domingo, agosto 07, 2011

Adeptos de Iúlia Timochenko apelam à criação de comité de resistência



O movimento ucraniano “Batkivchina”, dirigido pela ex-primeira-ministra Iúlia Timochenko, anunciou , no sábado,a criação de um Comité Ucraniano de Resistência, anunciou Alexandre Turtchinov, vice-presidente dessa organização.

“Com a prisão de Iúlia Timochenko o poder ultrapassou a fronteira, depois da qual a destruição da democracia e o desenvolvimento do autoritarismo se podem tornar irreversíveis numa breve perspetiva histórica”, declarou Turtchinov.
Este deputado propõe que o comité reúna todos os partidos políticos e organizações sociais que têm como principais valores a independência da Ucrânia, a liberdade, a democracia, a perspetiva europeia, o bem-estar de todos os cidadãos da Ucrânia.
Jovens apoiantes de Timochenko concentraram-se à porta da prisão Lukianovskoe, onde ela se encontra detida, para exigirem a sua libertação.
“Iúlia, não estás sozinha!”, “Iúlia estamos contigo”, gritavam os jovens.
Além disso, partidários da ex-primeira-ministra e opositora ucraniana Iulia Timochenko iniciaram uma concentração no centro de Kiev na noite de sexta-feira para hoje para protestar contra a sua detenção.
Pelo menos uma centena de partidários de Timochenko colocaram cerca de três dezenas de tendas perto do tribunal na principal avenida do centro de Kiev, mostrando a sua intenção de lá permanecer até à sua libertação.

O Governo dos Estados Unidos manifestou hoje preocupação pela detenção da ex-primeira-ministra da Ucrânia e apelou à revisão da decisão tomada pelo tribunal na sexta-feira.
“A detenção da ex-primeira-ministra Iúlia Timochenko preocupou a comunidade internacional relativamente ao emprego da supremacia da lei na Ucrânia e deu ainda mais aos acontecimentos um aspeto de perseguições politicamente motivadas”, lê-se num comunicado da embaixada norte-americana em Kiev.
Segundo ele, “o Governo dos Estados Unidos partilha dessa preocupação e apela à revisão da decisão de prisão da senhora Timochenko e à análise da questão da sua libertação imediata”.
O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia já veio responder a essas e outras preocupações de vários países, sublinhando que foi o comportamento de Timochenko que obrigou o tribunal a tomar medidas mais rigorosas.
“A análise da legislação dos Estados Unidos, da União Europeia e de outros Estados, realizada pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros, mostrou claramente que esse comportamento, em toda da parte, independentemente da essência do caso, obrigaria o juiz a tomar as mais sérias sanções”, comentou o serviço de imprensa da diplomacia ucraniana.
O ministério acrescenta que  “a decisão foi tomada pelo juiz sem qualquer pressão da parte dos órgãos do poder executivo… O poder ucraniano não tenciona imiscuir-se no processo de Iúlia Timochenko”.
“Eu ontem vi com os meus olhos como insultavam o tribunal. Não aconselho ninguém a gozar com o tribunal, uma das bases do nosso Estado”, considerou hoje o primeiro-ministro Mikola Azarov, que, na véspera, depôs como testemunha no processo.
P.S. O momento para a detenção de Iúlia Timochenko não foi escolhido por acaso. As pessoas estão de férias, muitas delas a cultivar as suas hortas nos arredores de Kiev, e por isso o poder de mobilização da oposição está diminuído.
Timochenko usou e abusou da paciência do juiz, provocando-o constantemente. Por exemplo, na sexta-feira, exigiu um tradutor de russo para ucraniano para compreender o que o atual primeiro-ministro dizia! É sabido que Mikola Azarov não domina o ucraniano, mas também ninguém duvida de que Timochenko domina perfeitamente o russo.
A arguida pretende apresentar-se como uma vítima de perseguições de um regime corrupto, mas é verdade é que ela também não é uma santa. Como acontece frequentemente nos países saídos da União Soviética, não há "santos e pecadores", há sim vencedores e vencidos.
Vamos acompanhar o desenrolar dos acontecimentos, pois trata-se de uma prova tanto para Iulia Timochenko, que espera uma grande mobilização dos seus apoiantes e apoio internacional, como para o atual poder ucraniano, que pode transformar o processo numa desforra política.

13 comentários:

Pippo disse...

JM, esqueceu-se de dizer que a Júlia também usou e abusou de linguagem ofensiva em pleno tribunal, algo que, em qualquer tribunal Ocidental, levaria a uma multa ou pena de prisão por desrespeito à instituição.

Anónimo disse...

Desculpe, mas se eu estivesse sofrendo um julgamento em meu país, evidente que exigiria que o julgamento fosse em minha língua materna. Vc considera isso motivo para prisão?! Esse prisão é política, o objetivo claro é tirá-la d páreo nas próximas presidenciais. A Ucrânia sofreu um duro processo de russificação. A URSS arrasou a soberania do país, sem contar com o abominável Holodomor. A Rússia quer extinguir a soberania da Ucrânia igual ao que está fazendo com Belarus. Na Ucrânia é quase proibido falar ucraniano, vc acha isso certo? Eu espero que os ucranianos ocidentais reajam contra esse processo de anexação a Rússia. A parte Oeste do país tem fortes ligações com o Ocidente. Lembre-se que a Rússia já tentou inclusive envenenar o ex-presidente pró-Ocidente. Espero que a Ucrânia seja livre e Ocidental. Liberdade para Timochenko! Prisão para o atual presidente que processa Timochenko mas fez um acordo para a marinha russa permanecer na Criméia. Este Sr. é desonesto, analfabeto, autoritário, ditador e corrupto. Quer fazer na Ucrânia o que Putin fez na Rússia - eliminar a oposição. Este Sr. tentou, desde que chegou ao governo, "russificar" seu país, está vendendo a soberania da Ucrânia.

Anónimo disse...

"É sabido que Mikola Azarov não domina o ucraniano"


Então não tem condições de ser juiz. Na Ucrânia a lingua oficial é o ucraniano.

Sim, o grande problema éo fato que a mulher não é uma santa. Mas qual dos dois males é o maior? Acho que um regime fantoche transformando o país numa republiqueta pró-russa seria ainda mais perigoso.

Jose Milhazes disse...

Anónimo, Mykola Azarov não é juiz, mas primeiro-ministro. O juiz sabe ucraniano, mas o facto é que na Ucrânia, principalmente no Leste, há muitas pessoas que não falam ucraniano. A propósito, Iúlia Timochenko também teve de aprender ucraniano.

Jest nas Wielu disse...

Pela Lei da Ucrânia qualquer funcionário público é obrigado usar a língua ucraniana no desempanho das suas actividades profissionais, embora Azarov é natural da Rússia, mas não é uma razão para ele não falar ucraniano (digo isso pela experiência própria).

Anónimo disse...

A obrigação de falar ucraniano é uma discriminação intolerável! Na Ucrânia, tal como acontece no Canadá ou na Bélgica, o bilinguismo deveria ser a norma, pois metade da população fala russo.

Jest nas Wielu disse...

2 Anónimo 11:20
Quando no seu país de origem o bilinguismo será a norma, então poderá V. Excia opinar sobre a situação linguística ucraniana.

Anónimo disse...

No meu país a população nacional fala apenas uma língua. Nos países onde a população nacional fala duas línguas, o bilinguismo é a norma.

Da forma como as coisas estão, a legislação ucraniana é fascista e discriminatória contra metade da população.

Jest nas Wielu disse...

2 Anónimo 01:56
Na Ucrânia também, a população nacional fala apenas uma lingua, os visitantes devem saber a lingua do país do acolhimento, eu aprendi ucraniano, significa que outros também podem faze-lo.

Jose Milhazes disse...

PM, o leitor António Campos respondeu às perguntas.

Anónimo disse...

Errado, Jest, na Ucrânia a população nacional fala duas linguas, o russo e o ucraniano. Os do Oeste fala ucraniano, o do Leste (que também são de nacionalidade ucraniana) têm, como língua mãe, o russo.

Jest nas Wielu disse...

2 Anónimo 13:58
Errado, anónimo 13:58, a população nacional da Ucrânia fala duas linguas, o russo e o ucraniano, mas ucraniano é a nossa língua mãe, a língua perseguida, maltratada e sofrida durante os 350 anos da ocupação russa e soviética.

Veja o Decreto de Ems, que proibia o uso da língua ucraniana:
http://en.wikipedia.org/wiki/Ems_Ukaz

PortugueseMan disse...

PM, o leitor António Campos respondeu às perguntas.

Caro JM,

Isto é dirigido a mim?