quarta-feira, abril 29, 2009

Rússia anuncia retirada de sua assinatura da Carta Energética


O primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, declarou, na terça-feira, que a Rússia não vê sentido em conservar a sua assinatura na Carta Energética, que foi assinada, mas não ratificada pela Rússia.
“A Carta Energética, que foi assinada, mas não ratificada até agora pela parte russa, não desempenhou o seu papel. Hoje, podemos dizer claramente que não vemos qualquer sentido em conservar a nossa assinatura nesse documento”, declarou Putin, depois de um encontro com o seu homólogo búlgaro, Serguei Stanichev.
A Carta Energética foi assinada por meia centena de países, entre eles a Rússia, com a finalidade de estabelecer o marco jurídico e as obrigações para o comércio energético entre o leste e o oeste da Europa. No entanto, a Rússia negou-se a ratificar o documento porque o considera desequilibrado e prejudicial aos interesses dos países produtores.
Moscovo propõe a assinatura de uma nova carta com três itens: o primeiro estabelece princípios básicos da cooperação energética internacional; o segundo expõe o acordo de trânsito, que incluirá um convénio especial para possíveis conflitos; e o terceiro estende o pacto não somente ao petróleo e ao gás natural, mas também à eletricidade, ao carvão e aos combustíveis nucleares.
Putin anunciou também que a Rússia e a Bulgária assinarão dentro de duas semanas um documento relativo ao gasoduto South Stream.
Com uma capacidade de 31 mil milhões de metros cúbicos de gás por ano com um aumento possível de 16 mil milhões de metros cúbicos, o gasoduto South Stream, projecto desenvolvido desde 2007 pela Gazprom russa e a Eni italiana, ligará a Rússia à Europa Meridional por debaixo das águas do Mar Negro e Adriático, contornando a Ucrânia. O tubo será montado a 2 quilómetros de profundidade e terá um comprimento de 900 quilómetros.
A fim de instalar os sectores terrestres do gasoduto, a Rússia já assinou acordos com a Sérvia, Hungria e a Grécia.

Serguei Stanichev, anteriormente, anunciára que a Bulgária também pretende participar no projecto do Nabucco, gasoduto que irá transportar´combustível azul da Ásia Central para a Europa, ladeando a Rússia. Desse modo, Sofia tenta transformar-se num ponto estratégico de trânsito de gás.
O primeiro-ministro russo revelou que o seu país voltará a estudar o pedido da Bulgária de concessão de um crédito para a construção da central nuclear búlgara de Belene.
“O primeiro-ministro búlgaro pediu-me para voltar a estudar a possibilidade de fazer um empréstimo de vários nilhares de milhões de euros para a construção da central de Belene e penso que poderemos resolver o problema”, declarou ele.
Putin lembrou que a Rússia tinha previsto esse dinheiro no seu Orçamento de Estado do ano passado, mas a parte búlgara desistiu do empréstimo e o dinheiro foi canalizado para outros fins.

15 comentários:

Anónimo disse...

Milhazes:
parece-me que o homem se está a mexer bem. Que têm os críticos a dizer agora? Isto tudo são vitórias ou derrotas?

Jose Milhazes disse...

Caro leitor, as vitórias e as derrotas vêem-se pelos resultados finais. A crise alastra-se, fala-se de divergências cada vez maiores entre Putin e Medvedev, vamos continuar a acompanhar a situação.

Anónimo disse...

Pois sim, concordo consigo na primeira parte da resposta, mas nas divergências entre Putin e Medvedev não acredito mesmo. É tudo conversa. A aliança é para durar. Aqueles dois vão ficar no poder durante muito tempo. Vai uma aposta?

PortugueseMan disse...

Caro JM,

Existe algures onde possa ler acerca dessas divergências?

Não possuo nenhum tipo de informação sobre este assunto e gostaria de dar uma olhadela.

Jose Milhazes disse...

Leitor anónimo, não faço apostas, apenas transmito ideias os suposições...

Jose Milhazes disse...

Leitor PM, muito tem sido escrito na imprensa internacional. Veja jornais franceses, espanhóis ou em língua inglesa.

Pippo disse...

É interessante como a Bulgária se tem posicionado no xadrês geo-estratégico. Aliaram-se aos EUA, têm lá uma base norte-americana, estão na NATO e UE, e souberam cortejar a Rússia.

PS - quem tiver dinheiro (e vontade) fará bem em investir no negócio imobiliário na Bulgária. É um país bonito, estável, sem convulsões, a população é muito simpática... tem um forte potencial turístico.

PortugueseMan disse...

Olhe que eu até consulto bastante imprensa internacional e não me tenho cruzado com artigos que façam referência a divergências entre eles.

Eu fiz agora uma pequena pesquisa na internet e não vi nada de especial.

Que tipo de divergências estamos a falar?

Quais os assuntos onde os dois chocam?

PortugueseMan disse...

Por outro lado, não será que esse tipo de divergências seja uma coisa controlada de modo a diminuir a pressão sobre o presidente?

Afinal em todo o lado se diz que o presidente é uma marionete de Putin.

Um pouco de diferendos entre eles, só irá fortalecer a imagem do presidente, que tanto é questionada pela imprensa estrangeira.

Na minha opinião eles trabalham como equipa. E reconheço que apenas pelo o facto de Medvedev ter sido apontado por Putin, já é por si uma grande pressão psicológica. Pressão essa que a longo prazo pode afectar a pessoa, afinal ninguém gosta de ser considerado marionete.

Uns arrufos podem mostrar um presidente mais independente, alivando essa pressão psicológica.

Eu não sei de que divergências estamos a falar, estou simplesmente a especular.

Anónimo disse...

Milhazes:
A "marioneta" anda a despedir militares e polícias dos graúdos com fartura. Acho que o PM tem razão quanto à imagem do Presidente, mas as divergências são invenção da oposição, porque são a única forma de atingir o duo. Medvedev para mim é superior a Putin, mas Putin é Putin, o regime é dele. Só que acho que melhor que Medvedev não há por ali e portanto Putin soube escolhê-lo. A águia russa não tem duas cabeças? Então porque não pode o poder ser bicéfalo? O país é tão grande que há trabalho que chegue para os dois.

Jose Milhazes disse...

Leitor anónimo, a demissão do chefe da polícia de Moscovo está ligada a mais uma episódio em que Medvedev foi colocado numa situação ridícula.
Depois do oficial Evsiukov ter assassinado 3 pessoas e ferido seis, Medvedev assinou um decreto que demitiu os dois chefes desse oficial, mas, pouco depois, veio-se a saber que esses dois oficiais já se tinham demitido há uma semana atrás.
Furioso com o sucedido, pois fez má figura, Medvedev demitiu o chefe da polícia de Moscovo.
Pergunta-se: quem pregou a partida ao Presidente russo?

Anónimo disse...

Milhazes:
história vergonhosa, de facto, só lhe restava mesmo o que fez. Agora vai dizer-me que essa partida veio de Putin? Tem mais pinta de ser golpe palaciano, provavelmente contra os dois. Ou a Polícia está podre ou é o staff do Presidente que o anda a lixar. São as sacanagens do poder. Detestáveis e imundas. Tenho pena. Eu bem gostaria de ajudar, mas a mim ninguém me liga. Já há muito que tenho a sensação que por ali é precisa uma limpeza em grande. É pessoal que está a perder poder ou que quer mais do que o que tem, provavelmente.

Anónimo disse...

Pelo que soube, as negociações com a Ucrânia saldaram-se em quase nada. Desta feita, Putin não cedeu. E fez bem, depois da senhora ter feito o acordo com a Ue sem lhe dar cavaco.O dragão mostra a sua raça.Finalmente.
Quanto às figuras ridículas que tem feito o Presidente, não me recordo de nenhuma. Pode contar o que aconteceu, Milhazes? Gostava de saber. Figura ridícula só me lembro da história da festa dos Abba e essa foi cama que fizeram ao boss. Terão sido os mesmos que a fizeram agora ao Presidente? Algo vai pôdre no reino do Kremlin.

Jose Milhazes disse...

Leitor anónimo, cederam os dois lados.

Anónimo disse...

Se cederam os dois lados e disseram no comunicado final que nada está ainda resolvido, então não houve nada de novo.O que me parece é que nenhum dos lados cedeu. Ainda.