terça-feira, setembro 04, 2007

Editora suspende publicação de livro do xadrezista Garri Kasparov



A editora russa “Eksmo” recusou-se a publicar o livro de Garri Kasparov “Xadrez enquanto modelo de vida”, informa kasparov.ru, o sítio do antigo campeão do mundo de xadrez na Internet.
Segundo esse sítio, o livro deveria ser publicado em Setembro e lançado na Feira Internacional do Livro de Moscovo.
“É evidente que pretendem fechar à oposição qualquer canal de comunicação com os cidadãos russos. Já nos confiscaram tiragens dos nossos jornais e panfletos, agora chegaram aos livros” – considera Garri Kasparov, político que não poupa críticas ao Presidente Putin.
“Não me admiro se o meu livro sobre o xadrez e a vida não só for publicado na Rússia, mas também for acusado de extremista” – sublinhou o ex-campeão do mundo.
Garri Kasparov, actual dirigente da “Outra Rússia”, organização da oposição russa, acrescenta que a editora “violou grosseiramente” os prazos de publicação do livro e que contactou com outra editora para que a obra seja editada em russo.
O livro “Xadrez enquanto modelo de vida” já foi editado na Grã-Bretanha, Alemanha, Holanda e China, devendo ser também lançado em mais 22 países até ao fim do ano.

1 comentário:

Francisco Vieira disse...

Meu caro José Milhazes,

Apreciei o seu artigo sobre Kasparov e o seu blogue que desconhecia em absoluto. Encontrei-o por acaso, quando procurava mais informações sobre a recusa de publicação do livro de Kasparov na Rússia, para publicar no meu blogue de xadrez, Ala de Rei (em aladerei.blog.pt).

Gostaria que esclarecesse, tão claro quanto é possível apurar-se, "de imediato", a verdade "real" do cidadão Garry Kasparov.

As actividades deste ex-campeão mundial são sempre "acompanhadas" pelo "Grande Irmão russo", porque são políticas, ou, simplesmente, para não dar visibilidade política a um homem que é um opositor político do dirigente Putin?

Por vezes, interrogo-me sobre as reais intenções das autoridades do Kremlin. Ele parece, e é, de facto, incómodo, mas será que o Kremlin estará interessado ou conseguirá fazer dele um "mártir", como de uma "guerra de libertação" se tratasse? Ou será que Kasparov, não pretenderá, também, retírar trunfos políticos da situação?

NO artigo do Ala de Rei, dei-lhe o título "Kasparov vítima de censura ou de vingança política de Putin?"
A minha dúvida mantém-se.

Qual, é a sua opinião sobre esta guerrilha, que o próprio Kasparov lhe chamou "The Great Game. How life initates chess", publicada no Opinion Journal (em www.opinionjournal.com/), no passado 19/3/2005?

Os meus cumprimentos e felicitações pelo artigo.

Francisco Vieira

PS
Qual é actualmente aí, na Rúusia, do reflexo da "humilhação" que sofreram com a derrota de Spassky há 35 anos, como bem assinala, o livro "Fischer Goes to War" (A Guerra de Bobby Fischer), editado agora em Portugal, traduzido do original publicado em 2004, pela Ecco/Harper & Collins, da autoria de David Edmonds e John Eidinow, ao incluir a citação de Alexander Kotov e Mikhail Iudovich, em "A Escola Soviética de Xadrez", na início de um capítulo: «O xadrez constitui uma prova incontestável de superioridade da cultura socialista em relação à cultura decadente das sociedades capitalistas»?