quarta-feira, outubro 31, 2007

Mais um acto terrorista para explicar


As autoridades policiais investigam várias versões da possível autoria do atentado terrorista em Togliatti, cidade do Sul da Rússia, que provocou a morte de oito pessoas e mais de cinquenta feridos.
“Neste momento, é dada prioridade a duas versões sobre a explosão na cidade de Togliatti” – declarou à agência RIA-Novosti uma fonte “altamente colocada” nos órgãos de investigação policial. Segundo essa fonte, a primeira versão é que se trata de um acto terrorista preparado e realizado pelos separatistas que actuam no Norte do Cáucaso.
“Por exemplo, pode estar implicado nele um dos lideres dos terroristas (tchetchenos) Doku Umarov” – declarou a fonte, acrescentando que “há duas semanas atrás, os órgãos policiais receberam informação operativa de que Umarov estava a preparar um acto terrorista de grandes dimensões”.
A forma como foi realizada a explosão aponta nesse sentido. “A forma de realização é semelhante aos actos terroristas realizados no território da Rússia pelos terroristas de Bassaev (líder da guerrilha tchetchena liquidado no ano passado pelas tropas russas), que utilizavam terroristas suicidas ou bombas colocadas em meios de transporte e accionadas por comandos à distância ou relógios” – sublinha a fonte da RIA-Novosti.
As autoridades policiais investigam várias versões da possível autoria do atentado terrorista em Togliatti, cidade do Sul da Rússia, que provocou a morte de oito pessoas e mais de cinquenta feridos.
“Neste momento, é dada prioridade a duas versões sobre a explosão na cidade de Togliatti” – declarou à agência RIA-Novosti uma fonte “altamente colocada” nos órgãos de investigação policial. Segundo essa fonte, a primeira versão é que se trata de um acto terrorista preparado e realizado pelos separatistas que actuam no Norte do Cáucaso.
“Por exemplo, pode estar implicado nele um dos lideres dos terroristas (tchetchenos) Doku Umarov” – declarou a fonte, acrescentando que “há duas semanas atrás, os órgãos policiais receberam informação operativa de que Umarov estava a preparar um acto terrorista de grandes dimensões”. A forma como foi realizada a explosão aponta nesse sentido.
“A forma de realização é semelhante aos actos terroristas realizados no território da Rússia pelos terroristas de Bassaev (líder da guerrilha tchetchena liquidado no ano passado pelas tropas russas), que utilizavam terroristas suicídas ou bombas colocadas em meios de transporte e accionadas por comandos à distância ou relógios” – sublinha a fonte da RIA-Novosti.
Segundo o jornal electrónico newsru.com, “dados prévios mostram que o explosivo em Togliatti foi accionado à distância”.
A agência Interfax cita uma fonte nos órgãos policiais que atribui a autoria do acto terrorista aos wahhabitas, corrente extremista do Islão, sublinhando que na região de Samara, onde fica a cidade de Togliatti, “os extremistas islâmicos são muito activos”. A potência do explosivo, segundo as autoridades policiais, era equivalente a dois quilos de trotil.
As autoridades policiais investigam também a possibilidade de o acto terrorista estar ligado a "ajuste de contas" entre concorrentes ou a "transporte inadequado de explosivos".
Alguns políticos em Moscovo ligam a explosão ao início da campanha eleitoral, que terá lugar a 03 de Novembro.

1 comentário:

Duarte disse...

Os atentados na Federação Russa acontecem sempre antes das eleições e os culpados são sempre os mesmos ou não, os amigos do sr. Putin sabem como trabalhar para distorcer os factos e tirar os devidos proveitos destas situações intencionalmente preparadas pelo FSB.