segunda-feira, maio 23, 2011

Classe média foge da Rússia - apenas números

Segundo Serguei Stepachin,  chefe do Tribunal de Contas da Rússia, 
1 250 000 de russos, principalmente da classe média e empresarial, abandonaram o país nos últimos três anos. 
Entre 1980 e 1990, quando da desintegração da União Soviética, cerca de um milhão de russos abandonaram o país.
Segundo o Instituto  Levada, cerca de 50% sonham emigrar, sendo que 2/3  têm menos de 35 anos. 63% dos inquiridos gostariam que os seus filhos estudassem no estrangeiro.

70 comentários:

anónimo_russo disse...

"Classe média foge da Rússia - apenas números
Segundo Serguei Stepachin, chefe do Tribunal de Contas da Rússia,
1 250 000 de russos, principalmente da classe média e empresarial, abandonaram o país nos últimos três."



1. Tres o que? Decénios, séculos, anos?
2. Que fujam. Quanto mais fugirem, menos concorrencia vai haver aqui. Vamos aproveitar.

anónimo_russo disse...

"Entre 1980 e 1990, quando da desintegração da União Soviética, cerca de um milhão de russos abandonaram o país."


Por sinal, o período entre 1980 e 1990 não foi o mais trágico na história da Rússia (e os cidadãos sovieticos só obtiveram direito de sair livremente do país e entrar nele no início dos anos 90, o que coincidiu com a "morte" da URSS). Os anos mais dificeis foram os anos 90.

Jose Milhazes disse...

anónimo russo, 1500000 saíram em apenas três anos, ou seja, trata-se de uma fuga muito maior do que nos anos 90. Mais um dado, 45% dos estudantes universitários mostram-se dispostos a emigrar. Isto é uma gigantesca sangria intelectual num país que sonha em modernizar-se.

anónimo_russo disse...

"Blogger Jose Milhazes disse...

anónimo russo, 1500000 saíram em apenas três anos, ou seja, trata-se de uma fuga muito maior do que nos anos 90. Mais um dado, 45% dos estudantes universitários mostram-se dispostos a emigrar. Isto é uma gigantesca sangria intelectual num país que sonha em modernizar-se."



Eu pessoalmente não tenho a certeza de que os dados aqui apresentados reflitam a realidade. Aqueles que eu conheço não sonham em emigrar, e muitos deles pertencem a classe média ou classe média baixa. Até um ex-colega de escola meu, que trabalha em Moscovo, não sonha em emigrar (provavelmente porque entende que dificilmente vai ganhar mais do que ganha atualmente).
Qualquer caso, o que de bom podem fazer à Rússia as pessoas que só pensam em fugir? O país vai prosperar só quando a maioria entender que tudo depende deles próprios e não do governo (acho que muitos e muitos já entenderam isso, e não se lamentam). È preciso terminar com a psicologia sovietica (e muitos já terminaram).

Francisco Lucrécio disse...

Caro anónimo Russo; acha que as pessoas vivem de patriotismos?

Se emigram só pode ser porque encontram melhores condições de vida noutro lugar. Ninguém abandona o seu lugar de origem se não sentir necessidades de qualquer ordem.

Este é um principio comum a todas as espécies.

Acredita que alguém ganhando o ordenado mínimo na Rússia ( 4500 rublos +-) tem condições para aí viver?

Explique as razões porque a maioria dos jovens Russos preferem hoje frequentar cursos com saída para o estrangeiro?

Também não sabe que a maioria das famílias endinheiradas mandam os filhos estudar fora do país?

Gilberto Mucio disse...

1,5 milhão é muita gente. Isso saria umas das maiores emigrações da história humana.

Também duvido da veracidade dessa fonte(esse Sergey Stepachin).

Acho inverossímil. Deve ter algo errado aí.

Anónimo disse...

Quais os países que eles costuma ir?

Jose Milhazes disse...

Caro Gilberto, você não vive em Moscovo? Não sabe quem é o Stepachin? Claro que se pode pôr em causa todos os dados inconvenientes e continuar a tapar o sol com a peneira em vez de resolver os problemas.
Você sabia que um professor catedrático na Universidade de Moscovo ganha cerca de 700 euros por mês. E esta é a melhor universidade, na província, os salários são muito mais pequenos. Quanto ganhará um professor desses se for trabalhar para os EUA ou o Brasil?

PortugueseMan disse...

Caro JM,

Também há indicações de quais os países para onde está a haver esse fluxo e faixas etárias?

Gilberto Mucio disse...

Caro, Milhazes,

Eu concordo que há emigração da Rússia, isso é um fato.

Não concordo com o Anônimo Russo, que a pessoa não possa emigrar, coisas do tipo.

É fato que na Rússia hoje há profissionais qualificados e que simplesmente não há mercado de trabalho, no país, para absorvê-los.

O que fazer numa hora dessas um cientista qualificado; um excelente professor; um grande médico; um físico; um engenheiro químico, etc?

Dirigir táxi para complementar um salário de fome que muitos ganham? Ou emigrar para um local onde ele tenha possibilidade de trabalho, na primeira oportunidade?

Já tive professores, excelente profissionais, altamente capacitados, que viviam em condições precárias. Ao passo que outros, uma minoria, andavam de Mercedez.

Ninguém pode condená-los por emigrarem.

Essa realidade existe na Rússia. Não nego.

O que contesto não esses números. 1,5 milhão é muita gente! Mais de 1% da população em 3 anos.

Pode ser que essa cifra de refira aos russos que saíram do país, cruzaram a fronteira por algum motivo - turismo, trabalho, etc - e não aos que emigraram.

Jose Milhazes disse...

Caro Gilberto, Stepachin sublinha "principalmente da clase média e empresarial". O problema é que a fuga de cérebros é enorme, enquanto que as autoridades falam de modernização e pouco ou nada fazem para a sua concretização.
Caro PM, 4 milhões de russos têm autorização de residência nos EUA e UE. Mais concretamente, os russos emigram para Austrália, Alemanha, EUA, Itália, Inglatera, etc.
Começa a notar-se um aumento de saídas para o Sudeste Asiático.

anónimo_russo disse...

"Blogger Jose Milhazes disse...

Caro Gilberto, você não vive em Moscovo? Não sabe quem é o Stepachin? Claro que se pode pôr em causa todos os dados inconvenientes e continuar a tapar o sol com a peneira em vez de resolver os problemas.
Você sabia que um professor catedrático na Universidade de Moscovo ganha cerca de 700 euros por mês. E esta é a melhor universidade, na província, os salários são muito mais pequenos. Quanto ganhará um professor desses se for trabalhar para os EUA ou o Brasil?"


Na nossa universidade (que se chama agora Universidade Federal do Sul) e onde trabalha a minha mãe, завкафедрой da faculdade onde ela trabalha ganha 50 mil rublos (1200 euros) por mes, já ela própria ganha cerca de 5 vezes menos, mas começou a trabalhar lá não há muito e, na minha opinião, precisa de lutar mais, porque, segundo eu entendo, há um sistema de grants, e deve provar que o seu trabalho apresenta algum valor para a ciéncia. Perguntei-lhe não há muito se havia falta de financiamento, mas ela disse que o problema não era esse: o centro federal envia dinheiro, mas muito depende da direção local (universitária, segundo entendo) e há uma grande concorrencia entre os professores. Eu pessoalmente acho que se faz sentir aínda a herança sovietica, provavelnmete há quantidade demasiada de cientistas nalgumas áreas, que não corresponde âs necessidades de hoje.
O meu tio é professor na Universidade de Medicina, mas nunca ouvi dele, nem dos familiares dele, que sonham em emigrar.
Mas não se fala no artigo dos professores. Tenho impressão forte que se trata da classe média alta moscovita. Que se divirtam. Quanto mais sairem da Rússia, menos concorrencia vamos ter. Mesmo assim, duvido desses números. E as pesquisas sociológicas, todos sabem o que valem. Hoje, se for preciso, podem provar uma coisa, amanhã - outra.

anónimo_russo disse...

Francisco Lucrécio disse...
"Caro anónimo Russo; acha que as pessoas vivem de patriotismos?

Se emigram só pode ser porque encontram melhores condições de vida noutro lugar. Ninguém abandona o seu lugar de origem se não sentir necessidades de qualquer ordem.

Este é um principio comum a todas as espécies.

Acredita que alguém ganhando o ordenado mínimo na Rússia ( 4500 rublos +-) tem condições para aí viver"




Se quiser falar a sério, é melhor apresentar números reais. Todos sabem, que o salário medio na Rússia é uns 5 vezes mais alto que esse "salário mínimo", que existe principalmente só no papel. Até esses emigrantes da Àsia Central que varrem as ruas na minha cidade penso que ganham mais.
E quanto aos filhos da classe média alta, mesmo aqui não se pode afirmar nada, porque, se tèm pespectivas de fazer carreira, claro que ficam na Rússia.

Anónimo disse...

A Rússia ameja um regime de isenção de visto com os países do Espaço Schengen, acredito que quando isso acontecer ocorrerá uma onda de immigração para os países deste acordo!

Pedro disse...

Pelos vistos o entram mais pessoas na Rússia do que aqueles que emigram.
Podem verificar pela wiki:

http://en.wikipedia.org/wiki/Demographics_of_Russia

Em todo o caso esta situação é bastante criticável, pois a Rússia tem dinheiro á farta, e podia fazer com que o mesmo fosse mais bem distribuido.

Jose Milhazes disse...

Pedro, entram mais pessoas, mais com baixa qualificação intelectual e profissional, o que não compensa a sangria.

anónimo_russo disse...

Anónimo disse...
"A Rússia ameja um regime de isenção de visto com os países do Espaço Schengen, acredito que quando isso acontecer ocorrerá uma onda de immigração para os países deste acordo!"


Não se preocupem, no artigo trata-se, pelos vistos, daqueles para quem nenhum visto não apresenta um obstaculo. Muitos deles devem ter já imoveis na Europa.

anónimo_russo disse...

Jose Milhazes disse...
"Pedro, entram mais pessoas, mais com baixa qualificação intelectual e profissional, o que não compensa a sangria."



Quem lhe disse que aqueles que emigraram recentemente (se realmente emigraram, por enquanto não vi fontes crediveis) foram estudantes talentosos ou cientistas? O sr. falou da classe média alta e empresarial.

anónimo_russo disse...

Sr. Milhazes, antes de publicar alguma informação, procure primeiro as fontes crediveis, por favor. Encontrei a gravação audio daquela entrevista de Stepashin. Ele NÂO disse que essas 1 250 000 de pessoas emigraram nos últimos 3 anos. Disse apenas, que isso é o número de cientistas russos que trabalham no estrangeiro (sem se referir a qualquer periodo concreto).
Ao mesmo tempo encontrei alguns sites ucranianos e sites "oposicionistas" russos já com palavras dele distorcidas. Não é a melhor fonte de informação para um blog sério.

A gravação e a entrevista de Stepashin pode ouvir e ler aqui:

http://www.echo.msk.ru/programs/lex/741179-echo/

Jose Milhazes disse...

Anónimo russo, na revista The New Times, Nº17 de 23 de Maio de 2011, está escrito: "Segundo dados do chefe do Tribunal de Contas da Rússia, nos últimos três anos, da Rússia emigraram 1 250 000 pessoas, principalmente homens de negócios e representantes da classe média".
Na entrevista que você aponta, não fala nos três anos, mas deixa claro que a situação é muito grave. Mas para que não fiquem dúvidas, aqui fica o texto em português e russo:
"M.Barchevski: E até a América Latina. Tu falas agora de inovaçõees. Mas, na realidade, violando os direitos humanos, os normais direitos humanos, não lhe garantindo nem a segurança, nem garantindo-lhe defesa jurídica, nós perdermos muitos, muitos cérebros, que hoje nos poderiam ser muito úteis na inovação.

S.Stepachin: Mas eu tenho número precisos. 1 250 000 pessoas que trabalham no estrangeiro. Não são dos piores entre nós...
M. Barchevski: Tens em vista que não são canalizadores?
S.Stepachin: São cientistas, especialistas.
M. Barchevski: um milhão e 250 mil?
S.Stepachin: um milhão e 250 mil. Quase tanto como depois de 1917".

М.БАРЩЕВСКИЙ: И даже Латинская Америка. Ты говоришь сейчас про инновации. А, на самом деле, нарушая права человека, вот такие права, обычные права человека, не обеспечивая ему безопасность, не обеспечивая ему судебную защиту, мы потеряли очень много мозгов, которые сегодня могли бы нам очень полезны в инновации.

С.СТЕПАШИН: Но у меня есть цифры точные. 1 миллион 250 тысяч человек, которые работают за рубежом. Это не самые плохие наши...

М.БАРЩЕВСКИЙ: Ты имеешь в виду не водопроводчиков?

С.СТЕПАШИН: Ну, это ученые, специалисты.

М.БАРЩЕВСКИЙ: Миллион 250 тысяч?

С.СТЕПАШИН: Миллион 250 тысяч. Примерно столько ушло после 1917 года.

Os portugueses dizem: "para bom entendedor, meia palavra basta", mas, para si, nem as palavras todas chegam.

anónimo_russo disse...

Jose Milhazes disse...
"Anónimo russo, na revista The New Times, Nº17 de 23 de Maio de 2011, está escrito: "Segundo dados do chefe do Tribunal de Contas da Rússia, nos últimos três anos, da Rússia emigraram 1 250 000 pessoas, principalmente homens de negócios e representantes da classe média".
Na entrevista que você aponta, não fala nos três anos, mas deixa claro que a situação é muito grave. Mas para que não fiquem dúvidas, aqui fica o texto em português e russo:..."





1. A entrevista que eu aponto é A FONTE, as palavras reais de Stapashin. Para um historiador a fonte é tudo. Não sei nem quero saber o que é essa vossa "the new times" que vocês, com o António Campos, gostam de citar. Mas desconfio que tudo isso é um испорченный телефон, como se diz em russo.

2. Aconselho ouvir a entrevista toda, porque há lá coisas interessantes, e seria melhor ouvir tudo do que tirar algumas frases. Mas, no fundo, isso não muda o sentido.


3. A entrevista foi dada a uma rádio bastante respeitada e independente do Kremlin, como o sr. sabe, de certeza. Uma radio, respeitada, em primeiro lugar, entre aqueles que não apoiam o governo atual.

Francisco Lucrécio disse...

Anónimo Russo; suponho que deve viver sentado numa montanha de ouro, para traçar esse quadro idílico sobre a vida na Rússia.

Erra ao recomendar-me que seja sério, não só digo a verdade, como abordo a realidade de uma região que conheço normalmente bem.

Consulte qualquer jornal de província com propostas de emprego que vai ver os seus argumentos caírem completamente por terra quanto a esses ordenados chorudos que diz serem praticados no seu país. Não pretenda ver o mundo de dentro da sua casa.

Não vá muito longe de Moscovo. Basta-lhe consultar a imprensa da região de Nijni Novgorod.

O ordenado minimo na Rússia foi estipulado recentemente em 4611 rublos, qualquer cidadão gasta nas despesas mensais da casa (água, luz, aquecimento, gás e telefone) cerca de 2500 rublos.

Acha que alguém vive hoje com cerca de 2000 rublos por mês?

Que o Senhor queira dizer o contrário está no seu direito, mas os dados disponíveis pelas agências especializadas comprovam que mais de 40 milhões de Russos vivem hoje abaixo do limiar da pobreza. Portanto a realidade está muito longe dessa abastança que está a tentar vender.


Quanto a esse negacionismo sobre a imigração Russa. Não está a ser sincero, informe-se quantos Russos trabalham no Reino Unido, na Alemanha, Bélgica+++++. De certeza que muda imediatamente de opinião.


Depois trata com desprezo aqueles que são forçados a sair do seu país, em vez tentar compreender as razões porque o fazem. Quais são as vantagens que acha que a Rússia pode ter em deixar partir milhares ou milhões de cidadãos que vão oferecer a sua força de trabalho e os seus conhecimentos noutros países?

Por haver muitos visionário que partilham a sua opinião é que a Rússia caminha para o abismo em todas as direções.

anónimo_russo disse...

Blogger Jose Milhazes disse...

"Anónimo russo, na revista The New Times, Nº17 de 23 de Maio de 2011, está escrito: "Segundo dados do chefe do Tribunal de Contas da Rússia, nos últimos três anos, da Rússia emigraram 1 250 000 pessoas, principalmente homens de negócios e representantes da classe média"."



Se alguem não entendeu, explico: ao ler o artigo aqui no blog, não acreditei nos números mencionados e comecei a procurar esses tais "dados do chefe do Tribunal de Contas da Rússia" onde ele mensionasse a fuga da Rúsia nos últimos tres anos das 1250000 pessõas. NÂO ENCONTREI tais dados, pelos vistos, ele nunca tinha pronunciado esta frase que a revista "citou". Mas encontrei uma entrevista dele à rádio "Eco de Moscovo", feita em janeiro deste ano, onde ele diz que atualmente 1250000 dos cientistas russos trabalham no estrangeiro. Alias, um trecho desta entrevista já foi colocado aqui.

Cristina disse...

Amigos
Como perceberam, o "anónimo russo" está simplesmente a fazer o seu trabalho diário, que já todos sabem qual é. Não é de admirar que ele não se queixe de dificuldades económicas, uma vez que os seus conhecimentos linguísticos de português são tão bem aproveitados em prol do Estado russo.
Quem vive ou viveu na Rússia percebe estas coisas perfeitamente. Os restantes, pode ser que algum dia venham a perceber.

anónimo_russo disse...

Blogger Cristina disse...

" Amigos
Como perceberam, o "anónimo russo" está simplesmente a fazer o seu trabalho diário, que já todos sabem qual é. Não é de admirar que ele não se queixe de dificuldades económicas, uma vez que os seus conhecimentos linguísticos de português são tão bem aproveitados em prol do Estado russo.
Quem vive ou viveu na Rússia percebe estas coisas perfeitamente. Os restantes, pode ser que algum dia venham a perceber."




Sou um agente de putinismo sangrento U-U-U-A-A-A-ha-ha-ha-ha-ha. Não deixo alguns bloggers dormir em paz.
O que me surpreende é essa maneira de alguns representantes do "mundo democratico" não tolerar opiniões que não coincidem com a sua. E não só não tolerar, mas caluniar, quando lhes faltam argumentos e não sabem o que dizer em resposta.

PortugueseMan disse...

Parabéns minha cara,

Você que tanto reclama que as pessoas não comentam os assuntos dos artigos e que muitos estão aqui a desviar a atenção "do que verdadeiramente interessa", acaba de colocar um post, (o único neste artigo), onde apenas visa o ataque a um dos que cá frequenta.

Muito bem. Contribuição para enriquecer a discussão? ZERO.

O mundo está cheio de pessoas interessantes.

anónimo_russo disse...

Anónimo Francisco Lucrécio disse...

" Anónimo Russo; suponho que deve viver sentado numa montanha de ouro, para traçar esse quadro idílico sobre a vida na Rússia.

Erra ao recomendar-me que seja sério, não só digo a verdade, como abordo a realidade de uma região que conheço normalmente bem.

Consulte qualquer jornal de província com propostas de emprego que vai ver os seus argumentos caírem completamente por terra quanto a esses ordenados chorudos que diz serem praticados no seu país. Não pretenda ver o mundo de dentro da sua casa."



Um dos jornais com propostas de emprego da minha cidade. Consulte com atenção:


http://pressa-online.com/Issue.aspx?n=17446&#1.


Não compreendo para que voce diz tudo isso? Para que? Utilize pelo menos números reais se quiser discutir algo. O salário minimo de 4500 deve existir, sim, mas na vida real os salários são muito mais elevados.

Cristina disse...

Anónimo russo
Fugiu-lhe a boca para a verdade...
(na primeira frase)
Ora bem, não teria nada a dizer da sua participação se, de 25 comentários deste post, 11 não fossem seus...A sua persistência e insistência para mim não tem outra explicação.
Mas, claro, toda a gente tem liberdade de defender as ideias que quiser, é para isso que temos liberdade de expressão. Mas ainda bem que a temos para poder tirar livremente determinadas conclusões acerca de determinadas pessoas.

anónimo_russo disse...

Francisco Lucrécio,

A Rússia por enquanto não é o país mais próspero do mundo, mas a situação está longe de ser catastrófica, quer alguem queira, quer não. E, na minha opinião, hoje para a esmagadora maioria da população não faz sentido emigrar (e não acho que muitos emigrem).

Anónimo disse...

Milhazes, um professor de Universidade FEDERAL (Universidades nacionais, sustentadas por Brasília) do Brasil ganha em torno de 7 mil a 8 mil reais (4 mil, 5 mil dólares, ou uns 3 mil e 500 EUROS, mais ou menos).

Em algumas universidades privadas o valor é maior. Em algumas universidades de estados mais ricos (como RS, SP e PR, o salário é mais alto que a média Federal);


Esse salário é o relativo aos professores doutores, concursados dessas Universidades. Não dá pra viver no luxo, mas é um bom salário por aqui.

Anónimo disse...

Eu acho ótimo que gente qualificada e educada migre pra o ocidente . Países avançados como os da Europa ocidental , Canadá, Autrália e EUA já perceberam que é ótimo pra o crescimento do país receber essa massa de pessoas.


A China não é boba, e vai passar a receber parte desses emigrados.

anónimo_russo disse...

Encontrei a estatistica oficial quanto à emigração da Rússia:

http://www.gks.ru/free_doc/new_site/population/demo/demo42.htm


De acordo com esses dados, partiram da Rússia:

em 2006 - 54061 pessõas


em 2007 - 47013 pessõas


em 2008 - 39508 pessõas.

Não encontei aínda dados mais recentes, mas acho que a tendéncia está à vista.

anónimo_russo disse...

anónimo_russo disse...
Encontrei a estatistica oficial quanto à emigração da Rússia:

http://www.gks.ru/free_doc/new_site/population/demo/demo42.htm


De acordo com esses dados, partiram da Rússia:

em 2006 - 54061 pessõas


em 2007 - 47013 pessõas


em 2008 - 39508 pessõas.

Não encontei aínda dados mais recentes, mas acho que a tendéncia está à vista."



Mesmo supondo que os numeros reais podem ser maiores (porque a estatistica oficial, segundo eu entendo, conta apenas aqueles que deixaram definitivamente de ser cidadãos russos) mesmo assim não se fala de maneira alguma de "milhões". E tambem é importante a tendéncia que se está a observar. Tanto mais com a crise nalguns países da Europa.

Sergei Korolev disse...

Aqui no Brasil , um professor universitario de instituições federais esta recebendo cerca de 12 mil reais mensais, sendo o salario minimo nacional na ordem de 540 reais, antes do governo Lula estes mesmos valores eram 10 VEZES menores, o que a bela Russia precisa é de um governante como Lula.

Francisco Lucrécio disse...

Cristina; Afinal os Russos hoje vivem melhor ou pior com que viviam?

Tem que não se esquecer daquilo que escreve.

Recorda-se de meter dito que hoje viviam melhor? E que se via progresso por todo o lado.

Não estou de acordo com o anónimo Russo, porque noto nos seus argumentos que faz parte da minoria de priviligiados que hoje prosperam na Rússia à custa dos milhões de excluídos.

Com a Cristina ainda menos posso concordar na medida em que entra em contradição com as suas próprias palavras.

Cristina a coerência é uma das qualidades do ser humano.

Francisco Lucrécio disse...

Anónimo Russo não pretendia perder muito mais tempo consigo, no entanto há questões que devem ser clarificadas.

Em primeiro lugar, já me apercebi que estou a dialogar com alguém que vive de ideias feitas, alheado do mundo que o rodeia, preocupado apenas com o seu próprio bem estar. Interessado apenas em ter uma vida plena, recheada de conforto material.

Mas sabe muitos povos na Europa também pensaram assim durante algum tempo, não se preocupando com o mundo que os rodeava, desprezando e escarnecendo daqueles que não conseguiam alcançar o cume do "sucesso". Hoje esses mesmos mergulharam a pique na desolação e na pobreza.

Essa Rússia prospera de que fala não existe, na medida em que é uma sociedade desumanamente desequilibrada, com um dos desníveis social mais elevados do mundo, o país considerado desenvolvido onde a distribuição da riqueza produzida é a mais injusta.

Um país que importa mais de 50% de todos os bens que consome não pode haver prosperidade social. O PIB Russo é obtido maioritariamente à custa da exportação de matérias primas.


Por isso mesmo não tem capacidade para progredir em nenhuma das vertentes que se possa afirmar como uma grande potência.

Pelo contrário tem regredido em todas as áreas de desenvolvimento (tecnológico, cientifico, militar, humano, na produção de todos os bens de consumo).

Quando se fala em investimento externo na Rússia há duas considerações a ter em conta.

1º-- Uma parte são capitais que regressam, provenientes da venda das matérias primas.

2º-- Os investimentos estrangeiros são aplicados por um lado em setores onde o retorno desse capital é rápido, por outro em bens manufaturados e do ramo alimentar que teriam de pagar imposto para entrarem na Rússia (industria automóvel, agro-alimentar, eletrodomesticos, industria do aço).

Entretanto o potencial industrial Russo não se desenvolve, está ultrapassado, como tal deixa de ser rentável. Têm que recorrer à importação ou à implantação de fabricas estrangeiras.

No Ramo militar acontece a mesma coisa. Agora já se sabem as razões das viagens frequentes de Putin ao seu amigo Berlusconi. Andavam a tratar de um negócio da compra de veículos blindados Italianos Centauro e Freccia. A armada encontra-se na mesma situação, assim como a força aérea. Com a assinatura do tratado Start 3 a Rússia perdeu a capacidade de resposta nuclear, foi o maior logro em que os dirigentes da Rússia caíram.

Ainda recentemente rebentou um escândalo na Roscosmos que levou à demissão de Perminov. Quando se soube que 90% dos componentes usados no sistema Glonass eram importados.


Portanto é esta a Rússia que tem para apresentar a um cidadão estrangeiro?

Ricardo disse...

Pois é, nessa de imigração a Europa Ocidental vai se descaracterizando, estudos demonstram que nesse ritmo em 40 anos Alemanhã e França serão estados MULÇUMANOS!

anónimo_russo disse...

Blogger Sergei Korolev disse...

"Aqui no Brasil , um professor universitario de instituições federais esta recebendo cerca de 12 mil reais mensais, sendo o salario minimo nacional na ordem de 540 reais, antes do governo Lula estes mesmos valores eram 10 VEZES menores, o que a bela Russia precisa é de um governante como Lula."



Não tenho certeza de que a Rússia precise de um Lula. A Rússia e o Brasil são países diferentes. Aqui, pelo menos na minha cidade, uma pessõa sem qualificação, algum carragador (ou como se chama isso em portugues) pode facilmente encontrar um trabalho com um salário cerca de 300 - 400 euros por mes, o que por vezes pode ser mais que salário de um professor universitário. No entanto, desconfio que isso se deve ao excesso de professores, e se algum professor ou cientista apresenta realmente um valor para a ciéncia, tem todas as chances de ganhar mais (embora menos que no estrangeiro).

Cristina disse...

Francisco Lucrécio
Não tenho muito tempo disponível para comentar, mas respondo só à sua pergunta:
Claro que os russos, genericamente, vivem hoje melhor do que nos tempos da URSS. Se perderam nalgumas áreas (na educação ou saúde, p.ex.) ganharam muito noutras, pelo menos têm mais direitos e liberdades, têm propriedade privada.
Quanto à emigração, toda a gente sabe que ultimamente muitos dos russos que têm uma profissão qualificada prefeririam sair do país, não só porque sabem que no estrangeiro podem ganhar mais mas também porque estão cépticos quanto às possibilidades de o país evoluir, de se acabar com a corrupção e a sufocante burocracia. Há falta de esperança, as pessoas não acreditam nos governantes e percebem que pouco podem fazer, que nada depende delas. Não há verdadeira participação política dos cidadãos, há toda uma série de barreiras à livre manifestação e contestação sociais. É isso que também leva à emigração e não só os ordenados baixos. Muitas pessoas vivem bem (têm dinheiro) mas prefeririam que os seus filhos vivessem noutro país, onde as coisas se resolvem mais facilmente, onde há mais qualidade de vida, onde o sistema judicial funciona melhor.
Quanto à estatística apresentada pelo anónimo russo, esta diz respeito apenas a uma pequena parte dos emigrantes: aqueles que deixam de ter a cidadania russa (ou talvez os que deixam de ter residência oficial na Rússia). Ora grande parte dos emigrantes prefere manter os laços com o país de origem, para poder regressar em férias quando quiser, muitos nem alteram a sua residência oficial (postoianaya registratsia) para evitar mais burocracias. Por isso, caro anónimo russo, os seus dados reflectem muito pouco a realidade.

PortugueseMan disse...

Meu caro,

...Ainda recentemente rebentou um escândalo na Roscosmos que levou à demissão de Perminov. Quando se soube que 90% dos componentes usados no sistema Glonass eram importados...

Indique por favor fonte para esta afirmação. Quem afirma que o GLONASS tem 90% de componentes importados?

anónimo_russo disse...

Blogger Cristina disse...


"Quanto à estatística apresentada pelo anónimo russo, esta diz respeito apenas a uma pequena parte dos emigrantes: aqueles que deixam de ter a cidadania russa (ou talvez os que deixam de ter residência oficial na Rússia). Ora grande parte dos emigrantes prefere manter os laços com o país de origem, para poder regressar em férias quando quiser, muitos nem alteram a sua residência oficial (postoianaya registratsia) para evitar mais burocracias. Por isso, caro anónimo russo, os seus dados reflectem muito pouco a realidade."




Refletem, refletem. Ao coloca-los aqui, li mais alguns materiais que refletiam pontos de vista diferentes. Mesmo nos materiais mais pessimistas de aluns jornais oposicionistas nem se falava de milhões de emigrantes durante 3 anos, muito longe disto. E eu acredito que o número de emigrantes diminui atualmente, tambem devido à crise nalguns países europeus. Por sinal, os dados que apresentei mostram a quantidade total dos emigrantes, quer dizer, uma parte deles saíram (voltaram?) para alguns estados do espaço pos-sovietico.

anónimo_russo disse...

Cristina disse...




"não só porque sabem que no estrangeiro podem ganhar mais mas também porque estão cépticos quanto às possibilidades de o país evoluir, de se acabar com a corrupção e a sufocante burocracia. Há falta de esperança, as pessoas não acreditam nos governantes e percebem que pouco podem fazer, que nada depende delas. Não há verdadeira participação política dos cidadãos, há toda uma série de barreiras à livre manifestação e contestação sociais."




As pessoas que conhecem a Rússia sabem perfeitamente que a esmagadora maioria não se interessa pela politica, e não os preocupa assim tanto "a burocracia sufocante", mais do que isso, muitos e muitos consideram muito natural fornecer subornos, usar compadrio etc, devido aos habitos seculares. E os funcionários tambem são parte a nação russa, não vieram do Marte. Por sinal, as pessoas ricas por vezes têm mais liberdade na Rússia que na Europa por exemplo, e a corrupção os ajuda nisso. Tambem na Europa por vezes mostram os seus hábitos (ou os filhos dessa gente, que vai a grandes velocidades nos carros de alta cilindrada e por vezes atropela alguns alemãos aposentados). Se alguem emigra, a "falta de liberdade" deve ser o último motivo que os leva a emigrar.

Anónimo disse...

Este blogue de facto esta a parecer uma m....

Wandard disse...

"Aqui no Brasil , um professor universitario de instituições federais esta recebendo cerca de 12 mil reais mensais, sendo o salario minimo nacional na ordem de 540 reais, antes do governo Lula estes mesmos valores eram 10 VEZES menores, o que a bela Russia precisa é de um governante como Lula."

Esta não é a realidade salarial para os professores universitários nem das universidades federais. Poucos professores titulares possuem este salário depende de qual universidade federal de qual o estado, além do tempo de atividade na função, pelo menos 20 anos de serviço. E uma boa parte só consegue alcançar esta renda devido às pesquisas que pelas quaios recebem verba. Professores adjuntos tem salários sofríveis e pior ainda os substitutos.

Anónimo disse...

Deus livre a pobre Rússia de ter um governante como o Lula.

Professores universitários ganhando 12 mil reias no Brasil, só se tiverem 20, 30 anos de dedicação ao ensino em uma univeridade federal, ou em alguma universidade privada de peso, como as PUCs ou MacKenzie.
E mesmo assim, DUVIDO.


O salário inicial pra um professor de Universidade Pública no Brasil (Federal) é de 7.400-8 mil reais (uns 4.500 dólares);

Portanto, petista infiltrado no blog... NÃO MINTA.

É interessante comparar a mentalidade de alguns brasileiros com a mentalidade dos russos. São bem parecidas nesse aspecto: adoram o Estado e são facilmente inclinados ao CULTO DE PERSONALIDADE de seus governantes.

Cristina disse...

Anónimo russo
Há muito que me apercebi que a noção de "liberdade" tem significado diferente para um russo e para um português. Parece que a sua noção é um pouco diferente da minha.
Enfim, nada a fazer.
Para enriquecer a discussão, vejam este artigo (quem não lê em russo, basta traduzir no google)

http://www.snob.ru/magazine/entry/33317

anónimo_russo disse...

Blogger Cristina disse...

"Anónimo russo
Há muito que me apercebi que a noção de "liberdade" tem significado diferente para um russo e para um português. Parece que a sua noção é um pouco diferente da minha.
Enfim, nada a fazer.
Para enriquecer a discussão, vejam este artigo (quem não lê em russo, basta traduzir no google)

http://www.snob.ru/magazine/entry/33317"




Mais um espaço "oposicionista" com gemidos eternos e habituais. 1,5% dos moscovitas (que por alguma razão se consideram a melhor parte da sociedade rússa) continuam a uivar. Para mim esse artigo, bem como o site, não apresentam nada de novo. Tudo isso já há muito mete nojo.
Mas o mais importante é que eu não ouço esses uivos à minha volta, as pessoas não gemem, habitualmente, trabalham, fazem carreira, abrem os seus próprios negócios, enriquecem ou empobrecem, mas não gemem e não uivam sem cessar. A internet moscovita não é a reflexão da vida da Rússia, é um lugar podre.

anónimo_russo disse...

Anónimo Anónimo disse...

"É interessante comparar a mentalidade de alguns brasileiros com a mentalidade dos russos. São bem parecidas nesse aspecto: adoram o Estado e são facilmente inclinados ao CULTO DE PERSONALIDADE de seus governantes."



Não acho assim. Mas quando alguns jornalistas estrangeiros se esforçam em ajudar os russos (por amor excessivo a eles ou por algumas razões menos poéticas - já é outra questão) de se livrarem do "poder criminoso" quando os proprios rússos não precisam disso - isso irrita. A maioria das pessoas pode apoiar os poderes ou simplesmente não estar contra o governo atual, mas isso não significa culto de personalidade.

Cristina disse...

Anónimo russo
A tolerância parece não ser de facto o seu forte.
Tanta irritação para quê?
Quer que os jornalistas estrangeiros escrevam todos à maneira da Rossyiskaya Gazeta? Para si seria muito cómodo, não há dúvida....
Eu acredito perfeitamente que não ouça uivos à sua volta, que a sua entourage seja gente satisfeita com o status quo. Mau seria se não fosse.
Mas deve saber que em Moscovo há 12 milhões de pessoas e no país mais de 100 milhões. Acha que conhece bem a situação de todos eles? E como sabe que os oposicionistas, que para si lhe "metem nojo", são só 1,5%? Andou a contá-los?
A sua resposta foi muito significativa porque mostra bem como o poder olha para os seus cidadãos que pensam de forma diferente: com desprezo, às vezes desacreditando-os, outras vezes ameaçando-os. Sim, a Internet não mostra como é a vida na Rússia mas mostra coisas que você preferiria que não se soubessem. Somos todos adultos e sabemos muito bem discernir o que é "podre" e o que não é "podre".Não precisamos que alguém nos venha dizê-lo.

anónimo_russo disse...

Cristina disse...
Anónimo russo´


1."A tolerância parece não ser de facto o seu forte.
Tanta irritação para quê?"

Se está a falar da minha reação ao artigo, a resposta é evidente: há lá coisas que indignam: as frazes utilizadas ("валить" etc.), os exageros constantes (enfim foi um jornalista professional que escreveu tudo isso), os comentários, dignos do artigo ("eu entendi que nasci num país errado") etc. Esse emresário lá mencionado que "tem medo de deixar o seu filho passear pelas ruas de Moscovo" - até duvido que esse empresário exista realmente na natureza, porque todas as palavras atribuidas àquele empresário parecem mais as palavras de um loser, e outras coisas do género.


2. "Mas deve saber que em Moscovo há 12 milhões de pessoas e no país mais de 100 milhões. Acha que conhece bem a situação de todos eles? E como sabe que os oposicionistas, que para si lhe "metem nojo", são só 1,5%? Andou a contá-los?"



Os meus clientes na sua maioria pertencem a classe media, classe media baixa ou até à categoria menos abastecida aínda, há muitas vezes pessoas idosas entre eles. O que eu posso dizer com toda a certeza é que não noto algum descontentamento entre as pessõas a quem prestamos os nossos serviços. Nos anos 90 havia aínda muito descontentamento, especialmente entre os idosos, que apoiavam os comunistas e detestavam os "democratas", mas naquela altura as condições de vida de muitos eram péssimas e o país estava quase em ruinas, com a hiperinflação e crises económicas que se seguiam uma apos outra. Agora, parece que as pessoas já se acostumaram ao "capitalismo", entenderam que podem trabalhar e até ganhar alguma coisa, progredir aos poucos. E, por mais incrivel que possa parecer, segundo eu vejo, eles não acham, que o "governo antipopular" ou "putinismo sangrento" os impede de viver tranquilamente ou progredir aos poucos. Claro que há exepções. Aínda me lembro de um pensionista que tinha muito tempo livre, utilizava a internet e se mostrava um grande oposicionista a Putin. Citava frases da internet oposicionista, bracejava etc. Mas não me convenceu.

Anónimo disse...

Caro anónimo russo, você não passa de um mentiroso. E ainda por cima um mau mentiroso. Quer convencer toda a gente que, nas profundezas do Cáucaso do norte, ou lá onde você vive, e a gerir uma “pequena empresa de construção”, lá conseguiu arranjar maneira de escrever português melhor do que russos que estão a viver em Portugal há 15 anos? E logo português, e não outra língua qualquer…A sua dedicação é tanta que até arranjou um teclado português, ou dedicou-se a colocar autocolantezinhos nas teclas para descobrir onde estão os acentos e tudo…isso é que é amor, hein?

anónimo_russo disse...

Anónimo disse...
"Caro anónimo russo, você não passa de um mentiroso. E ainda por cima um mau mentiroso. Quer convencer toda a gente que, nas profundezas do Cáucaso do norte, ou lá onde você vive, e a gerir uma “pequena empresa de construção”, lá conseguiu arranjar maneira de escrever português melhor do que russos que estão a viver em Portugal há 15 anos?"



1. O local onde eu vivo aínda não é Caucaso, mas por vezes é chamado de "portão para o Cáucaso", porque todos os caminhos que ligam o Caucaso a Rússia central passam por aqui. As próprias montanhas (e as fronteiras com algumas republicas do Caucaso) começam a uns 300 kilómetros para o sul e sudeste.



2.Se alguem dos russos que vive em portugal escreve pior que eu, não tenho culpa disso (por sinal, podem falar melhor que eu, provavelmente). Eu sou autodidata e comecei a aprender portugues aínda sendo estudante, depois de ter visitado o Brasil. O idioma pareceu-me interessante. Em Portugal nunca estive, mas alguns parentes meus estiveram como turistas, mas tenho antena de satélite com a RTPi e tenho a internet.


3. "A sua dedicação é tanta que até arranjou um teclado português, ou dedicou-se a colocar autocolantezinhos nas teclas para descobrir onde estão os acentos e tudo…isso é que é amor, hein?"


Qualquer teclado que se vende na Rússia tem ao mesmo tempo caracteres russos e ingleses, e não é dificil aprender a colocar os acentos.

Cristina disse...

Anónimo das 12:58
Congratulo-me por já ter percebido o mesmo que eu....

anónimo_russo disse...

Cristina disse...
Anónimo das 12:58
"Congratulo-me por já ter percebido o mesmo que eu...."


Sim, sim, eu sou o agente de putinismo sangrento.
E essa gente aínda ousa "informar" as pessoas, fingir um jornalismo "livre e isento". Pois, a qualidade dos vossos serviços corresponde ao nivel das vossas afirmações aqui. Essa gente aínda ousa contar aos lusófonos quem é o ditador, quem não é, quem é um "verdadeiro democrata", quem não, ousa pensar que tem direito de influenciar a opinião publica nos seus países. Nem sabe defender a sua opinião no espaço virtual com a ajuda dos factos, recorre logo a calúnia. Bravo, ó jornalismo ocidental! È a vossa esséncia. O vosso rosto verdadeiro.

Anónimo disse...

Pois é, anónimo russo. Enquanto cá estamos a criticar e a falar dos problemas russos, Portugal está a viver uma crise um bocado difícil.

MSantos disse...

Os posts do Anónimo russo são tão previsíveis, tão propagandísticos e já tão aborrecidos que a maioria dos leitores já não deve ter pachorra para ler. Eu pelo menos não tenho.

No entanto, mesmo sendo um presumível agente do FSB ao serviço da propaganda governamental russa, o Anónimo russo consegue ser mais educado, mais tolerante, mais respeitador e sem ódios e violências extremadamente ideológicas que os "democratas", "amantes da liberdade de expressão", muito preocupados na defesa dos tradicionais valores ocidentais mas mortinhos por silenciar e desacreditar sem argumentação lógica e apenas por revanche, todas as vozes discordantes que por aqui andam.

Cumpts
Manuel Santos

anónimo_russo disse...

MSantos disse...


1."Os posts do Anónimo russo são tão previsíveis, tão propagandísticos e já tão aborrecidos que a maioria dos leitores já não deve ter pachorra para ler. Eu pelo menos não tenho."



O mesmo eu posso dizer dos seus posts, não sei o que propagam, mas são previsiveis, isso sim. E mostram a sua incompeténcia e falta de conhecimento. E não responda por outros. Os seus posts é que realmente não ineressam a ninguem.



2."No entanto, mesmo sendo um presumível agente do FSB ao serviço da propaganda governamental russa..."


Se eu sou um agente do FSB, você deve ser uma bailarina chinesa.

A "propaganda governamental" nem acha necessário abrir uma secção em portugues nas páginas de agéncias de notícias como RIA Novosti. Acalmem-se.

Francisco Lucrécio disse...

PortugueseMan.

Espreite esta informação da Rianovosti sobre o assunto. Deve saber de quem está ao serviço esta entidade noticiosa? Lá mesmo em baixo onde se refere à Glonass aborda superficialmente o assunto, dizendo isto «««««Además de haber utilizado base tecnológica no rusa en sus aparatos »»»»»»».


Veja aqui. http://sp.rian.ru/opinion_analysis/20110507/148901763.html


Os pormenores da informação obtive-os depois num comentário do jornal Kommersant.

Trata-se de sistemas eletrónicos, que nalguns casos incorporavam 90% de tecnologia estrangeira.

Não deve estar alheio ao facto que a Rússia se está a deixar-se atrasar nessa área?
Embora os dirigentes apregoem que estão a apostar nas nanotecnologias, não passa de um descarregar de consciência.

Se continua a não concordar comigo. Então indique-me a marca de um computador ou telemóvel que incorpore tecnologia genuinamente Russa?

anónimo_russo disse...

Estou a ver que alguns dos comentadores daqui merecem alguns dos jornalistas que para eles trabalham. São farinha do mesmo saco.

Francisco Lucrécio disse...

«««««««Claro que os russos, genericamente, vivem hoje melhor do que nos tempos da URSS. Se perderam nalgumas áreas (na educação ou saúde, p.ex.) ganharam muito noutras, pelo menos têm mais direitos e liberdades, têm propriedade privada»»»»».

Cristina não tente generalizar situações pontuais. O que está a defender, contradiz todas as estatísticas, em especial das Agências da ONU.

Se está tão bem informada, faz favor diga quais foram os avanços que esses países obtiveram nos últimos vinte anos. Com que intenções pretende esconder que todos os setores da vida desses países sofreram um retrocesso tremendo que ainda não recuperaram dele ?

Se até a Lituânia incorporada na CE não alcançou os níveis de desenvolvimento de 1991, na área social sofreu um autentico terramoto.

E considera que o acesso à educação, à saúde, à habitação, ao trabalho , não são direitos inalienáveis que todos os cidadão devem usufruir? Ou são um luxo apenas para alguns?

No Bangladesh, no Uganda, na RD do Congo também todos os cidadãos têm direito à propriedade privada e "gozam" dessa tal liberdade que tanto inveja. Mas será mesmo assim? Também é capaz de me dizer qual a % de pobres na Rússia?

Sabe na Europa nos últimos anos também temos assistido a uma onda de alienação dos bens do Estado (privatizações) nunca antes vista. Quais têm sido os resultados? Maior degradação social.

Ainda sobre as mudanças abruptas e desorganizadas no ex-espaço Soviético deixo-lhe aqui uma opinião de Eric Hobsbawem em “ A Era dos Extremos” um ex- comunista , julgo tal como a Cristina.

Diz +- isto: «««««« O salto súbito que foi imposto do anterior sistema para o capitalismo, devastou a economia mais que a II GG, mais que a revolução de Outubro. E na realidade a economia da região já passou mais tempo a recuperar da catástrofe, do que precisou das destruições causadas nos anos 20 e 40 »»»»».

Talvez este professor com méritos reconhecidos mundialmente está a faltar à verdade?

Cristina o seu pragmatismo ideológico está caduco. Já provou que só cria, miséria, devastação de toda a ordem, exclusão, exploração desenfreada de quem trabalha, conflitos sociais, guerras de ocupação, rapina das riquezas de outros povos.

O que está a acontecer em Portugal não a sensibiliza?
Recorda-se de em tempos me ter acusado de anti-patriota, por eu votar na esquerda?

Como classifica agora o banditismo da direita neoliberal que desgraçou a vida à maioria dos Portugueses? Não lhe agrada a esquerda. É porque lhe agrada o descalabro social e económico que já aí está?

Quem foi que o provocou? Não foram os comunistas? Foram os partidos do quadrante ideológico com se identifica.

São estes os resultados da politica neoliberal de direita que abnegadamente a Cristina e outros aqui neste espaço defendem.

Francisco Lucrécio disse...

Não há verdadeira participação ««««política dos cidadãos, há toda uma série de barreiras à livre manifestação e contestação sociais. É isso que também leva à emigração e não só os ordenados baixos. Muitas pessoas vivem bem (têm dinheiro) mas prefeririam que os seus filhos vivessem noutro país, onde as coisas se resolvem mais facilmente, onde há mais qualidade de vida, onde o sistema judicial funciona melhor.»»»»»


Cristina.

Não tente mistificar porque aqueles que conhecem a realidade não a vão levar a sério.

As razões que leva os Russos a imigrar são as mesmas que levam os demais povos a fazer o mesmo.

Por isso guarde lá esses ódios politicamente rancorosos para outra ocasião.

O seu grande problema é mover-se por simpatias politicas extremistas de um certo pendor.

Deixe de ler Nolt, Yakovlev, Politkovskaia, vire as costas a Hakamada e à sua gente.

Aprendeu a odiar com Marx? De certeza que não.

Francisco Lucrécio disse...

Anónimo Russo.

Realmente começa levantar suspeitas.


Se esteve no Brasil não o habilitou a expressar-se tão bem no Português de Portugal como está fazendo. Se reparar as expressões são bem distintas entre Brasileiros e Portugueses.

Se está 300 Km do Cáucaso, na passagem para a Rússia Central, tem que estar muito abaixo de Elistá. Ora aí é uma das regiões com maior pobreza na Rússia. Há coisas que não acertam com aquilo que afirma.

Se vive no sul conhece Salisk e Proletarck de certeza?



Se é um autodidata como afirma, tratasse de alguém extremamente inteligente. Há muito Portugueses que não escrevem como você.

anónimo_russo disse...

Fransisco Lucrécio

"Se está 300 Km do Cáucaso, na passagem para a Rússia Central, tem que estar muito abaixo de Elistá. Ora aí é uma das regiões com maior pobreza na Rússia. Há coisas que não acertam com aquilo que afirma.

Se vive no sul conhece Salisk e Proletarck de certeza?"



Vivo em Rostov-na-Donu, veja o mapa, se tam algumas dúvidas. Salsk e, se não me engano, Proletarsk são cidadezinhas pequenas ou aldeias até no leste da minha região, Rostovskaya Oblast. Nunca lá estive. A minha cidade não é pobre. Você não leu a revista com anúncios de trabalho local, da minha cidade? Ao ler com atenção, verá de que região se trata.
Quanto ao portugues, os manuais russos têm como base o portugues de portugal.
Quanto ao meu portugues, eu sou teimoso e não tinha pressa, tinha tempo de sobra, estudava aos poucos.

anónimo_russo disse...

Anónimo Francisco Lucrécio disse...

Anónimo Russo.


"Se está 300 Km do Cáucaso, na passagem para a Rússia Central, tem que estar muito abaixo de Elistá. Ora aí é uma das regiões com maior pobreza na Rússia. Há coisas que não acertam com aquilo que afirma. "



Se você tivesse viajado pelo menos uma vez na vida de Moscovo para o Cáucaso ou Mar Negro, (não importa se fosse de comboio ou de carro), de certeza teria passado pela minha cidade, porque as estradas principais e os caminhos ferroviários passam por aqui. Temos Adigueia a 300 km ao sul e a Karatchaevo-Tcherkessia a sudeste mais ou menos à mesma distáncia. No ano passado na minha cidade se realizou a cimeira Rússia-UE. Muitos de voces realmente muito pouco sabem da Rússia.

anónimo_russo disse...

Anónimo Francisco Lucrécio disse...

"«««««««Claro que os russos, genericamente, vivem hoje melhor do que nos tempos da URSS. Se perderam nalgumas áreas (na educação ou saúde, p.ex.) ganharam muito noutras, pelo menos têm mais direitos e liberdades, têm propriedade privada»»»»».

Cristina não tente generalizar situações pontuais. O que está a defender, contradiz todas as estatísticas, em especial das Agências da ONU."




Todas essas estatisticas existiam no papel, mas as pessoas viviam na vida real. A minha infáncia passou na União Sovietica. O telefone foi instalado em minha casa quando eu tinha 12 anos, já por volta do 1991. Os meus país, engenheiro sovietico e professora sovietica, nem esperavam um dia ter um carro próprio, mesmo sovietico (não da melhor qualidade), era preciso um "blat" ou muito dinheiro para isso. Viviamos 5 pessoas num apartamento com a área cerca de 30 metros quadrados, onde havia dois quartos pequenos, a cosinha, casa de banho pequena e uma retrete estreita. Nem o papel higienico era acessivel a pessoas simples, nós pelo menos não o tinhamos. Acha que vale a pena continuar a falar das estatisticas?

O comunismo morreu definitivamente, graças a deus.

PortugueseMan disse...

Francisco Lucrécio,

A minha questão era relativamente aos 90% de componentes estrangeiros no sistema GLONASS, que está incorrecto e por isso pedi a fonte de tais dados. O link que me fornece não indica isso.

Embora os dirigentes apregoem que estão a apostar nas nanotecnologias, não passa de um descarregar de consciência.

Se continua a não concordar comigo. Então indique-me a marca de um computador ou telemóvel que incorpore tecnologia genuinamente Russa?


A questão é se um produto acabado russo tem 100% de componentes russos? A maior parte dos produtos existentes no mundo, não são 100% fabricados pelo o país que fabrica esse mesmo produto, porque necessita a Rússia de ser diferente?

Quanto à aposta na nanotecnologia ela é uma realidade, os russos estão a apostar em força neste campo.

E até indico dois países que participam nessa aposta:

Finland and Russia Invest in Nanotechnology Companies

Suomen Teollisuussijoitus Oy (Finnish Industry Investment Ltd) and Rusnano, the Russian state nanotechnology funding organization, last year signed a three-year agreement to invest 50 mln euros in Finnish and Russian nanotechnology companies...

...An example of one such company is Optogan, set up in Espoo. The company has received 80 mln euros in investment to build its LED lighting plant in St. Petersburg...


http://www.nanowerk.com/news/newsid=21258.php


Nanostart Launches Nanotechnology Fund in Russia

Together with the Russian company RUSNANO and the Governor of the administrative district Perm, Nanostart AG (OTCQX: NASRY) is launching a nanotechnology fund in Russia. RUSNANO is a joint-stock company with assets of more than 10 billion US dollars, making it the financially strongest nanotechnology investor in the world...

...Nanostart AG (OTCQX: NASRY), is the world’s leading nanotechnology investment company. Headquartered in Frankfurt am Main, it invests venture capital in nanotechnology companies in various development phases...


http://money.msn.com/business-news/article.aspx?feed=BW&Date=20110420&ID=13333492

Abriu recentemente uma fábrica em Moscovo da empresa RMT que pertence à RUSNANO. A empresa RMT está a receber investimentos e exporta bastante:

...Russian company RMT is one of the world’s ten largest producers of thermoelectric micro cooling products. It currently holds a two percent share of the world market, selling its goods in Russia, the United States, Canada, Europe, Southeast Asia, and Japan.

The thermoelectric modules, which operate on the Peltier effect, cool a range of devices: semiconductor and other types of lasers, powerful light-emitting diodes, highly sensitive photoreceivers, elements for high-performance integrated circuits, microprocessors, and biomedical instruments...


http://nanotechwire.com/news.asp?nid=11246

O investimento está a ser feito, daqui a uns anos vamos ver os resultados.

anónimo_russo disse...

No entanto, mesmo desconfiando que Francisco Lucrecio seja incuravel quanto às suas preferéncias políticas, posso agradece-lo pelo facto de não ter recorrido aos insultos, porque provavelmente entende, que aquilo que aqui escrevo é a minha opinião pessoal e sincera.

Sergei Korolev disse...

Um "anonimo" disse que eu menti ao falar que aqui no Brasil os professores universitarios ganham, em media, 12 mil reais.....NÃO, eu não menti, eles ,de fato, ganham isso sim e em aguns setores ganham até mais, e sim, sou um Petista com muito orgulho já á mais de 20 anos.
E não responderei mais nenhuma "colocação" desse "anonimo", já que este é um blog sobre as terras de Rus.

Francisco Lucrécio disse...

Não é assim como diz.

A Rússia tem que recorrer à tecnologia estrangeira, porque não tem capacidade para produzir esses componentes.

Além disso, os aparelhos a que se refere, equipados com tecnologias das mais diversas proveniência, são de utilidade particular, de uso civil, é totalmente distinto daquilo que estamos a discutir. Não faça confusões.

Mesmo assim, um microprocessador, integrado ou seja lá o que for da Texas Instruments fabricado no Porto, em Frankfurt ou em Manila, montados em qualquer aparelho (computador, TV etc.) foi desenhado e desenvolvido nos laboratórios da casa mãe. Passa-se o mesmo com a Philips, Siemens, Motorola, Toshiba.

Portanto são poucos os países que dominam a tecnologia de pesquisa para a fabricação desses produtos. Ora a Rússia que quer ser um país desenvolvido não se devia encontrar nesta situação? Se a Finlândia e a Suécia já produzem componentes altamente sofisticados nessa área.

Além disso não faça confusão com os componentes de uso geral com os de uso militar e de altas tecnologias.
São coisas totalmente diferentes.

Desculpe, mas tentar convencer alguém que é normal a Rússia recorrer à tecnologia estrangeira, para equipar um sistema como a Glonass, é um absurdo que denota total falta de conhecimento sobre o assunto.

Os Americanos e os Franceses não fazem isso.

Francisco Lucrécio disse...

Anónimo Russo.

Não me julgue incorável.

Primeiro não sou um maníaco que exija coisas irrealizáveis.

Segunda, não faço demagogia, aponto e denuncio uma realidade que nem o Senhor nem a Cristina ainda foram capazes de responder com clareza e honestidade.

Responda por favor a estas questões.

Quais foram os progressos que a Rússia teve nos ultimos 20 anos.

A produção industrial aumentou? Não. Diminuiu em todos os setores.

A produção agricola subiu? Não. Importam cerca de 60& dos bens alimentares que consomem, mais de 40% já põe a independencia de qualquer país em risco.

A defesa militar do país melhorou. Não. Tem a sua segurança em risco.

O sistema de ensino melhorou? Não.

O apoio social melhorou? Não.



Tecnologicamente o país desenvolveu-se? Não.

Hoje existem milhões de crianças abandonadas nas ruas. Morrem milhares de jovens sob o efeito das drogas, morrem outros milhares alcoolizados. Há milhões de idosos a viverem na extrema miséria abandonados por a familia e pelo Estado.

Isto é mentira?

Talvez seja eu que estou muito afastado da realidade Russa atual.

Mas se acha que estou enganado ou que falto à verdade, então corrija-me e diga quais foram as áreas em que houve progressos e desenvolvimentos na Rússia nestes ultimos 20 anos.

Não me venha falar na extração das matérias primas , e no aumento de carros a circular nas estradas por favor.


Não me venha também é com essa treta de comparar a vida dos outros com o seu bem estar.

Realmente há uma minoria que viu o seu nivel de vida crescer, enquanto a maioria mergulhou na pobreza e na exclusão.