terça-feira, junho 09, 2009

Mãe de Alexandra não quer regressar a Portugal


Natália Zarubina, a mãe de Alexandra, recebeu “três propostas extremamente atraentes” de Portugal, mas reafirma que não pretende abandonar a Rússia, escreve hoje Olga Kuznetsova, jornalista do diário “Komsomolskaia Pravda”.
“O caso (Alexandra) emocionou Portugal inteiro. Agora, os portugueses propõem à mãe e filhas habitação e emprego, apenas para que ela (Natália) regresse a esse país com a filha. Porém, ela, que reside na vila Pretchistoe, Distrito de Iaroslavl, não tenciona abandonar a Rússia”, acrescenta a jornalista de Iaroslav, que tem acompanhado de perto este caso.
O Komsomolkaia Pravda revela: “uma câmara municipal de uma das principais cidades de Portugal propôs a Natália, à sua família e à família do irmão habitação grátis. Uma empresa prometeu montar um café para Natália poder trabalhar. Um dos homens mais ricos do país prometeu pagar as despesas de transporte da família”.
“Zarubina olha com desconfiança para a proposta de regressar a Portugal. Ela afirma recear que os portugueses iniciem um novo processo para lhe retirar a criança, que a acusem de prostituição e maus tratos da criança”, continua a jornalista, citando declarações de Natália.
O diário escreve também que Natália não recusa ajuda material dos portugueses, pois vive à custa da mãe e só poderá começar a procurar emprego em Setembro.
“Ela propõe aos pais afectivos portugueses que enviem dinheiro para comprar uma casa com boas condições, uma casa de banho, para que Sandra não precise de nada”, sublinha o Komsomolskaia Pravda.
O diário electrónico newsru.com lembra que “os rendimentos da avó e avô, que são o sustento da família, é de cerca de 20 mil rublos (cerca de 450 euros) por mês”.
“E que irei eu fazer na velhice em Portugal? Ficar sentada entre quatro paredes?”, afirma Olga Zarubina, avó de Alexandra, quando lhe falaram das propostas portuguesas.
Num artigo publicado hoje na edição electrónica do jornal Komsomolskaia Pravda, chama-se a atenção para as declarações contraditórias feitas por João Pinheiro, pai afectivo de Alexandra, à imprensa portuguesa: "a um dos jornais ele afirma que falou com Natália e ela recebeu com entusiasmo a proposta de se transferir. Mas, a outro jornal, João declarou que Natália apenas prometeu pensar, expressando receio face à possibilidade de lhe virem a retirar novamente a criança".

28 comentários:

Anónimo disse...

Isto está a ficar repetitivo, JM. Mesmo título, mesmas fotos da miuda com cães e na casota dos mesmos, mesmas informações. Porque não levam a miuda a dar uma volta pelo Kremlin, com vestido de baile e sapatinhos de cristal? Muito mais elegante. E depois pode ir passear o cão do Presidente. Ora aí está uma boa reportagem ,muito elegante, como num conto de fadas.

POR TODAS AS ALEXANDRAS disse...

José Milhazes,

Realmente não entendo. Nos jornais cá em Portugal o que dão a entender é que ela iria pensar acerca da proposta...
Agora já não... Não entendo,...
Cumprimentos.
Cat Rib

Sofia Sobral disse...

Caro José Milhazes,

A informação cá do DN de hoje é que a Natalia informaou que vai pensar melhor sobre o assunto de voltar a portugal. Já nao diz que nao, diz que vai pensar. Parece positivo, certo? Pelo menos esperançoso. Ver informação no blog Http://xaninhanossa.blogspot.com/.

Melhores Cumprimentos
Sofia Sobral

cidadaniaresponsavel disse...

Prof. José Milhazes, no Blogue da Xana, activou-se a moderação de comentários insultuosos à causa desta menina. Pelos vistos, os anónimos que andavam por lá a vomitar, vieram aterrar aqui. Uma boa continuação do seu trabalho.

MariaF disse...

Caro José Milhazes,
Como é que a opinião pública russa interpreta:
1. a recusa de Natália em regressar a Portugal mas a aceitação de ajuda financeira tal que lhe permita comprar uma casa com condições;
2. Não querer estar às custas da mãe, mas ir procurar emprego só em Setembro (por alguma razão especial, não pode começar já a procurar?).
Muito obrigada.
Cumprimentos,
Maria Ferreira

Jose Milhazes disse...

Caros leitores, na Rússia há várias posições face ao caso da Alexandra, tendo lugar uma forte discussão na Internet. A julgar por esta última, há um grande número de russos que está a favor do regresso da menina a Portugal.
Natália Zarubina só poderá procurar emprego, porque, segundo ela me disse, até lá tem de estar com a Alexandra, que só nessa altura irá para o infantário.
Quanto ao que escreve ou não a imprensa portuguesa, não faço comentários, apenas respondo pelo que escrevo eu.

Paula disse...

Sr. Milhazes,

Desculpe a curiosidade, ou até mesmo o atrevimento, mas por total desconhecimento de como "as coisas funcionam", dado que não é de todo a minha área, gostaria de saber se o que escreveu, foi baseado em conversa directa com a Natalia, ou foi baseado noutros relatos da imprensa.

Mts respeitosos cumprimentos e continuação de bom trabalho.
Paula

Jose Milhazes disse...

Cara Paula, eu estive dois dias na aldeia onde vive a menina e falei numerosas vezes com Natália Zarubina.

Anónimo disse...

Quer o caro anónimo dizer a cadela do Presidente, de muito pedigree, que o senhor é um dos grandes criadores do país com prémios recebidos e tudo.

Andreia BARCELOS disse...

Como pode ela ser tão ingrata quando tantos portugueses estão a precisar de alguem que lhe de a mão. Os Pinheiro so querem o bem da menina mas a iguista so pença nela. Quem podera chamala a razão? não me pareçe que a advogada seja a mais indicada .

Andreia BARCELOS disse...

Como pode ela ser tão ingrata quando tantos portugueses estão a precisar de alguem que lhe de a mão. Os Pinheiro so querem o bem da menina mas a iguista so pença nela. Quem podera chamala a razão? não me pareçe que a advogada seja a mais indicada .

Zélia disse...

José Milhazes,
Pelo que li a avó Olga também não está a ajudar muito, porque questionava o seguinte: "O que vou fazer em Portugal na minha velhice? Vou ficar sentada entre quatro paredes?" Estes comentários juntamente com os receios de Natália levam à decisão que nós não queremos. Se calhar todo o trabalho de convencer Natália a regressar, deve ser alargado à restante família, propondo-lhes que venham passar umas férias no Verão, para experimentarem, verem que as propostas são reais e verem como a vida cá é melhor. Os pais de Natália, se estão a pensar vir, mas receiam não se adaptar, poderiam vir, ajudavam no café, ficavam cá durante o rigoroso inverno da russia e iam lá passar os meses de verão, com umas poupanças de cá. O importante é a Natália sentir segurança nas propostas e acima de tudo, que não lhe será retirada a filha, mas que esta deve conviver com a família Pinheiro. Será muito saudável para a menina, ela regressar ao ambiente com o qual se identifica. Até a irmã Valéria vai gostar de cá estar. Já conheci muitas pessoas de leste e todos gostavam muito de cá estar. Vive-se melhor e são mais livres, fundamentalmente é isto que referem. Quem pode fazer este trabalho alargado à toda a família, para que não baralhem a Natália, é alguém de nossa confiança, o Sr. José Milhazes. Desejo que seja possível o regresso a Portugal. Tudo seria encarado como umas férias e não haveria traumas! Anseio por esse dia para poder respirar de alívio. Bem hajam aqueles que gostam de ajudar os outros. Já se sabe que não falta quem critique e também queira para si. Não podemos valorizar isso. É o igoísmo do ser humano a vir à tona!
Relativamente à família de Natália, eles também não são de lá. Pelo que li algures, quando tudo isto começou, eles eram refugiados do Casaquistão. Deslocaram-se para ali há cerca de 10 anos e com todo o dinheiro que tinham, compraram aquela casa. Ou seja, esta gente tem tido sempre uma vida desgraçada. Eles não sabem o que é viver razoavelmente, por isso não acreditam facilmente no que dizemos. Acham muita fartura! E desconfiam!
Acho que devem aceitar, oportunidade destas possivelmente nunca mais a vão ter.
Obrigada

Paulo Varela disse...

Aceita o dinheiro (!) mas não aceita casa e trabalho cá, uns dizem vai pensar no assunto enquanto outros dizem que não quer voltar, uns dizem fontes anónimas outros dizem CM Barcelos e Rui Rio... enfim, isto já está a ficar muito confuso, tal como eu disse num texto sobre o caso, trata-se mesmo de um caso complexo!

Mas uma coisa é verdade, o tal "um dos homens mais ricos do país" pode muito bem ser o Dr Fernando Reis... Sabem o valor da pensão do ainda presidente da CM Barcelos?...

Anónimo disse...

Resposta ao comentario da Zelia:

Sim, o que me doi e saber que a familia nao tem inteligencia para sair da situacao financeira em que se encontra e que continuam a negar-se oportunidades, porque pensam que ser realista e ser derrotista. Nao sabem ver uma boa oportunidade quando se encaram com ela, ficando-se pelo oportunismo barato do dinheiro imediato.

Ora a Alexandra tem cara de Campea, de Ganhadora. A rapariga tem estofo para ser Medica, pelo menos.

Tomara muitos Portugueses serem oferecidas tais condicoes.

Anónimo disse...

Não desistam ela vai regressar no máximo dentro de 3 meses. Acreditem.

Anónimo disse...

3 meses? é o quê? contrato a prazo? já cá me parecia...

Anónimo disse...

Em Portugal não vive melhor qualquer emigrante ... Ela pode ter alguma sorte , digo alguma , se aceitar , e tudo ficar legalizado e escrito ... Agora , sabe bem que a educação que quer dar a menina dista kilómetros da educação da família Pinheiro ...
Uma criança na mão de algozes!

Anónimo disse...

Resposta ao anónimo da 00.43

Todos os russos têm a mania de dizer que a sua educação é melhor do que a Portuguesa. Ora isso não é bem verdade. Para já, o acesso à educação superior é muito mais difícil na Rússia do que em Portugal.Basta dizer que, nas universidades públicas, uma grande parte dos estudantes tem que pagar milhares de dólares anualmente para estudar (platnaya osnova).
Na escola secundária, o ensino é baseado na repetição, disciplina e as notas são dadas nos exames sem um mínimo de objectividade.

Zélia disse...

Bom dia,Sr Milhazes
Será que dá traduzir resumidamente o que este Sr diz nesta entrevista?

http://www.youtube.com/watch?v=9rjF-Ctjk1o
Fico-lhe muito grata,

Obrigada

anónimo russo disse...

Anónimo disse...
Resposta ao anónimo da 00.43

Todos os russos têm a mania de dizer que a sua educação é melhor do que a Portuguesa. Ora isso não é bem verdade. Para já, o acesso à educação superior é muito mais difícil na Rússia do que em Portugal.Basta dizer que, nas universidades públicas, uma grande parte dos estudantes tem que pagar milhares de dólares anualmente para estudar (platnaya osnova).

"platnaya osnova" - è para quem quer ter um segundo educação superior ou não conseguiu entrar na faculdade, passando devidamente tidos os exames. A esmagadora maioria dos jovens que entram nas universidades depois da escola, não têm que pagar pelo ensino, pelo contrário, recebem bolsa, ou como isso se chama, embora muito pequena (recebem, se estudam bem). Se a pessoa tiver como objetivo entrar numa universidade e estudar bem na escola, mesmo que seja da família mais pobre, tem todas as chances, eu conheço muitos exemplos. Embora, claro, dependendo do tipo de estabelecimento, exista corrupção. Mas, posso lhes assegurar, os professores muito mais gostam daqueles que estudam com a sua própria cabeça.


"Na escola secundária, o ensino é baseado na repetição, disciplina "
depende muito da escola, do professor e da disciplina.

"e as notas são dadas nos exames sem um mínimo de objectividade"

que tolice. Você estudou na escola russa?

Jose Milhazes disse...

Cara leitora Zélia, ouvi on que diz o Sr. Maxim Chevchenko e posso dizer-lhe que se trata de um discurso "ultra-patriótico" onde, no fundo, os culpados de tudo são os jornalistas estrangeiros que "iniciaram esta campanha barulhenta por encomenda", para fazer pressão na Rússia num momento em que decorrem conversações difíceis com a UE, sobre o gás, etc., etc. Diz ele que Israel mata crianças palestinas e ninguém diz nada, etc., etc.
Um amigo meu russo diz a propósito destes discursos com ironia: "Milhazes, ainda não entendeste? As nossas crianças podem morrer de fome, devido a espancamentos, mas jamais deverão morrer de nostalgia longe da pátria".
No início de todo este processo, eu telefonei ao Sr. Chevchenko enquanto membro da Câmara Social junto do Presidente da Rússia e ele disse-me que não estava ao corrente do caso... A propósito, o dirigente dessa Câmara, o Sr. Kutcherena, prometeu que iriam visitar a família Zarubina, etc., etc., mas, até, agora, ao que sei, ninguém lá foi...

Jose Milhazes disse...

LeitoraZélia, apenas mais uma nota. Infelizmente, não tempo tempo para traduzir o discurso do dito senhor, mas se algum leitor conseguir fazer isso, seria bom, pois é este o pensamento reinante na elite dirigente russa.

ac disse...

Sr anonimo Russo sera pedir muito o favor de traduzir o que foi dito na tal reportagem?
http://www.youtube.com/watch?v=9rjf-ctjk10

anónimo russo disse...

ac disse...
Sr anonimo Russo sera pedir muito o favor de traduzir o que foi dito na tal reportagem?
http://www.youtube.com/watch?v=9rjf-ctjk10


O endereço está correto? Porque não consigo abrir. Ou, então, escreva o nome do clipe, vou tentar procurar.

Jest nas Wielu disse...

Para Zélia e AC, o vídeo http://www.youtube.com/watch?v=9rjF-Ctjk1o já tem a tradução portuguesa, mais podem ver a transcrição resumida no último post sobre a Xaninha neste blogue (para na postar em sítios diferentes)

anónimo russo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Jose Milhazes disse...

Leitor anónimo russo, modere as expressões. Defenda as suas posições, mas de forma correcta.

António disse...

Alexandra, não te esqueceremos.