quarta-feira, março 17, 2010

Parlamento russo ameaça não ratificar Tratado START-2

Boris Grizlov, dirigente da Duma Estatal (Câmara Baixa) do Parlamento Russo, declarou que os deputados não ratificarão o novo acordo com os Estados Unidos sobre a redução das armas ofensivas estratégicas (START-2) se ele não for interligado com a questão da criação do escudo antimíssil norte-americano na Europa.
“Os deputados da Duma Estatal participam na preparação do START-2 e nós não o ratificaremos se nele não forem tidas em conta as ligações entre o START e o escudo de defesa antimíssil”, disse Grizlov durante o encontro com Tsetka Tsatcheva, presidente da Assembleia Popular da Bulgária.
Respondendo a Grizlov, a dirigente do Parlamento búlgaro respondeu que “nem a Assembleia Popular, nem o Governo búlgaros examinaram até ao presente a implantação de elementos do escudo antimíssil Americano no território do país”.
Segundo ela,”trata-se apenas de uma ideia da NATO formulada nos mídias por representantes americanos”.
O novo sistema de defesa antimíssil deve entrar em funcionamento até 2015. Em Fevereiro último, a Bulgária anunciou a sua intenção de iniciar conversações com Washington sobre a instalação de elementos desse sistema no seu território.
A Roménia já aceitou albergar mísseis intercetores americanos. Washington confirmou essa informação, acrescentando que a instalação de mísseis nesse país serve para conter a ameaça iraniana.
Assinado em 1991, o Tratado russo-americano de redução de armas estratégicas (STRAT) terminou o prazo de vigência no passado 05 de Dezembro. O novo tratado está a ser objecto de negociações entre os dois países.
Nos próximos dias 18 e 19 de Março, Hillary Clinton, secretária de Estado norte-americano, vai estar em Moscovo para discutir essas questões com os dirigentes russos.
Numa entrevista concedida à revista russa “The New Times”, Clinton defendeu a separação dessas duas questões nas conversações russo-americanas, sublinhando “é a melhor forma de avançar”.

2 comentários:

PortugueseMan disse...

...Numa entrevista concedida à revista russa “The New Times”, Clinton defendeu a separação dessas duas questões nas conversações russo-americanas, sublinhando “é a melhor forma de avançar”.

Sim de facto é. Mas numa perspectiva americana.

Eu não consigo ver os russos aceitarem uma coisa destas.

A solução para o START-2... não vejo solução, a não ser o START-2 perder relevância.

O que é mau.

Os americanos precisam de instalar e evoluir este sistema.

Os russos nunca poderão aceitar algo que diminua a sua capacidade de retaliação nuclear.

E a ser assim é um péssimo sinal, pois até na Guerra Fria se conseguiu negociar as coisas e agora pelos vistos não.

A lume brando a situação vai piorando, vamos a ver onde isto irá dar.

ALONE HUNTER disse...

Os russos não podem voltar para trás nesta questão. Não se pode permitir a instalação destas baterias de mísseis PATRIOT, pois é uma agressão direta á soberania russa.

A Rússia deverá responder com energia á esta agressão americana.Vocês imaginem se os Estados Unidos iriam permitir a Rùssia instalar misseis anti-aéreos do tipo S-400 em Cuba...É a mesma coisa.

Os Estados Unidos planejam sim uma agressão contra a Rússia. Os americanos estão pagando US$ 500 extra para todos os oficiais e soldados que saibam falar ao menos 1 lingua estrangeira, especialmente russo ou checheno. Aqueles que souberem falar mais de 1 lingua estrangeira irão receber mais US$ 1000. A decisão partil do Departamento de Defesa americano.

Interessante dizer, que a lingua russa sobe nesta categoria como extremamente necessária!!! Se for analisado a lista de linguas recomendadas para os pilotos de caça americanos, vocês irão ver que além do russo ou checheno, inclue-se ainda lingua de outros países do Cáucaso, como o azeri, armenio e georgiano. Isso significa que a questão do Cáucaso está no topo das prioridades americanas. Atualmente, os americanos estão se preparando para uma agressão que não irá ocorrer amanhã, mas esta preparação está sendo feita.

Primeiramente, isso está diretamente conectado aos exercícios militares americanos que recentemente foram feitos no Báltico. Segundo, é claro, trata-se da questão da instalação destes mísseis na Bulgária, Polonia e Romenia. Os líderes americanos estão planejando usar o Cáucaso contra, para organizar uma interferencia militar. E contra a Rússia.

Eles irão provocar a Geórgia á provocar uma outra guerra contra a Rússia e irão culpar a Rússia em tudo!!! Os imperialistas irão demandar para que as tropas russas parem suas operações para preservar os interesses americanos na região. Será tudo uma conspiração!

Acompanhem os noticiários, e irão conferir isto no dia a dia!!! Leiam este link aí: http://english.pravda.ru/world/americas/16-03-2010/112597-aggression-0