quarta-feira, fevereiro 13, 2008

Uma espécie de filme sobre Putin...



No dia de São Valentin, os russos poderão adquirir um filme em DVD que promete ser um êxito porque os protagonistas deste filme de ficção são muito semelhantes a Vladimir Putin e sua família e porque a estreia ficou marcada por incidentes.
Anatoli Voropaev, produtor do filme, nega categoricamente que as personagens do seu melodrama “Beijo não para a imprensa” tenham como protótipo pessoas reais, e muito menos Putin e a sua família.
“É a história de uma mulher russa, esposa e mãe que, como milhões de mulheres deste país, compartilha a vida com um homem que dedica mais tempo ao trabalho do que à sua família” – explicou Voropaev nunca conferência de imprensa realizada após a primeira apresentação do filme num dos cinemas de Moscovo.
Segundo ele, “foi nossa intenção mostrar a vida de um político através dos olhos da sua mulher, para quem o seu esposo é antes de mais um homem e o pai de suas filhas”. A ideia do filme surgiu em 2001, a sua rodagem terminou em Fevereiro de 2003, mas o DVD é só agora lançado porque Voropaev não quis trabalhar no projecto enquanto ocupou cargos públicos.
“Em 2002, fui mobilizado para trabalhar no serviço público e não queria que mais alguém realizasse esse projecto” – sublinhou ele, que, até finais do ano passado, ocupou o cargo de vice-governador, primeiramente, da região de Tula e, depois, da de Stravopol.
“É melhor assim, porque a sociedade russa já amadureceu para entender o filme correctamente” – assinalou Voropaev, que acabou por reconhecer indirectamente que se trata de uma história sobre o senhor do Kremlin.
O personagem principal do “Beijo não para a imprensa” é de Leninegrado (hoje São Petersburgo e terra natal de Putin), licenciado em Direito (tal como o Presidente), que fala bem alemão (como Putin), pratica sambo (luta russa muito semelhante ao judo, desporto preferido do Presidente) e que faz uma brilhante carreira política.
O nome do herói, Alexandre Alexandrovitch Platov, cujo nome e patronímico coincidem, como com os de Vladimir Vladimir Putin, trabalhou vários anos como funcionário da embaixada soviética, assim como Putin, que espiou para o KGB na República Democrática Alemã. A esposa de Platov, Tatiana, tal como a de Putin, Ludmila, é de Kalininegrado e ambos os casais têm duas filhas. São também muito semelhantes o episódio do primeiro encontro entre Platov e a esposa e a história do primeiro encontro de Putin e Ludmila relatada pelo Presidente nas suas memórias.
Os militantes do Partido Nacional-Bolchevique, força política proibida pelas autoridades russas, não tiveram dúvidas quanto aos objectivos da película e, na cerimónia de estreia, levantaram faixas de pano onde se podia ler: “Putin é um criminoso!” e lançaram folhas volantes onde acusam o dirigente russo de ter destruído as liberdades na Rússia, assassinado jornalistas e cidadãos, falsificado eleições.
A numerosa plateia que assistia à estreia aplaudiu efusivamente a acção política. A polícia deteve dois militantes do Partido Nacional-Bolchevique que gritavam: “Putin é o carrasco de Beslan!”, “Putin é o carrasco da liberdade!”, “Liberdade para os presos políticos!”.
Os detidos foram levados a tribunal, irão ser julgados por “extremismo político” e poderão incorrer numa pena até dois anos de prisão.
A crítica especializada também não está a receber bem o melodrama. “O filme sobre a juventude do Presidente pode ser visto mas se o desejo for muito grande” – escreve o diário Nezavissimaia Gazeta.
“O filme foi rodado nas melhores tradições do pior cinema russo” – considera o diário electrónico Gazeta.ru.

1 comentário:

Cristiano Alves disse...

A propósito, pra quem não sabe "Platov" era o sobrenome verdadeiro de Putin. Após algum tempo ele mudou e passou a ser "Putin". Esse filme é obviamente sobre Putin.