sexta-feira, novembro 16, 2007

Todas as sondagens dão vitória a Rússia Unida

Hoje é o último dia em que a lei eleitoral russa permite a publicação de dados de sondagens sobre os possíveis resultados dos onze partidos políticos que participam na disputa de 450 assentos na Duma Estatal da Rússia (câmara baixa do Parlamento). Por isso, publicamos aqui as sondagens realizadas pelos três maiores centros de estudo da opinião pública do país.


O gráfico acima publicado reflecte os dados recolhidos pelo Levada Tsentr, que mostram que a Duma Estatal terá apenas duas cores, sendo a azul (Rússia Unida) esmagadora em relação à vermelha (Partido Comunista).
Segundo o Levada Tsentr, apenas dois partidos superarão a barreira dos 07%, que permite a eleição: o Partido Rússia Unida, cujo cabeça de lista é o Presidente Putin, conquistará 66% dos votos, o que lhe dará 371 dos 450 lugares no Parlamento e o Partido Comunista conseguirá 14%, ou seja, 79 deputados.
O Centro Nacional de Estudo da Opinião Pública dá à Rússia Unida 58,9% e ao Partido Comunista - 7,7%. O Partido Liberal-Democrático, do nacional-palhaço Vladimir Jirinovski, poderá conseguir 6,8%.
Quanto aos dados da Fundação Opinião Pública, eles dão também uma vitória clara à Rússia Unida com 53%, seguida do Partido Comunista com 09%. O Partido Liberal-Democrático poderá conseguir 07%.
Em qualquer um dos casos, a Rússia Unida conquistará mais de 2/3 dos deputados, o que lhe permitirá fazer alterações à Constituição.
Entretanto, na Rússia continua-se à procura da fórmula que permita a Vladimir Putin continuar a controlar a situação no país depois de abandonar o cargo de Presidente.


A organização "Mulheres de Vladivostoque" propõe que Vladimir Putin seja substituído no Kremlin pela sua sua esposa, Liudmila Putina.
"A Rússia é digna de ser dirigida por uma mulher série e responsável" - considera essa organização.
E se a moda argentina pega?

2 comentários:

Ralf disse...

Caro José,
a Lyudmila fala frances, alemão e espanhol .
Engourdou um pouco ultimamente mas:
Era mesmo a melhor escolha !
Não concorda ?
:)
Ralf

Jose Milhazes disse...

Caro Ralf, não seria certamente a pior escolha. A Rússia foi dirigida por algumas grandes mulheres, por exemplo, Catarina II.