quarta-feira, abril 08, 2009

Nem tudo o que parece "revolução anti-comunista", é!



A situação na Moldávia continua indefinida. A polícia retomou o controlo da capital do país, mas a oposição diz que irá continuar os protestos até que seja feita a recontagem dos votos das eleições parlamentares que deram a vitória absoluta aos comunistas.Considero que a oposição não terá grandes possibilidades de êxito por duas razões: primeira, os observadores de todas as organizações internacionais, incluindo a OSCE, Parlamento Europeu, etc., consideraram as eleições democráticas, apontando erros de pouca monta. Segundo, essa oposição não soube controlar as forças que trouxe para a rua e que se dedicaram à pura pilhagem. Terceiro, a oposição dividiu-se e já não consegue coordenar acções de protesto, pois receiam que o resultado seja o mesmo das acções anteriores.
Javier Solana, Comissário da UE para Política Externa, pronunciou mais uma das suas salomónicas sentenças, mas tarde e a más horas: "A violência em relação aos edifícios governamentais é inadmissível. Não é menos importante o respeito inalienável à reunião e manifestações pacíficas". Já a “louça”, neste caso, os móveis estavam partidos.
Talvez a União Europeia se tenha atrasado mais uma vez. A Moldávia é um dos seis antigos países soviéticos para os quais a UE pretende lançar um programa de mais intensa cooperação, mas só no próximo mês, na cimeira de Praga.
O que foi dito não pretende justificar a política do Presidente comunista, Vladimir Voronin. Em oito anos de governo, pouco ou nada fez para arrancar a Moldávia da lista dos países mais pobres, não só na Europa, mas no mundo. Milhões de moldavos vêem-se obrigados a ganhar o pão no estrangeiro, pois o seu país está mergulhado na corrupção e no compadrio.
A propósito, alguns analistas consideram que grande parte dos jovens que participaram nos desacatos, entre os quais havia muitos menores, são filhos dos moldavos que trabalham no estrangeiro e estão fartos da situação criada no país.
Por outro lado, Voronin tem de manobrar entre a União Europeia e a Rússia. Se for para a frente a ideia da fusão da Moldávia e da Roménia num estado único (uma das reivindicações dos manifestantes), Chisinau pode esquecer a Transdniestria, região que já proclamou a sua independência e espera seguir o exemplo da Abkhásia e Ossétia do Sul, com a ajuda de Moscovo. Até agora, o dirigente moldavo tem tentado, tendo Moscovo como intermediário, estabelecer pontes de diálogo com os separatistas.
Além disso, a região da Gagaúzia não deixará também de aproveitar o momento para se separar da Moldávia.
Alguns analistas apressaram-se a considera os confrontos em Chisinau, que provocaram centenas de feridos e avultados prejuízos materiais, como mais uma "revolução anti-comunista", mas os argumentos pecam por solidez. O Presidente Voronin defende a aproximação da Moldávia à UE e o Partido dos Comunistas da Moldávia não se comporta como os seus congêneres no poder, porque, como constataram os observadores internacionais, as eleições parlamentares foram democráticas.
Este movimento juvenil assemelha-se mais aos actos de vandalismo que ocorreram noutras capitais europeias: Grécia e Paris.

22 comentários:

Gaius disse...

Creio que há nisso tudo manobras políticas para aderir a Moldávia à UE e, em questão de tempo, mais uma base da NATO, que por sua vez, continua a cercar a Rússia

Jose Milhazes disse...

Leitor Gaius, acho que esta não é a melhor forma de cercar a Rússia. Se assim fosse, os observadores europeus teriam, pelo menos, considerado ilegítimos os resultados das eleições. Aqui trata-se de acções de alguns círculos romenos que querem absorver a Moldávia, mas isso significará a desintegração definitiva deste país.
Se a UE e a NATO tinham os planos que diz, apenas posso lamentar a falta de inteligência.

Gaius disse...

Milhazes, então será por isso que Lavrov está cobrando atenção da UE para com os distúrbios na Moldávia? Isso me lembra muito os alertas que fez a Rússia ao ocidente quando do aumento das tensões na Geórga – claro, guardando as devidas proporções. Acredito que o agravamento dessa situação venha a fortalecer uma possível legitimidade de um Estado da Transdniestria, não? Uma vez que fique evidenciado esta trama romena para a absorção da Moldávia.

[ ]'s

Jose Milhazes disse...

Leitor Gaius, sobre a Transdniestria, estou plenamente de acordo

Jest nas Wielu disse...

Desculpe, mas não vejo como a violência gratuita da esquerda burguesa grega que bate e refugia-se nas Universidades (sabendo que polícia não entra lá) ou os motins dos não franceses que pretendiam tomar a conta da França (sejamos honestos), pode assemelhar-se a tentativa da juventude da Moldova de resgatar o seu próprio país do comunismo.

Há violência de mais? Basta lembrar como acabou Ceausescu para ver que os protestos em Chişinău até são calmos de mais...

Revolução Twitter

A revolução em Moldova ainda não terminou, mas já tem o seu nome oficial, a Revolução Twitter, pois os jovens que protestam contra a falsificação do processo eleitoral pelo partido comunista, usam a rede de comunicação do micro – blogue twitter, para se comunicar e para mobilizar os activistas.

Talvez um pouco inesperadamente, mas em Moldova, onde cerca de 25% da população activa está emigrada, trabalhando em vários países da Europa, as novas tecnologias jogaram o papel crucial na mobilização estudantil contra o regime.

Assim na rede do twitter, hoje o tópico (tag) mais popular é o #pman, que significa Piata Marii Adunari Nationale, a maior praça na capital da Moldova – Chişinău.

Os manifestantes usam largamente as redes sociais como Twitter e Facebook. Para cortar a plataforma comunicacional dos manifestantes, as autoridades em Chişinău bloqueiam a rede móvel na praça, obrigando os activistas afastarem-se do local dos protestos, para poder fazer a actualização dos seus blogues e twitters através da tecnologia GPRS dos seus telemóveis.

O poder do futebol

Na 25ª jornada do campeonato nacional da Roménia, no jogo entre Universitatea Craiova e Dinamo Bucureşti os futebolistas da Craiova entraram no campo com o banner "Alături de fraţii noştri din Moldova!" (Junto com os nossos irmãos da Moldova!) e os seus adeptos gritavam a palavra de ordem Li-ber-ta-te! (Liberdade!).

Fonte em inglês:
http://neteffect.foreignpolicy.com/posts/2009/04/07/moldovas_twitter_revolution

Ler mais sobre a situação em Moldova (romeno & inglês):
http://pman.cloudapp.net

Fotos & vídeo:
http://www.imarin.net/2009/04/moldova-revolution-2009.html

Ler mais em português::
http://ucrania-mozambique.blogspot.com/2009/04/revolucao-twitter.html

Anónimo disse...

parabéns voronin!!!

prefiro ser miserável e comer merda que me vender para a UE


russian_boy

Sérgio disse...

Claro que não é preciso vender-se para a UE, há sempre outros interessados bem mais agradáveis com quem tratar, por exemplo, Chineses, Iranianos, Venezuelanos, etc. Que lhe faça bom proveito.

Anónimo disse...

Gaius, o que você quer para esse país, então...faz mais de 20 anos que a URSS acabou e esse se tornou o país mais pobre da Europa. Você quer que as coisas continuem como estão?
Esse país é extremamente pobre e quer acabar com esses anos de marasmo!

Pra comparar, as rendas per capita de alguns países do centro e leste da europa

Hungary $ 19,100
Lithuania $ 17,700
Poland $ 17,600
Latvia $ 17,500
Croatia $ 16,100
Russia $ 15,800
Bulgaria $ 12,900
Romania $ 12,500
Ukraine $ 6,900
Bosnia $ 6,500
Albania $ 6,000
Moldova $ 2,500 <------------

Zé Carlos

Anónimo disse...

Transdniestria será um novo exclave russo, um Kalinigrado da vida. Mas falando sério, não sei se a UE aceitaria que a Romênia absorvesse uma população extremamente pobre de mais de 4 milhões, sendo que a Romênia já é o país mais pobre da UE. Seria um entrave econômico muito grande para o país.


Zé Carlos

Maquiavel disse...

O jest mostra a sua anti-democracia com tiradas como "os jovens que protestam contra a falsificação do processo eleitoral pelo partido comunista", visto que näo houve falsificaçäo, segundo a UE, OCDE, e demais entidades.
Já näo é a primeira vez que os comunistas moldavos ganham as eleiçöes por larga margem, e sem batota. É a vida, respeite-se a vontade do povo, que também é a de se manter independente da Roménia e Rússia.
A democracia só o é quando se respeitam os resultados--quer ganhe o "nosso" ou o outro. portanto, feche a matraca fascista.

Gaius disse...

Nobre Zé Carlos, na verdade eu não quero nada para esse país; apenas tento fazer uma avaliação do cenário que se mostra. Há de se reparar que passamos por um momento turbulento da história, um momento de definições. O clima não é bom.

O Recuperado disse...

"Desculpe, mas não vejo como a violência gratuita da esquerda burguesa grega que bate e refugia-se nas Universidades (sabendo que polícia não entra lá) ou os motins dos não franceses que pretendiam tomar a conta da França (sejamos honestos), pode assemelhar-se a tentativa da juventude da Moldova de resgatar o seu próprio país do comunismo.

Há violência de mais? Basta lembrar como acabou Ceausescu para ver que os protestos em Chişinău até são calmos de mais..."

Eu não diria melhor caro Jest, se me permite que o trate assim. E obrigado pela informação adicional que nos trouxe.

O Recuperado disse...

Maquievél, a democracia não é exactamente aquilo que uma entidade supra nacional nos diz que é mas sim aquilo que um "demos" escolhe.

A Democracia vai de baixo para cima e não de cima para baixo. Se uma maioria da população acredita que a vida democrática não é possível então não é por uma entidade qualquer supranacional que pouco ou nada tem que ver com os intervenientes democráticos vem dizer aos próprios votantes o que é ou não é democracia.

E a sua "paleia" diz muito acerca dos "democratas" que por aqui se passeiam...

Anónimo disse...

Milhazes:
que coisa é essa do presidente e das videoconferências a partir de hoje?

Anónimo disse...

Parece que as revoluções andam a perder as cores

Jose Milhazes disse...

Leitor anónimo, o Presidente decidiu a partir de hoje opuvir queixas por vídeoconferência, para ficar mais perto do povo. Não sei até que ponto é eficaz, mas vou estar atento.

O Recuperado disse...

A eficácia é nula. Pena que não faça a palhaçada que é o programa de Chavez na Venezuela.

Anónimo disse...

"feche a matraca fascista."

Melhor que ser comunista.

Vcs mataram muito mais .

Anónimo disse...

"É a vida, respeite-se a vontade do povo, que também é a de se manter independente da Roménia e Rússia."

A coisa que os Moldavos de etnia romena mais querem é independência, para se unificarem com seus irmãos romenos.


Querem distância da Rússia. Se n houvesse transdnístria, a unificação já teria ocorrido.

Em 2009, Stálin continua prejudicando um povo.

Jest nas Wielu disse...

2 Recuperando

Claro, ao seu dispor, se estiver interessado, visite o meu blogue, irá encontrar lá mais informações sobre a Moldova.

2 anónimo

Muito bem dito sobre o legado do Stalin, como dizem os russos, “os mortos continuam agarrar os vivos pelas pernas”...

2 Maquiavel

1. Não consigo fechar a sua matraca fascista, pois vivemos em países diferentes.
2. A UE / OCDE também reconheceu as recentes eleições em Angola como livres e justas. Os interesses da EU falam mais alto do que os seus princípios.
3. No dia 1 de Abril, 04 dias antes de eleições o governo da Moldova aumentou as pensões e salários. Em Chissinau em comunistas votaram vários eleitores já algum tempo mortos.
4. Se isso se chama na gíria dos comunas “livres e sem a batota”, então não sei porque não se mudam para a Correia do Norte, livremente e sem a batota...

O Recuperado disse...

" Se isso se chama na gíria dos comunas “livres e sem a batota”, então não sei porque não se mudam para a Correia do Norte, livremente e sem a batota..."

Caro Jest, não se esqueça que Comuna que é Comuna é tem de ser também um grande cobarde. Ou então irremediávelmente estúpido, mas principalmente um cobarde invejoso.

Maquiavel disse...

Pessoal: o Jest e o Recuperado acabaram de declarar a UE e a OCDE como "comunas"! Se assim for, já näo me ofendo quando me chamam a mim também de "comuna"!!!
Esses Jest e Recuperados é que se sentiriam bem na Coreia do Norte ou em qualquer outro país totalitário... conquanto fossem eles a ditar as regras!
Eu vivo bem é aqui nesta social-democracia, com direitos e deveres iguais para todos! Ai isso é comunismo? Entäo venham ele!