, em Fevereiro passado. Formada como uma aliança de pequenos grupos de extrema-direita , o movimento é descrito como «fascista» pelas populações pró-russas da Ucrânia Oriental, que acusam regularmente os seus militantes de causar problemas por qualquer meio. Estas acusações têm sido constantemente repetida por numerosos meios de comunicação russos próximos do Kremlin, e tornaram-se uma parte importante da feroz guerra de desinformação que se joga actualmente na Ucrânia. Mas estes rumores, até ao momento não tinham sido comprovados, a ponto de serem classificados como uma farsa no twitter e da Internet.


O boato , no entanto, tem sido , em parte, verificado por uma série de fotos tiradas pelos fotógrafos do Paris Match . Estas imagens mostram Andrey Denisenko , um dos chefes do Pravy Sektor, no meio de um grupo de misteriosos atiradores que atacou um posto de votação no domingo na pequena cidade de Krasnoarmeysk, a cerca de 60 quilómetros da «capital» separatista de Donetsk . Depois de ocupar a Câmara Municipal por várias horas, os milicianos abateram à queima-roupa um civil local, e mataram dois outros manifestantes desarmados .



Sequência de eventos :

O grupo de mais de uma dúzia de homens armados chegou a Krasnoarmeysk por volta das 14h30 de domingo , perseguindo activistas do referendo local do centro de votação, onde a votação estava sendo realizada.


http://cdn-parismatch.ladmedia.fr/var/news/storage/images/media/images/ukraine-32/5223776-1-fre-FR/Ukraine-3_inside_full_content_pm_v8.jpg

À direita da imagem, Andrey Denisenko , um dos líderes do grupo nacionalista Pravy Sektor , atira para o ar para dispersar a multidão tentando tomar parte no referendo separatista Donbass . O homem de barba à sua esquerda foi identificado por muitas testemunhas como um líder do «Batalhão Dniepr», uma recém-formada milícia pró- Kiev.
© DR / Paris Match

(cont)

Pippo disse...

REVELAÇÕES SOBRE A MATANÇA DE KRASNOARMEYSK (parte 2)

A milícia trancara-se na Câmara Municipal desta modesta cidade industrial, perdida nas vastas planícies do Donbass, perto da fronteira entre a região de Donetsk e da região de Dnepropetrovsk , que na sua maioria se manteve fiel a Kiev. «Chegaram a dizer -nos que pertenciam à Guarda Nacional, mas sabíamos que era uma mentira» , disse Vitalik Naydiomov, uma testemunha. «Todos nós reconhecemos as carrinhas que eles estavam conduzindo , do PrivatBank» . Este banco tem visto várias das suas agências queimadas até ao chão no Leste da Ucrânia. Pertence ao oligarca local, Igor Kolomoisky , um dos principais apoiantes do governo interino actual , em Kiev. Kolomoisky acontece também ser o governador da região de Dnepropetrovsk. Várias fontes alegam que ele criou uma nova milícia pro-Kiev, o «Batalhão Dnieper» . E muitas testemunhas do assassinato de domingo insistem que reconheceram os seus homens entre os homens armados , embora ninguém possa sustentar a acusação com provas. Kolomoisky não fez nenhum comentário sobre o incidente. O governo , por outro lado, negou categoricamente que a Guarda Nacional ou qualquer outra unidade de suas forças regulares tenham tomado parte no ataque. O governo de transição acrescentou num comunicado que estava abrindo uma investigação criminal sobre os assassinatos.


Uma milícia sombria:

Embora não haja provas relativamente a quem é que esta milícia responde, a Paris Match foi capaz de estabelecer que um dos líderes do Pravy Sektor estava de facto entre os homens armados no domingo. Andrey Denisenko , vice-chefe do grupo nacionalista e seu chefe em exercício na região de Dnepropetrovsk, aparece no palco em fotos tiradas por um fotógrafo da Paris Match , durante uma reunião do partido em Kiev em Março passado, quando o movimento anunciou que iria participar nas próximas eleições presidenciais. Ele também apareceu em vários sites da Internet , durante uma conferência de imprensa anunciando a criação de seu grupo .


Finalmente, ele é visível , no domingo , 11 de maio , na entrada da Câmara Municipal de Krasnoarmeysk . As fotos da Paris Match mostram-no a brandir a sua espingarda automática Kalashnikov , e em seguida a disparar rajadas por cima das cabeças da multidão. Várias testemunhas também indicaram que o homem de barbas visto ao lado de Denisenko em várias das fotos é um líder do «Batalhão Dnieper» , mas isso não pôde ser verificada de forma independente.


Várias testemunhas também disseram ter ouvido alguns dos atiradores a falar com forte pronúncia do Oeste da Ucrânia . Eles também notaram que alguns dos atiradores pareciam vir da área do Cáucaso, possivelmente mercenários da Chechénia. Outros atiradores nunca proferiram uma única palavra e pareciam estranho à região. O fotógrafo de guerra francês Jerome Sessini passou cerca de uma hora cara a cara com os atiradores antes de estes abrirem fogo . «Achei a sua atitude em geral e as suas técnicas muito precisas, dando-me a impressão de que eles eram mercenários americanos, ou pessoas treinadas por mercenários americanos» , disse Sessini .


«Não posso garantir isso com certeza, mas eu daria um 95 por cento,» acrescentou o fotógrafo, que frequentemente interagiu com várias empresas de segurança dos Estados Unidos durante os anos em que cobriu as guerras no Afeganistão e no Iraque. Em Krasnoarmeysk , vários homens armados estavam mascarados ou usavam lenços estilo keffieh, o que tornou mais difícil de identificar quem de entre eles tinha disparado os tiros mortais.


Civis sob choque

Já era 05:00h no momento em que uma pequena multidão de civis desarmados tentou recuperar o edifício das mãos da milícia. Um vídeo amador, entregue à Paris Match por um vizinho, mostra tensão crescente à medida que os milicianos gradualmente perdiam terreno.

https://www.youtube.com/watch?v=nLwtCqJl8Kg

(cont.)

Pippo disse...

REVELAÇÕES SOBRE A MATANÇA DE KRASNOARMEYSK (parte 3)


Um dos líderes da multidão é Ruslan Sergeyvitcch Pilipenko . O forte trabalhador de 32 anos é um dos mineiros da região. Ele pode ser visto nas imagem avançando com raiva em direcção aos milicianos. Um atirador empurra-o de volta com a coronha da sua espingarda, mas Ruslan volta a avançar, apesar do cano de espingarda apontado ao seu estômago. O atirador abre fogo à queima-roupa, partindo o seu tornozelo esquerdo.


http://cdn-parismatch.ladmedia.fr/var/news/storage/images/media/images/ukraine-72/5223808-1-fre-FR/Ukraine-7_inside_full_content_pm_v8.jpg

A multidão corre para ajudar , sem medir a escala completa do incidente. Pois, a poucos metros atrás, Vadim Khoudich acaba de colapsar. «Ele não estava armado , ele não era agressivo de qualquer forma, ele não estava fazendo nada ,» diz o amigo e vizinho Vitalik Naydiomov . No vídeo que ele nos mostra , um dos homens mascarados é claramente visível numa janela do primeiro andar .


«Não foi nenhuma bala perdida: o médico disse-nos que ele tinha atirado a matar, directamente.» Em frente à Câmara Municipal, um buraco no chão asfaltado mostra onde se deu o impacto. Vadim morreu no local. Uma única bala atingiu-o no queixo e rasgou através da sua coluna na saída. Manifestantes companheiros arrastaram-no para um relvado, impotentes, enquanto os atiradores saltavam para as suas carrinhas para saírem dali. Enquanto eles partiam, Yuri Nikolenko, com raiva, apedrejou-os [sendo em seguida atingido fatalmente no ombro direito].


http://cdn-parismatch.ladmedia.fr/var/news/storage/images/media/images/ukraine-9/5223824-1-fre-FR/Ukraine-9_inside_full_content_pm_v8.jpg

http://cdn-parismatch.ladmedia.fr/var/news/storage/images/media/images/ukraine-10/5223832-1-fre-FR/Ukraine-10_inside_full_content_pm_v8.jpg


O canalizador de 38 deixou duas filhas: Valeria, de 14, e Vlada, com dois anos e meio . « Ele ligou-me no telefone para avisar que havia problemas na Câmara e que eu não deveria vir votar , » disse a sua viúva, Natasha, como arquivar vizinhos passado o caixão no prédio da era soviética no bastante despenteado conjunto habitacional onde morava. « Minutos depois, ele estava morto ", completa Natasha, uma morena frágil com uma voz trémula , escondendo as lágrimas atrás de grandes óculos escuros. «Algumas pessoas estão tentando entender o que aconteceu. Mas a mim só me ficou o sofrimento,» continua. «Você ao menos entender isso?», perguntou , tirando os seus óculos escuros para olhar directamente nos nossos olhos. «Não, não pode , claro que não . Ninguém pode ...»


http://www.parismatch.com/Actu/International/Revelations-on-the-Krasnoarmeysk-killing-564127