terça-feira, junho 01, 2010

Mais uma Cimeira Rússia-UE sem resultados



A Rússia e a União Europeia não chegaram a acordo sobre a eliminação de vistos entre a Rússia e o Espaço Schegen, levando o Kremlin a apresentar um projeto de acordo com vista a acelerar esse processo.

“Agora,o principal é não politizar essa questão, não cairmos em fantasias, olhar a verdade de frente. O nosso país está pronto para isso, mas isso é mais fácil para nós, pois somos um país, enquanto que a UE são 27. Mas para que o trabalho avance de forma mais ativa, entregámos aos nossos parceiros o nosso Projeto de acordo sobre a eliminação do sistema de vistos para os cidadãos da Rússia e da União Europeia”, declarou o Presidente russo, Dmitri Medvedev, numa conferência de imprensa realizada após a cimeira.

No que respeita à “Parceria para a Modernização”, o Presidente russo defendeu o aumento da cooperação entre a Rússia e a UE na esfera das altas tecnologias e inovações.

“Alargar a cooperação nas áreas de ponta, nas altas tecnologias e inovações, nos contatos sobre uma série de esferas e, claro está, na união de esforços na investigação”, afirmou.

Segundo ele “é de primordial importância o acordo conseguido sobre a defesa da informação secreta entre a Rússia e a UE que irá contribuir para o estabelecimento de uma cooperação estreita na esfera da segurança externa”, declarou.

O dirigente russo sublinhou também que a Rússia continua interessada no ingresso à Organização Mundial do Comércio, acrescentando: “consideramos que, sem isso, o nosso Estado não poderá desenvolver-se normalmente no espaço económico mundial”.

No campo da energia, Medvedev espera que o gasoduto Corrente do Sul, que irá fornecer combustível azul da Ásia Central para a Europa através do Mar Negro, se transforme “numa rede transeuropeia de transporte de gás”.

Dmitri Medvedev e Durão Barroso, presidente da Comissão Europeia, defenderam a necessidade de um combate conjunto contra a crise financeira mundial.

No que respeita ao Médio Oriente, A Rússia e a UE condenaram a operação militar israelita contra um conjunto de barcos que transportava ajuda humanitária para Gaza.

“Condenamos o emprego da força, exigimos uma investigação exaustiva e rigorosa para apurar responsabilidades, bem como a busca de uma saída para essa crise”, frisou Herman vam Rompuy, presidente da UE.

Vam Rompuy mostrou-se também preocupado com as violações dos direitos humanos e das liberdades na Rússia.

“A situação na esfera da liberdade de expressão e as dificuldades que enfrentam no seu trabalho os defensores dos direitos humanos preocupam fortemente a comunidade europeia”, frisou.

9 comentários:

ALONE HUNTER disse...

Excelente notícia! Cada um que fique no seu lugar! Já são séculos e séculos de desavenças!

Isso sempre existirá... O Ocidente demonizará a Rússia para sempre, e a Rússia demonizará o Ocidente para sempre!

Será que não aprenderam ainda? São duas civilizações opostas: Branco e Preto...

E será assim para sempre. Eu espero melhorias nas relações, porém não sou otimista devido á alguns ovos podres nessa União Européia, como por exemplo, o Reino Unido, que é uma prostituta de Washington!!!

Volto á insistir em uma União entre Rússia e China. Seria benéfica para todos os envolvidos!

Jest nas Wielu disse...

China arrendou na Rússia os 426 hectares da terra para fazer agricultura. O que será depois?

http://svpressa.ru/politic/article/25865

Mendonca Joao disse...

matrimonialmente falando é uma união de facto. Já há quantos milhões de chineses para além dos Urais?

Jest nas Wielu disse...

Boas leituras:

Recomendo o novo livro do Martin Cruz Smith (autor do "Parque Gorki"), finalmente em português: “O Fantasma de Estaline” (9789724619033), 300 páginas, 16,00 Euros, comprar online:
http://www.mediabooks.pt/catalogo/detalhes_produto.php?id=12116

Anónimo disse...

A Rússia deveria esquecer a UE e começar a olhar cada vez mais para a Ásia, pois lá estão as oportunidades e os perigos também.

Pedro disse...

Sem qualquer tipo de ironia vos digo:

Adoro os comentários do ALONE HUNTER (não quer dizer que concorde com muitas coisas que ele diz).

É directo, sem rodeios, sem meias palavras. Espere que não abandone este foruma pois as suas postagens são fant´sticas.
Repito, não estou a ironizar.

Faz falta quem diga as coisas de forma directa e frontal sem paninos quentes sem medo de criticas e fora dos lugares comuns que caracterizam muitos os nossos opinadores.

Jorge Almeida disse...

Alone, união entre a Rússia e a China?

Não houve no tempo do Mao e da URSS, como é que ia haver agora, com a China a crescer e a tornar-se super-potência mundial?

Cá para mim, o que poderá haver é a China fazer um "takeover" da parte asiática da Rússia, começando a povoar essa zona com os seus cidadãos.

PortugueseMan disse...

Caro JM,

Recentemente fez um artigo acerca da modernização na Rússia e gostaria de mostrar uma outra modernização que não seja arranha-céus e "Burans" em parques.

O sistema GPS russo, o GLONASS.

Saiu um artigo, um pouco extenso, mas que acho que vale a pena ler.

Innovation: GPS, GLONASS, and More

ARE WE THERE YET — at a multiple-constellation GNSS world? The European Galileo system only has two test satellites in orbit, with constellation completion not scheduled until 2014. The Chinese Beidou/Compass system has launched some test satellites, but global coverage is not promised until 2020. And the first Japanese Quasi-Zenith Satellite System space vehicle is scheduled for launch this year with the system not fully operational until 2013. So, does this mean GPS is still the only game in town? No, not by a long shot. We have overlooked Russia’s GLONASS...

...Russia’s economic difficulties following the dismantling of the Soviet Union hurt GLONASS. Funds were not available, and by 2002 the constellation had dropped to as few as seven satellites, with only six available during maintenance operations! But Russia’s fortunes turned around, and with support from the Russian hierarchy, GLONASS was reborn. Longer-lived satellites were launched, as many as six per year, and slowly but surely the constellation has grown to 21, with two in-orbit spares...

...manufacturers have taken notice of GLONASS’s recent phoenix-like rebirth. All of the high-end manufacturers now offer receivers with GLONASS capability. Does combining GPS and GLONASS observations make a difference? You bet...

...during a meeting of the IGS analysis centers in December 2009, it became clear that many of the centers had started to implement and enhance the GLONASS processing capabilities in their software. This was happening as a direct consequence of the improvements in the GLONASS constellation, the IGS GNSS tracking network, and increased user interest (if not demand). Throughout 2010 and 2011, we will therefore see a significant increase in the number of true GNSS solutions within the IGS. A very positive development for the GNSS world...

...Until 2003, the IGS had established a GLONASS tracking network of merely 20 stations. In 2003, this number grew rapidly from 20 to 30...

..In 2008, the increase rate went up significantly (see Figure 3) and, more importantly, the global distribution of the receivers improved as, finally, significant numbers of stations started to emerge in both North and South America. Orbits and clocks of the GLONASS satellites are, since early 2009, determined from the data of more than 100 globally well-distributed tracking stations in the IGS network ...


http://www.gpsworld.com/gnss-system/glonass/innovation-gps-glonass-and-more-10007?page_id=4


Em relação à nova versão dos satélites o GLONASS-K, este continua a bom ritmo, como podemos constatar neste artigo:

GLONASS-K Mock-up Undergoing TVAC Tests

...The GLONASS-K spacecraft is a completely new design and, unlike previous models, is unpressurized...

...According to the Reshetnev in-house newspaper Siberian Satellite, thermal-vacuum testing of the GLONASS-K mock-up is to be completed by mid-June...


http://www.gpsworld.com/gnss-system/glonass/news/glonass-k-mock-undergoing-tvac-tests-9991


Production of new GLONASS/GPS navigator to begin in fall

A personal car navigator which uses both the GLONASS and GPS systems, will enter production in Russia in the fall...

...The gadget is fully designed and produced in Russia.


http://en.rian.ru/science/20100602/159270952.html

Este último artigo também é muito interessante com a indicação de um produto inteiramente produzido na Rússia.

Você está a imaginar quantas empresas, pessoas e conhecimento têm que estar envolvidos para criar um sistema GPS e desenvolver produtos que usem este sistema?

Isto é um sector de alta tecnologia e eles estão a avançar.

Jest nas Wielu disse...

Cada vez que leio sobre o sistema GLONASS-K me parece que leio a palavra Glasnost… deve ser a nostalgia lol