terça-feira, junho 21, 2011

Blog do leitor (Tragédia da Ucrânia Ocidental)



Texto enviado pelo leitor Jest nas Wielu:

 
"Hitler invadiu Polónia no dia 1 de Setembro de 1939. A URSS invade Polónia no dia 17 de Setembro, sob o pretexto formal de “defender a população ucraniana e belarusa em consequência de desintegração da Polónia”. O Ocidente desconhecia a existência do Pacto_secreto Molotov-Ribbentrop que dividia a Europa entre o nazismo alemão e o comunismo soviético.

Os primeiros meses da ocupação soviética eram pacíficos. O ensino em muitas escolas da Ucrânia Ocidental passou para a língua ucraniana. A Universidade de Lviv recebeu o nome de Ivan Franko. Foram nacionalizados os bancos, empresas comerciais e industriais, pertencentes, na sua maioria, aos judeus e polacos. No dia 22 de Outubro de 1939 foram organizadas as eleições para o Conselho Popular, naturalmente, quase todos os deputados foram eleitos sem nenhuma alternativa. No dia 26 de Outubro o Conselho votou a decisão unanime da Ucrânia Ocidental de se juntar à URSS, pedido formalizado no dia 26 de Novembro de 1939.

Desde essa data as regras soviéticas começaram se instalar no território. Ucrânia Ocidental foi inundada pelos diversos funcionários do partido, do aparelho do estado e outros burocratas. Todos eles recebiam os apartamentos apetrechados com as mobílias e outros bens confiscados aos antigos proprietários. Nas lojas privadas eles começaram “varrer” os diversos artigos e produtos alimentares em défice na URSS. Os proprietários começaram esconder os produtos temendo a sua escassez, que por sua vez originou a “requisição e confiscação dos bens burgueses”...

Primeira onda de repressões

Os militares do exército polaco de diversas origens étnicas, foram as primeiras vítimas da repressão. Em Março de 1940 foi decidido o extermínio de cerca de 15 mil militares internados, além dos presos nas cadeias. No total foram fuzilados cerca de 40.000 pessoas, a elite militar, científica e religiosa da Polónia. Uma parte dessa acção é historicamente conhecida como Massacre de Katyn. Uma percentagem dos fuzilados era constituída pelos ucranianos e cerca de 2.000 judeus.

Depois se iniciaram as deportações. No dia 29 de Dezembro de 1939 começaram pelos “elementos polacos”. Pela ordem do Beria os “deportados especiais” eram enviados para o abate de arvores nas províncias de Kirov, Perm, Vologodsk, Arkhangelsk, Sverdlovsk, Omsk, a região de Krasnoyarsk e Altai, república autónoma de Komi. Deportavam-se as famílias inteiras que eram assentados nas barracas à razão de 3 m² por pessoa.

Depois foi a vez dos refugiados, pessoas que entraram na Ucrânia Ocidental, fugindo dos nazis, maioritariamente os polacos e judeus. União Soviética decidiu deporta-los, assim como os desempregados dos territórios da Ucrânia Ocidental e da Belarus Ocidental. No quarto trimestre de 1939 foram deportados 33 mil refugiados e 15 mil desempregados. Uma parte foi enviada aos trabalhos forçados na indústria de carvão das províncias de Stalin e Voroshilovograd (Ucrânia Oriental). Os refugiados eram vistos como o elemento anti – soviético, contra-revolucionário, inútil ou pouco útil para o trabalho físico, sem a especialização definida. Em termos étnicos, por exemplo, entre os refugiados deportados da província de Stanislaviv (hoje Ivano – Frankivsk), os 2793 eram judeus, 1072 ucranianos e 647 polacos (4568 pessoas no total).

Segunda onda das deportações começou no Verão de 1940. A campanha se iniciou no dia 28 de Junho, quando foram deportados 38 mil famílias (83 mil pessoas), que foram dispersas por 14 regiões da Rússia: Altai, Arkhangelsk, Gorki, Irkutsk, Komi, Yakutia, etc. O poder soviético seguia uma única regra: todos que vieram do território da Polónia potencialmente eram sabotadores, “alheios”, os “agentes alemães” ou “contra-revolucionários”.

No total, entre 1939 e 1941 a União Soviética deportou da Ucrânia Ocidental cerca de 10% da sua população. O historiador Jan T. Gross afirma que URSS deportou 3 – 4 vezes mais pessoas do que os nazis durante 4 anos de ocupação do território. Uma parte substancial dos deportados, principalmente as mulheres e crianças morreram por causa da fome, frio e doenças...

Genocídio nas prisões

Em Junho de 1941 o exército soviético recuava perante o avanço alemão. As cadeias da Ucrânia Ocidental e Belarus Ocidental eram cheias dos prisioneiros. No dia 23 de Junho de 1941, no segundo dia da guerra entre Alemanha nazi e URSS, o vice – comissário popular do Interior da URSS, camarada Chernishov, ordenou a evacuação dos prisioneiros para as províncias orientais do país. Os documentos demonstram que naquele momento as 63 cadeias da Ucrânia tinham a capacidade de abrigar 31 mil pessoas, mas continham cerca de 73 mil. Com início da guerra o seu “enchimento” aumentou 1,5 – 2 vezes mais. Por isso a liderança soviética incumbiu NKVD de fuzilar a maior parte deste “contingente”.

Em Junho – Julho de 1941, NKVD fuzilou 4.000 em Lviv, 1.000 em Ternopil, 1.000 em Dobromyl, Sambir – 1.200, Lutsk – cerca de 3.000, Drohobych – 1.000, Stanislaviv – 2.500, Dubno – 1.500, etc. No total, em 35 cidades foram fuzilados sem nenhum julgamento e sem nenhuma condenação cerca de 22.000 pessoas. Os fuzilados eram deputados e embaixadores ucranianos, advogados, jornalistas, outros intelectuais.

Testemunham os documentos

O chefe do UNKVD na província de Lviv, capitão Diatlov ordenou o “descarregamento rápido” das três cadeias provinciais. Em resultado, das 2239 pessoas presas foram fuzilados 1808 “elementos inimigos”.

O chefe da Direcção prisional do NKVD da Ucrânia Soviética, o capitão do NKVD Filipov escreve ao Comissário Popular do Interior da UcrSSR sobre a “evacuação” das cadeias da Ucrânia Ocidental (províncias de Lviv, Drohobych, Stanislaviv):

Província de Lviv

As 4 cadeias tinham 5424 presos. No primeiro dia foram executadas as sentenças contra 108 prisioneiros /.../ nas cadeias foram fuzilados 2464 prisioneiros /.../ Todos os prisioneiros fuzilados foram sepultados nos buracos cavados nas caves, na cidade de Zolochiv no parque...



Província de Drohobych

Em duas cadeias ... eram detidos 2242 presos. Fuzilados durante a evacuação em duas cadeias 1101 prisioneiro. No dia 27 de Junho durante a evacuação na cadeia da cidade de Sambir ficaram 80 cadáveres por sepultar, o director da cadeia solicitou a ajuda do NKGB e NKVD para sepulta-los, eles responderam com a recusa categórica.

Os fuzilamentos tiveram o carácter de tal maneira massificado, que os carrascos simplesmente não tinham tempo de apagar os vestígios... Embora outros dirigentes do NKVD faziam as coisas com mais “cuidado” sem deixar as pistas. Na província de Ternopil o chefe provincial do NKVD, camarada Vadis delegou a tarefa ao chefe do 2° departamento Aleksandrov, que “levou da cadeia 560 pessoas. Nenhum vestígio foi deixado na cadeia, tudo foi executado conforme as ordens...”

As vezes os métodos de extermínio mudavam. Assim o chefe da 1ª Secção da Direcção Prisional do NKVD da URSS escreve no seu informe especial, que “os 954 presos da cadeia de Chortkiv foram levados no dia 2 de Julho em direcção da cidade de Uman. Pelo caminho ... foram fuzilados os 123 prisioneiros – membros da OUN... No dia 20 de Julho, após a chegada da etapa a Uman, pela ordem do procurador militar e da chefia do NKGB da UcrSSR os prisioneiros sob a investigação e os condenados pelas actividades contra-revolucionários, em número de 767 foram fuzilados, os seus corpos enterrados”. Quando os alemães ocuparam a cidade, no terceiro dia eles abriram as sepulturas no pátio da cadeia e deixaram os corpos dos fuzilados para a observação. Muitos deles foram reconhecidos pelos parentes e familiares.

O chefe da Secção prisional do UNKVD na província de Volyn, sargento do NKVD Stan, reporta ao vice – chefe da Direcção Prisional do NKVD da UcrSSR sobre o fuzilamento dos prisioneiros da cadeia de Lutsk, ocorrido no dia 3 de Setembro de 1941. “Foram separados e levados para o pátio administrativo da cadeia cerca de 800 pessoas que foram imediatamente fuzilados naquele mesmo local pelo grupo operativo, pelos militares do destacamento do exército prisional do NKVD e pelos dirigentes e guardas da cadeia /.../ Todos os cadáveres dos mais de 70 condenados à pena capital e cerca de 800 prisioneiros sob a investigação foram enterrados por nós e o local do enterro foi regado com o petróleo e queimado, depois disso todos estes locais foram cobertos com a cal /.../ No total foram fuzilados na cadeia e nos arredores da cadeia cerca de 1000 pessoas...”

Não há na Ucrânia Ocidental nenhuma cidade, nenhuma localidade onde não existem os locais de extermínio em massa das pessoas pelo poder soviético. Hoje, lá são edificados os monumentos, são encontradas os familiares e os parentes de todos estes mártires, que foram as vítimas inocentes do regime soviético."

33 comentários:

FAB FLANKER disse...

Não é muito diferente do que é hoje!

anónimo_russo disse...

"Não há na Ucrânia Ocidental nenhuma cidade, nenhuma localidade onde não existem os locais de extermínio em massa das pessoas pelo poder soviético. Hoje, lá são edificados os monumentos, são encontradas os familiares e os parentes de todos estes mártires, que foram as vítimas inocentes do regime soviético"




Como todos sabem, nos diversos locais da Rússia tambem há monumentos em honra das vitimas das repressões dos tempos de Estaline (e claro que o número de vitimas na Rússia é muito maior que o número de vitimas na Ucrània ocidental).

anónimo_russo disse...

"Depois foi a vez dos refugiados, pessoas que entraram na Ucrânia Ocidental, fugindo dos nazis, maioritariamente os polacos e judeus"




Estes judeus aínda tiveram sorte de terem sido apenas deportados. Não é dificil imaginar o que seria deles, se tivessem caído nas mãos dos nazi.

Anónimo disse...

É como eu sempre afirmo, e é o que mais e mais pessoas a cada dia que se passa compreendem com mais convicção : Nazismo e Comunismo são duas ideologia gêmeas, dedicadas à destruir a liberdade, a religião e a vida dos cidadãos. Ambas parte da ideologia socialista. Ambas genocidas.

O comunismo é a religião de Satã.

Anónimo disse...

Anônimo russo, quando vcs irão reconhecer o genocídio praticando pela tua gente contra os ucranianos?

Já está na hora!

Vladimir Zhirinovsky disse...

Anonimo russo...

A mesma felicidade não tiveram os palestinos, que são massacrados impediosamente pelos judeus!

Francisco Lucrécio disse...

Jest:

Qual a razão que não lutam hoje pela indepência da Galicia, ou da integração na Polónia como exigiram durante muitos anos?

Para quem conhece um pouco da história dessa região os seus argumentos levantam muitas duvidas.

Porque para aqueles que sabem do passado e do presente, sobre os apoios as alianças,e as posições que tomaram os Nacionalistas da Ucrânia Ocidental ao longo dos tempos, não têm a menor dificuldade em perceber que o seu comentário não deixa de ser um folheto impregnado de teor Nazi e anti-Russo fora de prazo.


Já tive ocasião de lhe explicar mais que uma vez que os seus "heróis" foram uns bandidos, criminosos e assassinos que durante a guerra fizeram o trabalho sujo dos Nazis. Inclusivamente no levantamento do Gueto de Varsóvia uma dessas fações foi quem primeiro entrou lá dentro para fazer a "limpeza" dos resistentes.

Em Lvov quatro dias depois da invasão Alemã, os colaboracionistas Ucranianos reuniram milhares de civis (por familias) e fuzilaram-nos na praça publica.

Sobre Katyn, ainda há muitas dúvidas para esclarecer. Porque aquela folha solta que aparece no processo assinada por Béria a autorizar o massacre, está confirmado ( melhor; confirmadissimo) que é falsa.


O seu alardeado louvor aos sicários do Nazismo tem como objetivo branquear os crimes horrendos que cometeram. Tentando simultaneamente diabolizar aqueles que contribuiram para a sua derrota.

Toda a humanidade tem o dever de reconhecer à URSS o contributo que deu para o esmagamento do Nazi/Fascismo, à custa de milhões de mortos.

Anónimo disse...

"Toda a humanidade tem o dever de reconhecer à URSS o contributo que deu para o esmagamento do Nazi/Fascismo, à custa de milhões de mortos."

O sacrifício foi de INDIVÍDUOS que lutaram bravamente e que ajudaram o mundo a derrotar o nazismo( lutaram por suas famílias e suas vidas, não pela religião comunista que foi imposta ao povo "soviético" sem eleições e por meio da BRUTALIDADE E DO GOLPE.).

O sacrifício não foi do Kremlin. Foi dos diversos povos que compunham esse imenso campo de concentração que era a URSS.

Anónimo disse...

Francisco Lucrécio, como está a vida, agora que a direita voltou ao poder em seu país? Deve ser desesperador pra vc ver que o povo NUNCA colocará vcs no poder, não é mesmo?


Comunista fracassado.



rs...

anónimo_russo disse...

Anónimo Anónimo disse...

"Anônimo russo, quando vcs irão reconhecer o genocídio praticando pela tua gente contra os ucranianos?

Já está na hora!"



Primeiro, não houve genocídio contra os ucranianos, houve repressões de Estalin e Béria, e a eles não importava se era um ucraniano, um tártaro ou mesmo um georgiano. Eu compreendo que você não sabe nada da história da Rússia ou da União Sovietica, e, por isso, vai ser dificil para você entender de que estou a falar. Mas procure mais informação, leia mais, e, quem sabe, talvez um dia entenda.

Segundo, a minha gente nada tem a ver com a Ucrânia ocidental, é melhor perguntar aos georgianos ou até aos ucranianos da ucrânia de leste que, segundo entendo, tambem participaram em tudo isto. Entre os meus antepassados houve pessoas que tiveram de fugir da Rússia depois da chegada de comunistas ao poder.

Mas é um crime esquecer que foi a União Sovietica que contribuiu mais que qualquer outro país para que o Hitler fosse derrotado.

È uma pena ver como num blogue "da Rússia" nem se menciona que hoje na Rússia recordam os 70 anos desde o dia em que as tropas alemas invadiram o território da então URSS. Ao mesmo tempo que neste mesmo blogue há tanta informação sobre os banderistas e outra gente "digna".

anónimo_russo disse...

Anónimo Anónimo disse.

O sacrifício foi de INDIVÍDUOS que lutaram bravamente e que ajudaram o mundo a derrotar o nazismo( lutaram por suas famílias e suas vidas, não pela religião comunista que foi imposta ao povo "soviético" sem eleições e por meio da BRUTALIDADE E DO GOLPE.).

O sacrifício não foi do Kremlin. Foi dos diversos povos que compunham esse imenso campo de concentração que era a URSS."



Italo, eu não sou nenhum fã do comunismo, mas acho que você não tem direito de falar da União Sovietica (por falta do conhecimento) nem da Rússia (por ser um russófobo). E porque deixou de subscrever os seus comentários com o seu nome/pseudónimo?

Francisco Lucrécio disse...

Anónimo rs das 17:40.



Não vou dizer que seja um fracassado, na medida em que não sei quem é Vossa Excelência.

Mas que é uma nulidade no respeitante aos conhecimentos da politica Portuguesa, fico bem certo disso ao ler a sua opinião.

Porque se soubesse que a total responsabilidade do descalabro económico,social, financeiro e de desenvolvimento em que Portugal mergulhou é obra dos partidos de direita que têm governado nas ultimas três décadas, de certeza que não se atrevia a proferir disparates.

Os comunistas ou qualquer outro partido de esquerda em nada contribuíram para este estado de coisas.

Também ao contrário daquilo que afirma os comunistas não registaram perdas nestas eleições, pelo contrário.

Se os eleitores não deram mais preferência à esquerda, pois lá têm as suas razões. Uma conclusão se pode tirar deste ato eleitoral, nas regiões onde mais cresceu o desemprego e mais se agravou a miséria e onde as carências sociais são mais notórias, foi precisamente aí que a direita obteve melhores resultados. Existem explicações para isso.

E a principal, é que a abstenção já ultrapassa os 40%.

Anónimo disse...

Acalme-se, anônimo russo. Vc está muito "rabioso"... Sei que certas verdades pra gente como vc doem bastante. Se não gosta do que eu escrevi, não posso fazer nada. Sua única opção é aceitar que existem pessoas que não caem na propaganda que vcs acham que podem usar pra enganar o resto do mundo.

Portanto, tome um copo de água, respire fundo e tente se manter calmo.




hehehehehe!

Anónimo disse...

http://noticias.terra.com.br/mundo/noticias/0,,OI5200712-EI8142,00-Publicidade+na+Ucrania+compara+comunismo+ao+nazismo.html


Publicidade na Ucrânia compara comunismo ao nazismo
22 de junho de 2011 • 15h27 • atualizado às 16h50


ANÔNIMO RUSSO, POR FAVOR, ACALME-SE!


COMUNISMO=NAZISMO.

anónimo_russo disse...

Anónimo Anónimo disse...

"Acalme-se, anônimo russo. Vc está muito "rabioso"... Sei que certas verdades pra gente como vc doem bastante. Se não gosta do que eu escrevi, não posso fazer nada. Sua única opção é aceitar que existem pessoas que não caem na propaganda que vcs acham que podem usar pra enganar o resto do mundo."




Acalme-se, nenhumas "verdades" para mim "doem bastante". Talvez porque eu seja mais bem informado que você.
No resto, acho que têm razão aqueles que aconcelham não alimentar trolls na internet (especialmente esses semi-alfabetos trolls ucro-brasileiros).

rs.

anónimo_russo disse...

Anónimo Anónimo disse...

"http://noticias.terra.com.br/mundo/noticias/0,,OI5200712-EI8142,00-Publicidade+na+Ucrania+compara+comunismo+ao+nazismo.html


Publicidade na Ucrânia compara comunismo ao nazismo
22 de junho de 2011 • 15h27 • atualizado às 16h50


ANÔNIMO RUSSO, POR FAVOR, ACALME-SE!


COMUNISMO=NAZISMO."




ITALO, PORQUE NÂO SUBSCREVE MAIS COM O SEU PSEUDÓNIMO? TEM VERGONHA? O QUE ACONTECEU?

Anónimo disse...

"(especialmente esses semi-alfabetos trolls ucro-brasileiros)."




"semi-alfabeto"????

"ucro-brasileiro"??????????


Depois dessa, por favor, cale a boca, Sr. Gulag...

anónimo_russo disse...

"semi-alfabeto"????

"ucro-brasileiro"??????????


Depois dessa, por favor, cale a boca, Sr. Gulag..."



Acho que você entendeu o que eu queria dizer, seu ucro-brasileiro semi-analfabeto (se gosta mais assim).

Jest nas Wielu disse...

2 Francisco Lucrécio 16:29

1) Não conheço ninguém na Ucrânia Ocidental que “exigisse a sua integração na Polónia”.
2) Também já tive ocasião de lhe explicar mais que uma vez que todos os heróis da independência são sempre apelidados de “bandidos”, “criminosos”, “assassinos”, “turras”, como, por exemplo, fazia a propaganda colonial portuguesa em África.
3) Em Lviv (e outras cidades da Ucrânia Ocidental) NKVD fuzilava as pessoas dias e por vezes horas antes da entrada dos nazis naqueles locais.
4) Toda a humanidade reconheçe que as atrocidades comunistas são equiparáveis às atrocidades nazis e por vezes as superam.

2 anónimo_russo 17:22
Acho que não é necessário ser ucraniano – brasileiro para defender a simples ideia do que Alemanha nazi foi amiga da URSS comunista e que chegaram a dividir Europa entre si pelo Pacto Molotov-Ribbentrop. Não foram nem os brasileiros, nem os ucranianos que assinaram este pacto...

anónimo_russo disse...

Blogger Jest nas Wielu disse...

" 2 anónimo_russo 17:22
Acho que não é necessário ser ucraniano – brasileiro para defender a simples ideia do que Alemanha nazi foi amiga da URSS comunista e que chegaram a dividir Europa entre si pelo Pacto Molotov-Ribbentrop. Não foram nem os brasileiros, nem os ucranianos que assinaram este pacto..."


Uma grande amizade. Dezenas de milhões de mortes e o nazismo derrotado pelas tropas sovieticas. Por sinal, se alguem já esqueceu, existiam acordos semelhantes (se não me engano) entre outros países europeus e a Alemanha nazi. Basta lembrar a Tcheco-Eslovaquia, anexão dos Sudety pela alemanha nazista (conforme o acordo entre a inglaterra e França de um lado e o Hitler do outro).

Aínda mais estranho é ouvir tudo isto de um fã dos banderistas, que, de acordo com alguns dados, colaboravam com os nazi.

anónimo_russo disse...

"4) Toda a humanidade reconheçe que as atrocidades comunistas são equiparáveis às atrocidades nazis e por vezes as superam."


Só uma parte podre e demente da humanidade pode reconhecer tais coisas.

Aconselho ver os judeus de Israel, eles podem ser tudo menos prostitutas políticas que esquecem o seu passado. Por isso reconhecem e não esquecem o papel da URSS na derrota dos nazi, são gratos.

Francisco Lucrécio disse...

«««««Não conheço ninguém na Ucrânia Ocidental que “exigisse a sua integração na Polónia”»»»»»».

Não conhece? É porque ainda não leu as memórias de Wasyl Veryha. Foram publicadas há muito tempo (1968). Primeiro leia o que este colaborador Nazi escreveu, depois já me pode contradizer.

««««««Em Lviv (e outras cidades da Ucrânia Ocidental) NKVD fuzilava as pessoas dias e por vezes horas antes da entrada dos nazis naqueles locais»»»».

Mas matavam assim indiscriminadamente só por matar? Também reuniam famílias completas ( recém-nascidos e anciãos) e fuzilavam-nas na praça pública tal como fazia Roman Chukhévitch da EIU? Se são vitimas são inocentes. Resta saber; foram assassinadas em nome de quê?

««««««Toda a humanidade reconheçe que as atrocidades comunistas são equiparáveis às atrocidades nazis e por vezes as superam»»»»».

Toda a humanidade aliás? Os simpatizantes do Nazismo. Indique-me um historiador reconhecido que tivesse escrito isso? Não passam de fabulações saídas do seu miserável imaginário.

A intenção de equiparar o Nazismo ao Comunismo é uma forma encoberta da usurpação e manipulação da verdade, com o único objetivo da diminuição do Nazismo.
O Nazismo tem como princípio a supremacia racial, e a morte e o genocídio daquele que é diferente como projeto (ciganos, judeus, eslavos, negros, deficientes, comunistas, esquerdistas) . E essa explicitação animalista da morte como meio para a purificação da raça foi posta em prática pelo Nacional-Socialismo sobre os povos que subjugou.


Nunca qualquer dirigente Marxista incitou ao ódio e à descriminação racial, como meio de alcançar uma sociedade diferente.

«««««««Alemanha nazi foi amiga da URSS comunista e que chegaram a dividir Europa entre si pelo Pacto Molotov-Ribbentrop»»»»».

E do que constou o tratado de Munique assinado onze meses antes? É assim tão ignorante em história que não sabe? As suas “ verdades absolutas” deste lado arriscam-se a esbarrar com as verdades históricas. Desiluda-se que por aqui não passam.

Jest nas Wielu disse...

2 anónimo_russo 21:28 / 21:33

Mais um mito soviético que compara os acordos de Munique ao pacto secreto Molotov-Ribbentrop, pois a) acordo de Munique foi público; b) Reino Unido e França NÃO invadiram Checoslováquia, tal como URSS invadiu Polónia.

Ninguém na Ucrânia superou URSS em matéria de colaboração e cooperação com 3º Reich, desde o fornecimento das matérias primas, alimentos, até ao auxílio nos bombardeamentos da Noruega (se quizer, forneço lhe o prooflink).

A ideologia comunista foi equiparada à ideologia nazi pela OSCE, organização da qual faz parte FRussa. Quando aos judeus, após a II G.M., URSS não estacionou as suas tropas em Palestina, algo que fez na Europa Central e do Leste.

2 Francisco Lucrécio 01:15

Então me aconselha ler o “colaborador nazi”?!! Não posso fazer tal coisa, não gosto das ideologias totalitárias. No entanto, creio que se refere à decisão do Simon Petliura de aceitar de-facto a ocupação da Ucrânia Ocidental pela 2ª República polaca. Na impossibilidade de combater em dois frentes, o Governo da República Popular da Ucrânia (UNR) tentou fazer alianças para recuperar a Ucrânia Oriental. A língua portuguesa claramente separa o conceito de “exigir” e “aceitar”...

As atrocidades comunistas são equiparáveis às atrocidades nazis, basta ler a notícia em português (http://www.presseurop.eu/pt/content/article/82441-vitimas-do-totalitarismo-politico-nao-tem-cor), a resolução foi aprovada por uma larga maioria dos delegados da OSCE – 202 dos 214 presentes.

Duvido seriamente do que 202 delegados da OSCE são “simpatizantes do nazismo”.

anónimo_russo disse...

Blogger Jest nas Wielu disse...

2 anónimo_russo 21:28 / 21:33

1. "Mais um mito soviético que compara os acordos de Munique ao pacto secreto Molotov-Ribbentrop, pois a) acordo de Munique foi público; b) Reino Unido e França NÃO invadiram Checoslováquia, tal como URSS invadiu Polónia."


Público ou secreto, a esséncia não muda por causa disso - França e Inglaterra entregaram a Tcheco-Eslovaquia a Hitler para esta ser rasgada e devorada. A Rússia e a Polónia tinham contas antigas a ajustar (ou como se diz em portugues), a Polónia não havia muito
fazia parte do Imperio Rússo.




"Ninguém na Ucrânia superou URSS em matéria de colaboração e cooperação com 3º Reich, desde o fornecimento das matérias primas, alimentos, até ao auxílio nos bombardeamentos da Noruega (se quizer, forneço lhe o prooflink)."


Se está a falar do comércio externo entre os dois países, acho que não havia nada de estranho nisso. Sobre Noruega não tenho informação, mas, se houve algum auxílio, isso não muda o quadro íntegro: no fundo, França e Inglaterra fizeram o mesmo com a Tcheco-Eslovaquia.

Mas o mais importante é que, desde o primeiro dia da agressão alemã contra URSS, não houve mais nenhuma colaboração, enquanto que na Ucrânia ocidental aínda hoje estão vivos alguns veteranos da SS. E os banderistas superaram muito os comunistas nas suas atrocidades: não ouvi que os comunistas matassem crianças e famílias inteiras.

anónimo_russo disse...

As atrocidades comunistas são equiparáveis às atrocidades nazis, basta ler a notícia em português (http://www.presseurop.eu/pt/content/article/82441-vitimas-do-totalitarismo-politico-nao-tem-cor), a resolução foi aprovada por uma larga maioria dos delegados da OSCE – 202 dos 214 presentes.

Duvido seriamente do que 202 delegados da OSCE são “simpatizantes do nazismo”.


Não são simpatizantes do nazismo, mas é exatamente o caso da prostituição politica. Porque só agora foi que fizeram isso, mais de 60 anos depois de todos os acontecimentos? È uma decisão politica que nada tem a ver com a justiça e com a procura da verdade historica.

Jest nas Wielu disse...

2 anónimo_russo 16:49

Mais uma vez, a língua portuguesa separa claramente os termos “entregar” e “invadir”.

Os veteranos da Divisão Galiza vivem (na sua maioria) em todo o mundo Ocidental: Reino Unido, EUA, Canadá, Austrália, Nova Zelândia, etc. Eis o que escreveu a Comissão Deschênes (Canadá) sobre a Divisão:
http://ucrania-mozambique.blogspot.com/2009/07/brody-tragedia-ucraniana.html

Sobre as matanças dos comunistas poderá ler os documentos / ver fotos aqui:
http://www.istpravda.com.ua/articles/2011/06/24/43789/

Acredito que mesmo 60 anos depois é possível fazer a justiça procurando a verdade histórica, exactamente aquilo que foi feito pela OSCE.

Anónimo disse...

Anônimo russo, porque essa defesa tão veemente que vc faz de Stálin?

Não se preocupe, o sacrifício que muitos de vcs fizeram pra derrotar os nazistas não será associado ao regime comunista.

O genocídio dos 110 milhões de humanos perpetrado pelos comunistas no mundo (20 milhões na URSS), desde 1917 é uma coisa.


O sacrifício dos que morreram lutando contra Hitler é outra coisa diferente.

Os russos, ucranianos, bielorussos, georgianos, azeris, tártaros, etc.. que lutaram contra Hitler e perderam a vida são heróis e lutaram APESAR DE STÁLIN e do comunismo. APESAR DA DITADURA. Lutaram pela vida e pela família que eles tinham.

Não se sinta acuado. Vcs russos têm muito medo. Não tenham medo da democracia, do bem, da liberdade de expressão. Não tenham medo.


O bem sempre vence o mal.

anónimo_russo disse...

Anónimo Anónimo disse...

"Anônimo russo, porque essa defesa tão veemente que vc faz de Stálin?

Não se preocupe, o sacrifício que muitos de vcs fizeram pra derrotar os nazistas não será associado ao regime comunista.

O genocídio dos 110 milhões de humanos perpetrado pelos comunistas no mundo (20 milhões na URSS), desde 1917 é uma coisa."



O comunismo é mal, mas afecta a população do país onde existe, nada tem a ver com a ideologia nazista, racista etc. Ao equipararem comunismo ao nazismo, eles equiparam a URSS a Alemanha nazi. Mas a URSS causou muito menos danos a outros países, incomparavelmente. Tambem, não sei onde obtêve esses números - 110 milhões de vitimas? O comunismo é uma dor de cabeça, mas para a população do país onde os comunistas estão no poder.
E mais alguma coisa: nem todos lutavam apesar de Estaline, alguns lutavam em nome de Estaline. A história é mais complexa do que pode parecer à primeira vista. Não escluo que Estalin, mesmo sendo um tirano, contribuiu para a vitória. Porque nalgumas circunstáncias a ditadura e o medo podem ser uns instrumentos mais eficazes que alguns outros. O comunismo não tem futuro e no mundo atual não ameaça ninguem, seria mais justo não dançar sobre os cadaveres e deixar a história em paz. E todas essas equiparações de hoje têm muito mais a ver com a politica dos EUA na Europa de leste e com a fraquesa política da Europa ocidental do que com algum Estalin. È mais um jogo politico.

anónimo_russo disse...

Blogger Jest nas Wielu disse...

2 anónimo_russo 16:49

1. "Mais uma vez, a língua portuguesa separa claramente os termos “entregar” e “invadir”."


Pode ser, mas mesmo assim a invasão de alguns territórios no leste europeu pela URSS não significa que esta foi um aliado da Alemãnha nazi. Todos tinham os seus interesses, ninguem queria uma guerra contra Alemãnha, segundo entendo.



2 "Os veteranos da Divisão Galiza vivem (na sua maioria) em todo o mundo Ocidental: Reino Unido, EUA, Canadá, Austrália, Nova Zelândia, etc. Eis o que escreveu a Comissão Deschênes (Canadá) sobre a Divisão:
http://ucrania-mozambique.blogspot.com/2009/07/brody-tragedia-ucraniana.html"


Demianiuk, dizem, tambem vivia no Ocidente...



3. "Sobre as matanças dos comunistas poderá ler os documentos / ver fotos aqui:
http://www.istpravda.com.ua/articles/2011/06/24/43789/"


Para falar a sério, acho que é preciso consultar umas fontes mais sérias. Mas, repito, não ouvi, nem li que comunistas fuzilassem crianças ou famílias inteiras (nos anos da guerra civil eu admito que podia acontecer algo semelhante, mas foi a época de um caos total e não sou especialista, não posso dizer nada).

Acho mais justo deixar o passado em paz. Não havia anjos lá nem demónios absolutos, não é preciso fazer religião de tudo aquilo, não há santos lá.

Anónimo disse...

"Tambem, não sei onde obtêve esses números - 110 milhões de vitimas?"





Leia o livro negro do comunismo.

Comunistas assassinaram milhões de pais, filhos, mulheres, crianças, minorias étnicas, etc.

É só ler. Está td lá. muito bem documentado, num calhamaço de quase 1000 páginas.

E o autor e colaborador é um ex-comunista.

Jest nas Wielu disse...

2 anónimo_russo 21:25

Bem, se a “invasão de /.../ territórios no leste europeu pela URSS não significa que esta foi um aliado da Alemãnha nazi”, mesmo se isso aconteceu de acordo com o pacto secreto entre ambas e em perfeita sintonia quando às datas, então estamos entendidos.

John (Ivan) Demjanjuk nunca militou na Divisão Galiza, mas era um soldado do Exército Vermelho, prisioneiro da guerra dos nazis que teve uma escolha terrível: morrer ou sobreviver, ele sobreviveu e fez muito bem.

O portal “Pravda Histórica” usa as fotos/documentos dos arquivos, portanto as fontes primárias, próprias para um investigador.
URSS sempre precisou do trabalho semi-escravo nos territórios siberianos, em Kazaquistão, etc. Por isso, não fazia sentido matar as famílias inteiras, as famílias eram deportadas e depois morriam de fome, frio, trabalho forçado e claro, alguns sobreviveram, alguns polacos étnicos até conseguiram a sua repatriação para RP da Polónia, etc.

E se acha que é “mais justo deixar o passado em paz” porque insiste em julgar UPA, Demjanjuk ou a resistência ucraniana? E essa, ehm?

Jest nas Wielu disse...

Como NKVD comitia os crimes em nome de resistência ucraniana:
http://stranaknig.com/knigi/istoriya-psihologiya-pravo/634-kleymya-osvoboditelnyy-flag-deyatelnost-agentury-i-specotdelov-nkvd-nkgb-pod-vidom-oun-upa-tavruyuchi-vizvolniy-prapor-dyalnst-agenturi-specboyivok-nkvs-nkdb-pd-viglyadom-oun-upa.html

Jest nas Wielu disse...

No dia 22 de Junho, pela primeira vez em Donetsk, dois mineiros queimaram as bandeiras soviética e nazi, no território da mina de “Chelyuskintsy”. Os mineiros aposentados, Oleksander Lutsik (foi mineiro durante 27 anos) e Viktor Mikhashenko (18 anos), chamaram os símbolos queimados de “satánicos a anti-humanos”:
http://frankensstein.livejournal.com/188592.html