quarta-feira, janeiro 30, 2008

Khodorkovski entra em greve de fome

Mikhail Khodorkovski, antigo dono da petrolífera YUKOS, que se encontra a cumprir uma longa pena de prisão na Sibéria, anunciou ter entrado em greve de fome em sinal de solidariedade com Vassili Aleksanian, ex-vice-presidente dessa companhia.
Segundo Iúri Chmit, advogado de Khodorkovski, a greve de fome visa protestar contra o facto de as autoridades prisionais russas não permitirem a transferência de Aleksanian, que se encontrava gravemente enfermo, da prisão preventiva para um hospital civil. Vassili Aleksanian é seropositivo e, segundo os seus advogados, encontra-se em estado de saúde grave, não lhe sendo prestada assistência médica adequada.
“Ontem, Mikhail Khodorkovski enviou uma declaração ao Procurador-Geral da Rússia a informar que dá início a uma greve de fome” – declarou Iúri Chmit à rádio Eco de Moscovo.
O advogado de Khodorkovski, que é considerado preso político por numerosas organizações não governamentais russas e internacionais, leu a declaração do seu cliente: “Fui colocado perante uma opção moralmente impossível: reconhecer crimes inexistentes para salvar a vida de uma pessoa, mas estragar a vida de inocentes ao considerá-los cúmplices meus. Defender os meus direitos, esperar o aparecimento de um tribunal independente, mas ser a causa da possível morte do meu advogado Aleksanian”.
“Reflecti durante muito tempo e não posso optar. Por isso, sou obrigado a sair do quadro processual e a informá-lo que dei início a uma greve de fome” – conclui aquele que já foi um dos homens mais ricos da Rússia.
Hoje, o Tribunal de Moscovo começou a julgar Vassili Aleksian, que é acusado de se ter apropriado ilegalmente de bens, ter desviado meios financeiros da empresa “Tomskneft” e acções da refinaria petrolífera VNK.
Aleksian tinha-se recusado a participar no julgamento, alegando estar com febre e não receber “assistência médica qualificada”, mas foi levado para a sala de audiências.
Porém, Alla Kuznetsova, vice-chefe da Direcção Médica do Serviço Prisional da Rússia, afirma que Aleksian se recusa a receber apoio médico. “Está a ser prestada a Vassili Alesanian toda a assistência médica. Ele concordou por escrito ser tratado, mas recusou-se a ser sujeito à terapia antiviral” – declarou ela.
Mikhail Khodorkovski estava entre os oligarcas russos que enriqueceram rapidamente nos anos 90 do séc. XX devido à sua proximidade do Kremlin. Dono de uma das maiores empresas petrolíferas YUKOS, Khodorkovski começou a ter problemas com a justiça quando começou a financiar os partidos da oposição ao Presidente Putin e a revelar intenções de participar na vida política. Através de julgamentos pouco transparentes, Mikhail Khodorkovski e o seu sócio Platon Lebedev foram despojados de grande parte das suas propriedades e condenados a pesadas penas de prisão.

5 comentários:

Francisco disse...

Da cada vez mais heterogénea (e próxima) Rússia, acabamos por nos aperceber que, afinal, tudo se esbate numa fiel reprodução do que sempre foi. O monstro ainda se reproduz a si mesmo.


Obrigado, estimado José, por estas viagens que faço, sentado em minha casa, na sua companhia.

Cristvs...in Northern Darkness! disse...

Salvo erro, não é a primeira vez que Kodorkhovsky inicia uma greve de fomer. Ou estou enganado?

Continuação do bom trabalho

Jose Milhazes disse...

Recorreu a outras formas de protesto, mas greve de fome, é a primeira vez.

Batista Export disse...

Simpatizo com todos os presos políticos por esse mundo fora, não me lembro de nenhuma excepção. Enquanto Khodorkovsky está "enterrado" ( Lembro também Kazulin ) outros por essa Europa e Mundo, sob a égide de exílio, vão envenenando a politica e comercio global, sempre com a Russia a alvo.
A dignidade Humana, e o desrespeito pela vida, são arestas raspadas de um cubo complexo. Não posso ficar indiferente, quando os valor fundamentais são pisados, se o sr Vassili Aleksanian, necessita de cuidados médicos, dever-lhe-iam ser prestados.
Tive oportunidade de conhecer em vida um Medico que participou activamente na 2ª Grande Guerra, e uma enfermeira de campanha, sua esposa, ambos faleceram recentemente, era tocante o apoio e suporte de vida, que ambos prestaram inúmeras vezes a militares invasores que lhes iam roubando tudo, parece-me urgente relembrar e deixar um testemunho de solidariedade para com todos os que sofrem, fechados, esquecidos, e maltratados, por razões aparentemente temporárias, que esgotam o Ser até ao seu final de vida.

ELO disse...

nao consigo convençer a minha mulher de nacionalidade russa que puttin é um ditador anti democratico e que fomenta a cultura da demagogia e do medo a todos aqueles a que ele se opoe.porque será que o presidente vladimir puttin é tao aceite e querido pelo seu povo?