quinta-feira, agosto 14, 2008

Operação cuidadosa e bonita


Texto escrito para a Agência Lusa


Alexandre Lukachenko, Presidente da Bielorrússia, considera que “a Rússia, durante a agressão da Geórgia, fez tudo bem, de forma calma e silenciosa”.
Durante um encontro com o seu homólogo russo, Dmitri Medvedev, realizado na cidade de Sotchi, na costa do Mar Negro, Lukachenko agradeceu à Rússia “pela sabedoria revelada durante a agressão da Geórgia”.
“Gostaria – continuou o líder bielorrusso – de agradecer também pela sabedoria que Você revelou nos últimos dias, particularmente durante a agressão empreendida pelo Estado vizinho”.
“Tratou-se de uma reacção calma, silenciosa, que levou ao estabelecimento da paz na região, agora por muito tempo. Isso foi feito com muito cuidado e de forma bonita”, frisou.
Lukachenko declarou também que “o Ocidente não poderia ter agido tal como a Rússia na solução do conflito”.
Alexandre Lukachenko foi o primeiro chefe de Estado de um país da Comunidade de Estados Independentes a manifestar publicamente apoio à acção militar da Rússia na Ossétia do Sul.
Desse modo, a Bielorrússia junta-se à Venezuela e a Cuba no apoio ao envio de tropas russas para a Geórgia.
Fonte diplomática contactada pela Lusa em Moscovo chamou a atenção para o facto de Lukachenko apenas agora ter feito declarações de apoio a Moscovo.
“É evidente que o dirigente bielorrusso foi duramente apertado pelo Kremlin para apoiar a acção militar russa no Cáucaso. Este encontro em Sotchi foi organizado precisamente para isso”, acrescenta a fonte.
No próximo fim de semana, a cidade de Duchambém, capital do Tadjiquistão, irá receber uma cimeira da Comunidade de Estados Independentes.
Os analistas russos concordam em que essa reunião irá ser difícil para o Kremlin e decisiva para o futuro da organização que reunia 13 das 15 repúblicas da União Soviética. Os três Estados do Báltico: Estónia, Letónia e Lituânia preferiram a União Europeia à CEI.
No início do conflito na Ossétia do Sul, a Geórgia revelou a intenção de abandonar essa comunidade.
“Moscovo tenciona que a CEI tome uma posição comum face ao conflito, mas é mais provável que a Ucrânia anuncie a sua vontade de abandonar a organização, em solidariedade com a Geórgia”, declarou à Lusa Gennady Charodeev, jornalista do diário russo “Trud”.

6 comentários:

sérgio disse...

A Rússia fez tudo de uma forma calma, silenciosa e bonita. Eu não teria dito melhor.

sérgio disse...

Ah! Esqueci-me do agradecer pela sabedoria demonstrada... Gostava de saber porque é que o líder Bielorrusso se sente na obrigação de agradecer.

sérgio disse...

Lukachenko agradeceu à Rússia “pela sabedoria revelada durante a agressão da Geórgia”. Isto é cada pérola deste individuo, e de uma profundidade, é de ficar atónito...

Rui Figueiredo Vieira disse...

Se isto não é bater no fundo, o que é que será???!!! Tanta hipocrisia... Que grande lata! A Russia quanto a mim, está controlada pelas máfias, as máfias controlam a energia, e querem controlar tambem, a sua saída para a Europa...eis a razão do conflito.Depois temos paus mandados, como o Sr. Lukachenko, que é chamado á pressa pelo Kremlin, para uma operação de lavagem de cara á força. Aposto que até lhe escreveram o discurso. Vergonha. Abraço

Batista Export disse...

Saúdo efusivamente esta noticia!
O Sr. L ( “Auto-proclamado” Presidente da Rep. Belarus desde 1994 e provavelmente para sempre), é das figuras mais fascinantes para noticiar.
Alguns comentários, reflectem falta de conhecimento desta figura impar, uma vez que é de todo improvável que o Kremlin forçasse estas declarações ao Sr L, e muito mais provável o contrario, eu explico:
O Sr. L é um criminoso que controla os destinos de 10 milhões de pessoas de forma forçada, mantêm o pais subdesenvolvido e subserviente às suas vontades, mata, prende e persegue quem suspire ou sussurre por mudança. O Sr. L, usufrui de um estatuto semelhante a Deus dentro das suas fronteiras, de um estatuto de incomodo/lunático para os vizinhos, e estatuto de Criminoso em quase todos os outros países do Globo ( Excepção : Cuba, Venezuela, Irão e China ).
Esta multiplicidade fascinante de Sr. L, permite-lhe ter poder, mesmo com o vizinho “Mãe” Rússia, não foi à muito tempo que “fechou a torneira” de alimentação energética da Europa, vinda da Rússia, para forçar os Russos a manter os Preços baixos do Gás para o seu país ( ou melhor : preços baixos para o Sr. L, porque os habitantes de Belarus pagavam/pagam e continuarão a pagar o Gás vindo da Rússia a preços muito elevados ).
Esta situação passada criou tensão e prejuízos elevados em vários países europeus e Rússia, situação que Moscovo acabou por resolver vindo de encontro às exigências do Sr. L.
Este conflito no Cáucaso, criou uma excelente oportunidade para o Sr. L tirar proveito a vários níveis, que honestamente não sei neste momento quais são, mas sei duas coisas, a população Bielorussa não será beneficiada, e o contexto será expresso em Dólares americanos.
Reparo também, a respeito deste conflito, que existe um distanciamento claro pela parte de alguns colegas de Blog, à realidade Russa, Belarus, Geórgia, Ukraine... Gostava de lembrar a todos, que esta gente nasceu toda na mesma Nação, todos partilharam o mesmo Hino, a mesma Pátria, todos têm actualmente família directa nos Países Vizinhos, estas quase três dezenas de Milhões de pessoas, foram forçadas à separação geográfica/física por razoes politicas. A Rússia era, e continua a ser a Nação Mãe, a vários níveis, com clara força na vertente Económica/Comercial , e com clara e crescente fraqueza na vertente Politica.
Esta intervenção Russa na Geórgia não pode ser vista como agressão. Sei que aos nossos olhos ocidentais, é imediato interpretar que a Geórgia é Soberana e a Rússia não tem nada que por em causa essa Soberania, porém não estamos a discutir um problema entre a Espanha e Portugal, ou entre Timor-Leste e Indonésia, este conflito é claramente uma guerra ( de varias nações USA e EU incluídos ) de interesse comercial e geopolítico entre Povos irmãos.
O Pior são as Pessoas, da Ossetia do Sul ou da Geórgia, que já eram pobres, e mais pobres ficam, já sofreram tanto e mais sofrem com isto, mais mortes, mais fome, mais feridos, mais deslocados.
Se olharem com desagrado a Rússia, por isto, então olhem também para os Estados Unidos, NATO ( Portugal incluído ), particularmente Polónia e Rep. Checa … entre muitos outros, que de forma directa ou indirecta alimentaram um rastilho perigoso que depois de vários avisos, e ouvidos surdos de quase todos, a Geórgia decidiu acender.

Gil Batista

Anónimo disse...

batista, só posso dizer que a Russia é uma mãe muito desnaturada
hehehehe


beto