segunda-feira, maio 24, 2010

Dueto musical luso-russo aplaudido em São Petersburgo e Moscovo


O dueto de música erudita, constituído pela violionista russa Tatiana Samuil e pelo pianista português Filipe Pinto-Ribeiro, realizaram, no sábado e domingo, dois concertos com sala cheia em São Peterburgo e em Moscovo.


Em São Petersburgo, cidade também conhecida como a capital setentrional da Rússia, o concerto teve lugar na sala de concertos do Palácio de Catarina, a Grande, no âmbito do Festival Internacional de Música “Todas as Bandeiras”.

Em Moscovo, o concerto decorreu na Sala de Rakhmaninov do Conservatório Estatal Tchaikovski, no âmbito do Festival Internacional de Música Som Univeresal, tendo ambos os concertos tido lugar em salas praticamente cheias.

Filipe Pinto-Ribeiro e Tatiana Samuil interpretaram obras de clásicos como Mozart (Sonata para violino e piano KV 304), Robert Schuman (Três peças fantásticas) e César Franc (Sonata parara piano e violino).

Além disso, o dueto luso-russo interpretou obras de compositores portugueses. O público aplaudiu a “Romanza para violino e piano de José Vianna da Mota (1868-1948) e recebeu bem a peça "Danses Brisées", a mais recente criação do compositor contemporâneo César Viana (1963) , que teve estreia mundial em São Petersburgo e Moscovo.

Tatiana Samuil é uma das mais conhecidas violionistas contemporâneas russas. Atuou em numerosos países e com diversas orquestras e maestros, nomeadamente com a Orquestra Metropolitana de Lisboa. No concerto da véspera, a intérprete fez vibrar o público com os sons do seu lendário violino Stradivari (1717), que já pertenceu ao grande intérprete Friz Kreisler.

Filipe Pinto-Ribeiro é um pianista português com provas dadas, tendo atuado em numerosos palcos de Portugal e de países estrangeiros. A sua atuação com Tatiana Samuil ficou marcada por uma sincronia perfeita, tendo levado um dos críticos presentes no concerto a comentar que se trata de um “casal musical perfeito”.

Em declarações à Lusa, Filipe Pinto-Ribeiro, pianista que se licenciou em Portugal e se doutorou na Rússia, destacou o fato de, em todos os seus concertos no estrangeiro, prestar grande importância à divulgação de obras de compositores portugueses.

“A peça de Vianna da Mota “Romanza para violino e orquestra” é uma das obras praticamente esquecidas desse conhecido compositor português, César Viana compôs especialmente para nós “Danses Brisées”. Duas fortes razões para interpretar obras de músicos lusos”, declarou Pinto-Ribeiro, claramente satisfeito pela receção dispensada pelo público de São Petersburgo e Moscovo.

Os concertos deste dueto em São Petersburgo e Moscovo foram realizados graças ao apoio da Embaixada de Portugal na Rússia, do Instituto Camões e da transportadora aérea portuguesa TAP.

2 comentários:

Jorge Almeida disse...

Quem é o adido cultural da embaixada de Portugal em Moscovo?

Merecia um prémio, pois está a ver-se obra em termos culturais, ao contrário do que é normal num adido cultural das nossas embaixadas.

Jose Milhazes disse...

Caro Jorge Almeida, a Embaixada de Portugal em Moscovo não tem adido cultural. O trabalho de organização deste concerto ficou a cabo de João Mendonça João, leitor do Instituto Camões, com o apoio da Embaixada e da TAP.
O problema não está na existência de adido cultural, mas na vontade de fazer alguma coisa de útil.