sábado, maio 26, 2007

Detenção de turistas portugueses e espanhóis na Letónia comentada na Internet


A detenção de cinco portugueses e dois espanhóis na semana passada em Riga, capital da Letónia, está a provocar acesa discussão na Internet letã.

A informação divulgada pelo jornal electrónico “Delfi.lv” já foi comentada por quase 300 cibernautas.

Os cinco cidadãos portugueses e dois espanhóis foram detidos em Riga por terem roubado e profanado bandeiras da Letónia, declarou Aigars Berzins, porta-voz da Polícia de Riga, acrescentando que “os portugueses nasceram em 1971, 1977, dois em 1980 e um em 1982; os espanhóis em 1982 e 1983”.

Segundo a lei russa, os jovens incorrem numa pena de prisão que pode ir “até três anos de prisão, ou trabalhos forçados, ou uma multa até 50 ordenados mínimos”.

Alguns cibernautas não duvidam que as autoridades letónias não terão “mão pesada” a castigar os ibérios.

“Pedirão desculpa por os terem detido e deixá-los sair em paz” – escreve o cibernauta He.

Tamplier escreve: “Organizarão para eles uma palestra e deixarão que regressem à pátria, não pagarão multa, nem irão para a prisão. Mas começa a ser uma tendência: os ingleses “aliviam-se” junto da Milda (Estátua de jovem que simboliza a Letónia), agora os portugueses e espanhóis pisam a bandeira, e que virá depois?”

“Pagam 300 lats (cerca de 300 euros) de multa e mais nada, porque são estrangeiros. Se fossem russos, iam para a cadeia” – escreve o cibernauta ZZ Top.

Outros “navegadores” da net propõem outras formas de castigar os portugueses e espanhóis.

“Se não conseguirmos fazer com que nos respeitem, ainda será pior. Esses turistas devem apanhar pela medida grande, para que sirva de exemplo para outros” – defende Nick.

“Como castigo, eles devem ser condenados a fazer uma visita ao museu da ocupação (soviética) para compreenderem a dor do povo letão” – escreve Dragula.

O cibernauta He-He pede às autoridades judiciais letãs para que “a descoberta da América por Colombo não sirva de circunstância atenuante para esses canalhas”.

Quanto às razões que poderão ter levado os sete ibéricos a insultar a bandeira da Letónia, elas, segundo os cibernautas, são muito diversas.

“Os espanhóis e os portugueses sentiram-se touros e atiraram-se contra a cor vermelha da bandeira” – considera o cibernauta “Dono de um par de cornos”.

“Que querem ? – pergunta Kotian, e responde: - os filhos dos donos vieram divertir-se e levaram-nos imediatamente para a esquadra. O Papá não vai gostar!”

“Pensavam que a União Europeia era um conto de fadas, mas as hemorróides estão só a começar” – prognostica T-34.

“Muito bem, ibéricos! Chegou a hora de os letãos se libertarem do síndroma da admiração desenfreada face aos europeus” – conclui Seva.

O jornal Telegraf de Riga comenou assim o incidente: “actos descarados de irmãos da União Europeia têm aumentado nos últimos tempos. Todos se recordam do inglês que foi urinar junto ao monumento da Liberdade, dos turistas que repetiram esse feito junto do relógio “Laima” na presença de habitantes de Riga. No Ministério do Interior reconhecem que o problema existe, mas afirmam que o trabalho preventivo com os estrangeiros para que não façam porcarias dessas não é da sua competência”.

21 comentários:

M0rph3u disse...

Talvez a criacao de WCs publicos ou trem mais cuidado com os simbolos nacionais da Letonia ajudasse a evitar estes mal entendidos.
Nao me parece que se tenha vontade de urinar perto de monumentos historicos de proposito, nem tao pouco andar a pisar bandeiras de "Paises Irmaos da Uniao Europeia".
Ao menos continuamos a ser um povo pacato. Toda a gente pisa a nossa bandeira e ninguem se chateia com isso...

Francisco disse...

Estimado amigo

Não parilho opiniões pessoais devido a falta de qualidade da prosa, aliás como tem sido hábito no seu blog. Mas queria deixar, uma vez mais, o meu agradecimento pela sua disponibilidade e atenção para connosco ( leitores, cibernautas, interessados ). A sua amabilidade mantêm-nos informados e atentos ao que se passa nessa distante e ainda Europa.

Cumprimentos.

Francisco P.

rouxinol de Bernardim disse...

Excelente o contributo que nos traz para olharmos em profundidade este mosaico global que partilhamos. Obrigado, mestre.

Jose Milhazes disse...

Estimado leitor Francisco, não compreendo qual a relação entre as opiniões pessoal e a qualidade da prosa, mas ficaria grato se me enviar críticas concretas a esse propósito. Serão úteis para o meu posterior trabalho e sempre bemvindas.

ah-pois-e disse...

É pena que todos acreditem que os turistas portugueses, de facto, pisaram a bandeira.

É mentira. Tiraram, isso sim, a bandeira da tal Igreja num acto irreflectido, mas de maneira alguma pisaram ou "destruíram" a bandeira. Nós (amigos dos portugueses detidos) sabemos disso porque eles estavam com outros amigos letãos em Riga - amigos de quem temos contacto - e juram que eles não fizeram nada.

No entanto, sabemos que eles estão sofrer de condições horríveis dentro da prisão, maus tratos e um dos detidos já perdeu 7kg no espaço de 10 dias. Isto para não dizer que estão detidos há 10 dias sem julgamento nem contacto com o exterior.

Queremos liberdade para os detidos, já! Sabemos que a embaixada portuguesa está a ajudar imenso o processo e temos esperança que vão sair em liberdade durante esta próxima semana...

nicolacoelho disse...

Este energúmenos só nos envergonham. Deviam ser castigados e bem, para aprender um pouco de boa educação, já que parece que em Portugal não aprenderam nada.

ah-pois-e disse...

Talvez se um dia fôr acusado injustamente de fazer algo que não fez, se calhar mudará de opinião.

"Inocente até prova ao contrário" é a base de qualquer sistema judicial moderno e democrático. É pena que até em Portugal há gente que não pense assim...

Jose Milhazes disse...

Caro leitor ah-pois-e, se tiver algum contacto com os reclusos em Riga, escreva-me, pois eu estou muito interessado em contactar com eles.

Simões disse...

Também não acredito que se trate de profanar símbolos nacionais. Trata-se duma ideia parva que correu mal. Tentaram levar uma lembrança muito mal escolhida, vá.

Agora admitamos, é uma estupidez roubar bandeiras e urinar em monumentos, especialmente em países onde a liberdade e a independência são conquistas recentes.

Tenho pena é que este caso seja tratado como propaganda contra os turistas. Não faria mal nenhum às autoridades locais admitir que permitiram (e incentivaram )que Riga se tornasse uma capital do sexo e do álcool barato. Agora usam estes jovens como bode expiatório.

Só espero que tudo se resolva rapidamente, que possam sair em liberdade brevemente... e já agora, um dos bloggers tem razão: se fossem de etnia russa, estavam numa situação imcomparavelmente pior.

Novamente, um grande agradecimento a si, José, por nos manter a par destas coisas.

ah-pois-e disse...

Caro José,

Obrigado pelo seu interesse - acabo de lhe escrever um email com mais informação.

nicolacoelho disse...

Vivo no Canadá, e tive a pouca sorte de ser compatriota de uns quantos palhaços que se lembraram de urinar num monumento aos veteranos da primeira e segunda guerra. Tudo apanhado em directo nas câmaras. Claro que foi notícia de primeira página e um muito mau serviço para a imagem do nosso país. Não há pachorra para a idiotice e falta de respeito que existe em Portugal. Tudo se desculpa e relativiza. Falta responsabilizar as pessoas pelos seus actos.

J disse...

Quando esta notícia foi divulgada nos meios de comunicação portugueses, falava-se em "cinco jovens portugueses, com idades entre os 25 e os 36 anos" e que estavam "em estado de embriaguez". Por breves instantes, quase que foram equiparados a uma viagem de finalistas do 9ºano.

Acontece que aos 25 anos, já ninguém é um "miúdo" que não tem consciência da gravidade dos seus actos. Há coisas bem mais produtivas para fazer em Riga que não incluem álcool a mais e profanar a bandeira nacional do país, além de que isso vai deixar os portugueses com muito má imagem na Letónia.

Se de facto se verificou o que foi relatado, as autoridades letãs devem castigar exemplarmente os cinco portugueses e os dois espanhóis de acordo com as leis adequadas, não se pode permitir que os símbolos nacionais de um país sejam desrespeitados deixando os responsáveis impunes.

ah-pois-e disse...

Algumas boas notícias da Letónia. Acabo de saber que 3 dos 7 detidos foram libertados há pouco tempo. Ou seja, provou-se que eles estao inocentes.

No entanto, nao esquecer que foram detidos SEM RAZAO e durante 12 dias em condiçoes horriveis. E quatro deles continuam lá dentro.

A todos aqueles que cegamente acreditaram na notícia oficial, pode ser que agora mudem de opiniao. E que pensem duas vezes antes de escrever comentários sobre casos que pouco conhecem.

Esperemos que os outros 4 tenham igual sorte nos próximos dias...

José Pedro Ribeiro disse...

Estou de acordo com Ah-Pois-E: as pessoas gostam muito de se apressar a dar opiniões sobre factos que não testemunharam e mais rápidos ainda se tornam quando se trata de condenar. Parece que em cada cidadão português há um juiz.

Jose Milhazes disse...

Estimados leitores, um dos portugueses envolvidos nesses acontecimentos, telefonou-me a relatar que as coisas não foram como relatou a polícia e que farão saber a sua versão em breve. Três já foram libertados e ilibados de qualquer acusação, mas dois portugueses e espanhóis ainda se encontram na prisão em Riga.
Por isso, vou estar atento a este caso e peço-vos que não sejamos rápidos a condenar.

ah-pois-e disse...

Poderão ler um relatório em inglês feito por um dos Portugueses libertados em www.rigacase.com

Não sei o que se pode fazer numa situação destas, mas as autoridades letãs deveriam pagar dalguma maneira.

Espero que aqueles que acreditavam que os detidos eram culpados, agora saiam em defesa deles e que critiquem as autoridades letãs com a mesma força que criticaram-lhes quando estavam dentro da prisão sem comida e sem razão...

Ricardo disse...

Conheço directamente uma das pessoas que ainda está detida.

Infelizmente, há que criticar nestas situações. De facto a idade não é de 15 anos, mas sim 25, e a responsabilidade deveria pesar.

A questão importante neste caso, é o modo como foram detidos, acusados, e aparentemente condenados.

O problema é que a acusação está a envolver alguns aspectos políticos e as coisas podem alcançar proporções despropositadas. O tratamento que estão sujeitos na prisão em Riga é preocupante.
Como podem ver no mail abaixo, está a ser organizada uma manifestação amanhã em frente à embaixada da letónia em lisboa. A ideia é tornar o caso mais mediático de forma a que exista alguma pressão política que possa pelo menos garantir que eles não são mal tratados.

O objectivo não é desculpar, mas sim que sejam garantidos os seus direitos. Confirmo que as autoridades os agrediram e que os ameaçaram com armas.

Ricardo

> A situação já foi notificada nas noticias, hoje sexta feira vai haver
> uma
> conferência de imprensa no aeroporto com um dos Portugueses já
> libertados às
> 18h. Pretende-se fazer uma manifestação em Lisboa junto à embaixada de
> Lisboa este Sábado ( não será o melhor dia devia de ser durante a
> semana,
> mas o que acontece é que à mesma Hora às 17h vai haver uma tambem em
> Madrid,
> quando for o jogo Espanha-Letónia), segunda feira de manha deve de haver
> uma
> outra, esta em conjunto com pessoal em vários paises da Europa.
>
> O que peço é que consigam falar com o máximo de amigos do Paulo e
> passar a
> mensagem, para estarem no Sábado em frente à embaixada da Letónia em
> Lisboa!!!!

João Correia disse...

Olá a todos. Sou amigo de um dos portugueses que estão detidos, o João. Sei de fonte próxima que o tratamento não está a ser bom. Ele tem uma doença crónica e penso que nem os medicamentos tem tomado devidamente. Sei, que se tirou alguma bandeira para trazer como recordação, o fez num acto sem maldade, sem sequer pensar que tal provocaria tanto mal estar. Conheço-o pessoalmente, privei com ele na faculdade. É uma pessoa que não faz mal a uma mosca, amigo do amigo, sempre a levar a vida a sorrir. Sei que não merece isto apesar do acto de trazer as bandeiras não tenha sido o mais feliz. Se quiserem ajudar apareçam amanhã -sábado, 02JUN- em frente à embaixada da Letónia às 17h. Muito obrigado a todos, J. Correia

Jose Milhazes disse...

Comentário enviado por mail pelo leitor que assina "Rei Labrador:
"Caros leitores,
Não consegui resistir a uma leitura dos vossos comentários. Eu já estive em Riga durante 2 anos e devo confessar que Letónia é um país muito lindo; tem muita natureza, boa cultura e ao mesmo tempo uma complicada convivência. Precisei de tempo para entender o comportamento do povo letão já visivelmente marcado pela antiga União Soviética. Tive a dificuldade de reconhecer os valores daquela sociedade letã que, ao fim e ao cabo, a única coisa que soube fazer foi apenas respeitar esses valores só pelo facto de sentir-me como um estrangeiro. Hoje em dia ainda se nota o controlo de liberdade de expressão do povo letão por parte dos actuais polícias e dirigentes russos, coisa que em Portugal o nosso povo está acostumado a dizer e a fazer o que lhes apetecerem e que a maioria de nós não dá por isto.

Sinceramente, posso dizer que amei Letónia pela sua natureza e cultura e tudo o mais que pude apreciar com coração e respeito, mas prefiro Portugal à moda de "Zé Povinho" pois só assim o povo português entende que, o que diz ou o que faz, nunca teria intenção de fazer mal a ninguém. O povo russo e português são, sobretudo, duas nações completamente diferentes devido à sua cultura e religião da mesma forma como uma caricatura de Maomé é uma piada que aparentemente nos dá gozo mas não passa de uma brincadeira para os árabes. Quem diria que um castigo assim levaria à decapitação..!

A mesma coisa se passa com os russos de Letónia: O incidente ocorrido pelos portugueses e espanhóis a respeito do lamentável abuso da bandeira letã, deve-se por desconhecer os valores morais e educacionais daquele país e a maioria dos portugueses não sabem que o desrespeito na sociedade letã é um acto muito grave. As bandeiras letãs estão em todo o lado, são içadas todos os dias nas escolas, bancos, edifícios, supermercados, arredores e até mesmo nos celeiros - o que para os portugueses faz lembrar a mesma quantidade das bandeiras portuguesas por ocasião do campeonato de futebol Euro2004. Com tantas bandeiras letãs, era de prever que alguém cometesse um incidente despropositado, principalmente aos turistas portugueses que estão habituados a viver na liberdade de expressão, coisa que actualmente é muito vigiada em Letónia. Para mim, quer dos ibéricos ou da polícia letã, o relacionamento falhou em ambas as partes a nível de respeito europeu, mas a polícia letã estava plenamente consciente dos duros e pesados castigos que fizeram aos ibéricos e estes, por seu lado, embora bêbados e turistas, desconheciam os valores morais daquele país por divergir de cultura/religião. Foi um acidente que não mereciam um pesado castigo, mas compreende-se a profunda mágoa do povo letão em relação ao que fizeram às bandeiras do seu país da mesma forma como para os árabes em relação cartoonistas que são uma ofensa sem precedentes.

Eu comparo a educação letã ao estilo do colégio inglês, onde os alunos estão vestidos a rigor e os professores impiedosos nos castigos que fazem. Em Portugal, o sistema de educação é muito diferente: os professores mal podem tocar nos alunos que são livres no que dizem ou no que fazem. Outro exemplo, no trânsito de Letónia, é fácil apanhar uma multa numa estrada larga e em linha recta que, para os estrangeiros, pode parecer de imediato uma "via rápida" de duas faixas mas não é como parece. Se passarmos numa localidade que mal se percebe a existência de uma aldeia ou de um cruzamento, onde supostamente não existem sinais de limite de velocidade (50km/h) que nos habituamos a ver por cá, e, mesmo andando 65 km/h, qualquer condutor acaba por receber uma multa. Quem diria, uma infracção numa "via rápida" de duas faixas..!
E só seria possível livrarmos da multa se darmos algum dinheiro pessoal aos polícias (depende do caso e da sorte), o que é um outro problema relacionado a corrupção.


Coisas assim seria bom demais para um país russo como a Letónia com vistas tão naturais e pacíficas e com tanto respeito controlado, fosse assim para sempre com aquelas letãs extremamente belas e jeitosas (sim, pl'a caramba!)... mas para ser sincero e por experiência que lá passei, não há muitos portugueses que conhecem a vida letã e nisto devo reconhecer que existe alguma coisa de estranho naquele país que, à primeira vista, pode ser um problema de mentalidade ortodoxa do povo russo que, de uma maneira ou outra, se compromete a dar alguma paranóia aos estrangeiros. É preciso estar em Letónia por um longo tempo para se adaptar a esta mentalidade que só os russos entendem.

Enfim, Letónia comprometeu-se a fazer parte da União Europeia e, como referência à evolução de uma sociedade de múltipla nacionalidade que se vai inserindo naquele país nos próximos anos; é de prever que surjam incidentes como choques de cultura ou religião como aconteceu o caso das bandeiras. Antes da declaração europeia, nenhum estrangeiro podia comprar um terreno em Letónia mas por obrigação das normas da União Europeia, já é permitido comprar terrenos apesar de não ser este o desejo do governo letão. Muitas mudanças como estas estão a acontecer naquele país onde os próprios russos ainda não se habituaram a aceitar os novos hábitos europeus como é o caso da liberdade de expressão ocidental. É tudo uma questão de respeito e, para quem tem ar de "Zé Povinho", cuidado!"

miramundo disse...

Caro José Milhazes,

Não tenho dados certos sobre os factos em apreço que alegadamente os portugueses cometeram na Letónia;tal como não tem os restantes comentadores. Mas aqui o que mais me interessa comentar e está a tornar-se muito preocupante, é a a frequencia com que estes factos estão a acontecer com portugueses em viagem a outros países. Convém estarmos atentos e não relativizarmos e tudo desculparmos como se nada se tivesse passado!....... Está a passar-se algo de grave com os portugueses nas viagens ao exterior. Perderam completamente a noção do que é boa educação e de como nos devemos portar quando vamos a casa dos outros. Se eu visse alguém tratar de modo negativo a bandeira do meu país, fosse porque modo fosse, garanto-lhe que reagiria violentamente. É tempo de nos enxergarmos e deixarmos de desculpar as chamadas "criancices". Quem se porta mal tem que se sujeitar às consequencias, sejam elas quais forem.

João Ricardo disse...

Caro José Milhazes,

Sendo eu um dos sete envolvidos neste caso, venho, deste modo, esclarecer acerca do que se passou na Letónia.

Íamos a caminho da casa onde estavamos alojados (casa de uns amigos nossos letões - após uma noite, na qual estes foram mais cedo para casa, uma vez que trabalhavam no dia seguinte), até que, entre nós, surgiu a TRISTE ideia de retirar (ou, se quiserem, roubar/furtar) umas bandeiras que, não obstante serem de considerada dimensão, não estavam hasteadas, mas sim colocadas com as arestas maiores na direcção vertical e presas, aos pares, em cada um dos postes que decoravam uma avenida junto ao rio Daugava, no centro de Riga.

Pelo que nos foi dado a entender, alguém que viu os acontecimentos, telefonou para a polícia dando declarações falsas: disse que tinhamos pisado as bandeiras.

Daí, resultou a nossa detenção violenta por parte da polícia (bateram-nos - apesar de não termos resistido), levaram-nos p/ a esquadra, depois para um centro de detenção e fomos a um julgamento para que nos ditassem as medidas de coacção que acabou por ser prisão preventiva.

Posso dizer-vos que a acusação inicial era profanação (por, ALEGADAMENTE, termos pisado a bandeira). Fomos depois ilibados de ter pisado a bandeira, mas ACTUALMENTE ainda nos acusam de profanação por termos retirado a bandeira do sítio. Adicionalmente, acusam-nos de roubo (ou furto) PREMEDITADO e em GRUPO - basicamente, segundo a acusação, somos um grupo organizado.

Para os comentários sedentos de "sangue", lamento informar-vos, mas nós assumimos o que fizemos e aceitamos as consequências (aceites para um país da União Europeia) pelo que FIZEMOS EFECTIVAMENTE. E o que fizemos foi ter uma atitude IRRESPONSÁVEL de roubar uns pedaços de pano que, dando-lhes alguma conotação da nossa parte, asseguro-vos que representava um país e uma viagem onde um grupo de amigos estava a passar uns bons momentos na Letónia.

Se os iluminados dos comentadores (que sabem, essencialmente, "inverdades" sobre o caso) julgarem que 20 dias numa prisão da ex-união soviética (tendo saído sob uma fiança de quase €4.000) + 10 dias sem poder saír do país + despesas de estadia e alimentação + despesas com advogados letões (€100/hora) + todos os problemas inerentes = NÃO SÃO SUFICIENTES para nos castigar, não fiquem tristes porque:
- vamos ter mais despesas numa nova deslocação para o julgamento;
- ainda vamos a julgamento onde podemos ser castigados até 9 anos de prisão efectiva;
- as nossas famílias vão estar numa enorme angústia, não sabendo se voltaremos brevemente ou não.
Se querem a minha modesta opinião, tratem de se certificar sobre as informações que vos são dadas, se querem fazer juízos de valor.

Aos comentários de apoio estamos todos bastante agradecidos. Nomeadamente de quem assina como "Rei Labrador", comentário enviado pelo José Milhazes. Este comentador demonstra a sua enorme sapiência resultante, certamente em grande parte, pelo seu contacto com outras culturas - neste caso, a letã.

Aproveito para me disponibilizar para ser contactado pelo José Milhazes - seria um prazer poder contactar directamente consigo e certamente terá acesso ao meu contacto através de das televisões portuguesas (Pela RTP, sugiro a Dra. Sandra Duarte).

Obrigado pela atenção dispensada a cada um dos leitores,
João Silva