sábado, setembro 13, 2008

Herói da guerra da Tchetchénia morre em catástrofe aérea


O general Guennadi Trochev, herói da guerra da guerra da Tchetchénia, encontra-se entre as 89 vítimas da queda do avião Boeing 737, ocorrida na cidade de Perm durante a madrugada.
Esta notícia foi confirmada por um porta-voz oficial do Ministério para Situações de Emergência da Rússia à agência Ria-Novosti.
O general Trochev, nascido em 1947, ocupou diversos cargos de comando das tropas russas durante as duas guerras da Tchetchénia, que tiveram lugar entre 1994-2002. Durante a segunda guerra, foi comandante de todo o contingente militar russo que combatia a guerrilha separatista islâmica nessa república do Cáucaso do Norte russo.
Herói da Rússia, devido a feitos militares na Tchetchénia, foi afastado das Forças Armadas pelo Presidente Putin por se ter recusado ser transferido para o comando da Região Militar da Sibéria.
Quanto às prováveis causas da queda do aparelho, que fazia a ligação de Moscovo com Perm, cidade russa dos Urais, as autoridades declaram que a tragédia se pode ter devido “a uma falha ou incêndio num dos motores que começou”.
As autoridades informam também que o avião se desintegrou no ar e ardeu, tornando muito difícil a identificação dos cadáveres.
“As investigações irão ser realizadas segundo o artigo 236 do Código Penal da Rússia: “violação das normas de segurança e exploração de naves aéreas, que provocou a morte de duas ou mais pessoas”, anunciou Vladimir Markin, da Procuradoria Geral da Rússia.
As equipas de salvamento conseguiram recuperar as duas caixas negras do aparelho.
Blogers da região onde caiu o Boeing escrevem terem ouvido explosões antes da queda do aparelho.
“Vivo na rua Karpinski, perto da rua Exército Vermelho (perto do local onde se despenhou o avião). Uma explosão fez-me levantar da cama. A minha janela dá para o lado oposto. Vesti-me, saí de casa... Os que viram a queda do avião afirmam ter ouvido uma explosão”, escreve o blogger Chiefson.
“Ouvi barulho, olhei para a rua e vi que estava tudo vermelho. Alguns segundos depoiis, algo passou a voar e explodiu. A primeira coisa que me veio à cabeça é que os americanos nos estavam a atacar com lança-mísseis!”, escreve o blogger Dimochka.
Segundo informações oficiais, o avião que se despenhou foi fabricado em 1992 e adquirido pela empresa russa Aeroflot à companhia chinesa Xiamen Airlines em Junho de 2008.
A última inspecção do aparelho foi realizada em Janeiro do ano corrente, que não detectou quaisquer problemas, anunciou a Aeroflot.

No sítio electrónico da guerrilha tchetchena: Kavkazcenter, lê-se: "as autoridades russas consideram que a queda do avião pode ter-se devido a uma falha num dos motores, mas, na realidade, a causa da tragédia ainda não é clara".

17 comentários:

antonio everardo disse...

Este avião da Boeing poderia estar mesmo com defeito, é a minha impressão, JM. Aqui em Teresina muitos foram tirados de circulação, mas uma companhia insiste a voar sobre nós a fazer o maior barulho...

Será que este avião tinha licença para subir ou sobrevoar naquele local? E as "caixas-pretas", depois de achadas as levarão para os USA para investigação como se faz no Brasil? Não creio.

Jose Milhazes disse...

Caro António, não se preocupe, as caixas negras são estudadas na Rússia, que tem meios para isso.

Anónimo disse...

Está claro que morreu porque sabia demais. Mais um pra conta do Putin.

fernando

xico ribeiro disse...

Todos os criminosos russos vão ter um fim triste.
Lamento e sou contra que cidadãos anonimos sejam sacrificados neste ou noutro tipo de atentados.
Seguindo a velha máxima "com ferro matas, com ferro morreras" acho que há outras vias de os liquidar.

Também concordo com a teroria, que o general deveria saber demais e como não se sabe o dia de amanhã, toca a liquida-lo. Se assim for lá cheira a um servicinho dos KGB.

A contra-informação já começa a desinformar, lançando no ar que o crime foi dos EUA, é perciso ter lata, mentes doentias e faciosas.

antonio everardo disse...

Eu acho interessante e provocador a idéia de se pensar que tudo de ruim é obra de Putin. Já tem até "dedo" da KGB. Muito interessante mesmo. Mais ainda é o fato do meu caro José Milhazes não comenta. Quando eu suspeito da CIA, então vem as queixas e defesas. Eu gostava de compreender. Nos tempos dos comunistas no poder se pensava a mesma coisa: "obra dos ditadores comunistas...", e hoje a Russia democrática então tudo se repete? Ora, ora, afinal, a "democracia" está pelo mundo a imunizar os dirirentes ou não? Tomem como exemplo o genocídio na guerra do Vietname, quem foi o responsável? Ninguém dos USA, porque é uma democracia e o presidente "não" mandou fazer nada. A culpa foi do Kmer Vermelho...mas é todos muito engraçados esses "democratas".

MSantos disse...

Caro José Milhazes: nos media ocidentais, o acidente é descrito como mais um entre muitos, na Rússia. A minha sensação é que se foi verdade na era da desagregação soviética e anos seguintes, hoje em dia, face ao tráfego comparado com a Europa e os EUA, a taxa de acidentes é mais ou menos a mesma (minha apreciação), e estas notícias têm sempre aquele tom depreciativo, de que tudo da Rússia é mau. De lembrar a colisão do TU-134 com o avião da DHL, no centro da Europa. A culpa foi prontamente apontada aos russos. Afinal o erro tinha sido do controlador Suiço (país da infalibilidade). Gostaria de saber a sua apreciação ou se tem dados que possam corrijir ou confirmar isto. Obrigado

Gilberto Mucio disse...

<<“Ouvi barulho, olhei para a rua e vi que estava tudo vermelho. Alguns segundos depoiis, algo passou a voar e explodiu. A primeira coisa que me veio à cabeça é que os americanos nos estavam a atacar com lança-mísseis!”, escreve o blogger Dimochka.>>

Que coisa, hein. Graças a os meios de comunicação de massa, o nível de paranóia na população russa cresce a cada dia.

A falta de maturidade(política, social, cultural, etc) é o pior mal da Rússia.

Quanto ao acidente: não gosto de precipitações, mas não descartaria nada...

Jose Milhazes disse...

Caro Santos, as autoridades vieram afirmar que o mais provável é que o avião caiu devido a uma falha técnica, incêndio no motor direito, mas nenhuma das hipóteses levantadas deve ser posta de lado até que tudo fique bem apurado.
Falando pessoalmente, inclino-me para a tese da falha técnica, embora o avião em causa não fosse velho, tinha 16 anos.
Quanto ao parque de aviões na Rússia, deixo dois números oficiais. Nas linhas internacionais, a idade média dos aparelhos é de 16-17 anos, mas, nas internas, é de 30.
Claro que não está correcto acusar Vladimir Putin de estar por detrás desta tragédia, mas gostaria de deixar aqui uma ideia. Esta catástrofe é mais uma prova de que muita coisa na Rússia está podre, precisa de modernização. Não seria mais sensato canalizar os lucros do petróleo para a modernização do país em vez de os gastar em armas e luxos para muito poucos.

António disse...

O José Milhazes bateu exactamente na tecla certa: é absolutamente imoral que uma administração sentada em cima de um "fundo de estabilização" de 600 mil milhões de dólares não mexa uma palha para modernizar a companhia aérea estatal...e tantas outras coisas.

Mais um sinal de que algo cheira mal no paraíso.

António Campos

JTS disse...

Caro José Milhazes,
acho curiosa a pequena nuance por parte dos media russos de se referirem sistematicamente ao aviao sinistrado como o "Boeing 737" e nao o "aviao da Aeroflot".
Nao sei se tem a mesma impressao. Sera coicidencia ou estrategia conjunta? Tenho ideia de que, em geral quando ha acidentes de aviacao as noticias se referem ao nome da companhia, certo? por exemplo ainda ha pouco tempo "o aviao da Spanair".

JTS disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jose Milhazes disse...

Caro Jts, não prestei atenção a esse pormenor. Uma análise rápida da imprensa russa leva-me a concluir que não existe intenção de denegrir a Boeing e proteger a Aeroflot, até porque, ontem e hoje, se tem escrito e falado muito aqui sobre o estado obsoleto e perigoso da aviação russa.
Foi noticiado e sublinhado que logo após o acidente a Aeroflot cortou relações com a filial Aeroflot North, a quem realmente pertencia o avião. Desse modo, a Aeroflot, como se diz, tentou "sacudir a água do capote".

Anónimo disse...

Caro José Milhazes,

Concordo com você que a estrutura dos Aeroportos Russos necessita de modernização assim com a Frota é antiga, mas já foram dados passos para compra de novos aviões (para a Aeroflot), apesar de concentrados na aviação internacional em negociações com a Airbus, para compra de 22 aparelhos. Agora seria interessante fazermos alguns cálculos: A maioria dos aviões que hoje voam na Rússia foram fabricados entre a década de 60 e 80, se voltarmos no tempo teriam 30 e 10 anos na época do colápso da CCCP. No catastrófico governo de Yeltsin nada foi feito, por sinal o país que ele deixou para Putin em 1999 era falido. Fazem apenas 8 anos que a Rússia submergiu da falência, não se pode consertar o que foi destruido com ajuda externa em tão pouco tempo, agora se o tom da crítica vai sempre continuar pesando em relação ao rearmamento e ao novo posicionamento da Rússia no cenário internacional, como já citei outras vezes, a Russofobia é uma grave e triste realidade, mais precisamente a eslavofobia da qual Adolf Hitler era um dignatário representante. Sinceramente acredito que para agradar a todos os Europeus e Americanos a Rússia deveria permitir a instalação dos Escudos Antimísseis na Polônia e República Tcheca, permitir que os Americanos instalassem bases em toda a Ásia central e ainda mais que as empresas de petróleo e gás européias controlassem não só a extração, mas também o transporte e o comércio para todos os países interessados, que a maioria de suas bases fossem desmontadas e sua capacidade nuclear fosse desativada, além claro do cumprimento incondicional do acordo das CFE, só pela Rússia claro. Além de várias outras ações que a tornariam simpática aos interesses da União Européia e dos Estados Unidos, afinal só sendo subserviente e sem capacidade de resposta talvez fosse menos criticada e aceita pelos pseudo senhores do mundo.

MSantos disse...

Caro anónimo, apesar de todos os defeitos e maus hábitos vindos da Rússia (que são muitos e graves), o que menciona é verdade. Na minha opinião, mesmo que existisse uma Rússia totalmente democrática, pacífica, aberta a todo o diálogo possível, a partir do momento que defendesse o menor dos seus interesses, o Ocidente cair-lhe-ia em cima tal e qual o está a fazer. Sugiro-lhe consultar o seguinte link, one encontrará um dos artigos mais lúcidos publicados recentemente:
http://diarioeconomico.sapo.pt/
edicion/diarioeconomico/opinion/
columnistas/pt/desarrollo/
1156625.html

Jose Milhazes disse...

Caro anónimo, eu considero que com os meios que este país recebeu do petróleo e gás, poderia ter sido feito muito, mas muito mais. E isto não é russofobia, pelo contrário. Por exemplo, Vladimir Putin está no Kremlin desde 2000. Quando foi eleito Presidente, fez da corrupção um dos alvos do seu combate. Oito anos depois, vem dizer que até para se ter uma consulta de genecologia é preciso pagar luvas. Não fui eu que disse, foi Vladimir Putin.
Claro que a Rússia não deve agradar ninguém, pois eu também sei que há muitos dirigentes ocidentais que gostariam de ver a Rússia de rastos (eu escrevi várias vezes sobre essa política). Mas acho que se a Rússia se quer impôr a nível internacional, deve realizar uma política (externa e interna)que atraia e não repulse. Ou será que a actual política interna ou externa do Kremlin poderá ser um imã? Eu duvido, embora a história possa mostrar que estou enganado. Vamos ver

Jose Milhazes disse...

Caro Santos, se o artigo a que se refere diz respeito às relações entre a Rússia e OMC, pelo menos é o que me aparece no ecrã seguindo as suas instruções, então esse artigo foi escrito por mim para a agência Lusa, que depois foi distribuído por vários órgãos de informação.

MSantos disse...

Caro JM: o artigo que me refiro é do cronista Domingos Amaral e chama-se "O regresso da Rússia". Pelos vistos eu é que não me entendo com os links e peço desculpa. Sugiro irem ao "Diário Económico" online e fazer a busca por "Domingos Amaral". Cumpts