quarta-feira, maio 07, 2008

Presidência de Medvedev começa com resfriamento


Se acreditasse em bruxas, magos, agoiros ou outras superstições, ficaria preocupado com o futuro da Rússia.
Quando todos pensavam que o calor e a Primavera já tinham definitivamente chegado a Moscovo, uma onda de frio e chuva chegou precisamente no dia em que Dmitri Medvedev tomou posse do cargo de Presidente da Rússia. Em alguns lugares da capital russa e arredores, até caiu neve, pouca, mas caiu.
Para os que, principalmente no Ocidente, depositam esperanças num "degelo" de Medvedev, isto é um mau presságio.
Além disso, no dia 08 de Maio, estreia nos cine-teatros do país o filme "Caça ao Urso". O apelido do novo Presidente, Medvedev, tem raiz na palavra "urso". Além disso, este animal é o símbolo do Partido Rússia Unida, o principal apoio do Kremlin na Duma estatal.
Mas como eu, pessoalmente, não sou supersticioso, nem acredito em bruxas (embora elas existam), publico um texto sobre o optimismo que se respirou no Kremlin durante a cerimónia de tomada de posse.


Dmitri Medvedev tomou posse do cargo de Presidente da Rússia numa cerimónia bem treinada, sumptuosa e rodeada de fortes medidas de segurança.
“Juro, quando da realização das prerrogativas de Presidente da Federação da Rússia, respeitar e defender os direitos e liberdades do homem e do cidadão, observar e defender a Constituição da Federação da Rússia, defender a soberania e a independência, a segurança e a integridade do Estado, servil fielmente o povo” – declarou Medvedev na presença dos mais altos representantes dos poderes executivo, legislativo e judicial, bem como do seu antecessor no cargo, Vladimir Putin.
Antes disso, Vladimir Putin tomou a palavra para desejar “sorte” e “êxitos” ao seu sucessor à frente do Kremlin “Desejo sorte e êxitos a Dmitri Medvedev aquando da realização das prerrogativas presidenciais” – declarou Putin perante cerca de 2400 convidados que se encontravam instalados em várias salas do Kremlin.
“Agora – continuou Putin – ao entregar os poderes de chefe de Estado, gostaria também de dizer: para mim, o compromisso de conversar a Rússia foi e continuará a ser o mais alto dever civil. Eu segui-o todos estes anos e irei fazer isso durante toda a vida”.
O Presidente cessante sublinhou também que a moral do Estado e a sua obrigatoriedade são a principal garantia da confiança das pessoas, que são mais importantes do que a experiência e os conhecimentos profissionais.
“Há oito anos atrás, quando jurei pela primeira vez, comprometi-me a trabalhar de forma aberta e honesta, a servir o povo e o Estado. Não violei a minha promessa” – concluiu ao som de fortes aplausos.
Dmitri Medvedev, pelo seu lado, considerou que “o desenvolvimento das liberdades civis e económicas são a tarefa mais importante no cargo de Presidente da Rússia”.
“Os direitos e liberdades são o maior valor, eles determinam o sentido da actividade estatal. A tarefa mais importante é o posterior desenvolvimento das liberdades civis e económicas, a criação de novas possibilidades cívicas” – declarou o novo senhor do Kremlin.
“Gostaria de garantir hoje a todos os cidadãos do país que irei trabalhar com todas as minhas forças, como Presidente e como homem, para quem a Rússia é a casa natal e terra natal” – acrescentou.
O Presidente Medvedev declarou que a Rússia não deve perder a “oportunidade única” de se transformar num dos “países melhores do mundo”.
“Nos últimos oito anos, na Rússia foi criado um forte alicerce para o desenvolvimento económico, para o desenvolvimento estável... Irei tentar fazer com que a Rússia se afirme seguramente entre os lideres tecnológicos mundiais” – prometeu ele.
Em suma, Medvedev apontou as principais tarefas do seu mandato presidencial: direitos e liberdades do homem, segurança, combate ao niilismo jurídico, desenvolvimento inovador do país.
Medvedev agradeceu ao seu antecessor pelo apoio pessoal que lhe concedeu.
“Eu agradeço calorosamente ao Presidente Putin pelo apoio constante, pessoal que senti sempre. Estou convencido que continuará a ser assim” – declarou ele. Dmitri Medvedev foi eleito Presidente da Rússia a 02 de Março de 2008 com mais de 70% dos votos.
A cerimónia de tomada de posse terminou com um desfile do Batalhão Presidencial do Kremlin, residência oficial do dirigente russo.
A entrega de poder decorreu sofre medidas excepcionais de segurança. O centro de Moscovo foi fechado não só ao centro, mas também a todos aqueles que não foram convidados para a cerimónia do Kremlin. O cortejo de Dmitri Medvedev atravessou ruas de uma cidade que parecia “fantasma”, pois nos passeios não se via “viva alma”. Os russos tiveram de se limitar a ver a cerimónia pela televisão, que foi transmitida em directo pelos quatro canais nacionais da Rússia.




2 comentários:

dvfer disse...

A Rússia parece que não consegue livrar-se das "dinastias" nos corredores do poder. No entanto, os 70% dos votos nas últimas eleições, legitimam por completo esta dinastia.

Gostava de perguntar o seguinte, os russos apostam nesta "dinastia" porque? Devido ao discurso anti-Ocidental? Devido à promessa de tornar a Rússia "Grande" novamente, seja lá o que isso for? Devido a promessas de uma melhor vida económica? Pode ser uma combinação destas várias hipóteses no entanto...

Jose Milhazes disse...

Caro leitor, acho que, na realidade, não são 70%, mas bastante menos. No entanto, não duvido que a maioria dos eleitores votou em Medvedev e acho que as respostas positivas às suas perguntas são, em grande parte, explicação para isso. Os rios do dinheiro do petróleo provocam uma autêntica onda de consumismo. Até quando irá durar, isso é uma incógnita.