sexta-feira, setembro 12, 2008

Moscovo cria análogo da NATO na Ásia Central


A Organização do Tratado de Segurança Colectiva (OTSC) vai criar na Ásia Central fortes forças armadas, constituídas por unidades da Rússia, Cazaquistão, Uzbequistão, Tadjiquistão e Quirguízia, anunciou Nikolai Bordiuja, secretário geral da OTSC.
A decisão de aumentar a vertente militar dessa organização, que, além dos países já enumerados, reúne também a Bielorrússia e a Arménia, foi tomada na Cimeira de Moscovo de 05 de Setembro.
Segundo um dos acordos assinados pelos dirigentes da OTSC, tropas desta organização podem ir em ajuda de um dos seus membros caso este seja alvo de agressão.
Alguns órgãos de informação russos chamam a atenção para o facto de esta organização se assemelhar cada vez mais à NATO.
Nikolai Bordiuja considerou, em declarações à agência Interfax, que este novo exército visa garantir o equilíbrio político na Ásia Central tendo em conta a agudização da situação no Afeganistão.
“Estas tropas devem rechaçar qualquer ameaça à soberania dos nossos Estados”, sublinhou Bordiuja, acrescentando que “elas serão a base das forças de reacção rápida da OTSC, constituídas por dez batalhões”.
O dirigente da organização revelou também que, no âmbito desse plano, irá ser criado um sistema de defesa anti-aéreo conjunto.
“Começámos também a formar forças regionais de ligação e de comando de tropas da OTSC”, frisou.
Moscovo promete também aumentar os fornecimentos de armamentos aos membros da OTSC em condições vantajosas.
“Até há pouco tempo, vigorava um único acordo entre a Rússia e os Estados da OTSC sobre fornecimentos de armas em condições vantajosas. Ele está ser cumprido com êxito. Agora, vigoram outros acordos que prevêem facilidades”, precisou.
Bordiuja revelou também que a OTSC quer cooperar com a NATO, mas que a Aliança Atlântica “não quer nada”.
“Estamos prontos a cooperar com a NATO, mas os representantes da aliança não querem, porque orientam-se não por considerações da segurança dos povos e Estados, mas por cálculos políticos”, concluiu.

15 comentários:

Pippo disse...

Interessante, muito interessante... o Uzbequistão já correu com os EUA do seu território, o Turquemenistão provavelmente seguirá pelo mesmo caminho, o Tadjiquistão é aliado da Rússia, assim como o Cazaquistão, o Quirguistão é um pouco dúplice. Não sei qual será o resultado destas manobras, mas sob o ponto de vista da análise política, é muito interessante.

antonio everardo disse...

O Pippo disse muito bem.

Mas, recordem-se os senhores quando eu comentava a respeito da última reunião em Sochi (com a China, também), era exatamente o que foi proposto e agora, abordado pelo JM.

Medvedev, já era o tempo para agir.

Duas curiosidades - não a respeito - : Medvedev é mais jovem dois anos que eu. E outra, parem de chamar a Iúlia de "Jerinovsk". É ridículo.

Um abraço.

Gilberto Mucio disse...

Gloriosa OTSC...rsrsrs

José disse...

Boas

Interrogo-me se estes senhores terão a noção do ridículo? Por um lado, como podem comparar esta organização(?) com a NATO?? Mas por outro lado, ainda bem que a têm como referência e inspiração, é que todos sabemos que a NATO tem de se reinventar e quando o fizer, esta OTSC fica obsoleta! Para não dizer que nasceu padecendo desse mal...

MSantos disse...

Se a OTSC tivesse nascido sob o desígnio original da NATO, em formar uma aliança militar de protecção contra ataques exteriores, seria quando muito aceitável. O problema é que a OTSC provavelmente será uma aliança ofensiva, instrumento de um só país, exactamente aquilo que a NATO se transformou nos dias de hoje. Com o rumo que as coisas estão a tomar, se os extremistas ganharem novo mandato na casa branca e o Kremlin continuar igual a si mesmo, talvez a profecia maia de 2012 se venha mesmo a concretizar.

Rogerio Henrique disse...

Belos comentários... bastante críticos quanto à realidade!!!!

Pois bem, há o risco de haver hostilidades que levariam o mundo à devastação.... e quer saber???? a Rússia não liga se isto acontecer!!!!

Agora... se a aliança é ou não obsoleta não tem a menor importância, o que tem valor é que o Kremlim está criando uma espécie de bloco dos renegados... os excluídos e negligenciados pela OTAN!!! E o que isto tem demais?

Bom... não basta olhar apenas as crises existentes entre esses dois blocos... há dese observar o mundo através de uma visão holística!!!

Relembrando os fatos... a Bolívia e a Venezuela estão em crise política com os EUA!!! Cuba por sua vez apóia os russos... países do oriente médio, principalmente inimigos de Israel, se alinham a Moscou... por outro lado temos Coréia do Norte, Irã e outros países com crises nucleares, em que precisa-se necessariamente da Rússia para dialogar... Depois quem esteve atento viu... a China há um tempo atrás também demonstrou insatisfação com os Radares e Escudos Anti-mísseis...

Sugiro uma reflexão sobre o assunto... que a Rússia é obsoleta não é novidade!!!! Afinal ela apenas tem o respeito do G7 e é membro da ONU somente por sua potência bélica e pelo poder de barganha dos petrodólares.... Logo, não vejo o porquê da ironia... a situação é delicada, exige cautela dos líderes mundiais no desenrolar dos litígos internacionais, o que têm faltado, em muito, à OTAN que claramente age em função dos interesses políticos norte-americanos!!!

Se por um lado a aliança já ansce com dia certo pra acabar, por outro demonstra que o caminho escolhido pela OTAN não é muito seguro... está na hora de repensar a política internacional!!!

Sobretudo porque, se pararmos par analisar, Rússia, Venezuela, Bolívia, Irã e outros países afins, dominam o petróleo e o gás!!! Se houver uma afronta a estes países o "bicho vai pegar" e sabe de uma coisa??? A Rússia terá, a custo de muita fome e miséria da população, condições tecnológicas e financeiras de produzir armas o suficiente para "dar e vender"!!!!!

Portanto, não sei a razão das críticas desmedidas contra a Rússia e a resposta que esta tem dado ao mundo quanto às suas reais pretensões, se quem tem conduzido as coisas pra uma futura hostilidade é a OTAN!!!!

Não sei se o mundo sofreu uma "lavagem cerebral pró-americana" ou se é medo de um falso sistema democrático russo!!!

De qualquer maneira vale a observação: "democracia no mundo atual é na verdade oligarquia, seja qual for o país"... os dirigentes de cada nação governam em prol do interesse de poucos, de uma minoria rica, uma burguesia.... o capitalismo americano e o amor à liberdade é na verdade uma manifestação libertina de que os "fortes" prevalecem...

Não existe governo algum e sistema nenhum capaz de corrigir a corruptibilidade humana... então, é melhor os Chefes de Estado ou Primeiros-ministros da OTAN começarem a mudar o tom e a adotar medidas mais moderadas... afinal existe muito país renegado querendo ser ouvido e ganhar espaço!!!

Jose Milhazes disse...

Caro leitor António, volto a pedir-lhe que leia os textos com atenção. Ninguém chamou ou chama à Iúlia "Jirinovski de saias". Esse cognome foi dado a Natália Vitrenko

antonio everardo disse...

Mil desculpas, ilustre, JM. Dizes a verdade. Eu fiz a confusão.

E ao José, terá que pesquisar mais sobre o "Pacto de Varsóvia". Abraço.

Jose Milhazes disse...

Caro Pippo, o Turquemenistão não pode seguir o exemplo do Uzbequistão, porque é um Estado neutro e nunca teve bases estrangeiras e tem mantido uma política de neutralidade.
Ao caro leitor António, quero-lhe perguntar a que propósito eu devo pesquisar melhor sobre o Pacto de Varsóvia.

antonio everardo disse...

Alô, JM.

Não é o José Milhazes, não.

É o José das 00:31, ok?

Abraço e já volto.

ler os outros disse...

Despautérios verbais
Sejam quais forem os agravos em relação a outro País, há regras de convivência internacional que não consentem ofensas gratuitas nem linguagem de caserna nas palavras de um chefe de Estado contra outro Estado. Desta vez Hugo Chávez ultrapassou-se a si mesmo.
Aditamento
Não se vê que vantagem é que a Rússia tira em deixar-se associar a estas manifestações de hostilidade radical contra os Estados Unidos por parte dos dirigentes da esquerda populista latino-americana. A não ser que queira ajudar o belicismo e o nacionalismo de McCain & Palin a vencer as presidenciais norte-americanas...
[Publicado por Vital Moreira] [13.9.08] [Permanent Link]

Jose Milhazes disse...

Caro leitor anónimo, estou totalmente de acordo com Vital Moreira

José disse...

Boas!

Caro António Everardo, estou sempre disponível para aprender, mas devo dizer que, à luz dos meus parcos conhecimentos, pelo facto de relativizar a importância desta organização, não quer dizer que não a considere perigosa! Aliás, é isso mesmo que ela é, uma invenção perigosa!
Mas o que critico, é que, mais de 50 anos depois do Pacto de Varsóvia, estas ex-repúblicas soviéticas voltam a cair no mesmo embuste e, pior de tudo, não me parece que apresentem uma criação voltada para o futuro (que se quer de paz).
Mas a culpa divide-se pelos dois lados da barricada...

Em suma, mudam algumas moscas, mas a substância é a mesma!

Rogerio Henrique disse...

Às vezes me pergunto se isso tudo não é uma espécie de teoria da conspiração...

De fato, a política linha dura russa pode mesmo ajudar nas eleições americanas... será que por trás disso tudo não há interesses ocultos???!!!!

Quem sabe, na verdade, o quer quer Moscou é apoiar os EUA e algum partido em específico!!!!

Pippo disse...

JM, Quando eu digo que o Turquemenistão seguirá o mesm exemplo, refiro-me à influência que as companhias petrolifera estrangeiras poderiam ter na evolução política do país, agora que o Turkemenbashi está morto e enterrado. E o Turquemenistão nem sequer é neutro, é mas é (e ainda) um Estado fechado.