quarta-feira, novembro 17, 2010

Aliança Atlântica não representa qualquer ameaça para a Rússia

O secretário-geral da NATO, Anders Fogh Rasmussen, considera que em Moscovo compreendem bem que a NATO já não constitui qualquer ameaça para a Rússia.
“Estou convencido de que a Rússia também não é uma ameaça para nós. Estou de acordo que devemos ser parceiros. Penso que a atual direção russa compreende que o futuro da Rússia está na cooperação estreita com a UE e a NATO”, declarou ele, numa entrevista ao diário Kommersant.
“Estou absolutamente convencido de que é melhor para todos, tanto para a Rússia, como para a NATO, gastar dinheiro no bem estar das pessoas do que em guerras mundiais destruidoras”, acrescentou.
Quanto às áreas da cooperação, Rasmussen destaca o Afeganistão.
“Para os russos é importante o nosso êxito no Afeganistão. Para Moscovo não é vantajosa a nossa derrota nesse país. A Rússia sabe por experiência própria quão perigosa é para a sua segurança a instabilidade nessa região. Trata-se da ameaça do terrorismo, do tráfico de droga. A Rússia é alvo de constantes ataques terroristas, de ondas de drogas afegãs. Devemos cooperar para combater isso”, explicou.
A NATO e a Rússia vão incentivar o trânsito de mercadorias do Ocidente para o Afeganistão e vice-versa, mas Moscovo exige controlar os comboios da Aliança à saída do território afegão para evitar o tráfico de drogas.
“Claro que vemos o interesse de Moscovo em pôr fim ao tráfico de drogas, por isso poderemos encontrar facilmente uma solução”, considerou.
Quanto aos novos desafios que se colocam perante a Aliança, Rasmussen destaca as ameaças de mísseis, o terrorismo, a pirataria e os ataques cibernéticos.
Segundo ele, a criação de um novo sistema de defesa antimíssil na Europa será “uma das resoluções concretas da cimeira de Lisboa”.
Porém, Rasmussen considera que não se trata de um sistema único da NATO e da Rússia.
“Devemos respeitar o fato dos nossos sistemas serem diferentes e podemos conservar diferentes sistemas. Mas a situação dita-nos que os sistemas devem cooperar, por exemplo, ganhar com a troca de informações”.
O secretário-geral da NATO aponta como tarefa central da nova doutrina da Aliança a “garantia da segurança dos cidadãos dos países membros”, mas admite a intervenção armada noutras regiões “em conformidade com a Carta da ONU”.
Rasmussen não esconde a existência de divergências com a Rússia sobre a Geórgia, acrescentando, porém, que esse problema não deverá ser discutido em Lisboa.
“Jamais reconheceremos a Ossétia do Sul e a Abkházia como Estados independentes. O nosso princípio fundamental consiste em que a instalação de tropas só deve ocorrer com a autorização da outra parte (Geórgia)... Nós e os nossos parceiros devemos dar um novo alento ao tratado sobre tropas convencionais na Europas. Isso é um processo paralelo que não iremos abordar em Lisboa”, precisou.
No entanto, frisou que as portas da NATO continuam abertas para a Geórgia e a Ucrânia se esses países corresponderem aos padrões exigidos.
Ramussen prometeu não fazer surpresas ao Presidente russo, Dmitri Medvedev, tal como este tinha pedido.

11 comentários:

Gilberto Mucio disse...

O único motivo da existência da NATO é a Rússia.

Como não haveria de representar perigo?

Pedro disse...

"Aliança Atlântica não representa qualquer ameaça para a Rússia"

No entanto uma simples False Flag Operation poderá novamente colocar tensão entre ambos.

Estes tipo de declarações são para pacóvio ver.....

O States e UK querem é meter as suas patas porcas nos recursos da Rússia, como querem meter no Irão e outros apelidados de "Rogue States".

PortugueseMan disse...

...Ramussen prometeu não fazer surpresas ao Presidente russo, Dmitri Medvedev, tal como este tinha pedido...

Que tipo de surpresas estamos a falar? o que Medvedev pediu?

...a criação de um novo sistema de defesa antimíssil na Europa será “uma das resoluções concretas da cimeira de Lisboa”...

Este é que é o grande coelho da cartola que eu quero ver sair nesta cimeira.

Se Obama nem consegue garantir que o Senado aprove o tratado START, que é que vão acordar aqui??

FAB FLANKER disse...

Qual será realmente o perigo? A Rùssia ou a NATO?

Acompanho este blog á meses, e a minha conclusão é que a NATO representa mais perigo para o mundo do que a Rússia. Digo isso porque a NATO é uma organização que como diz o saudoso ALONE HUNTER, fantoche dos Estados Unidos, usada para atender aos interesses americanos.

E é realmente isso. A União Soviética acabou... Então qual é o real motivo de a NATO existir?

A resposta é uma só: RUSSIA! Fazendo um balanço geral, desde 1991, a Rùssia nunca teve uma política agressiva contra seus vizinhos, enquanto a NATO agrega países que fazem fronteira á Rússia.

No caso específico da Geórgia, foi este país que iniciou a agressão. Estas duas repúblicas, Abkhazia e Ossétia do Sul querem a independencia, algo que Tbilisi não aceita. E então, em uma atitude desesperada, os capachos do Sr. Mikhail Saakashvilli decidiram lançar foguetes GRAAD covardemente e impunemente contra a população destas repúblicas. Não haveria outra saída á não ser a reação russa!

E, demonstrando mais uma vez uma política já consagrada de retaliação, Washington está patrocinando um filme que conta justamente sobre esta guerra de agosto de 2008. Só que adivinha quem será o vilão? A Rùssia!

PortugueseMan disse...

Top US senator doubts START treaty approval in 2010

Prospects for US Senate ratification of a landmark nuclear treaty with Russia this year dimmed Tuesday as a top lawmaker said he doubted the pact could be approved before 2011...

...The START treaty -- signed by Russian President Dmitry Medvedev and US President Barack Obama in Prague in April -- restricts each nation to a maximum of 1,550 deployed warheads, a cut of about 30 percent from a limit set in 2002.

But Republicans have said they need to be sure that the US nuclear arsenal will be modernized to remain a credible deterrent and that the treaty will not hamper US missile defense efforts...


http://news.yahoo.com/s/afp/20101116/pl_afp/usrussianucleartreatypoliticssenate_20101116203128

E é nestas condições que se espera algum tipo de entendimento na Cimeira? Se a questão START não fôr para a frente, então as relações entre EUA e Rússia só terão um caminho, elas vão piorar.

Pippo disse...

“Jamais reconheceremos a Ossétia do Sul e a Abkházia como Estados independentes. O nosso princípio fundamental consiste em que a instalação de tropas só deve ocorrer com a autorização da outra parte (Geórgia)..."

Curioso... para uma organização que literalmente pugnou pela separação do Kosovo relativamente à Sérvia, a NATO está agora muito legalista.

Não estou a ver onde é que a vitória da NATO no Afeganistão irá favorecer a Rússia. A produção de ópio aumentou sob a dominação da NATO; o terrorismo na Rússia não está ligado ao Afeganistão; e a segurança da Ásia Central passará mais depressa pelo Tadjiquistão e Quirguistão do que pelo Afeganistão.

Wandard disse...

Palavras, frases, discursos, muita enrolação e como dizia minha falecida avó, muita conversa para boi dormir.

José da Crimeia disse...

Os EUA sabem que só a Rússia lhes pode fazer frente.

Históricamente a Rússia é invencível.

Para além disso possui a maior vastidão territorial e as maiores reservas do mundo.

Não fosse os desgraçados anos do bêbado do Ieltsin e da corja corrupta que ele alimentou, a Rússia hoje em dia estaria noutra situação.

sergio disse...

'Históricamente a Rússia é invencível.

Para além disso possui a maior vastidão territorial e as maiores reservas do mundo."

na verdade esse é o grande mal da Rússia...grande território para pouca gente...ou vc não sabe que já 12% do oriente russo é habitado por chineses

Anónimo disse...

http://www.viomundo.com.br/politica/pepe-escobar-o-brasil-que-fique-esperto-no-atlantico-sul.html

http://www.atimes.com/atimes/Middle_East/LK20Ak02.html

Tuga disse...

A ameaça nem é a russia nem o irão nem a nato, a ameaça é o sionismo judaicoque tomou de assalto o aparelho politico emilitar americano.

Vejo com muita aprensão este alinhamento da russia com o impeialismo americano.

O irão não é ameaça ne nhuma, os persas não vão enviar misseis para a europa, isso é um absurdo.

Está-se a preparar o cado para os imperialistas mricanos continuarem a destruir paises, pelos vistos a russia puxou o tapete ao amadinejad ao aceitar est sistema anti-missil.

Eu via a russia como o garante da multipolariade mundial, com a russia a alinhar com o imperialismo americano judaico sionista começo a ficar preocupado.