quinta-feira, março 18, 2010

Ucrânia pretende abandonar laços militares‏

Texto enviado pelo leitor Pippo:

"A nova coligação governamental na Ucrânia planeia apresentar uma lei impedindo o país de integrar qualquer aliança militar, nomeadamente a NATO. Numa declaração formal proferida na Terça-Feira, a coligação que apoia Viktor Yanukovich esclareceu que a nova lei consagrará o estatuto da Ucrânia enquanto país “não alinhado”. A iniciativa ajudará Yanukovich a cumprir a promessa eleitoral de impedir a entrada do país na NATO. O seu antecessor, o devotamente pró-Ocidental Viktor Yuschenko, pugnou para aderir a esta ornanização, enfurecendo Moscovo. A Rússia, determinada a voltar a exercer poder sobre os Estados saídos da URSS, tem-se oposto veementemente à expansão da NATO a Leste.

[traduzido do NYTimes]"

10 comentários:

PortugueseMan disse...

E este é 1º passo a tomar, para começar a negociar energia com Moscovo...

Jest nas Wielu disse...

Nisso, PortMan tem razão, trocar a segurança nacional pelo chouriço, os rapazes de Donetsk sempre defendiam algo parecido.

Maquiavel disse...

A Irlanda, Áustria, Finlândia, também säo näo-alinhados, e näo é por isso que säo peöes de Moscovo.

Por mero acaso (ou näo), e embora a esmagadora maioria da populaçäo finlandesa seja contra a entrada na NATO, os conservadores da Aliança Nacional (Kokoumus) estäo danadinhos para o fazer. Ao mesmo tempo esse partido é geminado com o do Putin.

Oblonsky disse...

Por falar nisso:

Russia and Ukraine should celebrate the 65th Victory Day with a joint military parade in the Crimean port of Sevastopol, Ukrainian President Viktor Yanukovych said on Thursday.

"I think that it would be proper if we staged a military parade with Russia in the hero-city of Sevastopol," Yanukovych said in a speech to the regional parliament.

Sevastopol, a major base for the Russian and Ukrainian navies, traditionally celebrates Victory Day with a naval rather than military parade. A city official said last week that this year's parade would for the first time involve Russian as well as Ukrainian warships.

This year's event may be the first in many years to feature heavy military equipment.

Yanukovych said he would sign a decree outlining the procedure of the 65th Victory Day celebration in Ukraine "in the next few days." He added that World War II veterans living in Ukraine, Russia and Belarus would receive identical financial benefit for the holiday.

The Autonomous Republic of Crimea has been a source of tension between Russia and Ukraine since the collapse of the Soviet Union in 1991. Tensions rose sharply in 2003 over a bitter border dispute on the Kerch Strait, and again in 2008, over the deployment of Russia's Black Sea Fleet during a five-day war with Georgia.

Russia's lease on the Black Sea Fleet's main base of Sevastopol is due to expire in 2017, but the new president may look to step back from predecessor Viktor Yushchenko's strict insistence that the foreign forces leave.

SIMFEROPOL, March 18 (RIA Novosti)


Que mudança de ares, hein?!

Pippo disse...

Acho muito bem essa iniciativa, Oblonsky. Os veteranos soviéticos da batalha de Sevastopol, russos, ucranianos ou de outra nacionalidade, têm o direito de celebrar a vitória em conjunto, e os países envolvidos têm o DEVER de patrocinar essa celebração conjunta.

É um acto sensato e sentido da parte de Yanukovych.

ALONE HUNTER disse...

O que vocês acham nós começarmos á dar mais atenção para a Bielo-Rùssia ( ou Belarus )?

Esse presidente, o tal de Alexander Lukashenko se encontra por aqui, tentando fechar negócios com o Chavez, etc...

Este país é um grande aliado da Rússia, que embora divirja de alguns pontos, como gás para variar, de maneira nenhuma foi desrespeitado pela Rùssia nos seus interesses.

Está aí um bom exemplo para os vizinhos. Belarus está pobre? Belarus tem guerra civíl? Não!

Então que sirva como resposta para alguns críticos que postam neste blog. Belarus é o exemplo á ser seguido!!!

Jest nas Wielu disse...

2 Maquiavel

A Irlanda e Áustria não têm a fronteira comum com a Rússia e Finlândia pagou em 1939 um preço pesado por defender a sua independência face as exigências moscovitas...

ALONE HUNTER disse...

Pelo que tenho observado, com os comentarios postados aqui neste blog ( que eu adoro! ), a Ucrânia é terra de Maricas!!!

Parem de se lamentar para o mundo e vão trabalhar!!! Vão conquistar o direito de existir!!! A Ucrania e seus líderes botam culpa em tudo pelo estado em que chegaram, mais não olham para o próprio umbigo!!!

Anónimo disse...

Tem razão Alone hunter. Até parece alguns brasileiros que vivem botando culpa dos seus males nos portugas. Até se envergonham de falar português.

Jest nas Wielu disse...

2 Alone Hunter

Antes de escrever sobre os umbigos alheios, porque não aproveitas para conhecer um pouco melhor o contributo dos ucranianos para a cultura brasileira? Visite o estado de Paraná, visite a cidade de Prudentópolis, cerca de 78% dos seus habitantes são de descendência ucraniana.