domingo, setembro 02, 2007

Putin dá início a campanha eleitoral na Rússia


O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, assinou no Domingo um decreto que convoca eleições para a Duma Estatal (Câmara Baixa) do Parlamento russo para 02 de Dezembro de 2007, anunciou o centro de imprensa do Kremlin.
A publicação deste decreto dá início à campanha eleitoral no país.
Este ano, as eleições para a Duma Estatal irão decorrer segundo novos princípios. Todos os 450 deputados irão ser eleitos em círculos proporcionais, enquanto que, em eleições anteriores, metade dos deputados era eleita em círculos uninominais, o que permitia a eleição de deputados independentes.
Para conseguir eleger deputados, os partidos deverão superar, nas eleições, a barreira dos 7% dos votos, enquanto que, anteriormente, era precisar superar apenas a barreira dos 5%. Além disso, a lei proíbe a formação de blocos eleitorais, eliminou o número mínimo de votos para tornar o acto eleitoral legítimo e retirou o item “voto contra todos” do boletim de voto.
Segundo a lei eleitoral, para que um partido possa participar na corrida eleitoral tem de reunir mais de 200 mil assinaturas de apoio ou pagar uma caução no valor de 60 milhões de rublos (mais de 1,5 milhões de euros), que será devolvida se o partido receber mais de 4% dos votos dos eleitores. Os partidos que têm assento na actual Duma estão isentos desses processos.
Segundo os analistas políticos, as inovações na lei eleitoral russa foram aprovadas com vista a impedir a entrada de pequenos partidos e blocos na Duma Estatal e a concentrar os votos nos dois partidos criados pelo Kremlin: Rússia Unida e Rússia Justa.
Sondagens realizadas pelo Centro de Estudo da Opinião Pública (VTSIOM), publicadas na passada sexta-feira, mostram que apenas quatro partidos deverão superar a barreira dos 7%: Rússia Unida – 57% dos votos (257 mandatos), Partido Comunista da Federação da Rússia – 18% (81 mandatos), Rússia Justa – 14% (64 mandatos) e o Partido Liberal Democrático – 11% (48 mandatos).
Segundo esta mesma sondagem, a oposição liberal ao Presidente Putin não elegerá nenhum deputado, pois apresenta-se no escrutínio dividida. A União das Forças de Direita conquistará 4,4% e O Partido Iabloko – 2,7%.
Durante a campanha eleitoral, todas as forças do Kremlin, dos partidos e meios de informação serão concentrados no enfraquecimento do Partido Comunista e do Partido Liberal Democrático, para que a Rússia Unida e a Rússia Justa conquistem, juntas, a maioria qualificada na Duma, que permitirá fazer alterações à Constituição.
O Kremlin toma todas as medidas para que nada falhe no seu plano de domínio completo da vida política no país. O meu defunto pai contava-nos, na infância, a estória de um homem que tinha medo da morte e, por isso, mandou tapar todos os buracos existentes na sua casa, incluindo portas, janelas e chaminé, para que ela não entrasse em casa. Em vão, porque a morte acabou por entrar por um buraco num dos dentes...Na era soviética, os dirigentes comunistas também pareciam controlar tudo e todos, mas a destruição do regime veio do seu interior... Acontece...


4 comentários:

FM disse...

A teoria do dente é certamente uma nova versão da célebre teoria do calcanhar de aquiles.

Jose Milhazes disse...

Caro leitor FM, a teoria do doente já não deve ser tão nova, pois o meu pai contava-nos quando eu era ainda criança. Mas deve ser mais moderna do que a teoria do calcanhar de aquiles

José disse...

No caso da Rússia Unida e a Rússia Justa terem maioria qualificada, que pontos da constituição serão mais provavelmente mudados?

Jose Milhazes disse...

Caro José, uma boa pergunta. A acreditar nas palavras do Presidente Putin, não deverão alterar a Constituição com vista a abrir-lhe caminho para o terceiro mandato. Porém, poderão alterar a Lei Suprema a fim de conseguir garantir uma posição fulcral para Putin depois de abandonar o Kremlin, para continuar a controlar a situação. Mas, caro José, eu sou jornalista, não sou bruxo.