quinta-feira, novembro 15, 2007

"ЗА ПУТИН" - "Por Putin"








Mais de quinhentos delegados de 82 regiões da Rússia criaram hoje um movimento que visa fazer com que Vladimir Putin continue a ser o “líder nacional” da Rússia depois de abandonar a presidência do país em Março de 2008.
O congresso constituinte do movimento “Por Putin” ocorreu na cidade de Tver (160 km a Norte de Moscovo) a duas semanas das legislativas de 02 de Dezembro, que o Presidente russo, simultaneamente cabeça de lista do partido Rússia Unida, considerou um plebiscito à sua política.
“Hoje, as pessoas trouxeram 30 milhões de assinaturas de apoio a Putin. Isto são vários “camiões” – declarou o advogado Pavel Astakhov, um dos organizadores do congresso.
Ele assinalou que os membros do novo movimento, que tem o apoio de 70 por cento da população, consideram Putin um líder nacional.
“Não importa quem irá ser Putin depois de 2008: dirigente do partido do poder, presidente do parlamento, primeiro-ministro. O principal é que ele seja líder do país” – considera Astakhov.
Segundo ele, na declaração aprovada pelo congresso, os seus participantes sublinharam que o próprio Putin definirá o lugar que irá ocupar.
“O poder que não precisa de apoio é um mau poder, porque ele se afastou do povo” – frisou o advogado, mas sublinhou que não se trata do culto da personalidade.
“Não é preciso procurar baratas onde não as há. O culto da personalidade é quando atribuem a um homem méritos como o nascer do Sol. Mas quando um homem é simples, responde pelas suas palavras, não se pode falar de culto da personalidade” – concluiu Astakhov.
A sala do Teatro de Arte Dramática de Tver, onde se realizou o congresso, estava decorada com um enorme pano tricolor (com as cores da bandeira russa: vermelho, branco e azul).
Os organizadores do movimento “Por Putin” garantiram que a sua iniciativa foi espontânea e partiu de cidadãos, de organizações de veteranos de guerra, de jovens e de homens de negócios.
“Este movimento formou-se, em grande parte, espontaneamente, não é dirigido” – declarou Irina Blokhin, funcionária de Tver, citada pela Interfax.
Os partidos e imprensa da oposição russa acusam, porém, o Kremlin de ter estado por detrás da criação de este movimento de apoio a Putin, a fim de tentar mostrar que o Presidente goza do apoio da esmagadora maioria da população.
Vladimir Putin anunciou que abandonará o Kremlin em 2008, mas conservaria influência política, sem precisar qual. Ele poderá tornar-se Primeiro-ministro ou dirigir a maioria parlamentar na nova Duma Estatal.
Alguns políticos sugerem que Putin pode abandonar o Kremlin antecipadamente, tornar-se deputado e, depois, candidatar-se ao cargo de Presidente em Março de 2008. Porém, isso exige muita “ginástica constitucional”.
Na Rússia, ninguém duvida que o Partido Rússia Unida irá conquistar a maioria absoluta dos assentos na Duma Estatal, mas resta saber como é que o Presidente Putin continuará a influir nos destinos do país depois de abandonar a Presidência.

2 comentários:

Esplendor disse...

Espero que não se importe, mas antes de mais gostaria de lhe fazer uma pergunta.

Putin sempre quis ser 'czar' ou foi empurrado para isso?


Parece que 'o longo e frio inverno' russo veio de novo pra ficar.

andré

Jose Milhazes disse...

Caro André, só o futuro dirá. Como sabe, eu sou jornalista, mas não bruxo. Putin terá de definir de que forma irá influir na política do seu país depois de abandonar a Presidência da Rússia. Quando definir, poderá responder à sua pergunta. Seria importante que a Constituição do país fosse respeitada, isso faria aumentar o respeito para com o Presidente russo, mas...