sexta-feira, janeiro 01, 2010

Nem a "Branca da Neve" de 82 anos escapou


A polícia de choque russa (OMON) deteve mais de 30 pessoas que tentaram manifestar-se no centro da capital, exigindo o respeito pela Constituição e pelos direitos democráticos na Rússia.
A manifestação, que não foi autorizada pelo poder, realizou-se no dia 31, porque os seus participantes saem para a rua nesse dia em defesa do artigo Nº 31 da Constituição da Rússia, que prevê o direito de manifestação e expressão no país.
O correspondente da rádio Eco de Moscovo, presente local, afirma que a polícia fez detenções de forma “bastante grosseira”, tendo depois conduzido os manifestantes para autocarros.
Entre os detidos estava Liudmila Alekseevna, 82 anos, veterana do movimento pelos direitos humanos na União Soviética e na Rússia. Dirigente do Grupo de Helsínquia de Moscovo, recentemente esteve entre os russos galadoardos com o Prémio Sakharov da União Europeia.
Tal como prometera, Alekseevna apareceu vestida de Branca de Neve, mas isso não abrandou as acções dos agentes da polícia.
“Pegaram em mim à força e levam-me num autocarro policial”, declarou ela, por telefone, à Interfax, sublinhando que só se aguentou nas pernas com a ajuda de outras pessoas.
As autoridades policiais apresentam outra versão. Em declarações à agência ITAR-TASS, uma fonte das forças de segurança declarou que ninguém deteve a activista dos direitos humanos.
“Ela seguiu pelo próprio pé para o autocarro, onde se encontravam os violadores da lei, talvez por solidariedade com eles”, disse a fonte.
“Não compreendo o motivo da detenção. Eu não disse sequer uma palavra na praça. Mas talvez me acusem de ter rogado palavrões”, comentou Alekseevna.
Segundo ela, foram também dertidos alguns parentes seus que a ajudavam a caminhar, pois, devido à idade, ela utiliza bengala.
Foram também conduzidos à esquadra da polícia outros conhecidos dirigentes da oposição extra-parlamentar ao Kremlin, entre os quais estavam Konstantin Kossiakin, dirigente da “Frente de Esquerda” e Eduard Limonov, escritor e líder do Partido Nacional-Bolchevique.
Ao mesmo tempo que os manifestantes eram detidos, membros do movimento “Rússia Jovem”, apoiado pelo Kremlin, desejavam aos traseuntes “Feliz Ano Novo” e gritavam também: “Santa Claus, go home!”, deixando assim a entender que os manifestantes da oposição trabalham a soldo do Ocidente.

32 comentários:

Lobinha da Avozinha disse...

Que significa isto? Que os polícias russos gostam de bater em velhotas?
E se aquilo é um fato de Branca de Neve, vou ali buscar um anão vestido de cor-de-rosa e já venho...

Francisco Lucrecio disse...

Aí na Rússia tal como em qualquer outra parte do mundo, uma acção de rua que ocupe o espaço publico tem que ser autorizada previamente. Ora a essas pessoas não lhe foi concedida a autorização quando a requereram para a data desejada.
Foram devidamente informados disso não foram? Então e porque desobedeceram? Eu já tinha lido a pretensão desse grupelho reaccionário na imprensa Russa!
A avozinha até podia ter levado o capuchinho vermelho que não lhe ia servir de nada, na medida em que estava a desobedecer à lei.
Esses Bolcheviques são o MRPP cá do nosso burgo. Ultra reaccionários, só que se escondem atrás da capa da esquerda.
Deviam trata-los como em França, na Alemanha, em Inglaterra, ou na Turquia dispersa-los à cacetada, na Rússia ainda tem a amabilidade de os transportar em autocarros.
Nuns sítios são desordeiros, noutros são democratas defensores dos direitos humanos.
Cada gosto seu paladar!

Ítalo Tavares disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ítalo Tavares disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anónimo disse...

A polícia agiu muito bem.
Comunistas já fizeram o seu estrago na humanidade.

Ricardo disse...

lei é para todos, sem mais!

Anónimo disse...

Ítalo:
aconselho calma, parece que está histérico. Se essas são as leis do Brasil (???!!!) devem ser únicas no mundo. Em todos os outros países é SEMPRE necessária autorização para manifestações. informe-se antes de entrar em tilt.
Passar bem!

vox disse...

Relativamente a manifestações e com relação a alguns comentários aqui feitos há que distinguir duas coisas: há manifestações que apenas estão sujeitas a uma formalidade que consiste em comunicação prévia da manifestação a realizar em certa data e local, não ficando a manifestação dependente de qualquer autorização a conceder.
Noutros casos, faz-se a comunicação acima referida, e a sua realização fica dependente de autorização, que pode ou não ser concedida.
Não sei (como foi afirmado aqui por um leitor) se em TODOS OS PAISES DO MUNDO é SEMPRE NECESSÁRIA AUTIRIZAÇÃO PARA MANIFESTAAÇÃO.

Por exemplo em Portugal, já tivemos três situações: originalmente, toda e qualquer pessoa manifestava-se quando e aonde e queria e ninguém pedia autorização a ninguém, isto passou-se de Abril de 74 a Novembro de 75.
Depois do golpe contra-revolucionário de 25 de Novembro de 1975, as manifestações ficaram sujeitas a comunicação prévia. Mais tarde, para além da comunicação prévia obrigatória, ficaram dependentes de autorização.

Que eu saiba, é este último sistema que está em vigor em Portugal.
Muito raramente uma manifestação não é autorizada (que seja do meu conhecimento, desde 1975 até à presente data, apenas uma única vez uma manifestação não foi autorizada e isso foi por motivo de existirem duas manifestações diferentes já marcadas para o mesmo local).

Agora quanto ao problema em destaque, da Rússia, eu penso que o problema lá é que, manifestações que sejam contra o partido que ocupa o poder, pura e simplesmente nunca são autorizadas.
Mas pode suceder que eu esteja equivocado quanto à realidade russa, se assim fôr, que alguém melhor conhecedor da realidade me esclareça por favor.

Nikolay disse...

Manifestar-se em lugar público sem autorização não existe em lugar algum do mundo
Pois um lugar público não pode ser palco de manifestações, porque estarão a prejudicar a grande movimentação de pessoas que se passa.

Francamente, este blog poderia ser melhor !

Jose Milhazes disse...

Leitor Nikolay, se é russo, tem por dever saber que, segundo a Constituição do país, as pessoas têm direito a manifestar-se livremente e não é preciso pedir autorização para isso, mas apenas informar as autoridades. Só não consigo entender é o que leva o poder a recear a oposição, tanto mais se esta é tão fraca como dizem.
Este blog pode ser o que os leitores quiserem... Ele está aberto a todos.

Francisco Lucrecio disse...

resposta de Ítalo……MENTIRA, MENTIRA, MENTIRA, MENTIRA!!!!!!!

A cachaça que é boa? Ou é o efeito de outro produto?
ÍTALO;
A partir de agora o que quiser saber da minha parte pergunte aí no Brasil a Dilma Roussef, Fernando Molica, Lúcia e Inês Etiene Romeu, Marcos Sá Correia, António Carlos Fon, a filha de Alípio de Freitas.
Deleguei nesses as respostas que o Senhor desejar saber. Entendido?

Ou identifica-se mais com Amílcar Lobo e de Fleury

PortugueseMan disse...

...segundo a Constituição do país, as pessoas têm direito a manifestar-se livremente e não é preciso pedir autorização para isso, mas apenas informar as autoridades...

Não é assim tão linear..., existem factores de restrição.

Depende do sítio, até depende da hora por exemplo, tente lá marcar uma manifestação para depois das 23h...

Ao notificar as autoridades dos detalhes da manifestação, caso esta esteja em conformidade com a lei, não precisam de receber uma resposta afirmativa. Mas caso não esteja, a resposta negativa é dada...

Jose Milhazes disse...

Caro PM, claro que se pode justificar tudo. Resta saber com que objectivo. Eu não simpatizo com as ideias de Limonov e de outros dirigentes da oposição extra-parlamentar russa, mas será isso razão para considerar que eles não devem ser autorizados a manifestar-se?
Acho que o Kremlin ganharia mais em deixá-los manifestar-se e em permitir a formação de uma oposição verdadeira. Alguns desses líderes passariam rapidamente ao esquecimento.

PortugueseMan disse...

Caro JM,

Posso estar enganado, mas foi apenas esta que não foi autorizada certo?

Ou as outras 3 que ocorreram este ano também tiveram o mesmo tipo de tratamento e foram negadas?

Vi notícias a falar de outras 3 que existiram antes destas, mas não são claras se elas foram autorizadas ou não.

Jose Milhazes disse...

Caro Pm, não, todas as três anteriores também foram proibidas. Esse é que é o problema.

PortugueseMan disse...

Obrigado pelo o esclarecimento.

Nesse caso o procedimento das autoridades é incorrecto.

É um erro esse tipo de atitude. As pessoas deviam poder manifestar-se.

Ítalo Tavares disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
António Campos disse...

Por mais amiúde que surjam, as reacções vitriólicas às críticas à junta no poder não cessam de me deixar estupefacto. Compreende-se que, no caso de russos, sofrendo o seu país de origem de um sério deficit de cultura democrática, estes não entendam que os governos devem, em todos os momentos, ser objecto de escrutínio e crítica; que os governos não estão acima da lei e existem para servir os seus constituintes, e não o contrário; que o desempenho do governo será tanto melhor quanto mais intensa for a fiscalização por parte dos seus patrões (a população).

Agora portugueses?? É difícil entender como é que um país que já conta com mais de 35 anos de uma vibrante experiência democrática, liberdade de expressão e uma sociedade civil a pleno gás, e no qual toda a gente tem algo de mau a dizer dos sucessivos governos, independentemente da sua menor ou maior qualidade, gera este bando de groupies fanáticos anónimos, que desafiam sistematicamente a lógica a defenderem, qual pastor alemão, um regime autocrático noutro país, que se considera acima da lei e não nutre o menor respeito pela população que tutela.

Sentimentos antiamericanos primários podem dar uma explicação, talvez um pouco rebuscada, mas ainda assim, fornecem uma base lógica para este comportamento bizarro. Quem se sente incomodado pelo comportamento americano do pós-guerra e vê nele uma conspiração para atingir o domínio mundial, tenderá a unir-se “ideologicamente” ao contrapeso que parece melhor servir o objectivo de deter o inimigo. Os inimigos dos meus inimigos meus amigos são. Os nacionalistas palestinianos alinharam-se com Hitler porque tal servia os seus objectivos. Mas as aspas do “ideologicamente” foram colocadas de propósito, uma vez que, paradoxalmente, os pequenos aliados portugueses (e não só) da vertikalnaya vlast contra o Grande Satã opõem-se a um estado nacional-corporativista de direita (o sonho neocon) com outro do mesmo tipo e com semelhantes ideais de hegemonia mundial. Aliás, a Rússia bate-se por um mundo multipolar simplesmente porque não está no lugar dos EUA. Se estivesse, a conversa seria seguramente outra.

Será então a trupe dos nashistas lusitanos simplesmente tão avessa aos Estados Unidos que se lhes varre do pensamento a importância dos valores que têm como garantidos em casa e dos quais não prescindem, mas que os russos poderão nunca vir a ter?

Talvez. Mas o que me faz mesmo coçar o queixo é que, em países democráticos como o nosso, só conseguimos encontrar defensores caninos do governo nas fileiras do partido da maioria ou, com este fervor incendiário, algures num cantinho qualquer do próprio aparelho do estado.

Hm.

António Campos

António Campos disse...

Curiosa, esta aparente ingenuidade do PM quando “descobre” que as manifestações da oposição são consistentemente bloqueadas.

Uma lacuna estranha para um seguidor assíduo da realidade sociopolítica russa, não saber de cor e salteado que o Kremlin e as administrações locais bloqueiam virtualmente todas as iniciativas de elementos críticos do regime, sejam elas manifestações ou simples assembleias, e, por outro lado, autorizam ou toleram manifestações de todos os quadrantes leais, mesmo que muitas delas sejam ilegais nos termos da legislação sobre extremismo, tais como as de ultranacionalistas, supremacistas brancos ou neonazis.

http://en.rian.ru/analysis/20080417/105342726.html

António Campos

Anónimo disse...

António Campos e o seu fanático e primário complexo George W. Bush:

"Who is not with us, it is against us"

Ítalo Tavares disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
PortugueseMan disse...

Não se preocupe com a minha ingenuidade meu caro.

Preocupe-se mais com a sua distorção da realidade.

Seja VERDADEIRO.

META FONTES, para os valores que indica.

Francisco Lucrecio disse...

Ítalo;
Apenas me faltava confirmar que nutre simpatia por torturadores e assassinos! Estou completamente esclarecido sobre os princípios ideológicos que defende e o respeito que manifesta por os outros.
Em suma; são terroristas todos aqueles que tiveram a coragem de enfrentar a ditadura repressiva que vigorou no Brasil. A começar em Brizola , passando por frei Beto e acabando no Lula e nos membros mais destacados da sua equipa.
Os seus argumentos nada diferem de quem instituiu a tenebrosa AI-5.

Enfim; as ratazanas continuam a movimentar-se nos subterrâneos da democracia, com o seu consentimento

Anónimo disse...

António Campos:
get a life
ou
vai dar banho ao cão.

António Campos disse...

Caro PM, lamento ferir a sua auto-estima, mas a sua “ingenuidade” não me preocupa rigorosamente nada. Só me diverte.

Relativamente às fontes, para além da que indiquei na peça, e que lá está bastante comentada, recomendo-lhe a leitura do relatório da Missão na Federação Russa da Comissão das Nações Unidas para os Direitos Humanos, referência E/CN.4/2006/61, de 26 de Janeiro de 2006, baseado numa visita à Rússia da relatora especial para a violência sobre as mulheres, Yakin Ertürk.

E já agora, para que é que você passa a vida a pedir fontes se depois não faz nada com elas? Já se deu ao trabalho de procurar alguém para lhe explicar os relatórios e contas da Gazprom, o seu tópico-fetiche? Pois…calculei que não.

António Campos

Anónimo disse...

Antônio Campos, guarde este seu politicamente correto para você. A Rússia não precisa dele.

PortugueseMan disse...

E já agora, para que é que você passa a vida a pedir fontes se depois não faz nada com elas?

Você é impressionante. Por isso evita de colocar fontes naquele artigo. E muito menos justificar o que lá colocou.

Porque se fosse colocar fontes, toda a gente ficaria a saber que em 2004 o valor reportado era de 14000 mulheres e nesse caso como é que voce encaixava o crescimento de 55%, que é ao fim e ao cabo o objectivo do artigo?

Com tanta coisa mal que exista na Rússia, você ainda precisa de inventar? é estranho não é?

E por isso é que sou da opinião que o JM deveria ter atenção ao modo como o seu blogue é usado.

Há muita coisa errada na Rússia, que se fale dela.

Mas não é preciso recorrer a mentiras para criar essa imagem da Rússia que você pretende.

E você está a usar o blogue do JM, porque é mais lido para projectar a imagem que quer dar.

Vergonhoso. É a palavra que tenho para o que está a fazer.

Há coisas erradas na Rússia? mostre-as sem recorrer a mentiras e artifícios.

Ítalo Tavares disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anónimo disse...

O sr. António Campos fez investidas iniciais de leão a tentar impôr uma superioridade intelectual com laivos de agressividade, raiando a má educação com epítetos com que brindava possíveis opositores de modo a os intimidar, inibindo qualquer observação ou resposta, mesmo à laia de bullying.

António Campos disse...

As estatísticas oficiais de 9000 mortes em 2003 (32% de todos os assassínios reportados) relativamente a violência doméstica são as indicadas pelo ministério do interior:

http://works.bepress.com/cgi/viewcontent.cgi?article=1000&context=christina_misner_pollard

Svetlana Polenina, Problems of Gender Equality, in HUMAN RIGHTS IN RUSSIAN REGIONS 164 (Moscow Helsinki Group, 2004), noted in ABA CEELI 2006 Report, supra note 11, at 97.

Ademais, se o caro PM tivesse lido com atenção as fontes que indico, teria reparado na extremamente importante declaração do relatório da ONU cuja referência indiquei, que diz o seguinte na sua página 26:

“no decurso de um período de DEZ MESES em 2004, o Ministério do Interior reportou a ocorrência de 101.000 crimes contra a família – um aumento de 16% relativamente ao ano anterior”

Ainda que as estatísticas sejam díspares e não sistemáticas, sendo muitas vezes não mais do que estimativas de organizações internacionais (o que já de si deveria constituir uma humilhação para o estado), revelando que o estado se está nas tintas e recusa-se a reconhecer e atacar o problema, basta usar simples aritmética para perceber que o problema se está a agravar, e na proporção que indiquei, se não for ainda pior.

Portanto, se quer chamar mentiroso a alguém, vá primeiro dar uma olhadela ao espelho ou chateie alguém da sua família.

António Campos

Francisco Lucrecio disse...

Ítalo de que lado o senhor está já eu sei muito bem.
Os generais também alcançaram o poder com votos?
Os patriotas para si são aqueles que torturaram bebés com menos de um ano na presença dos pais, para obter conficções?
Essa democracia que defende é de bandidos, criminosos e assassinos. Nem na Coreia do Norte por quem nutre todos dos seus ódios essas práticas são usadas.

Ítalo Tavares disse...
Este comentário foi removido pelo autor.