sexta-feira, novembro 14, 2008

Sarkozy salvou os “c......” de Saakachvili


Dmitri Peskov, assessor do primeiro-ministro russo Vladimir Putin, considerou uma “insinuação” e “provocação um artigo publicado na revista francesa Le Nouvel Observateur, onde se escreve que Putin ameaçou pendurar o Presidente da Geórgia, Milhail Saakachvili, “pelos c......”.
O primeiro ministro Vladimir Putin utilizou realmente palavras duras na direcção de Mikhail Saakachvili, mas não corresponde à realidade a informação de que ele tencionava “pendurar pelos ovos (equivalente em russo, mas mais moderado)”, declarou Peskov à agência Ria-Novosti.
Na véspera, a Nouvelle Observateur, ao descrever o encontro entre Dmitri Medvedev, Vladimir Putin e Sarkozy, realizado a 12 de Agosto no Kremlin, durante a guerra entre a Geórgia e a Rússia, publica um diálogo aceso entre eles.
Nessa altura, Putin não descartava a possibilidade de permitir que as tropas russas entrassem em Tbiliss, capital da Geórgia, e derrubassem Saakachvili.
Publico o diálogo em francês, pois penso que os meus leitores não precisam de tradução:
“Le président français interpelle Poutine et Medvedev : «Vous ne pouvez pas faire cela, le monde ne l'acceptera pas.» Poutine réplique dans son langage ordurier habituel : «Saakachvili, je vais le faire pendre par les couilles.» «Le pendre ?» demande le président français, effaré. «Pourquoi pas ? répond le Premier ministre russe. Les Américains ont bien pendu Saddam Hussein.» «Oui, mais tu veux terminer comme Bush ?», rétorque Sarkozy. Poutine est interloqué. Comme Bush ? Il réfléchit puis lâche : «Ah, là, tu marques un point.» C'est gagné : Saakachvili sauve sa tête et ses... Cet échange fleuri, épisode crucial de la geste géorgienne de Sarkozy, nous a été relaté par Jean-David Levitte, le conseiller diplomatique à l'Elysée”.
“A publicação de semelhantes “citações”, tanto mais citando o conselheiro do Presidente de França provoca, no mínimo, perplexidade... No que respeita à notícia em geral, posso dizer apenas que a última decisão no campo da política externa da Rússia pertence ao Presidente Medvedev. Vladimir Putin, enquanto primeiro-ministro, cumpre as suas funções. Tudo o resto publicado no artigo é uma insinuação completa, e, além disso, provocatória”, comentou Peskov.
Os jornalistas franceses leram o artigo a Saakachvili, que comentou: “Sabia desse encontro, mas sem todos os pormenores. Isso é curioso, embora não tenha importância”.

48 comentários:

Jest nas Wielu disse...

A famosa foto onde o Presidente Saakashvili “morde” a gravata é mais um exemplo sinistro como funciona a propaganda russa: primeiro, eles fazem ameaças de morte às pessoas em privado e depois dizem em público que essa mesma pessoa é paranóica por ter receio deles.

Assim mataram Lev Trotsky e negaram, assim mataram Stepan Bandera e negaram, pois agora pode-se dar razão aos georgianos que temiam que os russos marchassem sobre o Tbilisi para instalar lá um governo fantoche.

rouxinol de Bernardim disse...

Isto na Rússia é tal e qual o nosso antigo regime; faziam-se ameaças aos não-alinhados, faziam-se certas pulhices (muitas vezes acobertadas pelo manto diáfano do regime...) e depois, se o vitimado se viesse queixar diziam que sofria de «mania de perseguição», «taras», etc...

A Pide actuava muitas vezes na esfera da vida privada das pessoas, tendo roda livre para torturar e amesquinhar desde que houvesse uma pequena suspeita de que o visada (a) era do «contra»...

Os totalitarismos têm tantas afinidades...

Anónimo disse...

Jest, não sabe que mentir é feio?

"Assim mataram Lev Trotsky",na na na, na verdade foi um georgiano que mandou matar um judeu.

"quem mente uma vez, mente 2 ou três", ditado português.

jest a sua credebilidade é 0.

quanto ao ultimo rouxinol, o alpiste deve estar estragado.

vicent....

Pippo disse...

Não vejo onde está o drama. Os senhores acaso pensam que os diplomatas usam linguagem de salão? Eles insultam-se uns aos outros e fazem ameaças, abertas ou veladas, se for caso disso.

Quanto a essa da propaganda russa... Jest, fala o roto do nu!

Sérgio disse...

Vicent, quando se fala na II Guerra Mundial fala-se sempre na Alemanha e não no Austriaco Hitler. Amigo Pippo, não está a ser justo com o Jes.

MSantos disse...

Provavelmente a ideia dos Russos era tomar a Abkazia e a Ossétia, destruir a capacidade bélica georgiana e contariam que o descontentamento do povo iria exigir a saída de Schakashvilli. Os russos ficaram furiosos quando, salvo erro, no 2 dia, Schakashvilli foi recebido em apoteose em Tiblissi, juntamente com os líderes bálticos, ucraniano e polaco.

A partir daí o que guiou os russos foi plena fúria. Obviamente que a opção de tomar Tbilissi, capturar Schakashvilli e o seu séquito, esteve em cima da mesa.

Apesar disso os russos mantiveram a frieza de não optar por essa via, pois os custos diplomáticos iam ser imensos

Cumpts
Manuel Santos

MSantos disse...

Apenas mais um pormenor:

A gravata deve estar deliciosa!!!

:o)

Anónimo disse...

paranóico é o governo russo de se achar ameaçado pelos seus vizinhos.

augusto

Pippo disse...

Não se achou ameaçado, achou é que um seu vizinho servia de fachada para ambições geoestratégicas além-atlânticas.

Anónimo disse...

e o que a Rússia tem a ver se o seu vizinho quer servir de fachada para ambições geoestratégicas além-atlânticas (nas suas palavras)?
Países são livres para escolher quem desejam como amigos tanto quanto inimigos.

augusto

MSantos disse...

Espero que o Sr Augusto também concorde que se um dia o México for aliado da Rússia, esta possa instalar bases á vontade, em território mexicano. E seguindo a mesma linha de raciocínio, os EUA não terão nada a ver com isso.

Cumpts
Manuel Santos

Anónimo disse...

claro, é óbvio que sim!!!

augusto

Anónimo disse...

Não é o que a Venezuela está fazendo?
Alguém viu o Bush tendo um ataque histérico com isso como esse presidente russo está tendo?

agusto

Anónimo disse...

Muita gente esquece que Kaliningrado é, há muito tempo, a região mais militarizada da Europa.

fábio

Anónimo disse...

"Vicent, quando se fala na II Guerra Mundial fala-se sempre na Alemanha e não no Austriaco Hitler."

sergio, considerar estaline um georgiano é ofensivo para com os russos, os russos que conheço não toleram essa opinião, para um russo( que não tenha os "miolos" queimados com o comunismo) estaline é um monstro, um tirano um estrangeiro que oprimiu a mãe russia.
Os russos são um povo nordico que como devia saber nada têm a ver com os povos do caucaso.

quanto a hitler, ele era Alemão, na altura os austriacos não se consideravam outra coisa.
Austria=Ostereich=império de leste, não é mais do que alemanha oriental.
A nacionalidade Austriaca foi criada artificialmente após a II guerra mundial.
no Império Autro-Hungaro não existiam Austriacos existiam Alemães. faça pesquisas antes de lançar dados errados em publico

Vicent.....

Wandard disse...

Augusto,

A diferença neste caso é que os Estados Unidos já possuem bases na América Latina. É por isso que Bush não teve chiliques ainda. Mas certamente terá na sua aposentadoria caso a Rússia resolva estacionar navios de guerra, instalar mísseis e bases em países lhes são simpáticos na América Latina, como Cuba, Nicarágua e a própria Venezuela por exemplo.

Anónimo disse...

Como a Rússia tem (e faz) em várias ex-repúblicas da Ásia Central (Casaquistão, Turcomenistão, etc) e Cáusaco (Armênia, por exemplo). O bom é que esse sonho do "reavivamento" do Império Soviético já tá acabando com a crise e a queda dos preços do do barril de petróleo. O que é fatal para uma economia quase que exclusivamente dependente da exportação de matérias-prima.

augusto

Anónimo disse...

não pense que trocando os EUA pela Rússia as coisas vão melhorar...é ilusão e no mínimo ingenuidade pra não dizer burrice

augusto

Anónimo disse...

Como é que os russos poderiam pendurar o Sakachvili pelo ditos se os fantoches não os tem?

Anónimo disse...

será que pegar nos c.. do georgiano não pega mal pro Putin?
meio gay não acham? sempre desconfiei dele depois daquelas fotos dele pescando

Anónimo disse...

putin já provou ser um homem de coragem, o georgiano nem ainda provou que tem c...

Anónimo disse...

^^
hummm...notei um certo sentimento pelo Putin hehehe

Anónimo disse...

esse anônimo tem um poster do Putin sem camisa no quarto hahaha

http://a.abcnews.com/images/International/ap_putin_fish4_070814_ssv.jpg

fábio

Anónimo disse...

http://kristinaanna.files.wordpress.com/2008/08/putin-man-boobs-fishing.jpg

fabio

Anónimo disse...

http://img.dailymail.co.uk/i/pix/2007/08_02/BrokeBackPutin_800x300.jpg

hahaha

fábio

Sorrisos em Alta disse...

Polítiquices à parte, parabéns pelo prémio no Super Bock Super Blog!

Um abraço

Gilberto Mucio disse...

Sobre Fascínio e imbecilidades

Eu entendo o grande fascínio que a Rússia exerce na imaginação de várias pessoas, espanlhadas pelo mundo todo. Ë um grande país, de uma história bem interessante, principalmente o século XX, entre outro motivos.

Eu também na minha adolescencia – desde que comecei a ler literatura russa aos 12 anos -- fui uma grande curioso e admirador deste país(soviética também), de sua cultura e de sua língua. Motivos que me fizeram vir para cá, passar uma parte da minha vida estudando, e do qual nao me arrependo.

É impossível não idealizar algo dessa forma, mas eu sempre procurei me ater aos fatos e à realidade obvetiva, evitando me deixar levar por delírios infundados. De modo que se fosse de outra forma, eu nao estaria aqui há quase 6 anos, pois teria me decepcionado. 90% dos russófilos que conheci e que vieram para cá, de vários países, como desde Brasil até a França, nao aguentaram passar nem do primeiro ano. Pois são pessoas que idealizaram o pais dessa forma infantil.

E o que eu tenho visto entre os brasileiros -- e agora também entre alguns portugeuses desde que participo de discussões aqui no blog do José Milhezes -- é que há muitas pessoas(“russófilos”) idealizam um o país de um modo totalmente fantasioso, que em nada corresponde com a realidade(em muitas vezes é exatamente o oposto), principalmente dos pontos de vista POLÍTICO e CULTURAL, e passam a raciocinar e argumentar baseado nessa idealização que só existe em suas cabeças, pois não conhecem absolutamente nada de substancial sobre CULTURA russa, sobre a “alma” russa, e muitíssimo pouco sobre POLÍTICA, que de fato, na Rússia é uma coisa deveras contraditória para a maioria das pessoas entenderem...

Se eu for enumerar os equívocos e delírios aqui proferidos a cada postagem, advindas dos russófilos, eu me tornarei um chato e entrarei em intermináveis discussões. Por isso essa postagem mais “genérica”.

Só escrevi sobre isso porque muitas vezes fico estarrecido.

Por isso destaco a importancia desde blog, do José Milhazes. Considero a melhor fonte em língua portuguesa, por causa das opiniões fundamentadas de quem viveu toda uma vida aqui, para o que se passa nesse grande e complicado país, dado a dua imparcialidade, digo isso a despéito das concepções políticas do autor, que, creio eu, são totalmente diferentes das minhas. E sempre o indíco para amigos que teem interesse pela Rússia.

Por isso, camaradas russófilos, leiamos mais, adquiramos mais informações e evitemos pre-julgamentos e formar concéitos monolíticos.

Cordialmente,
Gilberto Mucio.:

Sérgio disse...

Para conhecimento do Vicent:

MrGrieves14-03-07, 12:24:30
Mais de seis décadas após a sua morte, Adolf Hitler pode perder a cidadania alemã. É pelo menos essa a proposta de uma deputada da Baixa-Saxónia que está neste momento a ser examinada pela Comissão de Assuntos Jurídicos do Parlamento regional. A social-democrata Isolde Saalmann afirmou ao semanário Der Spiegel que este "passo simbólico" é a única forma de a cidade de Braunschweig ultrapassar o "complexo" por ter sido responsável pela naturalização do ditador.

Nascido no Império Austro-Húngaro em 1889, Hitler mudou-se para Munique em 1913, irritado por ter sido rejeitado - três vezes - pelo Conservatório de Viena. Um ano depois, o pintor frustrado alista-se no exército alemão, combatendo na I Guerra Mundial. Ferido duas vezes, recebeu uma medalha pela sua coragem no campo de batalha. Finda a guerra, integra o Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães (nazi), onde sobe rapidamente na hierarquia. Mas, para se candidatar a eleições, precisava de obter a cidadania alemã.

Em 1932, a solução surge através da nomeação para um cargo administrativo em Braunschweig. Hitler não chegou a desempenhar as funções, mas conseguiu o seu objectivo: tornara-se cidadão alemão. Um ano depois, os nazis chegavam ao poder.

Hoje, este episódio continua a marcar o quotidiano dos habitantes de Braunschweig, que se sentem incomodados de cada vez que se fala no ditador responsável pela morte de seis milhões de judeus. Em declarações ao Hannoversche Allgemeine Zeitung, Saalmann disse: "Se a Baixa-Saxónia, sucessora legal do estado livre de Braunschweig, se afastar da naturalização de Hitler, talvez ultrapasse o trauma."

Cidadão pouco ortodoxo

A forma como Hitler obteve a nacionalidade alemã pode ter sido pouco ortodoxa, mas a moção apresentada por Saalmann terá alguma dificuldade em ser aprovada. De facto, a Constituição alemã proíbe que se retire a nacionalidade a alguém que fique apátrida; o que se aplica no caso de Hitler, já que este renunciou à cidadania austro-húngara em 1925. Especialistas ouvidos pelo diário britânico The Times, acrescentaram que, estando o ditador morto, tirar-lhe a cidadania poderá ser complicado, apesar de algumas cidades já lhe terem retirado a cidadania honorária (ver caixa). "Quem morreu, morreu. Já não há nada para retirar", garantiu ao Der Spiegel um responsável da Baixa-Saxónia.

DN

--------------------------------------------------------------------------------

Jest nas Wielu disse...

2 Vicent

/Jest, não sabe que mentir é feio?/
Feio é ser apanhado...

/"Assim mataram Lev Trotsky",na na na, na verdade foi um georgiano que mandou matar um judeu./

Ah, eu pensava que NKVD soviético matou um adversário político do regime, afinal foram os estrangeiros que tiveram a escaramuça entre si. Boa, aponto essa linha de pensamento.

p.s.
jogo para todos os amigos / inimigos do Obama:
http://www.superobamaworld.com

Sérgio disse...

"na na na, na verdade foi um georgiano que mandou matar um judeu." - Caro Vicent eu percebi isto como uma afirmação sua e não a opinião do povo Russo.

Anónimo disse...

Esta notícia mostra o pulha que é Sarko. No dia em que o presidente russo chegava a França, recebe o tarado da Geórgia no Eliseu e sai este artigo onde se revela que apenas 3 pessoas estavam naquela sala, o que implica que o bufo é o Sarko. Para além de mostrar que não se pode confiar nesta ratazana Sarko, destinava-se a provocar o Medvedev e a humilhar o Putin. Depois vai dizendo que foi ele que arranjou a paz e agora até que foi ele que fez com que os Iskander não fossem instalados. Onde já se lixou foi nas propostas do G20 que lhe foram enviadas por escrito e assim não se pode apropriar totalmente delas.
Folgo muito em constatar que não há ninguém no mundo inteiro com as qualidades dos dois dirigentes russos, que estão bem informados e aconselhados, ó se estão!, e interessados nos seus objectivos, que estão a conseguir. O espectáculo de decadência, hipocrisia e falta de vergonha dos lideres ocidentais por cá só nos diverte. Continue, Sarko, o pessoal do Kremlin agradece.
SL

Jose Milhazes disse...

Caro leitor SL, o bufo não foi Saakachvili. Pois o nome de quem revelou a conversa está no artigo, trata-se de um funcionário do Eliseu.

MSantos disse...

Sarkozy propôs ontem,o abandono da instalação do "escudo anti-míssil" americano, na Europa de leste em troca da não instalação dos Iskander russos no enclave de Kaliningrado.

Talvez me engane muito ou essa já será a ideia da nova administração americana.

Provavelmente Sarko terá sentido esse feeling e está a apresentar a sua proposta apanhando eventuais novos ventos que sopram.

Goste-se ou não, a sua sagacidade é admirável (ao contrário doutro político que conhecemos bem demais, que se limita a apanhar as bolas no fundo das redes).

Anónimo disse...

Acho graça, sinceramente. Então foi o Sarko que propos o abandono do ABM? Essa é mesmo patética. Leiam o que disse o presidente russo desde o inicio: SE PUSEREM, NÓS POMOS.Que parte disto não percebem?
E JM, o bufo é o Sarko, ou também já não sabe ler?
Que tristeza anti-russa!
SL

Wandard disse...

Gilberto,

Eu compreendi o que você quis dizer, e isto confirma o que comentei quanto ao Brasil, que vive a mesma situação, mas talvez não chame tanto a atenção por não ser uma potência ou superpotência militar, mas os problemas são os mesmos com a grande diferença, que é, a de não sermos nem temidos, nem respeitados, hoje somos afrontados pela Venezuela, Bolívia..... E o que a nossa diplomacia faz? Nada. O que o nosso Presidente faz? Abaixa a cabeça somente e lamenta, é uma vergonha. Durante todo o período da ditadura a esquerda lutou pela "liberdade" e fez duras críticas ao regime militar e o que temos hoje? Durante o regime militar ocorriam greves, que eram reprimidas mas judicialmente algumas terminavam sendo consideradas legais. Desde que Sarney assumiu até hoje, todas foram consideradas ilegais e abusivas pela justiça. A carga tributária dobrou desde que o governo eleito assumiu. A corrupção se encontra em volumes estratosféricos, com escândalos diários, algumas prisões, quase nenhum confisco e todos os peixes grandes soltos. As escolas públicas no período militar funcionavam bem em quase todo o país, existia a merenda escolar, os professores não eram bem pagos mas havia um bom nível educacional na escola pública. Hoje os professores continuam mal pagos e o nível das escolas públicas foi para o buraco. O crime organizado não existia e o que temos hoje? Total controle do tráfico no Rio de janeiro e em várias outras capitais além do aumento absurdo de crimes diversos. O desemprego, menores de rua, índices sociais, sistema de saúde falido e precário etc.... São realidades que não diferem da Rússia, até mesmo a falsa liberdade ou a hipócrita democracia tanto alardeada pela esquerda( que de comunistas proletários ou socialistas viraram ricos empresários), quando combateu o regime, não passa de uma farsa, pois o voto continua obrigatório, os que concorrem são sempre os mesmos, e a política consiste no jogo de interesses, a briga por cargos públicos e pelo poder. Nada que é feito possui manutenção, exatamente para ser depreciado e alguns anos a frente tornar a ser refeito, gerando lucro para empresários e para o bolso dos políticos. Muitos criticam a Rússia e entendo que você por residir aí, há seis anos veja a realidade diária, mas não se engane não é tão diferente do Brasil, China, Índia só para citar os emergentes com a diferença que os outros dois tem diferenciada capacidade militar quando comparados com o Brasil, assim como a grande maioria dos países do mundo. Os Estados Unidos também tem o lado negro, bem diferente do que é mostrado nos filmes ou ovacionado por alguns, só viajando pelo país e conhecendo-o de ponta a ponta você descobrirá. O que quero dizer com tudo que comentei é que reconheço que a Rússia possui muitos problemas internos e o governo tem grandes responsabilidades que não cumpridas para com o povo. Infelizmente a própria transição do período soviético para hoje não ocorreu de forma tranquila, o país viveu um caos econômico sem precedentes nos anos 90, sem falar da subtração de suas empresas estatais, passadas para as mãos de pessoas que não tinham nada e da noite para o dia viraram bilionários, em virtude da desastrosa administração de Ieltsin. Históricamente o que se viu foi o grande urso agonizante, recebendo equipes de representantes da Nato e Estados Unidos, interessados em destruir sua estrutura militar convencional e estratégica, impondo tratados como o da CFE, válidos somente para a Ucrania e a Rússia( a Nato na modificou) enquanto a Nato se aproveitava da situação absorvendo ex-integrantes do Pacto de Varsóvia e alargando suas fronteiras para o antigo espaço soviético. Não contentes, os Estados Unidos correram para instalar bases na Ásia Central. Isto sem falar nas humilhações e falta de respeito com que a Rússia foi tratada, tendo suas opiniões no conselho de segurança desrespeitadas quando se opôs à invasão do Iraque por exemplo. Discordo de você quando diz que existem participantes deste blog com idéias fantasiosas a respeito da Rússia, talvez existam alguns um pouco menos informados, outros que possuam opiniões fundamentadas pelas diversas mídias, mas existem os que já residiram e residem e que de certa forma sabem o que estão falando, podem haver discursos mais apaixonados e outros negativos por divesos motivos inerentes a cada um, ou a cada ideologia própria. Porém não vejo falta de conhecimento em relação a este país. Seria muito bom se a Rússia pudesse direcionar seus recursos para a modernização do país e para a melhoria do nível social de seu povo, acredito que seja possível, mas infelizmente se ela baixar a guarda como fez na década de 90 quando foi desmantelada e quase destruída pelos Estados Unidos e os países da OTAN, daqui há alguns a Rússia será uma nação sem vontade própria, dominada pelos Estados Unidos que não tendo nenhum opositor a altura fará o que quiser, como ocorreu até recentemente. Não é o investimento militar ( em termos financeiros) ou não o fator determinante para a resolução dos problemas da Rússia, se fosse assim o Brasil seria um país muito bem resolvido, pois não temos este tipo de investimento aqui e a situação social não é diferente da Rússia.

Wandard disse...

Segundo o comentário de um dos conselheiros de Obama, o escudo está fora das pretensões de sua administração.

MSantos disse...

Relativamente á declaração de Sarkozy, foi notícia nos principais orgãos de comunicação.
Se o comentador SL a cataloga de patética, pois bem, isso será a sua interpretação.

Já tinha sido catalogado de "adorador da Rússia".

Agora estou no rol dos anti-Rússia.

De qualquer forma entendo como um cumprimento tais classificações que provêm de pessoas que defendem posições tão extremadas.

Cordias saudações
Manuel Santos

Anónimo disse...

ó sr. Santos, diga-me lá desde quando é que os orgãos de informação ocidentais dizem verdades acerca da Rússia? é patético é, acreditar neles e não ler os textos do presidente que estão disponíveis em inglês e depois opionar como se estivesse bem informado
SL

Anónimo disse...

patético é acreditar no que o Putin e sua Gangue diz

soares

Pippo disse...

Augusto, os países são livres de escolher as suas alianças, mas ao fazerem a escolha têm de pesar as consequências e até que ponto podem, ou não, ser considerados como ameaças pelos seus vizinhos.

Se o México passasse a apoiar a al-Qaida, permitindo a intalação de campos de treino de terroristas, por ex., seriam prontamente atacados pelos EUA. Alguém tem dúvidas quanto a isso?

Ao optar por ser a ponta de lança norte-americana no Cáucaso, a Geórgia provocou deliberadamente a Rússia, não só sob o ponto de vista geoeconómico mas também sob o ponto de vista puramente geoestratégico, pois o Cáucaso é um local vital para a Rússia.
A Geórgia poderia ter optado por uma política de neutralidade, ou poderia ter optado por ir buscar apoios a outros países, mas foi logo ter com os EUA... pagou o preço!

Ao atacarem províncias separatistas pro-russas, rompendo deste modo o status quo, os georgianos sujeitaram-se voluntariamente a uma resposta violenta, que foi a que se abateu sob eles. E sorte tiveram eles em enfrentar os russos, pois se fosse a NATO nem Tbilissi teria escapado.

Quanto às bases no estrangeiro, a Rússia tem-nas na Arménia (Gumri), Quirguizistão (BA Kant) e a 201ª Div. Mot. no Tadjiquistão, onde serve como guarda fronteiriça. Não tem bases no Cazaquistão, e muito menos no Turquemenistão. E em termos de bases no estrangeiro, a Rússia nem se compara com a França e muito menos com os EUA.

Jest nas Wielu disse...

As bases militares russas no estrangeiro: desde os tempos soviéticos, a URSS / Rússia tem algumas bases mais ou menos disfarçadas no Vietname (base de apoio aos submarinos) e na Tunísia (base da apoio à esquadra do Mar Negro).

Além disso, não se pode esquecer que a Rússia “transformou” as suas bases militares na Geórgia (regiões separatistas da Abecásia e Ossétia do Sul) em bases de “pacificadores”, situação parecida mantinha-se alguns anos em Moldova (província separatista de Transnístria).

Além disso, não esquecer a base da frota do Mar Negro na Ucrânia (Sebastopol).

Mas em termos absolutos, concordo, a Rússia nem se compara com a França e muito menos com os EUA, pois é mais pobre do que a França e muito mais pobre do que os EUA. Os países estrangeiros querem a “mola” e se não há mola, não há bases...

wandard disse...

Jest,

São pagos alugueis por estas bases, nenhuma delas é gratuita, no caso de Sebastopol existe um contrato de arrendamento. Vale relembrar históricamente que Sebastopol (Já foi território Tártaro) foi fundada pelos Russos em 1783, após a Criméia ter caído do controle Otomano. A região da Criméia foi integrada ao território Ucraniano em 1954 por Nikita Kruschev para compor condições administrativas. Com o desmantelamento da União Soviética em 1991 em completo caos, acabou ficando com a recém - independente Ucrânia. o contrato de arrendamento da Base vai até 2017. Na questão entre o poder militar de uma nação e de um conflito armado, fica bem claro que nem os Estados Unidos, hoje, têm condições de sustentar uma guerra, apesar de sua pujante indústria e sua grande estrutura tecnológica, estão literalmente falidos. Possuem um PIB virtual de 12.8 trilhões contra uma realidade de 7 trilhões e uma dívida real de 11,8 trilhões, é claro que possuem um bom lastro em ouro e outras reservas, e não quero dizer que ficarão pobres, mas o Iraque já custou aos Estados Unidos mais de 600 bilhões de dólares, fora o Afeganistão, que não possuo as cifras. Os países a quem os Estados Unidos mais devem são a China e o Japão.Para o desenvolvimento de novos armamentos, tem recorrido cada vez mais a consórcios com outras nações, prática que já se faz presente na europa desde o desenvolvimento do Jaguar, Tornado e recentemente o Eurofighter. Como já referenciei em relação ao meu próprio país não vejo diferenças nas questões sociais e outros problemas, como ocorre com a Índia em proporção bem pior e mais crítico ainda na China, só para citar os emergentes como manda o eufemismo atual. A diferença com o Brasil está na geopolítica e na inércia do governo Brasileiro frente a questões com seus vizinhos ou a ter de engolir calado as imposições dos Estados Unidos, sem nada poder fazer. Como já citei antes, reconheço seus motivos e não tiro sua razão.

Grande abraço,

Jest nas Wielu disse...

2 wandard

Pois, eu não disse que as bases foram / são gratuitas para a URSS / Rússia, mas os preços que os russos pagam pelo Sebastopol são bem irrisórios (salvo erro 97 milhões de USD / ano), comparando com os preços da terra em vigor na Ucrânia.

Sebastopol: Wikipédia diz que a cidade foi fundada em 1783 como Akhtiar pelo almirante ... Thomas Mackenzie. Por isso não vejo como os russos podem reclama-lo (mais um caso típico de apropriação da propriedade alheia).

Wandard disse...

jest,

Akhtiar é o nome Tártaro. históricamente Thomas Mackenzie que eu conheço foi Primeiro Ministro da Nova Zelandia, que era Escocês nascido em 1854.Em 1783, 11 navios da frota russa do Mar Azov, comandados pelo vice-almirante Fedot Klokatchev, entraram na bahia de Akhtiar, península de Crimeia. Após isso Catarina II ordenou a fundação da fortaleza naval de Sebastopol.

A Wikipédia é uma enciclopédia livre escrita por cidadãos de todo o mundo, possui falhas e dados errados ás vezes.

me mande o link para eu verificar.

Abraço

Jest nas Wielu disse...

2 Wandard

Como vê, o nome tártaro não aparece assim, de repente, quer dizer que aquela terra pertence aos tártaros, que foram deportados pelo Stalin em 1944 sob o pretexto de serem colaboradores de Hitler.

Link: veja a Savastopol na Wiki em inglês, dai a informação.

Pippo disse...

Ufff! Santa ignorância!!!
Jest, é assim TÃÃÃO complicado de compreender?!?!?!

Na altura, soldados e oficiais colocavam-se ao serviços de governos estrangeiros com total liberdade. Era muito comum um comandante de regimento ser estrangeiro, ou mesmo o CiC do exército.
Um dos regimentos de infantaria de Goa em 1740 era comandado pelo D. Luis Pierrepont. Quer isso dizer que o regimento era estrangeiro? O Conde de Lippe (alemão) era comandante do exército português em 1762. Quer isso dizer que o exército que derrotou os espanhóis na "Guerra Fantástica" era alemão?
O arquitecto da conquista da Ásia Central chamava-se Konstantin Kaufmann. O nome é alemão, por isso pela sua lógica a AC foi conquistada pelos alemães.

O próprio Napoleão candidatou-se, ao sair da Academia, à... Royal Navy! Eles negaram-lhe o acesso.

E pelo seu entender, Oczakow foi conquistada, não pelos russos mas por um português, Gomes Freire de Andrade o qual, tendo alcançado licença para servir no exército de Catarina II (que era alemã!), ter-se-á distinguido no cerco de Oczakow sendo, alegadamente, o primeiro a entrar na frente do regimento quando a praça se rendeu em 17 de outubro de 1788.

Já agora, durante a nossa guerra civil, quem é que alcançou vitórias e derrotas? A esquadra liberal era liderada pelo Sartorius e depois pelo Napier, o exército liberal tinha muitos regimentos de mercenários e voluntários belgas, ingleses e franceses, e os legitimistas tinham vários oficiais franceses.
A que conclusão é que chega?

Paciência... :o(

Pippo disse...

E só para o ilustrar, aqui vai a biografia do honrável Almirante Thomas MacKenzie, filho o contra-Almirante (da Marinha russa) Thomas MacKenzie e de Ann Young, nascida em 1717 em Arkangel:
Nascimento em Arkangel em 1740, morte em Sevastopol a 10 Jan 1786, casou em 1780 com Maria Bryne n. em 1760 em Portsmouth.
Posto, condecorações e comandos: Contra-Amirante da Marinha Russa; Cavaleiro da Ordem de S Jorge.
Esteve seis anos na Marinha Britânica (1759-1765), subiu de marinheiro de primeira (Able seaman)a midshipman (creio que é Imediato)
Entrou para a Marinha Russa em 1765-1786
Foi capitão do navio "Deris" (66 canhões?), Portsmouth 1780/81
Segundo em comando da Frota do Mar Negro 1783-1786

Mais uma notas aqui:
http://www.stephenhicks.net/genealogy/histories/1783_1786a.pdf

Bastava procurar...

Wandard disse...

Pippo,

Agradecido pela informação, não tinha os dados de Thomas Mackenzie, vou verificar este link depois. É um bom motivo para dar crédito a estes endereços.

Abraço,