sábado, janeiro 31, 2009

Eleição de Patriarca Ortodoxo 8


Comunismo sem padres

O clero e os crentes ortodoxos viram na morte de José Estaline uma espécie de nova era com grandes perspectivas para o desenvolvimento da sua Igreja. Um decreto do Presidium do Soviete Supremo da URSS, publicado em 1954, deixou sair antecipadamente das prisões os reclusos que tinham cumprido dois terços da pena e os idosos, o que permitiu a libertação de numerosos sacerdotes e bispos.
Ao mesmo tempo, as autoridades comunistas preparavam uma nova campanha anti-religiosa. O jornal Pravda publicou duas decisões do CC do PCUS: no dia 7 de Julho de 1954, “Sobre as grandes insuficiências na propaganda científico-ateísta e as medidas para o seu melhoramento” e, a 10 de Novembro de 1954, “Sobre os erros na realização da propaganda científico-ateísta entre a população”(30).
Esta contradição na política da direcção soviética em relação à religião, em geral, e à Igreja Ortodoxa Russa, em particular, devia-se à luta pelo poder nela. Por paradoxal que possa parecer, os “estalinistas” defendiam uma posição mais ponderada nessa questão do que Nikita Khrutchov, político que sucedeu a Estaline à frente do Partido Comunista da União Soviética e, por conseguinte, do Estado.
A última campanha anti-religiosa e anticlerical na União Soviética, realizada sob direcção do ideólogo comunista Mikhail Suslov, teve início nos finais de 1958. A explicação oficial para a nova campanha rezava: “...O que significa permitir o reforço da religião? Iso significa resistir à causa da educação comunista do povo e, por conseguinte, travar o movimento da sociedade soviética para o comunismo”(31).
Em relação às campanhas anteriores deste tipo, a nova política anticlerical tinha um objectivo bem maior: acabar definitivamente com a religião na União Soviética.
“A semelhança (com campanhas anteriores) consistia na intenção de liquidar a Igreja como um instituto importante, afastá-la da vida social do país. Mas a diferença consistia em que nunca antes foi oficialmente colocado o objectivo de liquidá-la totalmente, exterminar a religião no país. Esse objectivo foi colocado no início dos anos 60” – escreve o historiador Alexandre Vinnikov (32).
No XXII Congresso do PCUS, realizado em 1960, Nikita Khrutchov proclamou que “a próxima geração dos soviéticos irá viver no comunismo” e prometeu, nessa altura, mostrar pela televisão “o último padre”.
O sistema comunista recorria aos mais diversos meios para conseguir este seu objectivo: propaganda anticlerical, detenção de membros do clero acusados de “fuga ao fisco” ou “desvio de meios financeiros”, infiltração de agentes do Comité de Defesa do Estado (KGB) nas comunidades religiosas com vista a dividí-las e desintegrá-las, proibição de baptizar as crianças sem autorização de ambos os pais.
Neste último caso, a decisão dos pais de baptizar o seu filho era comunicada à empresa onde trabalhavam e as represálias não tardavam a chegar.
É também nesta época que é criado o Instituto do Ateísmo da Academia de Ciências Sociais junto do CC do PCUS e os alunos universitários são obrigados a estudar uma nova disciplina: “Ateísmo Científico” (33).
Além disso, as autoridades comunistas publicavam um grande número de jornais e revistas de cariz anti-religioso, bem como obras literárias estrangeiras que continham críticas à religião. Por exemplo, obras de Eça de Queirós como “Crime do Padre Amaro” e “Relíquia” foram publicadas, em russo e noutras línguas dos povos da União Soviética (georgiano, estónio, ucraniano, etc.), em épocas de campanha anticlerical mais intensa como nos anos 30 e 60 do séc. XX.
Vladimir Kuroedov, presidente do Conselho para os Assuntos da Igreja Ortodoxa, informava: “Só em 1960, foram retirados dos registos (leia-se encerrados) 1365 templos e casas de oração..., encerrados 12 mosteiros, liquidados os seminários de Stavropol e Kiev, fechadas 7 dioceses. No ano corrente de 1961, colocamos um sério objectivo: devolver às organizações sociais todos os edifícios ... que o clero conseguiu manhosamente ocupar nos anos da guerra e do pós-guerra”(34).

7 comentários:

Carlos Santos disse...

Talvez o José Milhazes seja a pessoa certa para responder ao medo que deixo em:
http://ovalordasideias.blogspot.com/2009/02/davos-e-obama-eua-china-india-e-as.html

Jose Milhazes disse...

Caro Leitor Carlos Santos, compartilho de algumas ideias que publica no seu texto, nomeadamente no que diz respeito à Rússia, área que melhor conheço. É muito pouco gratificante estar a prever o futuro da Rússia ou da carreira política de Putin, pois a situação aqui, tal como em geral no mundo, é muito volátil. Por enquanto, Putin continua a ser um político popular, embora a popularidade do seu Governo já seja bastante menor. O povo russo destaca-se pela crença no "bom czar" e nos "maus conselheiros" e esse efeito pode ainda manter-se durante muito tempo.
O facto é que a Rússia de Putin não soube investir as riquezas ganhas com os combustíveis na modernização do tecido económico e social. As medidas que Putin tem tomado frente à crise estão a ter efeitos negativos. O dinheiro que o Governo deu para apoiar as empresas através de bancos públicos foi utilizado por estes para comprar moeda estrangeira no mercado, a fim de escapar ao rublo em queda. A isso junta-se o pânico dos cidadãos russos que se apressam a comprar euros e dólares.
Considero que o perigo principal na Rússia não vem da possibilidade de as reservas acumuladas não chegarem para aguentar toda a crise, mas do país chegar ao fim da crise extenuado, sem meios para arrancar na linha da frente da recuperação.
Mas a crise pode ter facetas positivas para a Rússia. Por exemplo, a desvalorização do rublo torna rentável, por exemplo, a agricultura, que tem enormes potencialidades. No caso dos armamentos, a Rússia tem cada vez mais concorrentes no seu segmento e cada vez menos compradores.
As relações com a China nesse campo são o melhor exemplo. Pequim comprava grandes quantidades de armamentos russos, nomeadamente aviões de combate, mas, actualmente, não só reduz bruscvamente as compras, como concorre nos mercados tradicionais russos de armamento com armas copiadas das russas.
Também muito irá depender de como as coisas evoluirem em termos globais, bem como das relações entre Moscovo e Barack Obama.

Anónimo disse...

網路廣告網路行銷seo網站設計seo線上客服seo網頁設計seo網頁設計公司網路行銷網路行銷桃園室內設計室內設計作品室內裝潢裝潢室內設計室內設計公司裝潢設計豪宅空間設計店面設計豪宅設計桃園室內設計公司別墅外觀設計室內裝潢設計台北室內設計新竹室內設計法拍屋中古車二手車環保袋環保袋肉毒桿菌醫學美容淨膚雷射汽車美容法拍屋水餃期貨清潔公司實驗動物到府坐月子坐月子坐月子中心坐月子餐孕婦月子餐到府坐月子坐月子坐月子中心

Anónimo disse...

坐月子中心台中坐月子中心台北月子餐月子中心坐月子餐月子餐外送月子餐食譜找工作求職1111求職人力銀行104求職人力銀行104人力銀行統一發票5 6月104人力銀行104求職人力銀行塑膠袋統一發票1 2月塑膠袋批發塑膠袋工廠金價黃金黃金價格統一發票3 4月1111人力銀行1111人力銀行求職黃金價格查詢中古車買賣塑膠袋統一發票3 4月塑膠袋批發中古車中古車買賣台北人力銀行金價查詢sum中古車中古車貸款信用貸款房屋貸款統一發票對獎號碼98統一發票7 8月統一發票統一發票5 6月

Anónimo disse...

情趣商品情趣情趣用品情趣商品情趣情趣用品健康檢查健康檢查全身健康檢查搬家公司桃園房屋仲介桃園房屋買賣桃園房屋醫學美容診所淨膚雷射雷射溶脂飛梭雷射微晶瓷植髮團體服團體服訂做醫學美容診所肉毒桿菌肉毒桿菌瘦臉醫學美容整型診所美國月子中心月子中心seo涼麵食品批發拉麵T恤慈善慈善基金會慈善機構清潔公司黃體不足埋線針灸減肥內分泌失調素食料理素食餐廳健康飲食素食水餃素食新竹花店花店網路花店薰衣草花園平溪

Anónimo disse...

十分瀑布鐵道之旅渡假村班服團體服創意射出成型射出模具塑膠射出成型塑膠射出塑膠射出模具花草茶養生茶草本紅茶花茶瑜珈瑜珈教室瑜珈瑜珈教室瑜珈瑜珈教室直航機票自由行三久太陽能三久太陽能太陽能熱水器別墅外觀設計環保袋別墅外觀設計室內裝修電波拉皮hand dryer電波拉皮雷射溶脂肉毒桿菌工商登記公司登記投審會會計師會計師事務所系統家具台中漆彈場漆彈團體服美國月子中心團體服團體服團體服T恤宜蘭民宿關鍵字廣告seo

tolerance disse...

Good article, thanks. Many people have written petition for Puma / Nike shoes act. There are many people over the world protested. Chaussures Sport,tennis rackets,cosplay costumes,ed hardy clothing,Cheap Polo Shirts,The North Face Jackets,cheap ugg boots,tn requin,ed hardy online store,Nike Chaussures Hommes,discount Ugg boots,Chaussures Requin tn