terça-feira, junho 21, 2011

TAP: Indefinição autoridades russas poderá impedir reforço ligação à Rússia

Moscovo, 21 jun (Lusa) – A TAP continua as diligências junto das autoridades russas para obter autorização para mais quatro voos semanais entre Lisboa e Moscovo, dando um prazo de 14 dias para o problema ser resolvido, sob pena de ser forçada a suspendê-los.
Em causa está a realização de 60 voos entre junho e outubro deste ano. Dois deles já foram cancelados.
“De acordo com os procedimentos da legislação internacional, em fevereiro de 2011, a TAP requereu à Agência Federal do Transporte Aéreo da Federação Russa autorização para operar nove voos semanais na rota Lisboa/Moscovo/Lisboa, durante o período compreendido entre 19 de junho e 18 de setembro de 2011”, esclarece a TAP, num comunicado hoje divulgado.
Mas, até à data, a TAP não obteve resposta daquela agência, nem “recebeu também qualquer recusa oficial à execução do seu programa de voos na totalidade, o que seria expectável no quadro das práticas internacionais”, salienta a transportadora aérea portuguesa.
Caso a FATA (Autoridades Aeronáuticas da Rússia) não autorize os voos adicionais, a TAP vai sofrer fortes prejuízos morais e materiais.
“Os bilhetes têm tido boa procura e se, agora, a TAP não garantir os nove voos semanais, iremos ter sérios prejuízos, pois teremos de encontrar outras soluções para os clientes”, declarou a funcionária de uma agência turística de Moscovo à Agência Lusa.
Este cenário, previu, “poderá constituir um rude golpe na reputação da TAP na Rússia, pois prometeu e não consegue cumprir os seus compromissos. Serão cerca de sete mil passageiros que se sentirão enganados”.
A TAP irá tentar tomar medidas para facilitar a vida aos passageiros caso as autoridades russas neguem a autorização.
“Se dentro de 14 dias não for recebida a autorização para os voos, a TAP vai cancelar os quatro voos suplementares”, sublinha a transportadora, no comunicado.
Um especialista russo em aviação civil disse à Agência Lusa que este problema poderia ser resolvido “se existisse uma intervenção da parte das autoridades portuguesas”.
Acrescentou que “a FATA não está a respeitar os acordos existentes. Isso já foi feito em relação a outras companhias aéreas estrangeiras e o problema ficou resolvido depois de intervenção política e diplomática”.
Atualmente, a TAP realiza todas as semanas cinco voos regulares entre Lisboa e Moscovo. Em dezembro, tendo em conta o aumento do caudal de turistas russos para Portugal, a TAP requereu junto da FATA autorização para realizar mais quatro voos semanais entre junho e outubro.
Segundo um documento assinado em 2010, durante a comissão mista realizada em Moscovo, as duas companhias nomeadas pelas autoridades dos dois países podem realizar cada uma 14 voos semanalmente.
Até recentemente, as companhias aéreas russas mostraram pouco interesse por esta linha, mas, ao verem o êxito alcançado pela TAP, passaram a querer ocupar parte do nicho.
“A TAP começou na Rússia a partir do zero. Fez um bom trabalho de divulgação de Portugal como destino turístico e, agora, aparecem companhias russas que querem colher esses frutos”, disse à Agência Lusa uma fonte do setor em Moscovo.
A companhia aérea russa Transaero realiza, a partir de junho, um voo ‘charter’ entre Moscovo e Lisboa e espera autorização do Instituto Nacional de Aviação Civil para realizar mais outro para a capital portuguesa e um terceiro para o Funchal. Além disso, segundo disseram fontes ligadas ao processo à Agência Lusa, está pronta a ocupar o nicho vedado à TAP.
JM/fim

3 comentários:

FAB FLANKER disse...

A TAP é privada ou do governo?

anónimo_russo disse...

"Fora do tema", mas é importante. Talvez nem todos aqui saibam, mas hoje, dia 22 de junho, na Rússia se comemora a data do início da invasão nazi contra a União Sovietica, que começou às 4 da manhã no dia 22 de junho de 1941.

vvvitalie55 disse...

Eu conheço de perto o management das companhias aéreas russas, e acreditem, muitos dos top managers são diletantes, vindos das vários negócios como telecomunicações ou fabricas de texteis etc., que não teem minimas ideias da aviação, mas enfim, teem muito dinheiro e querem prestígio. Concordo com a publicação, que a TAP fez muitos investimentos, que as companhias russas não querem fazer, por achar uma perda de dinheiro.