sexta-feira, abril 18, 2008

Putin vai mudar de cargo, mas não de esposa


Nunca neste blogue escrevi sobre a vida de quem quer que seja. Poderia continuar essa tradição, mas não o faço porque o visado já fez declarações sobre o tema e trata-de da primeira vez em que um órgão de informação russa ousa abordar a vida íntima de Vladimir Putin.
Ainda não foi desta vez que a imprensa cor de rosa russa conseguiu entrar na alcova do Kremlin, mas a última tentativa, embora fracassada, pôs muita gente a falar da vida privada do seu Presidente. O Moskovskii Korrespondent, diário de pequena tiragem e praticamente desconhecido do grande público, tornou-se inesperadamente famoso, dentro e fora das fronteiras da Rússia, ao fazer uma pergunta: “Vladimir Putin vai casar-se com Alina Kabaeva?” e responder, baseando-se em fontes de empresas que se dedicam à realização de casamentos, que essa união iria ser selada no dia 15 de Junho, no Palácio de Konstantin, em São Petersburgo.
Alina Kabaeva (na foto), a ginasta que mais medalhas venceu em Jogos Olímpicos e outras competições, é, actualmente, membro da direcção do Partido Rússia Unida e deputada dessa força política na Duma Estatal (Câmara Baixa) do Parlamento russo. A jovem tornou-se também conhecida depois de terem sido publicadas fotos ousadas do seu esbelto corpo em revistas russas para homens, como a MAXIM.
O Kremlin não reagiu à notícia, seguindo à risca uma ordem dada por Putin quando entrou no Kremlin: não se comenta a vida privada do Presidente, da sua esposa e duas filhas.
Apenas Irina Ovtchinikova, porta-voz de Kabaeva, declarou que a notícia é “falsa” e ameaça levar o tabolóide a tribunal se não desmentir a notícia.
Alexandre Lebedev, dono do diário e conhecido magnata russo, parece não ter ganho para o susto. Numa entrevista à rádio Eco de Moscovo, Lebedev considera que a notícia é “falsa” e olha para o futuro do Moskovskii Korrespondent com cepticismo.
“Seria estúpido vendê-lo, porque não há um comprador que queira um jornal que dá prejuízo, não tem outras fontes de sobrevivência além do dinheiro do principal accionista” – declarou. “Tentamos interpretar diferentes sinais chineses e os últimos avisos chineses” – afirmou Lebedev ao responder à pergunta se o jornal poderá vir a fechar as portas.
“Os jornalistas devem ter sido levados pelo efeito de Sarkozy. Num país onde se copia cada vez mais o que vem do Ocidente, não ficaria mal se o Presidente Putin seguisse o exemplo do seu homólogo francês e juntasse o seu destino a uma beldade como Alina Kabaeva” – declarou uma fonte num dos jornais cor de rossa russos.
“Tanto mais que – continua a fonte – são do domínio público as relações de Putin e da esposa, eles quase não aparecem juntos em cerimónias públicas”. “Todo este barulho teve uma vantagem. Pela primeira vez, um jornal ousou falar da vida privada do dirigente máximo russo, tentar descobrir o que vai no seu coração” – concluiu.
Não obstante os desmetidos, os cibernautas russos continuam a discutir intensamente o “romance” de Vladimir e Alina, divergindo na sua avaliação . No seu comentário “Beldade, desportista, tártara e deputada”, publicado no livejournal.ru, Khabibun Karlovarski escreve: “Pelo meu lado, digo que as verdadeiras tártaras não se casam assim tão facilmente, sei disso pela minha esposa, elas só se casam por amor! Putin não tem hipóteses!”
“Se isso for verdade, será um autêntico choque para mim. Jamais me viria à cabeça a ideia de que o nosso Presidente ainda se interessa por moças” – escreve a cibernauta le2086.
“O correio da revista MAXIM deve estar cheio de pedidos de todo o mundo de compra de fotos de Kabaeva, feitas há três anos” – considera I.Cherski. Anteriormente, os boatos “casaram” Vladimir Putin com Anna Netrebko, cantora de ópera, Svetlana Khorkina, ginasta e deputada, e até com a jornalista Elena Tregubova, que abandonou a Rússia e encontrou refúgio por motivos políticos em Londres.
Na Itália, Putin considerou que "nessas notícias não há uma palavra de verdade", e acrescentou: "Olhei sempre de forma negativa para aqueles que pretendem meter o seu nariz griposo e as suas fantasias eróticas na vida alheia".
"Graças a Deus que já ninguém faz perguntas sobre a Tchetchénia" - concluiu o dirigente russo.
Última hora: o dono do "Moskovskii Korrespondent" decidiu suspender a publicação deste diário, alegando dificuldades financeiras.

5 comentários:

bluewater68 disse...

Boa noite José Milhazes
"Como resistir à flexível Alina Kabaeva, ou o amor pode ter lugar na política?"
(http://sol.sapo.pt/blogs/bluewater68/archive/2008/04/18/Como-resistir-_E000_-flex_ED00_vel-Alina-Kabaeva_2C00_-ou-o-amor-pode-ter-lugar-na-pol_ED00_tica_3F00_.aspx)
Cumprimentos

Jose Milhazes disse...

Caro leitor, não sei se o amor pode ter lugar na política, porque não sou político. Mas os políticos perdem muito se não deixarem lugar para esse sentimento.

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Almir disse...

À parte o talento e beleza de Alina Kabaeva e a fama de sedutor de Putin, a notícia que deveria chamar a atenção do mundo é a artificialização da política na Rússia no modelo autoritário que sedimentou no poder os órgãos de segurança. É a desmoralização dos partidos políticos nesse modelo autoritário. Bailarinas, ginastas, beldades, espiões assassinos, empresários amigos - todos promovidos a autoridades com voto por suas relações pessoais com Putin. É um achincalhe, uma gozação, um teatro, uma farsa.

Jose Milhazes disse...

Caro Almir, é difícil não estar de acordo consigo.