segunda-feira, maio 17, 2010

Medvedev quer saber mais sobre acordo entre Brasil, Turquia e Irão


Dmitri Medvedev, Presidente da Rússia, saudou o acordo sobre o enriquecimento de urânio, assinado hoje pelo Irão, Turquia e Brasil, acrescentando que duvida que ele esclareça todas as questões sobre programa nuclear iraniano.
“Espero hoje à noite conversar por telefone com o meu amigo, o colega Luís Inácio Lula da Silva, Presidente do Brasil. Espero receber informações diretas”, declarou Medevedev depois de um encontro com o seu homólogo ucraniano.
Segundo ele, “em qualquer dos casos, saudamos esse acordo. Trata-se de uma forma político-diplomática de solução do problema iraniano”.
“Mas, pelo que entendi, o Irão irá continuar esse trabalho sozinho (enriquecimento de urânio). Sendo assim, podem continuar a subsistir dúvidas da parte da comunidade internacional”, acrescentou.
O Presidente russo propôs “a convocação de consultas de todas as partes interessadas, incluindo o Irão, para analisar os acordos que foram conseguidos em Teerão”.
O Kremlin, várias vezes enganado por Teerão, quer saber mais do acordo antes de tomar decisões. As autoridades russas desconfiam da forma "fácil" e "rápida" com que o Irão aceitou a proposta turco-brasileira, receando que por detrás dessa atitude esteja uma forma de ganhar mais uma vez tempo.
O Brasil e a Turquia arriscam fortemente o seu prestígio internacional, pois prefiro não acreditar que esses países apenas se estão a aproveitar da onda para fabricar as suas armas atómicas. Neste caso, o sistema de não difusão de armas nucleares irá definitivamente por água abaixo.

29 comentários:

MSantos disse...

Este acordo é uma falácia pois só será monitorizado parte do urânio, continuando o Irão a produzir urânio enriquecido sem qualquer controlo sob a taxa de enriquecimento desse mesmo urânio.

Aliás, porque submetem uma parte quando continuam a manter milhares de centrifugadoras em serviço?

Obviamente que a comunidade internacional não vai aceitar, e aqui mais uma vez, como tem sido hábito ultimamente a posição russa é a correcta, revelando grande sentido de responsabilidade.

Cumpts
Manuel Santos

Hugo Albuquerque disse...

José Milhazes,

Bem, um ponto é especular se o acordo entre Brasil-Turquia e Irã foi efetivo ou não, outro totalmente diferente é "soltar no ar" uma coisa grave como "pois prefiro não acreditar que esses países apenas se estão a aproveitar da onda para fabricar as suas armas atómicas.". Não é questão de "prefiro não acreditar", ou você tem provas disso ou não coloque - só por via das dúvidas a Constituição Federal do Brasil proíbe a bomba atômica.

saudações

ALONE HUNTER disse...

Esse acordo foi só uma vitrine, uma propaganda barata! O Irã irá continuar sim, enriquecendo Uranio, em diversas usinas nucleares, espalhadas pelo país. E o mundo vai ter que engolir. Assim como ocorreu com o Paquistão!

Israel não terá nada para fazer, e sim, adotar políticas mais diplomáticas com seus vizinhos, que são massacrados diariamente, patrocinados pela América!!!

Eu não defendo um Irã ( ou Irão como vocês escrevem )armado com armas nucleares, mas isso é irrelevante. Não há nada que se possa fazer!

Israel e Washington não tem a moral para coibir isso, afinal de contas possuem ogivas nucleares. E com certeza irá ocorrer uma corrida armamentista na região. Se o Irã possuir a capacidade de produzir ogivas nucleares, será uma reação em cadeia.

Arabia Saudita irá ter, Turquia irá ter, os Emirados Árabes irão ter, o Kweit irá ter, o Egito irá ter, etc...

E a situação vai ficar incontrolável!!!! Será mais perigoso viver no mundo assim, do que nos tempos da Guerra Fria. É só gerar um alarme falso e pronto... O desastre e o caos irá tomar conta. E isso já está escrito, desde 1.500, pelo grande Mestre Nostradamus!!!!

Quem viver, verá!!!!!!

Anónimo disse...

Milhazes, a Constituição brasileira proíbe a construção de armas nucleares. A tecnologia em sua forma civil, para geração de energia já é utilizada em usinas no estado do RJ, e nos próximos anos serão construídas algumas em locais onde esta não puder ser conseguida por outros meios.


Mas armas nucleares por aqui é coisa impossível. Pelo menos é o que a Lei manda.


Ítalo

PortugueseMan disse...

Mas, pelo que entendi, o Irão irá continuar esse trabalho sozinho (enriquecimento de urânio).

Hum,

Eu ainda não vi o que se anda a dizer acerca do acordo, mas se isto se confirma, então nada feito.

O Irão não pode enriquecer o Urânio e muito menos à custa de uma central russa.

Probus disse...

Conforme o Senhor Presidente mesmo afirmou, Dmitri foi um dos primeiro, ou o primeiro a receber TODOS os detalhes de Lula sobre o acordo com o Irã. A Rússia contribuiu e muito para este acordo que leva ao caminho, a um passo para a paz e direitos igualitários no Oriente Médio.
É porque o tal do Nicolas enche o saco de Lula.

Probus disse...

O presidente russo foi um dos primeiros a ser informado dos detalhes do acordo. A Rússia contribuiu e muito para este acordo acontecer.
E não esqueçamos quem também apoia o acordo: China, Índia, África do Sul, Liga Árabe, Países Africanos e UNASUL.

Jose Milhazes disse...

Caros Hugo e Ìtalo, a Constituição pode ser revista.

PortugueseMan disse...

Caro JM,

Caros Hugo e Ìtalo, a Constituição pode ser revista.

De facto nada é imutável, mas não estou a ver nenhum indício de que o Brasil esteja a pensar em algo semelhante.

O que o faz estar com estes pensamentos negativos?

O Brasil tem crescido muito nos últimos anos e a sua imagem no exterior subiu imenso, na minha opinião.

Nunca vi indicações de que possam estar a pensar em fabricar armas nucleares e no caso improvável de decidirem ir por aí, não necessitam de estas voltinhas todas, eles neste momento possuem a capacidade de as produzir se entenderem.

Anónimo disse...

O Irão enganou o Brasil e Turquia. Creio que o Lula tentou costurar o acordo como trampolim para algo, pois ele está no fim de mandato e parece cobiçar algum cargo internacional....Só resta esperar para ver o que vão fazer com o Irão, pois é óbvio que Teerão quer armas nuclares.

J.BRASIL disse...

Ter armas nucleares é uma questão de afirmação nacional e é um desejo de muitos metidos em alta política. Ainda mais a esquerdalha brasileira! Ter um foguetão intercontinental e bomba nuclear é a maneira de fazer face aos EUA, o arquétipo eterno do mau sociológico da humanidade, segundo suas fantasias ideológicas. Estão fincados no Itamaraty.

Penso que o Lula está se metendo sem saber, numa questão muito mais complexa do que ele pode perceber. E ele tem os pés de barro. Barro podre. Se a imprensa internacional puxar sua vida ele vai ser desmoralizado e escorraçado do status quo mundial do jeito de cachorro leproso. Já pensou se rolar na mídia internacional o caso: "A CABRITA DE LULA; GOOGLE; REVISTA PLAYBOY DE JULHO DE 1979"? Ele não vai servir nem prá motorista da ONU! No primeiro mundo um ministro é defenestrado por causa de uma amante. Imagine o que pode fazer um love com uma cabrita!

Gilberto Mucio disse...

Não faz sentido o Brasil construir bomba atômica.

O nosso poder de barganha é muito maior sem ela(bomba).

E no mais, a tecnologia de enriquecimento de urânio o suficiente para a fabricação da bomba, nós a temos desde os anos 70.

Se quisesse, O Brasil em poucos dias teria urânio enriquecido para a sua fabricação.

Então, estrategicamente, é melhor mostrar que sabe fazer, do que ter. Não a tendo, posa-se como "reserva moral".

Não tem o menor sentido achar que o Brasil está construindo bomba.

Jorge Almeida disse...

Também acho que é mais vantajoso mostrar que se sabe fazer a bomba que ter a bomba. E o Brasil, nesse aspecto, está a mostrar bom senso.

No entanto, parece que esta visão não é partilhada por todos, pelo menos pelos iranianos.

Nesse aspecto, concordo com Alone Hunter: Se o Irão tiver a bomba nuclear, os seus vizinhos vão querer tê-la também, vai haver uma corrida ao nuclear que ameaça ser sem controlo.

Ás vezes, dou por mim a desejar que os israelitas façam aos iranianos o que fizeram ao Saddam Hussein, e destruam todas as instalações de fabrico da bomba no Irão.

É que os israelitas já têm a bomba há muitos anos. As denuncias de Mordechai Vanunu já têm mais de 20 anos. No entanto, eles nunca a usaram. Será que poderemos dizer o mesmo dos iranianos se eles tiverem a bomba? Os ayatollahs não me inspiram o mínimo de confiança.

Anónimo disse...

Irão: China apoia acordo de Teerão com Brasil e Turquia

A China manifestou hoje o seu apoio ao acordo sobre o programa nuclear iraniano alcançado na segunda-feira, entre o Brasil, a Turquia e o Irão.

«Consideramos importante e apoiamos este acordo», disse o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Ma Zhaoxu.

«Esperamos que isto ajude a promover a solução pacífica da questao nuclear iraniana», acrescentou.

O acordo prevê que o Irão envie à Turquia 1200 quilos de urânio de baixo enriquecimento (3,5 por cento) e, em troca, receba o material enriquecido a 20 por cento para ser usado em pesquisas médicas em Teerão.

Governos ocidentais que defendem a imposição de novas sanções ao Irão afirmam que o acordo não esclarece a questão central do contencioso, com Teerão, que é a alegada intenção do Irão de fabricar armas nucleares.

O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês disse que a China defende «uma estratégia de duas vias», que consiste em manter pressão sobre o Irão, procurando ao mesmo tempo uma solução negociada.

Diário Digital / Lusa

ALONE HUNTER disse...

O que vocês todos tem que entender, de uma vez por todas, é que o Irã terá em breve ogivas nucleares... Não há como escapar disso!!!

Será que vocês não entendem que isso é projeção??? Vejam o Paquistão... Um país miserável, mais que bate na mesa, porque?? Porque tem a bomba!!!

O Irã quer ser o lider! No Oriente Médio!! E irá, á todo custo, desenvolver a sua bomba! Igual fez o Paquistão. Porque os EUA e Israel não invadem o Paquistão? Essa é a principal questão que me vem á cabeça quando esse assunto sobre o Irã vem á tona, nos noticiários.

O Paquistão talvez seja mais desiquilibrado que o Irã, e o mundo não questiona porque o Paquistão é aliado da América na Guerra contra o Terrorismo...

Eu aposto a minha garganta de que, se o Xá deposto em 1979 estive-se no poder, a América seria sua maior aliada! A América financiou o regime do Xá, deram á eles todo o aparato militar solicitado. Na época, venderam para o Irã o avião caça mais avançado da época, o F-14 TOMCAT e também o F-4 PHANTON. Armaram até os dentes o Irã, porque o regime ditatorial do Xá, que massacrava o povo iraniano, atendia os seus interesses!

Foi o povo iraniano que escolheu o Regime dos Ayatollahs!!! A América perdeu, com a deposição do Xá. E de uma noite para outra, o Irã virou inimígo! Um grande inimígo...

Eu não apoio o Programa Nuclear Iraniano, mais tambem não sou assim tão contra. E não adianta criar sanções contra o Irã, enquanto a China compra toneladas de petróleo iraniano. O Ira é uma matriz energética, e uma das piores derrotas políticas americanas de todos os tempos!! A CIA soube pelos jornais a deposição do regime do Xá.

E pouco se fala sobre o programa nuclear israelense. Há muita coisa por trás dos bastidores aí.

Porém volto á repetir... e podem escrever: O Irã, em posse de bombas nucleares, irá causar uma turbulência no Oriente Médio nunca vista antes na humanidade. Os líderes dos Emirados Árabes, Kweit, Bahrain, Qatar, Arábia Saudita, Egito, todos eles já devem estar planejando uma resposta para isso!

E imaginem se, com todos estes países com posse de ogivas nucleares, ocorrer um alarme falso? Será o fim!!! Será uma reação em cadeia, uma TOTAL GUERRA TERMOBÀRICA!!!

Sem dúvidas nenhuma, o Oriente Médio é o lugar mais ameaçador de todo o planeta!!!

Agradeço á Deus por viver aqui, bem no sul do Brasil,no meu glorioso Estado de Santa Catarina, á milhares de quilometros desse epicentro, sentado confortavelmente em minha poltrona, vendo as coisas acontecerem, passo á passo, dia á dia!! Aqui não virá a nuvem radioativa.

Hugo Albuquerque disse...

Sim, Milhazes, pode ser revista, mas o ponto é: Como? Quais os indícios? Quem faria isso? O senhor, por uma acaso, pesquisou um pouco sobre política interna do Brasil para jogar essa ilação por aqui? Qual a ligação entre um acordo que, na pior das hipóteses, atrasa uma nova escalada e um Brasil com armas atômicas?

Wandard disse...

Amigos, já que o assunto está em pauta vale a pena conhecer um pouco a realidade do que aconteceu. Não por acaso, os Estados Unidos como sempre........

1939 - Otto Hahn interpreta a experiência de Enrico Fermi - descoberta a fissão do átomo.
1945 - 10 de julho - Primeiro Ajuste Atômico Brasil-EUA para exportação de 3 mil toneladas
anuais de monazita, durante três anos, renováveis por dez triênios.
- Primeiras indústrias americanas são autorizadas a operar reatores atômicos
industriais.
- Agosto - bombas atômicas lançadas sobre Hiroshima (6/8) e Nagasaki (9/8).
• - Junho – CEA –ONU- Plano Baruch propõe a internacionalização das reservas de
minerais radioativos, sob controle da ONU, para "corrigir as injustiças da
natureza" . No Brasil, Álvaro Alberto tenta reagir ao Plano Baruch
1950 - Estados Unidos quer prorrogar o Ajuste Atômico. A nova Constituição torna impossível
a manutenção da exclusividade para a exportação de minerais radioativos.O governo
dos Estados Unidos declara inaceitável o projeto de acordo elaborado pelo Conselho de
Segurança Nacional do Brasil.
1951 - 15 de janeiro - Sancionada a Lei 1.310, que cria o CNPq, estabelece o monopólio
estatal dos principais minérios atômicos e proíbe a exportação de urânio e tório,
salvo autorização expressa do governo.
1953 - No CNPQ, Álvaro Alberto propõe política nacional de energia nuclear, que prevê:
produção de urânio enriquecido; construção de reatores; busca de apoio ao
desenvolvimento científico e tecnológico brasileiro em outros países além
dos Estados Unidos.

Wandard disse...

Continua
1953- Vargas determina ao Conselho de Segurança Nacional retomar a estudo da política
governamental de energia atômica, sob o ponto de vista da segurança
nacional.
1954 - Elaborados, na Embaixada Americana no Brasil, dois acordos com os EUA para
pesquisa conjunta de minerais radioativos, e sobre a comércio de urânio entre
os dois países.
- O CNPq, por ordem de Vargas, tenta importar ultra-centrífugas da Alemanha sob
sigilo. O embaixador Barbosa da Silva, avisa aos EUA. Vinte e quatro horas depois,
as ultracentrífugas são apreendidas pelas forças de ocupação da Alemanha, sob
ordem dos EUA.
- O Itamaraty e a Embaixada Americana aprovam exportação de tório do Brasil, com
pagamento em trigo e retorno em dinheiro (pelo Brasil).
- 23 de agosto - Vargas autoriza mais exportação de monazita
- 24 de agosto – Suicídio de Vargas.
1955 – Janeiro - Álvaro Alberto se demite do CNPq. Juarez Távora designa seu primo,
Elysário Távora, empregado da Embaixada Americana, presidente da comissão
mista que supervisionará o acordo atômico com os Estados Unidos.
1956 - - Maio - Os deputados Renato Archer, Vieira de MeIo e General Nelson de Mello (chefe
da Casa Militar) expõem a Kubitschek a existência dos documentos secretos que
regeram o acordo Brasil- Estados Unidos. Edmundo Barbosa da Silva, em
telefonema dado do próprio no próprio Palácio do Catete, avisa os EUA

Wandard disse...

Continua...

1956 - Kubitschek denuncia o acordo com os Estados Unidos de prospecção conjunta de
minérios atômicos e cancela o contrato de exportação de óxido de tório.
- Kubitschek cria a Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) e o Fundo Nacional
de Energia Nuclear.
- As ultra-centrífugas são entregues ao Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT)-SP.
- 21 de setembro - Delegados de oitenta países, sob a presidência do Brasil (Carlos Alfredo
Bernardes), reúnem-se em Genebra para instalar a AlEA, que tem como missão
garantir a não proliferação das armas atômicas, a difusão da tecnologia
nuclear, promover a cooperação técnica entre os países membros, garantir a
segurança nas ações que envolvam radioatividade e promover o desarmamento nos
países nucleares.
1958- Renato Archer, em conferência na Escola Superior de Guerra (ESG), estabelece ligação
entre a pressão americana no setor e o suicídio de Vargas.
1959 - Os EUA compelem a Inglaterra, que tinha dezesseis empresas fabricando material
para a produção de energia nuclear, a retirar-se do campo, em troca da dívida de
guerra, o que ocorre no período de um ano.
1960 - John Kennedy, em campanha eleitoral, acusa Eisenhower de permitir ao Brasil ter
tecnologia para produzir energia nuclear a custo baixo.

Wandard disse...

Continua...

1985- Inaugurada a usina nuclear Angra I, da Westinghouse (Estados Unidos) no Rio, depois de
15 anos de construção (iniciada em 75).
1990 - Fernando Collor assume a Presidência da República. Tenta extinguir o MCT e as atividades
na área nuclear.
- Senado dos Estados Unidos proíbe a venda de supercomputador ao Brasil

Wandard disse...

Continua...

1967 - O general Costa e Silva anuncia que adotará política independente de
desenvolvimento da energia atômica.
- O presidente da Comissão de Energia Atômica dos Estados Unidos, Mac Coniff, vem
ao Brasil e declara à imprensa que os Estados Unidos reagirão "por
todos os meios" a essa tentativa do Brasil.
1968 - Estabelecido o Tratado de Não Proliferação –TNP- no âmbito da AIEA, um Acordo
multilateral que visa a não proliferação e o desarmamento e que divide o
mundo em duas categorias: os países detentores de armas nucleares
(EUA, Rússia, Inglaterra, França e China) e os demais, estabelecendo regras
diferentes de supervisão internacional para cada categoria. O Brasil
não adere.
1975 - 27 de junho - Assinado acordo de cooperação Brasil - Alemanha, que prevê a
construção de oito centrais nucleares e transferência de tecnologia, inclusive de
enriquecimento (jet nozle).
1979 – Acidente em Three Miles Island – nenhuma fatalidade
1976 - Assinado o Acordo de Aplicação de Salvaguardas (Tlateloco) com a AlEA.
1984 - Iniciado o Programa Nuclear Paralelo no Brasil, com a construção de
ultracentrífugas, pela Marinha, sob a direção de Othon Luiz Pinheiro da Silva.

J.BRASIL disse...

Qual interesse do Itamaraty no Irã? Só porque o doidinho é antiamericano e foi apresentado pelo Chávez? Vemos comentários dizendo mais ou menos que,”o Brasil não é lacaio dos EUA.” Só que nosso país não está sendo confrontado por eles em nada; apenas estamos nos metendo em assunto bem longe de nossa real geopolítica e contrariando interesses de 90% do PIB mundial como podemos constatar se somarmos as potências como os EUA, Europa, China e Rússia. Isso tudo é a coroa da irracionalidade que tomou conta de nossa politica externa nessa era petista do nunca antes nesse país. Penso que o Congresso deve assumir suas prerrogativas e meter o Lula e sua equipe em camisa de força prá que esses
delírios estejam sobre controle. O antiamericanismo próprio da esquerdinha tipo petista está indo longe demais. Jango, complicou nossa situação uma vez saudando a China de Mao em visita oficial; logo um regime comprovademente homicida prá lá de 60 milhões de mortes. Sem nenhuma vantagem material se meteu em má fama.

Não esqueçamos que o Lula disse ao vivo na TV que, “se Irã não pode ter armas nucleares também não podem os EUA e os outros”, ou mais ou menos isso. O vice-presidente José de Alencar defendeu com veemência o direito dele ter armas nucleares. Podemos concluir que o estado brasileiro está avalizando Irã prá valer e isso não soma nada na diplomacia de resultados materiais que se espera para um país do terceiro mundo precisando desesperadamente de investimentos e tecnologia de terceiros para a melhora da qualidade de vida de seus habitantes.

É claro que dominação é da natureza da sociedade. Nações ao longo do tempo se destacaram nessa distinção exercendo-a numa maior ou menor extensão geográfica. Ao questionar demais os EUA o Brasil abre espaço à China sem que suas qualidades nas relações internacionais tenha sido provadas como positivas ao nosso projeto nacional -só que o caso de Darfur já serve de amostra grátis. Hoje nossos 17 mil quilômetros de frontreiras nos pertencem soberanamente e tudo debaixo da Pax Americana desde a Doutrina Monroe e sem questionamento mundo afora. Recentemente, parece-me, que politicamente fomos violados pelos interesses das Farcs conforme nos mostrou o Estadão nessa semana. Mas não é coisa grave e desafiante ao nosso conceito nacional geográfico.

Então porque colocar um status quo que nos favorece amplamente por dubiedades
possível de uma nova ordem mundial com novas dominações? O mais sábio seria aproveitar essa ao máximo e buscar nossa realização nacional

Anónimo disse...

Milhazes, no caso específico da proibição de tecnologia nuclear para fins militares, o questão é CLÁUSULA PÉTREA. O artigo e o inciso não podem ser mexidos e nem alterados.


Agora, uma outra Constituição pode ser feita para permitir que tal arma possa ser construída, mas aí seria necessária uma nova Assembleia Constituinte. O que é praticamente impossível, garanto.

Ítalo

Anónimo disse...

Essa história de que o Brasil pode/não pode construir bombas atômicas é apenas mais uma faceta da vergonhosa política externa do MEGALONANICO LULA, que deu margem à esse tipo de especulação.


Se parasse de falar bobagens pra estrangeiro ouvir, não se levantaria sequer esse tipo de hipótese.


A Constituição de 1988 PROÍBE de maneira ABSOLUTA a construção dessas armas por aqui.


p.s : Se bem que seria uma excelente ideia em certo sentido, já que os argentinos são nossos vizinhos e teríamos muito prazer em vê-los tremendo de medo não só com relação ao futebol...

Nada mal.

hehehe.

Sergei Korolev disse...

Jose Milhazes disse...
"Caros Hugo e Ìtalo, a Constituição pode ser revista."

Fato, e digo mais,um dia ela tera de ser

PortugueseMan disse...
"De facto nada é imutável, mas não estou a ver nenhum indício de que o Brasil esteja a pensar em algo semelhante."

bom , na verdade isso ja e cogitado a mais de 30 anos,ate porque nos podemos e temos condições tanto científicas quanto naturais

"eles neste momento possuem a capacidade de as produzir se entenderem"

fato.

J.BRASIL disse...
"Ter armas nucleares é uma questão de afirmação nacional"

Fato absoluto,dispensa comentários

ALONE HUNTER disse...

"Será que vocês não entendem que isso é projeção??? Vejam o Paquistão... Um país miserável, mais que bate na mesa, porque?? Porque tem a bomba!!!"

O Paquistão é quase um estado fantasma,mesmo assim pouco é dito de seu bem sucedido programa nuclear,concordo totalmente com o Alone Hunter

"O Paquistão talvez seja mais desiquilibrado que o Irã, e o mundo não questiona porque o Paquistão é aliado da América na Guerra contra o Terrorismo..."

Precisa dizer mais depois dessa? não,so faltou um adendo importante,o Paquistão também é aliado da China contra a India,talvez por isso a "comunidade internacional" que de internacional tem muito pouco seja tão complacente com o Paquistão,um país que alem de tudo é muito menos democrático que o Iran

"'Foi o povo iraniano que escolheu o Regime dos Ayatollahs!!!"

fato absoluto,movidos alias por um forte sentimento anti-americano,ja que os E.U.A, violentavam a cultura Iraniana,como fazem com todos os outros

Sergei Korolev disse...

Essa questão é muito complexo e eu poderia escrever mais uma centena de posts aqui..mas seria cansativo, de qualquer forma,essa é uma situação inevitavel,o Brasil precisara encarar isso hoje ou amanha,o Iran que muitos encaram como um grande satam,não fez metade do estrago que os estados unidos ja fizeram a humanidade,estados unidos esse que invadiram o Iraque,país vizinho ao Iran para lhe roubar o petróleo, e que não teria invadido se o Iraque não estivesse enfraquecido pelas sanções da onu,
perceberam? talvez os E.U.A planejem invadir o Iran em 10 anos
Alias, os Iranianos são completamente cercados por países atômicos,estados unidos no sul e oeste (Iraque e bases no golfo),leste(Paquistão),norte (Russia)
logo eles realmente necessitão de armas nucleares

J.BRASIL disse...

"estados unidos esse que invadiram o Iraque,país vizinho ao Iran para lhe roubar o petróleo,"

A questão do Iraque não foi tão simples assim. No calor do 11 de Setembro Saddam se tornou alvo por sua ficha corrida de vários crimes políticos. O Blair já veio à público explicar muita coisa.

E acusar a ação toda como um simples roubo, aliás que nunca houve uma vez que o petróleo iraquiano é pago conforme a cotação de mercado, é o antiamericanismo calunioso que sempre imperou nas declarações das gentes esquerdistas da América Latina.

A dominação dos EUA não é analisada com insenção por causa do partidarismo ideológico. Só que enquanto nosso Itamaraty fica dando uma de cachorro latindo por trás do portão, Medvedev é prágmatico e avança numa relação mais produtiva com eles, se comportando para buscar resultado e superar o antagonismo da Guerra Fria. Yeltsin foi outro que quis jogar o passado pela janela.

O Brasil deve lutar com tudo contra essa turminha esquerdista problemática que se assentou no Itamaraty. Aliás em várias partes de nossos negócios de estado temos que rumar o pé no traseiro desse bando de doentes mentais. Nossa sorte foi que o Lula não mudou a economia de FHC por alquma exoticidade esquerdista, como pregou em sua discursalha vermelhona até 2002, mas no Itamarty é uma merda atrás da outra. Qualquer um que defenda essa diplomacia o faz por desconhecimento ou interesse corporativo rasteiro comum em nossa política, de quem está sendo beneficiado pelo governo do homem da cabrita.

(LULA JÁ GASTOU R$ 8 BILHÕES EM PROPAGANDA! VAI FECHAR SEU GOVERNO COM GASTOS DE ATÉ R$ 10 BILHÕES! CASO DE POLÍCIA.O CARA É UM CRIMINOSO DEFENDIDO POR UMA LEGIÃO DE JORNALISTAS E MILITANTES PAGOS COM DINHEIRO PÚBLICO.)

J. Alves disse...

Sr Milhazes

É ano de eleições no Brasil e os leitores brasileiros querem discutir seus problemas por este blogue. Eu como leitor assíduo e entusiasta sobre a Rússia fico indignado ao ver como este blogue está mais para "DoBrasil" que DaRussia".

É apenas uma crítica minha... Caso permita-me...


Cumprimentos

J.BRASIL disse...

J. Alves disse...
Nhém, nhém, nhém, etc. e tal.

Não deu prá ver que a questão desse post é o Brasil, não? Hein?

Esse cara deve ser petista.