quinta-feira, junho 18, 2009

Rússia propõe elaboração de novo acordo de segurança euro-atlântica

A Rússia propôs hoje a cinco alianças regionais a realização, no próximo ano, de uma reunião para acordar posições sobre a segurança no espaço euro-atlântico, anunciou Andrei Nesterenko, porta-voz da diplomacia russa.
Nesterenko precisou, numa conferência de imprensa, que se tratará de um encontro de “dirigentes de cinco estruturas internacionais que operam nesta zona: Organização de Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), Organização do Tratado de Segurança Colectiva (OTSC), Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), União Europeia (UE) e Comunidade de Estados Independentes (CEI)”.
“O objectivo é examinar as respectivas estratégias de segurança e coordenar posições para formar na região um espaço de segurança indivisível”, acrescentou.Nesterenko sublinhou também que a elaboração de um novo acordo de segurança europeia, iniciativa lançada pelo Presidente russo Dmitri Medvedev, deverá realizar-se “num cenário independente, não no quadro da OSCE”.
Segundo ele, a Rússia considera insatisfatório o actual nível de segurança no espaço euro-atlântico, em particular, devido à estagnação das medidas de confiança, a profunda crise em torno do Tratado FACE (Forças Armadas Convencionais na Europa), as tentativas de solução militar de conflitos regionais, como aconteceu na Geórgia em Agosto passado, bem como as ameaças de terrorismo internacional, narcotráfico e outras formas de criminalidade transfronteiriça.
“Semelhante situação deve-se ao facto de terem deixado de funcionar os princípios fundamentais... antes de tudo, o compromisso de não reforçar a segurança própria à custa dos outros e o não emprego da força militar para a solução de conflitos”, precisou.
Na mesma conferência de imprensa, Andrei Nesterenko avaliou positivamente o desenvolvimento das consultas com os Estados Unidos sobre a ulterior redução de armas nucleares estratégicas.“As negociações decorrem num ambiente construtivo.
Consideramos que os Presidentes (Dmitri Medvedev e Barack Obama) poderão anunciar os resultados preliminares na sua reunião de Julho próximo”, anunciou o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia.
O diplomata frisou que ambas as partes realizam “preparativos intensos para a cimeira”, o que infunde “esperanças de que seja muito produtiva”.
Estados Unidos e Rússia realizaram nas últimas quatro semanas duas voltas de consultas bilaterais para decidir o futuro do acordo START, que expira em Dezembro próximo. A terceira volta terá lugar em Genebra em 23 e 24 de Junho.
O Tratado START foi assinado pela URSS e os Estados Unidos em Julho de 1991 e entrou em vigência em Dezembro de 1994. Impõe limites iguais para o número de ogivas (6.000 ogivas para cada uma das partes), vectores, bem como o peso dos mísseis estratégicos.
Andrei Nesterenko lançou um apelo para que a declaração da Coreia do Norte de “vingança pela resolução do Conselho de Segurança da ONU” não seja interpretada no “sentido directo”, acrescentando, porém, que “é profundamente lamentável que um Estado-membro da ONU declare demonstrativamente que se recusa a cumprir uma resolução do Conselho de Segurança”.

97 comentários:

PortugueseMan disse...

Vamos ter um ano muito animado. Existem tantos items a ser resolvidos primeiro e ninguém está a conseguir resolver nenhum.

A missão para a Geórgia foi-se. como é que vão resolver aquilo?

O gás e a Ucrânia, está tudo na mesma e será uma questão de tempo até haver novos problemas, ninguém está a resolver nada.

Sistema antí-míssil? como fica? não vai haver tratado nenhum de redução de ogivas enquanto os EUA não recuarem o sistema na Europa.

Muitos e grandes problemas e que se irão agravar à medida que o tempo passa. E isto só para esta zona do globo.

PortugueseMan disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

A ONU só serve aos países quando acham necessário.Vide o exemplo maior, e atual; O IRAQUE.Sem falar na antiga Yugoslávia.Como diz um ditado:

"Para os amigos as benesses e para os inimigos o rigor da LEI."

PortugueseMan disse...

caro JM,

Dê uma olhadela a isto:

IMF Sees Sharper Downturn in Ukraine, Budget Strain Amid Crisis


The International Monetary Fund will likely change its forecast for an 8 percent economic contraction in Ukraine to a sharper decline, an IMF spokeswoman said...

... “Obviously we are looking at the strains of the budget from the deeper contraction and from the continued financing need of Naftogaz.” ...

...the Ukrainian government said this week it will increase the capital of state-run energy company NAK Naftogaz Ukrainy as it seeks funds to pay for natural gas to be stored over the summer...



http://www.bloomberg.com/apps/news?pid=20601095&sid=a8Lc.7w0Kye8

Repare no rico sarilho em que está metido a Ucrânia, eu já lhe tinha dito em conversas anteriores a Ucrânia não tem capacidade de pagar o gás aos preços praticados e na tentativa de não agravar ainda mais a situação económica, a Naftogaz não reflecte o REAL preço do gás aos consumidores finais, porque seria o desmoronar da Ucrânia.

Para compensar o governo tem que pagar a diferença, mas o governo não tem dinheiro para pagar essa diferença.

Estão reunidos todos os ingridientes para a Ucrânia colapsar económicamente. Só existe uma saída, a Europa (nós) passarmos a pagar o gás ucraniano. Mas estamos a falar de um país que só é o 2º maior da europa, com mais de 45 milhões de habitantes, é impossível à Europa enfiar aqui dinheiro.

A Ucrânia caminha para um estouro económico, seguido de um político e depois é que vamos ver uma crise a sério, porque TUDO pode acontecer.

E tudo isto porque o presidente quer por todos os meios e feitios entrar na NATO.

A factura dessa decisão está à porta.

Sérgio disse...

Ó PM realmente e porque não a Russia pagar a factura? Acha mesmo que se não fosse a questão da NATO a Russia estaria disposta a arcar com um prejuizo vendendo gás mais barato para a Ucrania? Ilusões caro amigo, sabe porquê? Dois exemplos, olhe a Bielorrussia, com os recentes problemas, e olhe para a China e as negociações com o preço do gás. São muito amigos mas a Russia olha em primeiro lugar para os seus interesses, e depois de vez em quando atira um osso aos seus subordinados pretendendo mante-los caladinhos e submissos.

Pippo disse...

O problema é que, quando alguém paga alguma coisa a outrém, depois quer a devolução do que pagou, e com juros.

Se a Rússia pagar a factura, como já o faz, como lhe negar o que quer que seja a posteriori? Na política internacional ninguém faz favores a ninguém. Nem a Rússia nem a UE escapam a esta lógica. E Kiev sabe disso.

PortugueseMan disse...

"Ó PM realmente e porque não a Russia pagar a factura? "

Engraçado meu caro, pelos vistos a Rússia não pode vender gás a preços de mercado.

Pelos visto você defende que a Rússia venda gás ao preço que o cliente escolher.

Mas aposto que você só defende isso, para a Rússia.

Olhe já agora faça-me um favor, arranje maneira de Portugal comprar petróleo a preços que possamos pagar, mas para que estamos nós a pagar preços de mercado?

Alías com o mundo enfiado numa recessão como nunca vista, porque carga de àgua não se estabelece que é o cliente que escolhe o preço que quer pagar?

Aliás pode até você começar a actuar, vá à bomba de gasolina e recuse-se a pagar o valor pedido, ofereça metade ou o que puder, esteja à vontade.

PortugueseMan disse...

Caro JM,

Gazprom Neft Returns to Profit From Previous Quarter on Tax Cut


OAO Gazprom Neft, the oil arm of Russia’s largest company, had a profit in the first quarter after posting a fourth-quarter loss as taxes fell and oil prices stabilized.

Net income was $335 million, compared with a fourth-quarter loss of $543 million. Profit beat the $302 million median estimate of 8 analysts surveyed by Bloomberg. The company posted a profit of $1.41 billion in the year-earlier period...


http://www.bloomberg.com/apps/news?pid=20601072&sid=aIM9wJWZrab0

Estou a chamar a atenção para este artigo, devido às trocas de conversas relativamente à Gazprom.

Dois tópicos para ter em mente do que temos falado:

Capacidade de investimento da Gazprom e preços. O preço do crude já está a 70 dólares! (O que é deveras mau sinal para o mundo) você sabe o que isto vai significar para a Ucrânia? sarilhos acrescidos.

Mas daqui a uns meses se ainda andar por aqui eu volto à baila com o assunto...

PortugueseMan disse...

Lukoil compra participação em refinaria na Alemanha

A Lukoil, segunda maior petrolífera russa, adquiriu 45 por cento da refinaria da francesa Total na Alemanha, avançando na concretização do propósito de alargar a sua actividade à Europa Ocidental...

...Em 2008, a Lukoil comprou 49 por cento da refinaria italiana ERG's Isab di Priolo na Sicília, entrando no negócio europeu da refinação.



http://www.oje.pt/noticias/negocios/lukoil-compra-participacao-em-refinaria-na-alemanha

Caro JM,

Só para reforçar o post anterior. e uma chamada de atenção: esta aquisição por parte da Rússia, bloqueou a intenção dos EUA fazerem o mesmo, porque os EUA queriam apanhar este negócio.

Anónimo disse...

de qualquer forma, PM...a Rússia sempre tem razão

PortugueseMan disse...

sempre tem razão em quê? você tem que ser mais explicito.

Você deve ser o anónimo que fez o mesmo reparo há pouco tempo.

Você está como anónimo, não se identifica nem com um simples nick, o que disser não pode ser associado a ninguém, diga lá o que pensa, afinal todos nós temos direito a ter uma opinião e estas podem ser discutidas nestes espaços, desde que expressas civilizadamente.

Yan disse...

A Rússia deveria, o quanto antes, começar a se aproximar mais de suas origens européias...se aproximar da UE. E projetar uma adesão ao bloco nos próximos 40-50 anos.
O que eu vejo hoje, é uma rússia, cada vez mais, com uma mentalidade asiática. O jeito de pensar russo está cada vez mais próximo de nações como Casaquistão do que dos seus irmãoes da Europa.
A UE deveria ser a união das três principais etnias européias (latinos, germânicos e eslavos) em um bloco forte e coeso. E a Rússia faz falta nesse processo.

Anónimo disse...

os russos peidam, o PM diz que são perfumes naturais

Anónimo disse...

os russos comem m., PM diz que é caviar

PortugueseMan disse...

Deve doer não ter argumentos...

Ainda pensei que fosse uma pessoa relutante em escrever, mas o problema é outro.

Erro meu em responder a anónimos.

Souxz disse...

O PM na verdade tem origens russas (não sei se é de pai ou mãe, não tenho certeza). Por isso, é um defensor intransigente de todas as ações russas, por mais ilógicas que muitas delas são.

PortugueseMan disse...

Souxz,

Acredite se quiser ou não, mas sou português, os meus pais também o são, avós também, para trás disso também penso que sim.

Agora você pode-me indicar quais as acções russas que considera ilógicas?

Sérgio disse...

Ó PM, realmente, repondeu logo aquilo que não tem interesse para nada. Da mesma forma que o PM considera que deve a UE pagar a factura energética Ucraniana, eu gostaria de saber porque não a Russia, que até tem pretensões de manter a Ucrania na sua esfera de influencia, considerando-a como uma nação irmã. Mas nem sequer era isso que eu queria focar, a minha interpelação ao PM seria porque é que acha que se não fosse a opção pela aliança Atlantica da Nato por parte da Ucrania, esta estaria em melhor situação quanto à questão energética e financeira (conclusão que depreendo das suas palavras porque obteria um preço mais baixo no gás) quando a Bielorrussia, um fiel aliado de Moscovo, e a China (um aliado de ocasião), não veem a sua situação facilitada apesar de nada terem feito contra a Russia, antes pelo contrário. É apenas esta incongruencia no seu raciocinio que gostaria de ver explicada. Aproveito para lhe dizer o seguinte quanto aos comentários que vi, não sei se seus, mas admito de outros também, sobre a possibilidade da Russia desviar a sua energia para a China em detrimento da Europa com estes recentes acordos, pois a Russia continuará a vender o máximo que puder a todos os interessados, senão o dinheirinho não entra...

PortugueseMan disse...

Sérgio,

Não há incongruência.

A mim faz-me confusão o seu raciocínio. A Rússia AINDA está a pagar a factura da Ucrânia, a Rússia tem estado continuamente a pagar a factura. A Ucrânia AINDA não está a pagar preços de mercado.
A Rússia sempre pagou a factura.

Eu já escrevi isto aqui várias vezes e também já lhe disse isto aqui.

Eu até uma vez cheguei aqui a colocar uma questão (não sei se foi a si), se a Rússia atravessa uma recessão tão grave como tanta gente defende, porque é que ninguém aponta que um dos modos de diminuir os problemas económicos da Rússia, seria não dar dinheiro aos outros (por meio de subsídios energéticos) e investir esse dinheiro internamente. Ningúem me respondeu, mas dou-lhe essa oportunidade agora.

Enquanto a Rússia vir a Ucrânia como aliado, irá facilitar a transição de modo MUITO mais suave para preços de mercado.

Agora se a Ucrânia quer aderir a uma organização MILITAR hostil, que o faça! e pague o preço de mercado! Desculpe lá, a Rússia é tão má, mas para a Ucrânia tem que ser a Santa Casa, quando esta alberga bases da NATO?! Você só pode estar a brincar!

A Biélorússia e China são dois casos completamente distintos.

A Bielorussia quer mais por ser aliado a Rússia joga do outro lado fazendo pressão, a Bielorussia não vai pagar preços de mercado, como a Ucrânia se candidata a pagar.

A China não faz sentido você referir, situação facilitada? porquê? Estão em fase de negociações, perfeitamente normal, não há que haver meiguices, um fornecedor, um cliente, a China quer energia e muita e até está avançar com 25 Biliões de dólares de financiamento (é obra). Não vejo qualquer tipo de situação com a China, mas se você a vê por favor, meta pormenores.

Eu sempre disse que a Rússia está a preparar para desviar a energia. E já foquei isso aqui várias vezes, muitas delas quando se dizia aqui que a Rússia estava mais dependente da Europa como cliente do que a Europa do fornecedor.

A Rússia está a fazer um bypass a todos os países problemáticos e chegar a quem lhes interessa, principalmente a Alemanha.

Polónia, países bálticos, rep. Checa e Ucrânia vão ser os afectados.

"senão o dinheirinho não entra?"

Meu caro, até parece que é a Rússia que anda a bater à porta dos clientes...

Sérgio disse...

"Eu até uma vez cheguei aqui a colocar uma questão (não sei se foi a si), se a Rússia atravessa uma recessão tão grave como tanta gente defende, porque é que ninguém aponta que um dos modos de diminuir os problemas económicos da Rússia, seria não dar dinheiro aos outros (por meio de subsídios energéticos) e investir esse dinheiro internamente. Ningúem me respondeu, mas dou-lhe essa oportunidade agora."



"Repare no rico sarilho em que está metido a Ucrânia, eu já lhe tinha dito em conversas anteriores a Ucrânia não tem capacidade de pagar o gás aos preços praticados e na tentativa de não agravar ainda mais a situação económica, a Naftogaz não reflecte o REAL preço do gás aos consumidores finais, porque seria o desmoronar da Ucrânia."



"E tudo isto porque o presidente quer por todos os meios e feitios entrar na NATO."


Caro PM aqui estão três das suas afirmações, eu vejo aqui uma incongruencia, diga-me o senhor se há ali uma coerencia a toda a prova como quer fazer passar a ideia.

Sérgio disse...

A minha resposta á sua pergunta, é de que a Russia faz muito bem em seguir por esse caminho, que se meta na sua vidinha e deixe os outros tomarem as suas decisões com todas as consequencias que isso acarreta. Mas nós já sabemos que a Russia tem uns certos tiques que lhe custa largar, e por isso não pode passar sem os seus estados vassalos, não é?

MSantos disse...

A Ucrânia pagou até há cerca de uma ano se não estou em erro, metade do preço de mercado pela sua energia importada da Rússia.

Era este o melhor preço que mantinha a Ucrânia acima da linha de água economicamente falando.

O seu presidente quer tornar o país num feudo americano com bases militares a fazerem fronteira com a Rússia, tudo para serem muito "ocidentais e democráticos" e estarem "protegidos" contra a Rússia, além de todos os ódios e recalcamentos latentes.

Obviamente e independentemente de ser certo ou errado, isso é inaceitável para a Rússia, como tal a unica retaliação russa é fazer a Ucrânia pagar o preço que todos pagam mas a sustentabilidade económica desta afunda-se (problema interno ucraniano).

Creio que isto é claríssimo de entender.

Para quem quiser enteder, é claro.

Cumpts
Manuel Santos

PortugueseMan disse...

"Caro PM aqui estão três das suas afirmações, eu vejo aqui uma incongruencia, diga-me o senhor se há ali uma coerencia a toda a prova como quer fazer passar a ideia."

Olhe, tempo, já uma pessoa perde aqui a escerver e não é pouco. seja claro, já lhe disse que não vejo incongruência, se realmente está interessado em falar e não desconversar, seja específico e directo.

PortugueseMan disse...

"Russia faz muito bem em seguir por esse caminho, que se meta na sua vidinha e deixe os outros tomarem as suas decisões com todas as consequencias que isso acarreta. "

Mas a Ucrânia tomou a decisão sózinha, quer entrar na NATO.

A Rússia, quer preços de mercado.

Mais simples que isto?

NATO + Ucrânia = preços de mercado + consequencias que isso acarreta.

Sérgio disse...

Claro que até não há motivos nenhuns para os recalcamentos e os ódios sentidos, o problema é que somos nós quem o dizemos, que não temos a Russia como vizinha, mas esses que ousam pronunciar esses sentimentos estiveram debaixo do seu jugo durante muitos anos.

Sérgio disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sérgio disse...

PM o senhor não está a ser sério, então quer dizer que essa decisão tomada pela Ucrania, é vista com indiferença pela Russia. Então e as ameaças não só à Ucrania mas à UE, à NATO e por ai fora. Que dizer das declarações Russas relativamente à Parceria para o Leste da UE. Eu já sei que o PM não vê nenhum mal nisso tudo. Por isso é que tenho curiosidade em tentar perceber o que leva algumas pessoas a defenderem os interesses Russos mesmo quando estes são contrários à UE.

Sérgio disse...

PM a ver se nos entendemos, eu afirmo que está a ser incoerente quando afirma que a Ucrania não pode pagar os preço de mercado praticados pelo gás (e por este caminho quando os poderá pagar?), e logo a seguir diz que os problemas da Ucrania derivam das escolhas do seu Presidente?! E depois ainda afirma que se a Ucrania estivesse disposta a "submeter-se" aos caprichos Russos, que a transição inevitavel dos preços baixos para os reais, seria feita de uma forma "suave". Com o devido respeito, ilusões caro PM.

Sérgio disse...

A Russia utiliza o gás como arma de arremesso contra os seus vizinhos e UE, não vale a pena andar a protelar as coisas e a enganarmo-nos uns aos outros. A UE precisa de alternativas se não quer estar sempre dependente da Russia e a Ucrania precisa de encontrar as soluções que possa pagar sem estar dependente de terceiros para o seu financiamento e se possivel para o abastecimento. Praticamente todos os paises da Europa Central e a Ucrania querem ver-se livres da dependencia Russa, um exemplo é o numero de centrais nucleares que todos pretendem construir. A Ucrania mais de 20 nos proximos anos, se arranjar financiamento. A Russia não é um fornecedor fiável e credivel enqunto proceder como o tem feito até agora.

PortugueseMan disse...

"então quer dizer que essa decisão tomada pela Ucrania, é vista com indiferença pela Russia."

Mais uma vez, a decisão tomada pela Ucrânia não é vista com indiferença pela Rússia (evidente, estamos a falar da adesão a um bloco militar hostil) e como tal deixa de subsidiar o gás, eu não sei como por isto mais claro, confesso.

"Então e as ameaças não só à Ucrania mas à UE, à NATO e por ai fora. Que dizer das declarações Russas relativamente à Parceria para o Leste da UE. Eu já sei que o PM não vê nenhum mal nisso tudo."

Isto é vago. O que você vê como ameaças eu posso ver como pressões políticas, se quiser indicar uma situação específica eu digo-lhe como vejo.

"...interesses Russos mesmo quando estes são contrários à UE."

Diz você. Eu digo que não são contrários.

"eu afirmo que está a ser incoerente quando afirma que a Ucrania não pode pagar os preço de mercado praticados pelo gás (e por este caminho quando os poderá pagar?), e logo a seguir diz que os problemas da Ucrania derivam das escolhas do seu Presidente?! "

Sabe, eu leio e custo a acreditar no que leio. A Ucrânia antes de anunciar a viragem para a NATO, não tinha este problema, foi com a revolução laranja que os problemas começaram, assim que o rumo político se tornou hostil para a Rússia, deixou de fazer sentido esta subsidiar o gás, os novos aliados que o façam. Isto para mim é evidente e claro, de facto não consigo colocar isto de outra forma.

"E depois ainda afirma que se a Ucrania estivesse disposta a "submeter-se" aos caprichos Russos, que a transição inevitavel dos preços baixos para os reais, seria feita de uma forma "suave"."

Desculpe, mas você demonstra falta de conhecimento. A Ucrânia nunca iria pagar gás com descontos para todo o sempre, estava a ser-lhe dado um prazo muito dilatado, para preparar a transição para preços de mercado. Foi isto que foi interrompido com a intenção de adesão à NATO.

"A Russia utiliza o gás como arma de arremesso contra os seus vizinhos e UE"

Então você vê isso melhor que os dirigentes europeus. porque eles estão a criar novas ligações com a Rússia.

"Ucrania precisa de encontrar as soluções que possa pagar sem estar dependente de terceiros para o seu financiamento e se possivel para o abastecimento."

Palavras bonitas. Mas não há uma cartola mágica para se tirar soluções milagrosas.

Pippo disse...

O que se passa é que, mal estejam construídos os North e o South Tream, a Ucrânia passará a ter de comprar gás como todos os outros, aos preços dos outros. Ou isso ou passa a ter de produzir etanol a partir do trigo.

A Rússia só negoceia porque de momento está dependente da Ucrânia para o escoamento. Mal deixe de estar dependente as coisas mudarão.

Já que a Ucrânia quer estar sob a alçada da NATO, esta que pague a factura. Estaremos dispostos a pagar do nosso bolso o aquecimento nos lares ucranianos? Algo me diz que não.

Yan disse...

PM

"A Rússia está a fazer um bypass a todos os países problemáticos e chegar a quem lhes interessa, principalmente a Alemanha.

Polónia, países bálticos, rep. Checa e Ucrânia vão ser os afectados."

Você acha que a Rússia teria coragem de cortar a oferta de gás pra algum país da UE? Correndo o sério risco de perder totalmente a sua credibilidade. Sinceramente, meu caro, você deve separar bem países da UE como Polónia e Rep Tcheca da Ucrânia e Belarus. Além disso, você não sabe que a UE tem uma acordo mútuo de fornecimento de energia entre todos os membros? Se a Rússia, cortar o gás pra Rep. Tcheca, por exemplo, o gás virá automaticamente da Alemanha e Aústria.
E mais uma coisa, os países da UE pagam o preço de mercado à Rússia (diferentemente da Ucrania e Belarus), então o Putin não tem absolutamente nenhuma justificativa pra se quer, ameaçar esses países.

Yan disse...

"Sérgio disse...
A Russia utiliza o gás como arma de arremesso contra os seus vizinhos e UE, não vale a pena andar a protelar as coisas e a enganarmo-nos uns aos outros. A UE precisa de alternativas se não quer estar sempre dependente da Russia e a Ucrania precisa de encontrar as soluções que possa pagar sem estar dependente de terceiros para o seu financiamento e se possivel para o abastecimento. Praticamente todos os paises da Europa Central e a Ucrania querem ver-se livres da dependencia Russa, um exemplo é o numero de centrais nucleares que todos pretendem construir. A Ucrania mais de 20 nos proximos anos, se arranjar financiamento. A Russia não é um fornecedor fiável e credivel enqunto proceder como o tem feito até agora."


pois é sérgio

Li esses dias que a Polónia, por exemplo, lançou um projeto que até 2030, 75% da sua energia consumida venha de fontes renováveis e nucleares. Já a Rep. Tcheca é mais ambiciosa, pretende atingir esses mesmos 75% até 2020.
De qualquer forma, a natureza agradece...

Zé Carlos disse...

Se alguns preferem tornarem-se escravos dos russos, tudo bem, opção deles.

Mas a Ucrânia e outros países que ficam chorando pelo gás russo que tratem de trabalhar pra se livrar dessa dependência. Não adianta nada reclamar, se não fazem nada pra se livrar dos russos.

Sérgio disse...

"...interesses Russos mesmo quando estes são contrários à UE."

Diz você. Eu digo que não são contrários.


Pois PM, este é o seu problema.

PortugueseMan disse...

Yan,

"Você acha que a Rússia teria coragem de cortar a oferta de gás pra algum país da UE?"

Não acho, tenho a certeza. E como as coisas estão dúvido que esses países tenham como fazer pressão para avitar isso.

"Correndo o sério risco de perder totalmente a sua credibilidade."

Não perde. Tanto não perde que a UE continua a apoiar os novos pipelines vindos da Rússia. Aliás, até hoje a Rússia só cortou fornecimento por falta de pagamento.

"Sinceramente, meu caro, você deve separar bem países da UE como Polónia e Rep Tcheca da Ucrânia e Belarus. Além disso, você não sabe que a UE tem uma acordo mútuo de fornecimento de energia entre todos os membros? Se a Rússia, cortar o gás pra Rep. Tcheca, por exemplo, o gás virá automaticamente da Alemanha e Aústria."

É melhor rever essa sua teoria. Não existe isso de acordos de gás para um lado ou para em caso de corte.

Existe sim acordos para compensar em caso de problemas de fornecimento e não é só no gás. Mas para situações temporárias. São sistemas de emergência. Nunca para situações em que um país deixa de ser abastecido. Para isso não há solução.

Os acordos energéticos são da responsabilidade de cada país, que claro convergem para uma solução europeia. Solidariedade entre países da UE existe e é para existir, mas gostava de o recordar que a Alemanha mandou isso para as urtigas, quando teve hipótese de ter um pipeline directo com a Rússia sabendo que estaria a colocar a Polónia numa situação tremendamente precária para não dizer outra coisa. E a Polónia óbviamente atirou-se ao ar com esta traição da Alemanha.

Mas a Alemanha, não pode ficar refém da Polónia, porque este país ao pretender albergar um sistema anti-missil, abriu as hostilidades com a Rússia e a Rússia vai responder, não tenha dúvidas.

PortugueseMan disse...

Pois é Sérgio,

Digo-lhe exactamente o mesmo.

Sérgio disse...

Você acha que a Rússia teria coragem de cortar a oferta de gás pra algum país da UE?"

Não acho, tenho a certeza. E como as coisas estão dúvido que esses países tenham como fazer pressão para avitar isso.

"Correndo o sério risco de perder totalmente a sua credibilidade."

Não perde. Tanto não perde que a UE continua a apoiar os novos pipelines vindos da Rússia. Aliás, até hoje a Rússia só cortou fornecimento por falta de pagamento.

PM, a UE apoia a construção de mais pipelines por causa da credibilidade Russa? E acredita mesmo nisto, não é? O PM que se diz uma pessoa isenta, esqueceu-se de:
1) Quantos mais melhor;
2) Ai, se houvesse alternativas, assim uma outra Russia... (inevitabilidade por enquanto, se não existirem muitas pessoas a pensar como o PM na UE, e não credibilidade como quer fazer passar a ideia);
3) Investimentos em energias alternativas e forte aposta no nuclear dos países da Europa Central para diminuir a dependencia da Russia;
4) Discurso de preocupação dos vários dirigentes Europeus aqundo das telenovelas Russia - Ucrania;
5) Os vários artigos, publicações, opiniões, a alertarem para o risco da dependencia Europeia da Russia em termos energéticos, e a preocupação expressada por vários dirigentes Europeus por esta dependencia (Porque será, sendo a Russia uma entidade tão credivel, fiável e isenta?)
6) A dificuldade da Russia em ditanciar-se do que são negócios dos seus outros interesses, e a possibilidade sempre latente de usar a energia para pressionar os seus vizinhos quando pretende alguma coisa (até o desafio a encontrar um comentador destes assuntos que não saiba o que é a tão falada arma energética?)
....

MSantos disse...

Sérgio

Não me leve a mal o que lhe vou dizer mas às vezes dá-me a ideia que o Sérgio quando transmite os seus pontos de vista em relação às questões russas está mais a tentar convencer-se a si próprio que a defender a sua ideia.

Tenho o Sérgio como uma pessoa razoável mas acho que não precisa de ir por esse caminho de passar a odiar tudo o que vem da Rússia pelo motivo que o que me parece ser a sua tendência política, que embora não partilhe respeito muito, passou a estipular que a Rússia é para banir.

Gostaria só que me respondesse se, independentemente da Rússia proceder mal ou bem, a partir do momento em que a Ucrânia decidiu que ia trazer a NATO para a fronteira Russa seria viável continuarem a comprar gáz por METADE, é de METADE do preço que estamos a falar. Acha que sim? Gostaria de ter um porquê muito fundamentado.

Imagine o inverso. O México compra o petrólio refinado (muitas vezes o seu próprio) aos EUA e com melhores condições. Decidem fazer uma aliança com a Rússia com a possibilidade de instalação de bases etc.

Qual seria o desfecho?

E olhe que no caso dos EUA, infelizmente a História já demonstrou que eles não se costumam ficar pelas sanções económicas.

E no caso da Rússia nem de sanções económicas estamos a falar mas sim de acabar com os "preços de amigo" e passarem a pagar o justo preço que toda a gente paga.

Abraço
Manuel Santos

Sérgio disse...

Caro MSantos,


Eu já lhe respondi à sua questão respondendo anteriormente ao PM:

"A minha resposta á sua pergunta, é de que a Russia faz muito bem em seguir por esse caminho, que se meta na sua vidinha e deixe os outros tomarem as suas decisões com todas as consequencias que isso acarreta. Mas nós já sabemos que a Russia tem uns certos tiques que lhe custa largar, e por isso não pode passar sem os seus estados vassalos, não é?

e recorde-se a pergunta do PM


Eu até uma vez cheguei aqui a colocar uma questão (não sei se foi a si), se a Rússia atravessa uma recessão tão grave como tanta gente defende, porque é que ninguém aponta que um dos modos de diminuir os problemas económicos da Rússia, seria não dar dinheiro aos outros (por meio de subsídios energéticos) e investir esse dinheiro internamente. Ningúem me respondeu, mas dou-lhe essa oportunidade agora.

Acho bem que a Russia venda o gás à Ucrania a preço de mercado.

Chega-lhe a minha resposta. Não vai agora dizer que não pode ser, porque senão era o fim da Ucrania, como o PM já o referiu, a ameaça implicita com que a Russia joga tão bem. Ora a Ucrania também tem algumas garantias, os gasodutos que passam pelo seu território, garantias que a Russia quer eliminar com os "atalhos". A Ucrania e todos aqueles que compram recursos à Russia têm que se convencer que ninguém dá nada a ninguém, quanto mais depressa os Ucranianos se convencerem disso e tomarem as medidas necessárias a assegurarem um futuro sem a dependencia Russa, melhor, e isto é válido para a UE. Caro MSantos faz-me lembrar o proverbio do não lhe dês um peixe, ensina-o a pescar. Ora a Russia não quer ensinar os seus satelites a pescar em aguas alheias, quere-os dependentes nem que para isso perca alguns milhões na venda do gás. É claro que vai sempre ameaçando com aumentos, para tornar o drama mais intenso. Esta realidade é muito complexa com muitas variáveis.

Sérgio disse...

A Russia faz um jogo de forma a não perder a sua influencia sobre os seus satelites, e a limitar a influencia de outras potencias como por exemplo a UE, e para mim começam aqui os problemas, porque aí os interesses da Russia estarão a colidir com os da UE, (nunca verei isto com bons olhos apesar de todas as histórias que me contarem do quão grande foi a URSS, por ter sido enganada após a guerra-fria, etc.) Pergunta: Mas fez coisa diferente a Russia após a II Guerra Mundial ao impor a sua vontade ao Leste Europeu, não. E falo sim senhor em Russia e não URSS, porque a Russia era o cerne da URSS, foi o estado conquistador do tempo dos czares e depois do comunismo que construiu esse império que foi a URSS, sem a Russia este não teria existido. É claro que para acalmar alguns animos e dar a sensação que todos podem participar criam-se depois estas entidades como a URSS, em que toda a gente sabe quem manda, mas pretende-se passar a ideia do contrário, de que há uma igualdade. E não me falem em Estaline, porque se ele chegou onde chegou, foi com o consentimento dos Russos e nunca contra a vontade dos Russos. E pronto aqui abro uma nova frente de batalha.

Sérgio disse...

Agora relativamente ás minhas orientações politicas, não têm nada a ver com esta minha posição relativamente à Russia, acredite que no dia em que a Russia olhar para a UE como um parceiro priveligiado e não andar com todas estas jogadas e tacticas velhinhas de intimidação e por aí fora, eu nesse dia serei o primeiro a aplaudir. Mas que quer que lhe diga, quando pensei que poderia existir uma mudança no discurso, fazem atravessar os dirigentes Europeus a imensidão dos territórios russos, não pela beleza natural do território, ou para fins turisticos, mas para demonstrar a "grandeza da Russia", - é este tipo de comportamento que quer que eu aplauda. Não obrigado.

Sérgio disse...

Eu até me arrisco a dizer que se calhar o Estaline se julgava mais Russo do que os próprios Russos.

Sérgio disse...

É preciso dizer aos Russos que estamos fartos desses jogos, que estamos dispostos a cooperar em pé de igualdade, mas que não nos vergaremos a intimidações ou ameaças contra qualquer país Europeu. São esses os novos limites a serem definidos e que terão de ser respeitados por todos. É esta linha que gostaria de ver seguida pelos dirigentes da UE.

Anónimo disse...

sérgio, olhe que não, olhe que não, olhe que não...

Os russos estiverem subrepresentados na hierarquia de poder durante muitos anos após a instauração do regime comunista.

Não confuda vontade popular com a vontade dos politicos, por isso é um total absurdo o sr. afirmar que os rússos permitiram as acções dos politicos soviéticos.

quanto à democracia, os rússos saborearam o seu paladar na decada de 90' e o sabor foi muito amargo, é por isso que o povo rússo é passiv em relação a muita coisa e não o devia ser,

Não defenda o idefençavel, a Ucrania tem de pagar o preço de mercado de gás e só não está a pagar já essepreço porque está a fazer chantagem com a rússia,

entende?

quem está a fazer chantagem é a ucrania e não a rússia. E muita dessa chantagem é ilegal e pode até considerar-se um acto de guerra.

luis

Wandard disse...

"Agora relativamente ás minhas orientações politicas, não têm nada a ver com esta minha posição relativamente à Russia, acredite que no dia em que a Russia olhar para a UE como um parceiro priveligiado e não andar com todas estas jogadas e tacticas velhinhas de intimidação e por aí fora, eu nesse dia serei o primeiro a aplaudir."

Amigo Sérgio,

Neste caso, que a UE seja a primeira em dar um passo a frente pois a Rússia já o fez em 91 e quem usou os jogos e as táticas velhinhas foram a UE e Estados Unidos.

Grande abraço,

Yan disse...

"Não acho, tenho a certeza. E como as coisas estão dúvido que esses países tenham como fazer pressão para avitar isso."

Por que você tem tanta certeza? A Rússia já deu várias amostras de como na hora do vamos-ver ela sempre recua. Posso citar inúmeros exemplos:
1) crise dos misseis de Cuba,
2) a ameaça em 1994 de ataque no caso de algum membro do antigo pacto de varsóvia aderir a NATO
3)o recuo/negligência em relação a invasão da Sérvia pela NATO, apesar das inúmeras ameaças de retaliação
4) etc etc etc

A RÚSSIA NÃO IRÁ JOGAR SUA FRÁGIL CREDIBILIDADE NO LIXO, ESPERE E VERÁ...

Yan disse...

"idefençavel"

peço desculpa pela expressão chula mas:

puta-que-pariu...vai estudar um pouco de ortografia, sei lá...se não sabe, escreve a frase no word pra corrigir e depois cola aqui...eu também não sou bom na língua mas pelo menos me preocupa de não escrever grosserias que causam dor aos olhos como isso.

Zé Carlos disse...

hehehe...o PM analisa a geopolítica mundial como se estivesse jogando War (Risk). As coisas são muito, mas muito mais complexas do que vocÊ acha. Além disso, quase sempre, as decisões internacionais seguem orientações que qualquer um consideraria ilógicas e irracionais.

Yan disse...

mais uma PM

Veja o caso da Sérvia. O maior aliado dos russos na europa, até pouco tempo.

Rejeitaram o convite russo para uma união pessoal e já estão em negociações adiantadas com a UE, prevendo uma adesão até 2020. Aliás, quero ver o que você vai falar quando a Sérvia se juntar à NATO.

Até a Belarus está iniciando negociações com a UE!!!De baixo do ódio russo...

Uma coisa é fato, a Rússia não é atraente pra nenhum desses países, a UE é!

Yan disse...

Pra completar, acho engraçado como alguns aqui interpretam a fuga dos países do leste da europa da influência russa como o avanço do domínio americano.

Não é o avanço americano na europa, eles estão fugindo dos russos mesmo! Esses países querem liberdade, democracia, como Portugal e outros países europeus ocidentais têm. Porque isso foi lhes tirado por 50 anos pela Rússia! E sabem muito bem como é RUIM viver sob a influência russa.

Vivi 2 anos em Praga, e entendo bem esse sentimento. E acho duvidosa a opinião de pessoas que não levam isso em consideração.

Yan disse...

A minha crítica à mentalidade russa consiste em que esse país é incapaz de cooperar de igual-pra-igual. Por isso sempre considera com os ex-países comunistas devem sempre obedecer as suas ordens.
Meu sonho seria ver uma Rússia na UE, prefiro-a que a Turquia, por exemplo. Mas considerado esse fato, praticamente impossível porque a Rússia nunca será capaz de aceitar alguma decisão do bloco que vá de encontro aos seus. Relações com a Rússia são do tipo: dominante-dominado.

Roberto disse...

ISSO MESMO YAN

Sou descendete de thecos e participo de alguns fóruns sobre a etnia eslava. E muitas vezes são abordados questões sobre pan-eslavismo, união dos países eslavos em um só país, etc. A resposta dos foristas russos é sempre a mesma: incondicional hegemonia russa na união. Apesar de que numa união dessas eles mal chegariam à 35% da população total.

Poucos sabem, mas em 2005 a Ucrânia tinha convidado a Rússia para lançar candidatura à sede a Euro2012. A Rússia recusou na hora, porque não aceitaria dividir igualmente uma competiçao com um país como a Ucrânia. O que os ucranianos fizeram? Convidaram os polacos que de pronto aceitaram. Apesar das hostilidades históricas em relação à Ucrânia tão grandes quanto às da Rússia.

MSantos disse...

Sérgio

Obviamente que o objectivo da Rússia em ter "preços de amigo" era cativar a Ucrânia de modo a esta não passar para um bloco hostil.

Muitas pessoas estão a esquecer-se que os ucranianos são eslavos puros (mais ainda que os russos pois estes têm já muita mistura euroasiática) e padecem das mesmas virtudes e defeitos dos russos como tal é contranatura a divisão que os EUA estão a promover tal como foram as linhas de fronteira desenhadas a régua e esquadro em alguns países africanos, estados "criados" no médio-oriente etc com as nefastas consequências que todos conhecem. As nações europeias deviam ter mais maturidade e serem mais imunes a esta "africanização" que o continente europeu está a ser vítima da potência dominante mas infelizmente estes povos convenceram-se que ao aderir a certas organizações vão passar a ser "ocidentais" e enriquecer da noite para o dia esquecendo toda a sua própria história e tradições mas mais grave ainda não querendo ver o que estas divisões promoveram no passado algum muito recente como foi o caso da Juguslávia e Balcãs.

Quanto ao facto de Ucrânia não sobreviver ao combustível a preço de mercado, é a própria economia ucraniana que o está a demonstar e como o Sérgio diz e muito bem, o facto de ser o país de trânsito, poderia dar à Ucrânia uma posição altamente estratégica soubessem os ucranianos utilizar isso em seu proveito, nem sequer tendo necessidade de se aliar à Rússia, bastando tão só manterem-se afastados de alianças militares com os EUA. Muito inteligentemente poderiam ser a porta de comunicação UE-Rússia com todo o potencial que isso encerraria, mas pelos vistos o fanatismo político e a miopia foram mais fortes. A Rússia apercebeu-se disto e tentou aquela acção desesperada e desastrada de tentar matar Iushenko contribuindo ainda mais para a sua vitimização e aumento de popularidade e poder.

E quanto ao pretenso domínio, a Rússia manifesta esse mesmo domínio a vender combustível a metade do preço. Outro país do mundo "compra" o crude a preço de saldo para revender já refinado, ao elevadíssimo preço cotado a todos os seus "aliados" e "protegidos" e olhe que aqui não há preços de amigo.

Acredito totalmente na sua sinceridade quando afirma que o problema da Rússia é não entender a UE como parceiro e também acredito que o Sérgio entende a UE como uma organização que defende os interesses da Europa.

Infelizmente para mim e para outras pessoas o conceito "UE" não existe sendo apenas facções, a maioria a defender os intersses e domínio económico e militar norte-americano, tornando-se o interesse europeu "if is good to USA is good to Europe".

A Rússia mais que ninguém também sente isto e não poderá encarar a UE como paceiro fidedigno enquanto essa influência e domínio estiverem presentes.

Mas aqui as nossas opiniões são diferentes e eu sei que o Sérgio acredita verdadeiramente nesta UE.

Abraço
Manuel Santos

Nuno disse...

MSantos

também concordo contigo, por exemplo, Portugal na época do Franco, os valores tradicionais eram valorizados, não existia a influência nefasta dos modernismos "europeus".O país era pobre, mas muito mais puro, mais "portugal". Depois que entrou na UE enriqueceu, mas perdeu a sua alma.
Por isso, que valorizo muito mais uma Moldávia que mantêm as suas origens que um país que se vende à UE.

Nuno disse...

Peço a todos que assinem a petição que está sendo distribuida por todo o país e mais nas suas ex-colônias (Brasil, Angola, etc) que exige a saída imediata de Portugal da UE. Até o momento já temos 65 mil assinaturas de descendentes de portugueses aqui no Brasil.

Em defesa de Portugal!

MSantos disse...

Avisando já que me demarco frontalmente das posições do leitor Nuno

Cumpts
Manuel Santos

Yan disse...

"mas infelizmente estes povos convenceram-se que ao aderir a certas organizações vão passar a ser "ocidentais" e enriquecer da noite para o dia"

Não entendo o que você quer dizer com isso. Ninguém espera enriquecer da noite para o dia nesses países. Isso é uma impres~são totalemtne sua. Esses países entendem que somente após décadas e décadas de muito trbalho que se pode enriquecer. Mas sabem qual é o caminho, e esse claramente não é ficar sob a pata do urso russo.
Se a UE não é benéfica para esses países é só comparar a qualidade de vida e riqueza dos países que aderiram com os que estão fora! Só a Rep. Tcheca, desde que aderiu à UE em 2004, teve sua renda per capita aumentada em 55% e o IDH passou de 0,820 em 2002 para 0,897 em 2008.
Pra efeito de comparação: o IDH de Portugal em 2008 foi de 0,900

Se manter os valores tradicionais é se manter pobre, isso talvez só sirva para Portugal.

PortugueseMan disse...

"O PM que se diz uma pessoa isenta..."

Sérgio, eu há coisas que não tolero. Posso estar aqui e responder na medida do possível às qestões colocadas e explico como tenho explicado a minha posição. Mas há limites. Não faça afirmações falsas, eu nunca disso isso e não vou aceitar este tipo de coisas, guarde isso para outros se de facto deseja continuar a falar sériamente comigo.

"UE apoia a construção de mais pipelines por causa da credibilidade Russa?"

Sem dúvida. Nunca existiram problemas de fornecimento, eles apareceram com os países de leste. A Alemanha, não pode ficar refém de guerrinhas entre países de leste e Rússia, eles que se entendam, a Alemanha negoceia directamente com a Rússia e neste momento só não recebe energia directa porque não existe ligação física entre eles. E se você acha que não são credíveis, bom, você deve questionar a inteligência da Alemanha por estar a fazer acordos destes com a Rússia.

PortugueseMan disse...

Por que você tem tanta certeza? A Rússia já deu várias amostras de como na hora do vamos-ver ela sempre recua. Posso citar inúmeros exemplos:
1) crise dos misseis de Cuba,
2) a ameaça em 1994 de ataque no caso de algum membro do antigo pacto de varsóvia aderir a NATO
3)o recuo/negligência em relação a invasão da Sérvia pela NATO, apesar das inúmeras ameaças de retaliação
4) etc etc etc


Bom... Yan, você para ser honesto na crise dos mísseis teria que dizer que não foram só eles que recuaram pois não?

O resto que você aponta também não são argumentos, por duas razões:

- Implica confronto directo com os EUA e toda a gente sabe o que isso significa

- Os anos 90 foram uma altura especial da URSS/Rússia.

Ora deixar de vender gás a uns países de leste é apenas isso, um problema desses países de leste. Têm bases da NATO? Sim? então comprem aos vossos aliados. Esta é a resposta que a Rússia se prepara para dar. Vão buscar o gás a outro lado.

Wandard disse...

"Por que você tem tanta certeza? A Rússia já deu várias amostras de como na hora do vamos-ver ela sempre recua. Posso citar inúmeros exemplos:
1) crise dos misseis de Cuba,
2) a ameaça em 1994 de ataque no caso de algum membro do antigo pacto de varsóvia aderir a NATO
3)o recuo/negligência em relação a invasão da Sérvia pela NATO, apesar das inúmeras ameaças de retaliação
4) etc etc etc

Yan não é bem assim,

Na crise dos mísseis em Cuba foi feito um acordo entre os dois países e os americanos recuaram na instalação dos mísseis na Turquia.

Nos anos 90 a Rússia estava insolvente e afundada em um verdadeiro caos sócio/econômico, e o governo alcóolico e fraco de Ieltsin foi conivente com tudo o que a Otan queria, imobilizando a marinha russa, concordando com a desmontagem de suas estruturas etc... Este foi o período do ataque à Sérvia e os demais que você citou quando o velho urso só rosnava, a história hoje é outra e ao contrário do passado citado, atualmente a águia careca só grasna como se fosse um corvo.

A atitude na Geórgia e o comportamento perante a Coreia e Iran já deixam bem claro como o jogo se encontra atualmente.

Roman disse...

Olá a todos!
Sou russo e vivo em Portugal há 3 anos.
Primeira coisa que gostaria de dizer é o que agradeço a todos por estarem interessados com o assunto.
Entretanto, queria também notar que alguns dos leitores têm uma posição muito esquesita, até parece que andavam a aprender história por meio de um canal de televisão com o mesmo nome. Infelizmente não sei falar tão bem português para explicar livremente o meo ponto de vista sobre o tema, mas permitam me fazer uns comentários.

1). As palavras "jugo", "escravidão", "vassalo" e etc. não têm nada a ver com a situação real na altura da URSS. Claro que existiam indivíduos que estavam contra o sistema, queriam independência, não sei que mais, mas em Portugal actualmente também há pessoas que não querem que o país faça parte da UE. É normal, somos uma sociedade com várias opiniões. Até digo lhes mais, se na altura nas lojas houvesse productos alimentares em quantidades suficientes, a URSS existia até agora. É a politica do Gorbachev fez com que as prateleiras nas lojas ficassem vazías, e as pessoas tendo dinheiro não conseguiam comprar quase nada. É incrivel, mas era mesmo assim. Claro que a gente ficou aflita (se não dizer mais). Pouca gente sabe, mas no ano 1991 foi um referendo (excepto Georgia e paises Bálticos, por causa dos governantes deles) com única questão, se as pessoas queriam que a União Soviética continuasse a existir como um estado unido. Sabem qual foi a resposta? 76,43% da população pró. Tudo o que aconteceu depois é culpa dos políticos corruptos, nomeadamente do eltsyn, gorbachev, shushkevich e etc. Também com participação da CIA, SIS, mossad (como é que pode ser sem estes tipos?).
Mais duas palavritas sobre o "jugo". Durante toda época soviética a maioria dos chefes do estado foram os judeus, georgianos, ucranianos, outras etnias e cuase nunca russos mesmo. Isso é que se chama "jugo"!

2). De resto eu posso concordar com tudo o que diz o PortugueseMan. Ele parece ser uma pessoa muito bem informada sobre os processos da política mundial em geral, e nomeadamente da russa. Eu posso confirmar - tudo o que eu li, que foi escrito por ele, é verdade. Digo assim não só por ser russo, mas também por conhecer a situação.

Anónimo disse...

leitor Roman,

Como vive em Porutugal há alguns anos, já deve ter notado que a nossa classe politica é débil e incompetente, as restantes classes, incluindo os jornalistas não respeitam o código deontológico da profissão. Apesar de prezar muito o trabalho do sr. milhazes, ele não é isento na analise e é influenciado pela sua aversão pessoal ao kremlin e arrependimento pelo passado de comunista quando escreve os artigos.

Vou dar-lhe um exemplo,

Quando a Rússia "atacou" a géorgia em Agosto, 2008 o sr. Milhazes tomou logo uma posição de acusação ao kremlin, assim como a esmagadora maioria dos jornalistas e quase 100% dos politicos do poder. Desde então, até o pentagono aceitou a versão rússa dos acontecimentos, apesar disso, nunca vi um artigo do sr. milhazes a clarificar a sua posição.

Mas, o povo português como não é estupido, na altura dos acontecimentos, na sua maioria esteve sempre ao lado da rússia.

O povo é sabio e não se deixa enganar facilmente.

A U.E é controlada pelos estados unidos, não esqueçer que o "homem dos americanos", Se Durão Barroso está na presidência da comissão, por alguma rasão será.

l.p.

Wandard disse...

Roman e LP.

Concordo plenamemte com vocês e sempre corroboro com os comentários do PM. Até hoje não entendi bem qual o posicionamento do Sr. Milhazes como jornalista, sou da opinião que os jornalistas deveriam ser imparciais, mas infelizmente não é o que ocorre. Como já comentei muitas vezes um espirro na Rússia transforma-se em um furacão nos tablóides europeus e dos EUA. Ao ataque à Georgia só houveram matérias acusando a Rússia e o Sr. Milhazes sempre esperou que houvesse uma "investigação" internacional, porém jamais fez referêcias nas quai esta investigações também fossem direcionadas às invasões do Iraque e Afeganistão.

Infelizmente enquanto a UE não se desvencilhar da presença americana o comportamento continuará seguindo a linha atual.

Roman disse...

LP, Wandard,
Obrigado por vossa opinião.

Também gostaria e podia dizer muitas coisas sobre o assunto, mas digo só uma:

Hoje em dia o mundo está a sofrer uma mudança profunda e complexa. Nem conseguimos imaginar em que mundo vão viver os nossos filhos. Esta mudança é a da política, da económica, das relações internacionais e do sistema global. Fica só esperar que tudo isto decorrer sem guerras e catástrofes para os povos. Única coisa que a gente deve perceber, apesar da toda propaganda dos meios de informação, que a Rússia não é inimigo da UE, mas sim um parceiro vantajoso. É óbvio que não ameaça a ningem, mas defende os seus interesses nacionais, igual a qualquer outro país. O PM defende os interesses da UE verdadeiros, mas não aqueles que se declaram pelos dirigentes actuais da mesma, que na verdade são apenas os dos EUA, ou é melhor, dos seus "donos".

Desejo a todos terem consciência e "olhos abertos". Se toda a gente começar a entender a essência dos acontecimentos actuais, os "donos do mundo" não vão conseguir os seus objectivos negros.

Anónimo disse...

A rússia é 40% do território europeu, fico estupefacto por ver gente que se dizem europeus a defenderem politicas americanas anti-rússas.

MSantos disse...

De relembrar que este blog não é um órgão informativo oficial e como tal apenas transmite os acontecimentos e desenvolvimentos segundo a ótica do seu autor, José Milhazes.

Digo isto e também eu muitas vezes não estou de acordo com os pontos de vista de JM, mas acho muito salutar este confronto de opiniões destintas quando se mantem dentro dos limites da discussão civilizada é claro.

Cumpts
Manuel Santos

Anónimo disse...

"De relembrar que este blog não é um órgão informativo oficial e como tal apenas transmite os acontecimentos e desenvolvimentos segundo a ótica do seu autor, José Milhazes"

ai não é?

Pelos vistos estou enganado, pensava que este blogue era um blogue convidado do jornal publico..

Ninguem aqui deseja que o sr. Milhazes deixe de ser auentico, nem importa a posição dele, a unica coisa que é RELEVANTE e importa é que o sr. jornalista seja objectivo e rigoroso na informação. É que os artigos que escreve estão à partida cheios de inverdades e isso não é dar opinião é ser tendencioso e pretender precipitar o leitor para uma conclusão que devia ser ele próprio a tirar.

Só alguem desonesto pode afirmar que o sr. Milhazes não gosta da rússia ou não é esforçado, até aprecio o trabalho jornalistico, pena é que não consiga controlar o ódio ao poder actual do kremlin.

É que eu tambem não gosto do poder na rússia, mas isso não implica que eu seja bonzinho e eles sejam maus.

Colocar as coisas nestes termos é no minimo infantil e uma desonestidade inelectual.

l.p

Sérgio disse...

Caros Roman e companhia, nós também sabemos pensar pelas nossas cabecinhas. Os EUA são e sempre foram aliados da Europa Ocidental desde a sua independencia, já a Russia, sempre quiz crescer a expensas dos seus vizinhos Europeus. Mas o que é passado já lá vai, e os Europeus devem avaliar a Russia apenas pelas suas decisões actuais, ou melhor das pessoas que a dirige. A minha opinião sobre isto é mais do que conhecida, não me vou repetir. Não lhe reconheço nenhuma legitimidade, para além de se tratar da sua opinião, parcial diga-se, para validar as opiniões do PM e criticar quem se diz pelos dirigentes da UE, porque esses, segundo o senhor, defendem interesses falsos e de terceiros. Obrigado por vir confirmar a minha opinião pessoal sobre os Russos, mas eu sou mais explicito, mas quem é o senhor para avaliar o que são os nossos interesses ou não, e vir criticar os nossos dirigentes politicos, querem agora dar-nos indicações do que é melhor para nós tal como faziam nos tempos da URSS e como ainda hoje querem fazer com os vossos vizinhos? Caro senhor, os EUA continuarão a ser nossos aliados, enqunto os seus interesses coincidirem com os nossos e nessa perspectiva devem ter o nosso apoio, enquanto não tiverem uma atitude hostil para com a UE como certos países, deveremos manter esse apoio. Não seria nada dignificante ou mesmo inteligente se trocassemos um parceiro fiavel e com provas dadas no passado, por um como a Russia que é uma perfeita incognita, na forma como irá proceder no futuro, porque se avaliarmos pelo passado e presente já sabemos do que é capaz. Se a Russia quiser cooperar com a UE deve ter isto em mente e não vir tentar o impensável. Mas olhe já que por aqui anda se quiser dar algumas explicações sobre alguns assuntos que não consigo entender, ficaria muito agradecido:
1) Porque é que a Russia sempre apoiou a independencia das provincias separatistas de um seu vizinho, a Geórgia? E isto desde o fim Guerra fria, principios dos anos 90, como deve bem saber. Será que gostaria que fizessem o mesmo relativamente às provincias que procuram a auto-determinação dentro do seu território?
2) Porque será que os países do Leste Europeus que fizeram parte da URSS, e não sentiram nenhum "jugo", só querem é distancia da Russia, e são os que têm a maior retórica anti-Russa. Não, não precisa de responder a esta, já sei, propaganda Ocidental e não é verdade.
3) Como vê a falta de liberdade no seu país, e o assassinato de pessoas que se opuham de uma forma ou de outra aos actuais dirigentes?
Pode começar por aí, a ver se desfazemos alguns equivocos.

Anónimo disse...

voltei!

Para os amigos rússos,

epa, esqueçam tentar convençer esta gente que aqui escreve porque é trabalho inutil, estão a lidar com individuos sem valor(os mesmos que puseram a europa de cócoras perante os EUA e Soviéticos.

Os verdadeiros europeus sabem perfeitamente que o interesse do continente é ter uma rússia forte para lutarmos lado a lado contra a ameaça americana que pretende destruir a raça branca.

Os rússos são da nossa familia, partilham a mesma casa que nós(europa) têm laços culturais etc etc, tentar estabelecer uma aliança com uma ex-colónia(EUA) que deixou de ser europeia para ser multi-racial é uma ameaça enorme para a sobrevivência do continente europeu.

vão haver sempre idiotas que vão defender que os malditos americanos e o seu dominio, mas esses trites um dia serão uma minoria(espero), estes são aqueles que a história europeia vai apelidar de cobardes, traidores no futuro.

ao longo da história da europa estes sergios e companhias tambem existiam mas acabaram esquartejados, hoje têm orgulho em ser traidores,

aqui no "ocidente" a russia é vista como peça fundamental para o futuro da europa e não como inimiga, não liguem a esses deficientes mentais.

vasco,

Sérgio disse...

Caro Vasco, hoje tive a confirmação daquilo que já desconfiava, o senhor sofre de problemas sérios. Conselho de amigo, trate-se.

Caro PM eu ficaria preocupado com as minhas posições se tivesse o Roman e o Vasco a subscreverem por baixo.

Sérgio disse...

Caros amigos Russos, não se deixem iludir pelo discurso floreado do Vasco, repito, portem-se bem e respeitem os vossos parceiros Europeus se querem ser respeitados, senão nunca haverá possibilidade de nos entendermos. E não adianta virem com o discurso do papão americano, apenas aparado por quem não tem a minima noção do que diz. Aliás até lhes digo mais, a visão dos Americanos para a UE, é a de abranger toda a Europa com exclusão da Russia, eu discordava até agora sobre a exclusão da Russia, mas cada vez me convenço mais, que os Americanos é que tem razão. Afinal eles é que lidam convosco há mais de cinquenta anos e se não fossem eles eu queria ver onde o Vasquito e amigos se encontrariam.
p.s. Se calhar estava o sonho deles concretizado e seríamos todos uma grande familia branca, com umas perseguições aos fins de semana para entreter...

Sérgio disse...

"Infelizmente enquanto a UE não se desvencilhar da presença americana o comportamento continuará seguindo a linha atual."


Caro Wandard, o futuro é de uma maior cooperação e reforço dos laços já existentes, e não o contrário. Se o Wandard tem tanto ódio e receio dos Americanos o mesmo não se passa por aqui. Da mesma forma que começo a acreditar que a maior parte dos Brasileiros não partilham da sua opinião relativamente aos EUA.

Anónimo disse...

sergio, teve razão para ficar ofendido, eu queraa dizer msantos e não sérgio, enganei-me no nick.

pelo que sei o sérgio até defende algumas posições nacionalistas, pena é que não consiga ver o mal que os americanos fazem à europa, é este o seu unico erro.

eu tenho problemas como toda a gente, mas não sou maluco, o meu problema é sobretudo ter muita raiva por ver tantos traidores na europa a passearem-se alegremente, isso causa-se nauseas.

vasco,

Anónimo disse...

"a visão dos Americanos para a UE, é a de abranger toda a Europa com exclusão da Russia,"


sérgio, o que nos importa a nós europeus o que eles pensam??!

estou-me a marimbar para esses indios/americanos, a mim preocupa-me em 1ºlugar os EUROPEUS

MSantos disse...

Vasco

Muito obrigado pelo seu comentário desprezível em relação à minha pessoa o que para mim é uma lisonja vindo de quem vem.

Sérgio - "Caro PM eu ficaria preocupado com as minhas posições se tivesse o Roman e o Vasco a subscreverem por baixo."

Vasco - "pelo que sei o sérgio até defende algumas posições nacionalistas


...e agora Sérgio? ;)

Cumpts
Manuel Santos

Sérgio disse...

Vasco, sem os EUA não existia a UE, nem sequer Europa. Depois o MSantos até tem uma posição mais concordante com a sua defendida para a aproximação à Russia, do que a minha propriamente, e nunca senti nele aquilo que o acusa, apesar de termos opiniões divergentes. Eu sou nacionalista ao ponto de querer o melhor para o meu país estando disposto a ultrapassar todos os limites ou barreiras que nos possam querer impor, mesmo a da raça. Poderá não ter posto lá o meu nome intencionalmente, mas revejo-me em muitas situações que lá são apontadas e criticadas, como a questão Americana e Russa. Portanto assumo perfeitamente essas criticas que faz, ainda que as considere imerecidas e sem qualquer lógica.

Sérgio disse...

E já estava a escrever antes de ver o ultimo post do MSantos.

Sérgio disse...

Anónimo das 18:12, os Europeus não sabem o que querem, quanto mais pensarem.

Sérgio disse...

Se soubessem já há muito que os Russos e Americanos nos tinham em maior conta.

Sérgio disse...

E não vinham para aqui tentar enganar incautos com falinhas mansas.

Anónimo disse...

Manuel santos, o sr. com o devido respeito está errado, e o seu erro é ainda maior porque é uma pessoa culta. É que, um ignorante compactuar com a destruição étnica da europa é aceitavel, mas o sr. devia usar o seu conhecimento para ajudar a por fim a esta loucura que se está a passar na europa.

Os europeus não têm o direito de destruir séculos de coesão nacional, às proximas gerações vão lidar com um continente cada vez menos europeu, no se entender isso é ser ultra-conservador.

A europa é o povo europeu e não a "civilização" europeia.

o sr. sabe muito bem que a europa está a desaparecer aos poucos, mas existe uma diferença entre si e o sérgio, é que, enquanto o sérgio lamenta isso e fica resignado, ele sabe ao mesmo tempo que nada pode ser feito e que é uma consequência da história, enquanto que o sr. valoriza essa alteração demográfica.

posso estar enganado, mas é esta a sensação que tenho do que leio aqui.

quero que aqui alguem negue a evidência que os europeus estão em processo de extinção, eu não acredito que pessoas bem informadas neguem este facto.

e por caridade msantos, pare de associar os nacionalistas a tiranos carniceiros, já chega de mentiras.

vasco,

Anónimo disse...

o que eu gostava de ver era os europeus juntarem forças, numa união de europa das nações, esta UE está podre e deve ser reformada ou abolida.

Os americanos/indios têm medo que a europa seja una, vão impedir isso a todo custo, e estão a ganhar.

vasco,

Anónimo disse...

e para terminar, os europeus não têm o direito de excluir os rússos, sendo a maior e mais poderosa nação europeia eles fazem muita falta, discutir isso é ridiculo e absurdo.

estes americanos/indios!

estou-lhes com uma sede!!

vasco,

MSantos disse...

Já fui muito claro em dizer que me recuso a alinhar pelo politicamente correcto que acho ser a maior das hipocrisias actualmente existentes.
Acho que a complacência do Homem branco para com as outras etnias devia acabar e sim, deveria haver orgulho em ser branco pois efectivamente nos últimos 2000 anos foi a raça branca que trouxe maior progresso e desenvolvimento à humanidade e isso é inquestionável por muito incómodo que seja a muitos brancos, pretos, azuis etc.
Mas quando falo em acabar com complacências essencialmente é dizer: nós somos brancos e cometemos muitos erros mas também fizemos isto, isto e mais aquilo e vós, outras etnias, que haveis feito?
Temos de nos lembrar daquela vergonha chamada África onde todos aqueles ditos países não saem da idade da pedra apesar de décadas de independência e dos seus líderes (os maiores facínoras à face da terra) terem sido criados e educados nas melhores universidades do mundo.
E isso tem que ser mandado à cara daqueles povos não no sentido de os rebaixar mas chamá-los à razão e questioná-los sobre o que pretendem fazer do futuro.
Acabar com complacências é acabar com promoções, valorizações e outros meios de ascenção a incapazes só porque são de côr e nós hipocritamente dizemos coitadinho do pretinho e assim já somos mais modernos e "correctos".
Infelizmente muitas vezes isto também se aplica às mulheres. É vulgar no meu sector profissional encontrar uma arrogante incompetente num lugar de responsabilidade só porque toda a gente foi complacente e permissivo com a "menina" só porque era a "menina".
Há que questionar estes povos sobre o que fizeram e sobre os muitos erros que cometem e deixarmo-nos de culpas pois os séculos de colonização e o que se passou na Alemanha na metade do Sec. XX não justificam tudo.
Temos que fazer ver a estas pessoas que se quiserem ser alguém têm de estudar, trabalhar, serem seres humanos dignos, lutar, sofrer, fazer sacrifícios etc.
Foi com estes pontos de vista que uma parte da comunidade negra nos EUA encarou a vida, e como referi noutro post, tornaram-se seres humanos válidos e dignos, professores, médicos, engenheiros, simples trabalhadores em fábricas ou num McDonalds, astronautas, comandantes de linha aérea ou vaivém espacial, motoristas de táxi, militares honrosos que sofrem, lutam, se sacrificam e morrem pelo seu país. Nós também temos a felicidade de ter gente assim entre nós.
Isto é a prova de que qualquer ser humano independentemente da côr de pele pode ser um elemento válido e capaz desde que tenha os devidos inputs.
Ao contrário das outras hordas que vivem da complacência, comiseração e parasitismo e que infelizmente estão a povoar a América e Europa e como tal não posso valorizar essa alteração demográfica como o Vasco diz, pois isso vai-nos levar ao abismo e aqui também estão metidos toda uma classe de brancos brutalizados e estupidificados por sistemas educativos displicentes e decadentes.
A França será um país muçulmano em menos de 50 anos.
Mas para combater este extremo eu não me posso unir ao outro extremo que é tão mau ou pior que este.
Os partidos nacionalistas/neo-nazis chamem-lhe o que quiserem são a outra face da brutalidade e violência e sobre os seus obscuros objectivos a nossa História já demonstrou vezes sem conta por onde nos levaram.
Quero crer que apesar do que aparentemente defende, o Vasco talvez seja mais humano e se revoltasse contra as violências que estes neo-bárbaros querem aplicar se as visse tal como são. O mesmo é válido para outros intervenientes deste blogue, estou a lembrar-me de um em particular, cuja fotografia psicológica demonstra que não se enquadra nos monstros capazes de cometer estas barbaridades.
Deixo o apelo ao Vasco e a outros que pensam como ele se para combatermos criminosos teremos de nos unir a outros criminosos.
Eu também já fui muito jovem e disse e cometi muito disparate (ainda hoje por vezes digo e cometo) e continuo a acreditar que o Vasco e algumas pessoas aqui, são bem melhores que essas ideologias que não vos merecem.
Cumpts
Manuel Santos

Anónimo disse...

senhor Msantos, depois do que disse passei a ve-lo, infelizmente não como um aliado mas como amigo.

nota:não sigo ideologias assassinas, o que me move é o amor e respeito pelo povo Português/Europeu.

vasco,

Roman disse...

Então, meus amigos, vamos a isso!

"Os EUA são e sempre foram aliados da Europa Ocidental desde a sua independência, já a Rússia, sempre quiz crescer a expensas dos seus vizinhos Europeus."

Hmm..., foram os checos que lhe disseram isso? Ou o caixote mágico a falar inglês com três letrinhas CNN? Sim Senhora, pois é, somos orques horríveis de Mordor, sempre a beber vodka e a tocar balalaika costumamos conquistar os elfes ocidentais, montando ursos raivosos e não encontrando a resestência séria por nossa crueldade diabólica, depois comemos bebes deles. Sem preparar. Nem imaginar!
Esqueci-me da "perestroika", mas pronto, de qualquer maneira não serve, pois não é de mal.

..., mas quem é o senhor para avaliar o que são os nossos interesses ou não, e vir criticar os nossos dirigentes politicos, querem agora dar-nos indicações do que é melhor para nós tal como faziam nos tempos da URSS e como ainda hoje querem fazer com os vossos vizinhos?

Oi-la! Que grande emoção! Não vale a pena, o que é mais valioso é a saude (que lhe desejo).
1. Eu dei-lhe alguma indicação? A si mesmo, pessoalmente? Não acho.
2. Os políticos e jornalistas ocidentais é que gostam de dar indicações ao meu país, segundo às quais este foi metido num arrasamento completo nos anos 90. Estamos fartos dessas indicações e avaliações! Estamos fartos de estupidezes que se escrevem nos jornais ocidentais! Agora a questão - quem é que são eles para falar, escrever, transmitir estas tretas todas? Quem é que são eles para avaliar os nossos dirigentes e os seus comportamentos? Quem é que são eles para acusar os nossos políticos nos crimes graves sem apresentar nenhuma prova?! São Deus? São Santos? Hem? Eu digo-lhe - são mentirosos de poucos escrúpulos, escrevinhadores contratados para escreverem sempre a mesma coisa nas variações, ou simplesmente malucos a dizer coisas pelas quais jamais serão castigados. Digo-lhe sinceramente - não vale a pena acreditar neles.

..., os EUA continuarão a ser nossos aliados,...

Quer dizer "Donos"(?)

Não seria nada dignificante ou mesmo inteligente se trocassemos um parceiro fiavel e com provas dadas no passado,...

O REI MORREU, VIVA O REI!
(É a psicologia dos vassalos, (para quem, que não percebeu))

Se a Russia quiser cooperar com a UE deve ter isto em mente e não vir tentar o impensável.

O Senhor tem a posição mesmo estranha)). A Rússia NÃO deve nada a ninguém. A Rússia é um país AUTOSUFICIENTE (em comparação com os da UE)!

1) Porque é que a Russia sempre apoiou a independencia das provincias separatistas de um seu vizinho, a Geórgia? E isto desde o fim Guerra fria, principios dos anos 90, como deve bem saber. Será que gostaria que fizessem o mesmo relativamente às provincias que procuram a auto-determinação dentro do seu território?

É só aprender história:

http://www.russiatoday.com/Politics/2008-09-13/South_Ossetia_and_Georgia_historic_roots_of_the_conflict.html


2) Porque será que os países do Leste Europeus que fizeram parte da URSS, e não sentiram nenhum "jugo", só querem é distancia da Russia, e são os que têm a maior retórica anti-Russa. Não, não precisa de responder a esta, já sei, propaganda Ocidental e não é verdade.

O Sr. parece saber tudo)). Mas não é assim.

Um escritor russo já deu a resposta à essa pergunta. Foi no ano de 1876 e chamava-se Dostoevsky. Infelizmente eu não consegui arranjar link em inglês, mas se quiser em russo:

http://www.otechestvo.org.ua/main/20082/2611.htm

Melhor do que isto não é possível dizer. É a vida. Às vezes difícil e injusta.

Roman disse...

3) Como vê a falta de liberdade no seu país, e o assassinato de pessoas que se opuham de uma forma ou de outra aos actuais dirigentes?

O Sr. está a falar sobre as coisas como se estivesse ao lado das "vítimas do regime" no momento do assassinato, a ver como o feroz Putin as estripava. Provas! Primeiro as provas e só depois acusações.
Liberdade? Não vejo falta nenhuma. Já tínhamos a liberdade à vontade nos anos 90, a liberdade de dormir na rua e comer na lixeira. Obrigado, já chega. Havia também a liberdade de ficar assassinado por algum assaltante. Ainda bem que na altura o Sr. não viajasse à Rússia para se regalar connosco da nossa liberdade.

Sérgio disse...

É isto do que é capaz Roman, pois não fiquei nada convencido. Logo que possa respondo.

Anónimo disse...

Roman não é russo e não vive na Rússia (seu IP não é russo).

Wandard disse...

"Da mesma forma que começo a acreditar que a maior parte dos Brasileiros não partilham da sua opinião relativamente aos EUA."

Sérgio,

Não tire das poucas opiniões e comentários de alguns brasileiros que por aqui passam a sua visão pois ela está errada, a presença americana nunca foi e nunca será bem vinda, temos vários exemplos dos estragos que os Estados Unidos fazem e plena consciência de quão é nociva a sua atuação aos interesses do Brasil, no caso da energia nuclear é um bom exemplo desde 1945, aqui segue um recorte do histórico se o quiser completo, entre em contato pelo meu e-mail que te envio:
1939 - Otto Hahn interpreta a experiência de Enrico Fermi - descoberta a fissão do átomo.
1945 - 10 de julho - Primeiro Ajuste Atômico Brasil-EUA para exportação de 3 mil toneladas
anuais de monazita, durante três anos, renováveis por dez triênios.

1950 - Estados Unidos quer prorrogar o Ajuste Atômico. A nova Constituição torna impossível
a manutenção da exclusividade para a exportação de minerais radioativos.O governo
dos Estados Unidos declara inaceitável o projeto de acordo elaborado pelo Conselho de
Segurança Nacional do Brasil.
1951 - 15 de janeiro - Sancionada a Lei 1.310, que cria o CNPq, estabelece o monopólio
estatal dos principais minérios atômicos e proíbe a exportação de urânio e tório,
salvo autorização expressa do governo.
1953 - No CNPQ, Álvaro Alberto propõe política nacional de energia nuclear, que prevê:
produção de urânio enriquecido; construção de reatores; busca de apoio ao
desenvolvimento científico e tecnológico brasileiro em outros países além
dos Estados Unidos.

1953- Vargas determina ao Conselho de Segurança Nacional retomar a estudo da política
governamental de energia atômica, sob o ponto de vista da segurança
nacional.
1954 - Elaborados, na Embaixada Americana no Brasil, dois acordos com os EUA para
pesquisa conjunta de minerais radioativos, e sobre a comércio de urânio entre
os dois países.
- O CNPq, por ordem de Vargas, tenta importar ultra-centrífugas da Alemanha sob
sigilo. O embaixador Barbosa da Silva, avisa aos EUA. Vinte e quatro horas depois,
as ultracentrífugas são apreendidas pelas forças de ocupação da Alemanha, sob
ordem dos EUA.

Estas informações e que são dados históricos são suficientes para não ter ilusões quanto aos Estados Unidos. Discordo de você quanto a opinião dos europeus, tenho amigos e parentes europeus de diversas idades e nenhum deles possui o seu sentimento ou orientação do pensamento que você possui em relação aos americanos.

Como já comentei antes não tenho ódio dos americanos pois tenho muitos amigos americanos, mas não sou cego para ver a realidade.

Wandard disse...

"Vasco, sem os EUA não existia a UE, nem sequer Europa."


Sérgio meu amigo, você precisa revisar minuciosamente a História desde a Primeira Guerra Mundial, precisa ler cada troca de telegramas entre Churchill e Roosevelt e infelizmente precisaria de determinadas informações no âmbito militar e em determinados acordos que não são liberados a civis, talvez assim pudesse ter uma visão mais clara, mas como você disse esperemos o futuro desta cooperação e se a Europa suportará mais uma vez ser o teatro de operações do jogo americano.

Grande abraço,

Zé Carlos disse...

Se a NATO só incorporou aqueles países porque a Rússia estava fraca, porque ela continua incorporando...os últimos foram a Albânia e Croácia, ano que vem será a maior aliada russa na Europa: a Sérvia.

Tem pessoas aqui que superestimam o poder da Rússia

Anónimo disse...

Roman disse...
Olá a todos!
Sou russo e vivo em Portugal há 3 anos.


se está tão bem agora na Rússia, porque fugiu para Portugal na época das bonaças da era putin?

Anónimo disse...

"2). De resto eu posso concordar com tudo o que diz o PortugueseMan. Ele parece ser uma pessoa muito bem informada sobre os processos da política mundial em geral, e nomeadamente da russa. Eu posso confirmar - tudo o que eu li, que foi escrito por ele, é verdade. Digo assim não só por ser russo, mas também por conhecer a situação."

of course, Roman é o PM

Sandro disse...

PODEMOS CHEGAR A UMA CONCLUSÃO BEM CLARA AQUI. QUEM VIVE OU VIVEU NA RÚSSIA, NA MAIORIA DAS VEZES, CONDENA AS AÇÕES RUSSAS (VIDE JM). JÁ QUEM VIVE NUMA CASINHA CONFORTÁVEL EM PORTUGAL OU BRASIL (BEEEEEEMMMMM LONGE DA RÚSSIA)QUE ESTÁ AFEITO DE TEORIAS CONSPIRATÓRIAS, REVISIONISMOS, ETC...SÃO PRÓ-RÚSSIA DE CARTEIRINHA.
TINHA UM AMIGO MEU QUE DIZIA: SE VOCÊ QUER AMAR A RÚSSIA, NÃO VÁ AO PAÍS. FIQUE COM SUAS ILUSÕES QUE VOCÊ SERÁ MAIS FELIZ.

Anónimo disse...

na hora do vamos ver quem peida é a Rússia, smepre foi e sempre será