sábado, setembro 13, 2008

Kremlin confirma retirada de tropas russas da Geórgia


As tropas russas começaram hoje a abandonar os postos de observação na Geórgia Ocidental, na linha de Poti-Senaki, confirma o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia.
“A retirada de todas as tropas russas de manutenção da paz dos cinco postos de observação na linha entre Poti e Senaki será realizada, no máximo, durante sete dias, tendo em conta os documentos, assinados a 08 de Setembro de 2008, que garantem o não emprego da força contra a Abkházia”, anunciou hoje Andrei Nesterenko, porta-voz da diplomacia russa.
Segundo o diplomata, “isso mostra que a parte russa cumpre rigorosamente os acordos alcançados tanto a 12 de Agosto, como a 08 de Setembro deste ano”.
“Nós cumprimos com precisão os nossos compromissos. Ao contrário das outras partes que tentam interpretar de forma diferente esses acordos, de que são prova as informações dos media e as declarações oficiais de representantes dos países citados. Tenho em vista os países da União Europeia, em nome dos quais falou o Presidente francês”, sublinhou Nesterenko.
As divergências entre a UE e a Rússia face aos acordos Medvedev-Sarkozy dizem respeito, nomeadamente, aos locais para onde poderão ser enviados os observadores da União Europeia.
Bruxelas considera que os postos de observação deverão ser instalados na Geórgia, Abkházia e Ossétia do Sul, enquanto que Moscovo considera que eles deverão limitar-se à faixa territorial da Geórgia adjacente aos territórios das suas duas regiões separatistas.
Na véspera, Serguei Lavrov, Ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, anunciou que a UE precisará de chegar a acordo com os dirigentes da Ossétia do Sul e Abkházia para a instalação de observadores no seu território.
Porém, os dirigentes separatistas já fizeram saber que não necessitam da “protecção de Bruxelas”, confiando plenamente nos 3 800 soldados que o Kremlin vai enviar para cada um desses territórios.

4 comentários:

antonio everardo disse...

O Kremlin deve enviar 3.800 soldados distribuindo-os aos dois territórios, e seria bom saber que o midia não deturpasse esta ação nas suas tvs com alguém sendo ferido com balaço dos soldados, como aconteceu em agosto.

Mas, vejam, os senhores: eu queria saber como é que estão posicionados a artilharia, comandantes e soldados da Georgia.

Quais metas estão a cumprir?

Fernanda Valente disse...

Penso que é uma medida errada a UE enviar «observadores» ou forças de paz para as duas regiões separatistas, hoje reconhecidas independentes pela Rússia.
Inclusive para a Geórgia tenho as minhas dúvidas quanto ao papel que irão desempenhar; quais serão concretamente as suas atribuições e os objectivos que se propõem alcançar...?

Jose Milhazes disse...

Caro António, lá está você a erra por não ler com atenção. O Kremlin vai enviar 3.800 soldados para cada um dos territórios, o que dá um total de 7.600.

Jose Milhazes disse...

Cara Fernanda, o primeiro objectivo é impedir o reinício do conflito. Depois, vamos ver, mas, ao que tudo indica, este status quo está para muito tempo.