sexta-feira, agosto 14, 2009

Medvedev deu mais "um tiro no pé"


Depois da reacção do Presidente da Ucrânia, Victor Iuschenko, à mensagem do seu homólogo russo, Dmitri Medvedev, chegou a reacção da primeira-ministra ucraniana, Iúlia Timochenko.

Como é sabido, as relações entre Iuschenko e Timochenko são praticamente nenhumas, mas quando Moscovo atacou, uniram-se para dar uma resposta dura a uma mensagem claramente exagerada pelo seu tom e conteúdo.

Por vezes, é mais importante a forma como se diz do que o conteúdo do que se diz. Neste caso concreto, Dmitri Medvedev falou como se estivesse a dirigir a uma das suas colónias e apenas conseguiu unir dois inimigos irreconciliáveis, pelo menos temporariamente. A continuar assim, Moscovo terá na Ucrânia o mesmo resultado que obteve em 2004, mais uma forte derrota diplomática.

Medvedev anunciou o adiamento do envio do embaixador russo para Kiev, mas deu marcha atrás pouco mais de 48 horas depois. Mais "um tiro no pé". Talvez seja por estas e por outras que a Rússia tem relações azedas praticamente com todos os vizinhos.

"A primeira-ministra ucraniana, Iúlia Timochenko, afirmou hoje que o seu país realizará uma política soberana e não permitirá a ninguém ingerir-se nos seus assuntos internos.
“A Ucrânia definirá sozinha a sua política interior e exterior sem ingerência de fora. O país estudará o passado, analisará o presente e edificará o futuro sem consultar ninguém”, lê-se num texto publicado no sítio electrónico do Governo ucraniano.
Segundo Timochenko, o seu país está disposto a ouvir as opiniões dos vizinhos, tanto no Leste como no Ocidente, e respeitar os seus interesses, mas “considera inadmissível a ingerência nos assuntos internos do país”.
Ao mesmo tempo, ela frisou que, enquanto dirigente do Governo ucraniano, fez e faz tudo para aprofundar a cooperação frutífera entre a Ucrânia e a Rússia, antes de tudo na economia, e prometeu “realizar essa política independentemente do cargo que lhe confie o povo,
Iúlia Timochenko, uma das fortes candidaturas ao cargo de Presidente da Ucrânia nas eleições marcadas para 17 de Janeiro de 2010, assinalou que irá desenvolver com a Rússia segundo o princípio da igualdade, “respeitando os interesses nacionais, a soberania e a integridade territorial”.
A primeira-ministra ucraniana sublinhou que fez esta declaração depois do Presidente Victor Iuschenko responder à mensagem do seu homólogo russo, Dmitri Medvedev.
O Presidente da Ucrânia, Victor Iuschenko, manifestou-se, ontem, desiludido com a “mensagem não amistosa” do seu homólogo russo, Dmitri Medvedev, refutando as acusações nela contidas.
Dmitri Medvedev anunciou, no dia 11 de Agosto, o adiamento do envio do novo embaixador russo na Ucrânia devido à política anti-russa do país vizinho e espera a eleição de um novo Presidente ucraniano para normalizar relações bilaterais.
O dirigente russo acusou o seu homólogo de fornecer armas à Geórgia, dificultar a actividade da Marinha de Guerra no Mar Negro, dos homens de negócios russos na Ucrânia, bem como de discriminar a língua russa.
“Vou ser sincero, fiquei muito desiludido com o carácter não amistoso da mensagem. Não posso deixar de estar de acordo sobre que há sérios problemas entre os nossos países, mas é estranho que o Senhor exclua qualquer responsabilidade por isso da parte da Rússia”, responde Iuschenko numa carta publicada no sítio oficial do Presidente ucraniano na Internet.
Há vários meses que Victor Iuschenko e Iúlia Timochenko estão de relações praticamente cortadas, mas a mensagem dura de Medvedev levou-os a esquecer, pelo menos durante um dia, as suas divergências face à pressão do Kremlin".

32 comentários:

Иванов disse...

Медведев погорячился!
Я, с бодуна, тоже бывает.
Слово не воробей, вылетит не поймаешь!
Досадно.

PortugueseMan disse...

Não deu um tiro no pé, meu caro não deu.

A continuar assim, Moscovo terá na Ucrânia o mesmo resultado que obteve em 2004, mais uma forte derrota diplomática...

Sim? essa seria interessante de se ver.

A Ucrânia está completamente entalada, falida, dependente energéticamente da Rússia e Moscovo vai ter o mesmo resultado?

Vamos lá a ver uma coisa, em 2004 os ucranianos acreditaram na revolução laranja, agora nestas eleições acreditam exactamente no quê?

Se eles estão onde estão, foi principalmente devido às políticas hostis à Rússia, só não vê quem não quer.

Os ucranianos vão para as próximas eleições conscientes que as suas escolhas vão definitivamente afectar o seu futuro.

Se fôr escolhido um governante que continua a apostar na adesão à NATO, então podem esquecer quaisquer favores vindos da Rússia.

A Rússia não vai continuar a enterrar dinheiro num país que lhe crava um punhal nas costas.

Vai estar na mãos dos ucranianos o que vão querer para o seu futuro, eles irão escolher e irão colher os resultados dessa mesma escolha, seja ela boa ou má. Como tudo na vida.

Anónimo disse...

Iúlia Timochenko, BRAVO!


VIVA A UCRÂNIA SOBERANA, DEMOCRATA, DENTRO NA UE E DA OTAN!!!!!!


VIVA A UCRÂNIA!!!!!

Ítalo

Cristina Mestre disse...

Ítalo

Você é ucraniano? Vive em Portugal ou no Brasil? Tem algum site ou blogue pessoal?

Anónimo disse...

A Russia cada vez mais comete erros geopolíticos, por isso os vizinhos estão a ir nos braços da UE e Nato.

O Urso de Papel não aprende, está cego pela arrogância imperial.

Que a Ucrânia seja livre e independente!

Anónimo disse...

Memorizem o que vos digo:

os russos estão a preparar alguma

Anónimo disse...

"os russos estão a preparar alguma"

Isso é muito vago. Pode ser mais concreto? E já agora, pode fundamentar a sua afirmação?

Pippo disse...

"As palavras são como os pardais, quando voam já não as apanhamos".

Um belo ditado :o)

Dom Miotto disse...

Tiro no pé, Sr. Milhazes?

Expor seu ponto de vista sobre a inamistosa relação que esses paises tem é dar tiro no pé? Ademais o que disse Medvedev que não condiz com a realidade?

Neste caso concreto, Dmitri Medvedev falou como se estivesse a dirigir a uma das suas colónias e apenas conseguiu unir dois inimigos irreconciliáveis

Não, definitivamente não foi esse o tom de medvedev. E os dois,Iuschenko e Timochenko, por mais que se batam, sempre serão solidários nesta causa. Engana-se quem pensa que esta senhora é pró-russia. Enquanto Iuschenko tem uma guerra moral declarada à Rússia, Timochenko é ardilosa, lobo em pele de cordeiro e já deu mostra disso ha tempos.

Mas, como de costume, toda mídia ocidental vai aplaudir a retórica ucraniana e execrar a carta de Medevdev como prova de mais um ato hostil da malvada Rússia.

Quem ler esta carta usando do bom senso e da SEMÂNTICA verá que em nenhum momento existe esse "...falou como se estivesse a dirigir a uma das suas colónias"


Acho que deveríamos fazer análises nemos parciais.

cordialmente

Dom Miotto

MSantos disse...

José Milhazes: com tantos tiros no pé que os líderes russos dão neste blog, já não devem ter pés. Devem ser passadores ;)

Cumpts
Manuel Santos

Oh Well, Okay. disse...

“A Ucrânia definirá sozinha a sua política interior e exterior sem ingerência de fora. O país estudará o passado, analisará o presente e edificará o futuro sem consultar ninguém”

Ou melhor, sem consultar a Rússia. Nenhum país tem uma política totalmente soberana e toda a gente já percebeu de que "lado" está, teoricamente, a Ucrânia.
Esperemos que não venha a ter consequências negativas no futuro.

Não vejo realmente onde está o tom "imperialista" de Medvedev, como se tivesse a falar com as colónias.
Deve ser dos meus olhos...
Estão a fazer disto uma coisa demasiado negativa, quando não se disse nada demais.
Pena que os países ocidentais todos modernaços não se lembram da "não influência nas políticas internas de terceiros" quando o assunto envolve interesses económicos e cenas do tipo.

Ricardo disse...

País como a Ucrânia nunca são independentes, se sairem da esfera de influência de Moscou entraram na dos EUA e continuaram a ser influênciados, países como este nunca serão LIVRES!.

MSantos disse...

Ricardo

Subscrevo a 100% o que afirmou.

Cumpts
Manuel Santos

Átila disse...

Ricardo,

eu também concordo plenamente. Mas olha seo Jest ouvir isso vai ficar magoado contigo :)

A propósito,

ei, Jest, cuidado com a rússia, que a rússia te pega. te pega daqui, te pega de lá.

Átila disse...

Ítalo

Você é ucraniano? Vive em Portugal ou no Brasil? Tem algum site ou blogue pessoal?



Ítalo é paraguaio de ascendência somali e vivi clandestinamente num gueto de imigrantes ilegais nos arredores de Kiev junto com o Jest.

Vez em quando, essa dupla recebe uns esturjões congelados em troca de serviços como desviar gás destinado à europa para kiev, por exemplo.

vale lembrar que tais esturjões vêm do mar branco.

samuel disse...

Que pais terrivel.... Russia!
Ofende a Ucrania coitadinha que tao perfeitamente beija o cu europeu!
Nao quer prendar oleo e gas a Europa!
Nao admite Georia democratica matar o povo osetino!
Afinal ela tem a sua propria ponta do visto aos problemas mundiais! Que merda!
Onde esta aquela Russia dos anos 90's? Tao complacente, tao debil, tao dócil!

Anónimo disse...

A senhora tem razão. Mas está a ver-se que este rapazinho metido a presidente vai continuar a meter muita água.Medvedev deu um tiro no pe, ou meteu a pata na poça ou pisou trampa, como queiram. Fez borrada. Estava a provocar uma resposta e teve-a.Puseram-no no seu lugar.O que é irónico é que a senhora até era uma grande aliada dele, até há pouco. É a vida...

O Recuperado disse...

"Não posso deixar de estar de acordo sobre que há sérios problemas entre os nossos países, mas é estranho que o Senhor exclua qualquer responsabilidade por isso da parte da Rússia"


Qual é então a responsabilidade da Rússia em tudo isto?

Jose Milhazes disse...

Leitor recuperado, actualmente, a Rússia tem problemas praticamente com todos os vizinhos. Mas será que o mal será todo dos vizinhos? Eu pensaria se não há problemas nas relações de Moscovo com os vizinhos.

MSantos disse...

José Milhazes

Tirando os países que já sabemos pelas razões que todos conhecemos acho que a Rússia ultimamente tem feito tudo para sanar os problemas de vizinhança, estou a recordar-me das últimas concessões territoriais que fez com a China e o Japão. Não creio que existam também grandes problemas com os nórdicos ou até na fronteira a sul, com as antigas repúblicas soviéticas islâmicas para além do que é habitual. É de recordar que por mais benévolo que um estado seja existem sempre problemas com os vizinhos e tirando os países antagónicos, não me parece que a Rússia tenha problemas mais graves que os demais.

Cumpts
Manuel Santos

Jose Milhazes disse...

Caro MSantos, a Rússia não resolveu problemas territoriais com Japão e as relações políticas são tensas devido a isso. Tem problemas com o Uzbequistão devido a querer instalar uma base militar na Quirguizia. São públicas as discussões entre Moscovo e Minsk, seu mais próximo aliado, em vários campos. Tem problemas com a Letónia, Estónia e Lituânia (com este último país, informe-se da situação na fronteira, onde centenas de camiões não podem entrar em território russo devido a "medidas sanitárias" contra ela. Com a Ucrânia e a Polónia não se fala. Com a Rep. Checa e Polónia, você também sabe o que se passa. Não sei se me esqueci de mais alguma coisa, mas isto já deve chegar.

MSantos disse...

Caro José Milhazes

Mas mesmo em relação ao Japão e China muito tem sido feito ultimamente para sanar essas tensões. E tem sido Rússia a fazer concessões territoriais sem notória obrigatoriadade de as fazer o que demonstra a sua posição mais assertiva.

Relativamente à fronteira sul todos sabemos o conflito e encruzilhada geoestratégica que se está lá a passar devido às rotas da energia mas aí muito naturalmente a Rússia está a defender os seus interesses como qualquer país. A pergunta que se coloca é o que andam aí a fazer os Estados Unidos?

Sobre Georgias, Ucrânias, bálticos, Polónias etc aí mais uma vez também todos nós sabemos qual é a verdadeira causa do problema razão pela qual escrevi:" e tirando os PAÍSES ANTAGÓNICOS, não me parece que a Rússia tenha problemas mais graves que os demais".

E com a Suécia, ou a Noruega ou Finlândia, existem problemas de maior?

Cumpts
Manuel Santos

Pippo disse...

Quais são os problemas que a Rússia tem com o Cazaquistão, a Mongólia, o Quirguistão e o Tajiquistão?

Com os países bálticos, será que isso tem alguma coisa a ver com o tratamento dispensado à minoria russa desses países?

O Recuperado disse...

José Milhazes, mesmo assim não entendi. Peço desculpa pois sou um leigo mas refaço a mesma pergunta:

Qual a responsabilidade da Rússia nas relações menos que boas com a Ucrânia? (ou qualquer outro vizinho...)

O Recuperado disse...

Depois de ler todos os comentários, continuo sem entender que tem feito concretamente a Rússia para arruinar as relações de boa vizinhança com os seus vizinhos...

P.S. - Qual o problema, também, já agora... relativamente a "Minsk"?

Anónimo disse...

"Você é ucraniano? Vive em Portugal ou no Brasil? Tem algum site ou blogue pessoal?"


Cristina, sou brasileiro, não possuo blog ou sites;Gosto de ler e acompanhar o blog do Milhazes, só isso.

Abraço!


Ítalo Almeida

Anónimo disse...

"Com os países bálticos, será que isso tem alguma coisa a ver com o tratamento dispensado à minoria russa desses países?"

HIPÓCRITA!

E os séculos de genocídio cultural linguítico e físico dos bálticos , causasianos, cazaques, ucranianos,etc???

É incrível. Absurdo. é necessário ser muito canalha pra defender a Rússia desse jeito.


Ítalo

Oh Well, Okay. disse...

Ítalo:

A URSS já terminou homem!

Pippo disse...

Séculos de genocídio cultural???? Os russos? Sobre quem, exactamente?

Os ucranianos mantiveram, e bem, a sua cultura, religião e língua;

Os bálticos idem . Aliás, se alguém fez genocídio cultural no Báltico foram os alemães da Ordem Teutónica, que exterminaram os prussianos (um povo não germânico) e tomaram-lhes o nome. os bálticos, esses, mantiveram os seus costumes, a sua religião luterana e até a sua nobreza terratenente;

Os caucasianos nunca foram exterminados pelos russos (aliás, os russos nunca massacraram ninguém nesta região), mas os chechenos foram sujeitos a um expatriamento, ordem essa dada por um... caucasiano (Stalin) e executada por um... caucasiano (Beria);

Os cazaques estão muito bem e recomendam-se. O único massacre de que tenho conhecimento protagonizados por russos foi o da conquista de Geok Tepe, por Mikhail Skoboleff, e não afectou os cazaques mas sim os turcomanos.

Portanto, Ítalo, em lugar de me chamar de canalha e hipócrita, sugiro-lhe que deixe de ser BURRO e aprenda mais umas coisas em lugar de plasmar aqui a sua IGNORÂNCIA.

Jest nas Wielu disse...

As raízes culturais do imperialismo russo

O historiador russo do renome, Leonid Radzikhovsky, explica as raízes do medo primário do Kremlin (e dos milhões de russos) de viver sem a Ucrânia.

“Notem, que a Rússia não é capaz de formular as suas reais pretensões para com a Ucrânia… Trânsito do gás, NATO, a Frota do Mar Negro, holodomor … Detalhes – detalhes. /…/ Pois não será possível de dizer: “Me ame!” Será de rir… Mas tem muita vontade de dizer! /…/ Daí as conversas sem fim sobre os “povos irmãos” e mesmo sobre o “povo DIVIDIDO”.

Ler em russo:
http://echo.msk.ru/blog/radzihovski/612611-echo

Ler o artigo do Paul Goble “For Ukrainians, ‘Ukraine is Ukraine;’ for Russians, ‘Russia is Russia Plus Ukraine’” sobre o mesmo tema em inglês:
http://windowoneurasia.blogspot.com/2009/08/window-on-eurasia-for-ukrainians.html

2 Átila

Essa da “Rússia pegar”, V. Excia já está repetindo pela –nta vez, poderá inventar algo diferente, pfr? Quando os russos falam comigo, geralmente baixam o tom da voz e pedem algum favor, por isso não se preocupe, neste aspecto estou bastante seguro na vida.

2 Oh Well, Ok

/Não vejo realmente onde está o tom "imperialista" de Medvedev, como se tivesse a falar com as colónias./

Por amor de Deus, não é preciso exagerar tanto. Já esqueceu o caso, quando Portugal aprendeu a carta de condução do Pedro Mantorras? O que sucedeu, que em 48 horas, meia centena de portugueses ficaram sem a sua carta portuguesa, nas ruas de Luanda. Se algum político português, ousar usar 1/10 do tom na conversa com Moçambique / mas principalmente com a Angola, que o Medvedev usou para com a Ucrânia, seria fim imediato da cooperação portuguesa. Já imaginou, o Dr. Cavaco Silva a dizer: “o governo moçambicano tenta rever a história comum, glorificando os turras e separatistas” (referindo-se ao Imperador Ngungunhana ou a Samora Machel, etc). Pois é.

Oh Well, Okay. disse...

Jest:

Exagero? Exagero está no artigo e não no que eu disse.

"já imaginou, o Dr. Cavaco Silva a dizer: “o governo moçambicano tenta rever a história comum, glorificando os turras e separatistas"

Se fosse verdade, qual seria o mal? E mesmo assim continuo sem notar um tom imperialista. Deve ser dos meus olhos, como já disse.

Jest nas Wielu disse...

2 Oh Well, Okay

É por isso que eu digo, que vocês têm imensa dificuldade de entender a Ucrânia, pois a vossa capacidade de compaixão & auto identificação com os oprimidos vai direitinha para o 3º mundo e nunca para os europeus menos afortunados.

Turras vs Portugal: a frase hipotética do Presidente Cavaco Silva faz imenso sentido para muitos dos portugueses, que após 25 de Abril se tornaram retornados à força (ou mesmo, para aqueles que ficaram de vez em África). No entanto, Portugal democrático e os seus políticos respeitam os PALOPes (nem que seja só de fachada).

Qual seria o mal, pergunta Oh Well, Okay? Se você dizer em Maputo a tal frase hipotética, saberia na prática o que significa a lei 20 x 24. E não pode fiar, que a lei acabou, conheço os cidadãos portugueses que foram expulsos de Moçambique por muito menos.