quarta-feira, junho 24, 2009

Foi o Banco Mundial que disse...

O Banco Mundial prevê uma queda de 7,9 pc do Produto Interno Bruto (PIB) russo em 2009, ou seja, quase o dobro da sua previsão anterior, enquanto o desemprego poderá chegar aos 13 pc da população activa da Rússia, lê-se num relatório hoje publicado.
A recessão profunda da economia mundial e a queda da produção “terão um impacto mais grave do que o previsto na economia e no sector social russos”, sublinha o Banco Mundial que estabeleceu, nos fins de Março, uma descida de 4,5 pc do PIB na Rússia.
“O PIB poderá sofrer uma queda de 7,9 pc em 2009, não obstante os preços do petróleo voltarem a subir”, considera o Banco Mundial.
Este organismo financeiro internacional constata também a redução substancial do fluxo de investimentos directos. Os investimentos estrangeiros directos foram de cerca de 3,2 mil milhões de dólares no primeiro trimestre de 2009, representando uma descida de 43 pc em comparação com igual período de 2008.
“No fim do primeiro trimestre de 2009, a dívida externa dos sectores estatal e privado baixou até 454 mil milhões de dólares, contra um número recorde de 547 mil milhões em Outubro de 2008”, sublinha o relatório este aspecto positivo na economia russa.
“As medidas tomadas para estimular a economia, bem como o aumento progressivo dos preços do petróleo e a descida da inflação poderão criar condições mais favoráveis no segundo semestre e a economia russa poderá retomar um crescimento moderado em 2010”, prevê o relatório.
“A médio prazo, tendo em conta a dinâmica económica actual e uma previsão de crescimento de 3,5 pc em 2011 e 2012, o PIB só deverá atingir o nível anterior à crise no terceiro trimestre de 2012”, acrescenta o documento.
O Banco Mundial mantém o nível de inflação da Rússia entre os 11 e 13 pc.
O relatório chama a atenção das autoridades russas para os efeitos negativos da recessão nas camadas sociais mais desfavorecidas e uma classe média ainda frágil. O número de pobres poderá subir para 24,6 milhões de pobres, ou seja 17,4 pc da população.
O número de desempregados poderá subir até 13 pc em 2009.
“Esta previsão reflecte tanto a diminuição geral do número de empregos, como as mudanças estruturais nos vários ramos da economia. O mais alto nível de desemprego poderá registar-se na indústria transformadora, construção e comércio a retalho”, lê-se no relatório, que sublinha as cidades que dependem de uma ou algumas poucas empresas sentirão particularmente o aumento do desemprego.
“A Rússia encontra-se frente a uma tarefa difícil: fazer face, simultaneamente, às consequências sociais de uma crise mais importante do que o previsto, controlar as finanças públicas e tomar medidas para apoiar a economia”, considera o Banco Mundial.

9 comentários:

PortugueseMan disse...

"Foi o Banco Mundial que disse..."


...e o que disse foi que corrigiu as suas PREVISÕES, como as está a fazer a todos os outros países.

Dado que a maior fonte de rendimento vem da energia, é de esperar grandes diferenças comparado com o ano passado.

Mas também temos que ver outros sinais existentes e neste caso nem previsões são.

- A Rússia continuar a adquirir empresas consideradas estratégicas no estrangeiro e com meios próprios.

- A Rússia não está a pedir dinheiro ao FMI, pelo o contrário equacionar dar dinheiro ao FMI.

- A Rússia empresta dinheiro a outros países, uma vez mais com meios próprios

- As reservas monetárias da Rússia parecem resistir

Você há uns meses atrás disse que as reservas estavam a ser gastas um ritmo preocupante e que não dariam para nada, dado que colocou aqui um artigo sobre o que prevê o Banco Mundial para a Rússia, porque não uma análise das reservas monetárias ao longo do primeiro semestre de 2009? era capaz de ser interessante.

E mais um pormenor, se o barril de petróleo continuar a subir (e já subiu bastante em escassos meses), a Rússia terá mais dinheiro para investir no mercado interno de modo a revitalizá-lo.

Gilberto Mucio disse...

Incrível. Esse PortugueseMan parece torcedor fanático de time de futebol defendendo seu time.

PortugueseMan disse...

Mas estou a dizer algo de errado?

Corrija-me...

PortugueseMan disse...

Gazprom seals $2.5bn Nigeria deal

Russia's energy giant Gazprom has signed a $2.5bn (£1.53bn) deal with Nigeria's state operated NNPC, to invest in a new joint venture.

...Analysts say the move could further strengthen Russia's role in supplying natural gas to Europe...

...As well as forming Nigaz, Russia is keen on developing a trans-African pipeline to transport Nigerian gas to Europe.

This could further reinforce Gazprom's already-strong influence over Europe's energy supplies...



http://news.bbc.co.uk/2
/hi/business/8118721.stm

Caro JM,

Mais uma vez reforço a capacidade de investimento da Gazprom/Rússia, mesmo com os preços actuais e as previsões do Banco Mundial...

Agora o artigo chama a atenção para o facto da Rússia estar a aumentar o controlo sobre o fornecimento para a Europa. Eu não concordo e tenho uma visão diferente sobre o assunto.

Não sei se recorda que eu tenho falado em asfixia energética dos EUA por parte da Rússia e China. Este é a meu ver mais um passo deste meu modo de ver. Passo a explicar:

Embora as notícias focam mais os acordos entre a Nigéria e a Rússia, isso deve-se pelo facto que Medveded anda a passear pela região, mas ao contrário do que o artigo da BBC diz, não se pode pensar apenas no contexto europeu.

A Nigéria é o 5º maior fornecedor dos EUA e ainda se mantém como indica os dados de 2009, ver:

http://www.eia.doe.gov/pub/oil_gas/petroleum/data_publications/company_level_imports/current/import.html

Nessa tabela chamo a atenção algo que tenho dito: a China está a desviar a produção destinada aos EUA, a China está a "atacar" os fornecedores americanos.

Venezuela, Nigéria e Angola (3º, 5º e 6º fornecedor) estão a desviar a sua produção para a China e o 7º fornecedor que neste momento é o Iraque será um fornecedor que a ser retirada as tropas americanas, irá desviar a sua produção também.

Neste contexto é necessário ver uma outra notícia que saiu:

Nigeria: SINOPEC Acquires Addax for $7.2 Billion

SINOPEC, an acronym for China National Petroleum Corporation has paid C$8.27 billion (US$7.24 billion or N1.06 trillion) for Addax Petroleum after the Canadian-based outfit gave the nod to the Chinese giant's C$52.80 per share takeover offer

It was also gathered that Sinopec is set to drill its first exploration well in the Nigeria-Sao Tome and Principe Joint Development Zone in July after a lengthy delay caused by a shortage of deepwater rigs.

...They declined to speculate on the Sinopec-operated block's potential reserves, but industry reports point to a pre-drill resource estimate of about 275 million barrels...

...Sinopec is particularly interested in assets in South America and Africa, company chairman Su Shulin said in May...



http://allafrica.com/stories/200906250380.html

O facto da Rússia estar a investir aqui, pouco vai influir na Europa, excepto que esta pouco vai tirar daqui petróleo, porque a prioridade será a China.

O mais interessante daqui é que de facto o 5º maior fornecedor dos EUA vão receber 10 Biliões de dólares, para desviar a sua produção para a China.

E para acordos desta magnitude e importância (estamos a falar de energia), também vamos ver armas. e muitas.

E se ainda tiver paciência dê uma olhadela a este artigo da BBC de 2002:

US eyes African oil

The United States has denied persistent reports that it intends to build a military base on the tiny west African island state of Sao Tome - but said it will expand co-operation with the former Portuguese colony...

http://news.bbc.co.uk/2/hi/africa/2312975.stm

Dobrovolsky disse...

Contra uma crise dessa estatura nada como uma boa guerra. E o que não falta no cenário internacional são motivos...

Raffo disse...

Putin-Medvedev não diversificaram a economia do país, que continua a depender de commodities. Um país como a Rússia deveria fazer planejamentos, visando diversificar-se à longo prazo, senão continuará a ficar dependente da economia mundial, com seus ciclos e conjucturas que nem sempre favorecem a Rússia.

Gaius disse...

a Rússia deveria fazer planejamentos



Certamente estão a fazê-lo, Raffo.

Anónimo disse...

Bom pro Brasil.

Excelente notícia.

Carlos disse...

A economia russa é altamente dependente da Europa Ocidental e como todos sabem a economia dessas paises esta "caindo pelas tabelas" e obviamente arrasta a economia russa com elas.