domingo, agosto 07, 2011

Julgamento de Timochenko pode deteriorar seriamente relações entre Ucrânia e Rússia

O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia, ao expressar a esperança de que o processo contra a ex-primeira-ministra ucraniana seja justo e imparcial, declarou que os acordos sobre fornecimento de gás foram assinados entre Moscovo e Kiev em 2009 em estrita correspondência com as legislações nacionais e o Direito Internacional.
Normalmente, os dirigentes russos tentam não se pronunciar sobre os assuntos internos dos países vizinhos, mas, desta vez, vieram em defesa de Iúlia Timochenko, porque se o tribunal de Kiev der razão ao actual Governo da Ucrânia, os contratos de gás de 2009 entre russos e ucranianos serão postos em causa.
Recordo que o atual primeiro-ministro Mikola Azarov considerou esses acordos uma "traição nacional".
Ao contrário do que muitos poderiam pensar de que a chegada ao poder de Victor Ianukovitch iria melhorar as relações entre a Rússia e a Ucrânia, está-se a registar o contrário. No fim de semana passado, o Presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, tencionava assinalar o dia da Armada da Rússia em Sevastopol, cidade ucraniana no Mar Negro, mas acabou por fazê-lo em Kalininegrado, enclave russo no Báltico.
A razão foi a mesma: Moscovo não gosta que Kiev ponha em causa dos acordos assinados.
Quanto às repercussões da prisão de Iulia Timochenko na política ucraniana, elas não deverão provocar grandes convulsões.
Claro que a detenção da ex-primeira-ministra é um erro das autoridades ucranianas, pois Timochenko estava a tentar provocar isso há muito tempo, pois de escândalos depende a sua sobrevivência política. Não há dúvidas que o juiz do processo tinha mais do que razões para a deter, tanto foram as vezes a que ela faltou ao respeito, mas devia ter feito isso nas primeiras vezes em  que Iúlia Timochenko desrespeitou o tribunal. 
Mas as autoridades ucranianas só fizeram isso em Agosto por várias razões. O país entrou de férias. Os canais de televisão ucranianos não realizam programas políticos, alguns deles utilizam este mês para fazer obras nos estúdios. Além disso, muitos dos habitantes de Kiev saem da capital para cultivarem as suas hortas nas casas de campo (datchas). Resumindo, o poder de mobilização é muito limitado.
Os dirigentes de outras forças da oposição ao Presidente Ianukovitch vão protestar contra a detenção de Timochenko para desacreditar o actual poder, mas, por outro lado, não estão contra a prisão de Timochenko, pois isso permite-lhes ocupar o lugar deixado vago.
Vamos acompanhar esta luta não como um combate entre bons e maus, mas como uma disputa pelo poder, em que os vencedores não têm piedade dos vencidos, uma espécie de luta sem regras.


42 comentários:

Anónimo disse...

Isso é jogo de cena! Evidente que a Rússia apóia o atual presidente da Ucrânia. Ele é submisso aos interesses de Moscou e não pode contraria-los. Ele vai, infelizemente, desistir do tratado de livre comércio com a UE para participar da União Aduaneira com a Rússia, por isso toda essa encenação, para tentar convencer os ucranianos que "enfreta a Rússia". No final, está nessa maldita união aduaneira.

PortugueseMan disse...

...Ao contrário do que muitos poderiam pensar de que a chegada ao poder de Victor Ianukovitch iria melhorar as relações entre a Rússia e a Ucrânia, está-se a registar o contrário...

Atenção,

As relações entre a Rússia e a Urânia melhoraram, não existe a menor dúvida quanto a isso.

Agora como já tinha dito, o preço que a Ucrânia tem que pagar é gigantesco. É contra isto que Ianukovitch vai lutar, que sejam completamente engolidos pelos russos.

A Ucrânia está encostada à parede e a pagar o preço das suas opções no passado.

Não vejo outra alternativa para a Ucrânia, o rumo está tomado, agora têm muito deserto para percorrer.

Jose Milhazes disse...

Caro PM, admiro o facto de você não ter as mínimas dúvidas. No entanto, se aprofundar os seus estudos das relações russo-ucranianas, passará a ter algumas dúvidas. Eu apresentei alguns exemplos. Imagine a posição que a Rússia irá tomar se o tribunal de Kiev considerar os acordos sobre o gás ilegais...

PortugueseMan disse...

Imagine a posição que a Rússia irá tomar se o tribunal de Kiev considerar os acordos sobre o gás ilegais...

Meu caro,

Você pode imaginar o que quiser. Mas a imaginação não altera os factos.

Se hoje a Ucrânia ainda consegue respirar é porque a Rússia aceitou cobrar um preço "amigo" à Ucrânia.

Só que esse preço "amigo" vem com um alto preço que eu já referi aqui várias vezes.

A única hipótese que a Ucrânia tem de se libertar do abraço russo é pagar preços de mercado pelo o gás.

Para isso é preciso dinheiro. E você não arranja dinheiro com imaginação.

Jose Milhazes disse...

Caro PM, não sei onde vai buscar dados para afirmar que a Ucrânia não poderá respirar sem a ajuda da Rússia. Repete-se a propaganda soviética sobre que os países satélites não poderiam viver sem ajuda de Moscovo, propaganda repetida pela actual direcção russa. A Ucrânia tem todas as condições para ser um Estado independente e é isso que você e alguns dirigentes russos não querem compreender. Ianukovitch não é nenhum servo do Kremlin e, goste-se ou não do presidente, ele está a manobrar no campo internacional de forma inteligente. E volto a recordar: é verdade que a Ucrânia e a UE necessitam de gás e petróleo russos, mas também a verdade que a Rússia necessita de vender gás e petróleo, pois continua a viver quase exclusivamente disso.

Pippo disse...

"é verdade que a Ucrânia e a UE necessitam de gás e petróleo russos, mas também a verdade que a Rússia necessita de vender gás e petróleo, pois continua a viver quase exclusivamente disso."

Pois é, mas a diferença é que a Rússia já está a reorientar a sua exportação para a China, enquanto a Ucrânia e a Europa Ocidental não têm grandes alternativas, nem a curto, nem a médio ou longo prazo.

Além disso, da forma como os mercados estão, não me parece que, de momento, a Ucrânia possa obter financiamento para a sua economia.

Jose Milhazes disse...

Caro Pipo, as negociações sobre fornecimentos de combustíveis entre a Rússia e a China decorrem com bastantes dificuldades, pois Pequim não quer pagar o que os russos pedem. Por isso, as coisas não são assim tão fáceis.

Jest nas Wielu disse...

off top

No dia 17 de Dezembro de 1933 uma manifestação dos ucranianos foi atacada em Chicago nos EUA pelos comunistas por denunciar Holodomor na Ucrânia:
http://ukr-vintage.livejournal.com/63022.html

Zhirinovsky "The Bear" disse...

A Ucrânia é a Argentina do Leste Europeu...

PortugueseMan disse...

Caro PM, não sei onde vai buscar dados para afirmar que a Ucrânia não poderá respirar sem a ajuda da Rússia. Repete-se a propaganda soviética sobre que os países satélites não poderiam viver sem ajuda de Moscovo, propaganda repetida pela actual direcção russa...

Meu caro, eu até gosto muito de conversar com dados na mesa e sempre que acho importante ou que me solicitem eu forneço dados para justificar a minha posição.

Agora, da mesma maneira que sei que 2+2=4, não há nada que possa fazer se você insistir que seja 5.

Assim que a Ucrânia passou a pagar preços de mercado pela a energia, o país faliu. Nem um ano durou nessas condições, foi logo a correr ao FMI para ver se não rebentava de vez. Se ainda agora está à tona a conseguir respirar qualquer coisa é exactamente pelo facto da Rússia estar a ajudar com energia subsidiada.

Mas se você conseguir mostrar aqui um dado concreto sobre a viabilidade da economia ucraniana e que mostre que estou errado, por favor não retenha esse conhecimento só para si.

É que vir para aqui dizer que a realidade das coisas é propaganda soviética baseado em balões de ar quente não pega. Já não estamos no antigamente e as pessoas não tem como única informação o Pravda.

...A Ucrânia tem todas as condições para ser um Estado independente e é isso que você e alguns dirigentes russos não querem compreender...

Claro. E a maneira que arranjou para mostrar isso, foi pedir gás subsidiado ao ÚNICO país que poderia fazer isso. E eu é que não quero compreender as coisas...

Jose Milhazes disse...

Caro PM, a Ucrânia paga preços de mercado pelo gás, e não subsidiados. Uma das razões do descontentamento do actual governo ucraniano com os contratos assinados por Iúlia Timochenko reside no facto de a Ucrânia pagar preços excessivos pelo gás russo. Informe-se melhor. E não se esqueça de incluir nos cálculos o preço do trânsito do gás russo para a Europa.

PortugueseMan disse...

...Ianukovitch não é nenhum servo do Kremlin e, goste-se ou não do presidente, ele está a manobrar no campo internacional de forma inteligente...

Como já disse anteriormente, dado a "ajuda" que a Rússia deu à Ucrânia, um alto valor terá que ser pago. Também disse que o grande desafio de Ianukovitch é como fazer isso e explicá-lo à população. É que vem aí notícias muito más (ainda mais) para os ucranianos e parece-me que ele está a tentar desviar a fúria que virá para Timochenko, culpando-a do desastroso acordo do gás, que terá que ser cumprido de uma maneira ou de outra.

Ianukovitch vai ter que dar aos russos o que eles querem e muitas empresas que estão no poder dos ucranianos vão passar para controlo russo. como se isto não fosse já muito mau, falta ainda implementar o plano do FMI, dado que eles também foram pedir ajuda a esta organização. E ainda tem pessoas que acham que o país tem as condições para ser independente...

Vou colocar aqui um artigo deste ano, para ver se estamos todos SINTONIZADOS no que aí vem, para os ucranianos ALÉM de tudo o que vão ter que "oferecer" aos russos:

IMF rep says no talks with Ukraine until reforms passed

Ukraine must pass vital financial and pension reforms before it can resume talks with the International Monetary Fund to resume a suspended loan programme...

...Ukraine's $15 billion IMF programme has been effectively frozen by Kiev's refusal to implement unpopular austerity measures such as raising the retirement age and hiking consumer gas prices by 50 percent.

The IMF refused to release a $1.6 billion loan tranche scheduled in March after the government failed to pass a pension reform bill and watered down gas price increases for households.
...


http://www.reuters.com/article/2011/05/16/ukraine-imf-idUSLDE74F1E220110516

A tranche do FMI não saiu, porque as reformas dolorosas para a população estão à porta e a vida não tem sido fácil para os ucranianos. Como é que Ianukovitch vai implementar o que está a ser exigido pelo o FMI sem ser crucificado? Quem colocou a Ucrânia nesta situação foi o governo anterior e parece-me que ele está a tentar fazer isso, que a população aponte as baterias para o governo anterior enquanto ele se prepara para anunciar as más notícias que não consegue adiar mais.

Mas claro, se retirarmos estas "questõezinhas" de somenos importância a Ucrânia tem todas as condições para ser independente...

PortugueseMan disse...

Ucrânia paga preços de mercado pelo gás, e não subsidiados.

Como?? Ora explique-me lá isso melhor.

Jose Milhazes disse...

Caro PM, eu disse-lhe para se informar. O que leva o Governo da Ucrânia a pôr em causa a legitimidade dos contratos assinados por Timochenko? Os preços subsidiados?

PortugueseMan disse...

Caro PM, eu disse-lhe para se informar

Não brinque comigo.

O gás é subsidiado e isso sempre foi falado.

Onde é que você foi buscar a ideia de que não é, não faço a mínima ideia.

Não me diga para eu ir informar-me, você precisa URGENTEMENTE consultar as suas fontes e a sua credibilidade, porque não consigo imaginar quem possa estar a dizer que o gás não é subsidiado.

Jose Milhazes disse...

Caro PM, deixo-lhe aqui as declarações de Boris Nemtsov, político liberal russo que entende na matéria e não pode ser acusado de pretender caluniar Timoichenko: "Iúlia Vladimirovna, na vésperas das presidenciais, tinha de regularizar de qualquer forma o conflito com Moscovo em torno do gás.
Quem conhece o seu carácter, não tem dificuldade em adivinhar que o desconto no preço do gás por um período de dois anos lhe permitia ganhar pontos para essas eleições. Ela estava convencida da vitória e pouco lhe preocupava o que iria acontecer depois, nomeadamente no que respeita ao preço do gás.
Ela não supunha que os preços do petróleo iriam ser superiores a 100 dólares por barril e os descontos iriam desaparecer.
Ela também não sabia que, em 2011, o preço do gás para a Ucrânia seria mais alto do que para a Alemanha e Itália. Ela não entendeu que para o amigo Berlusconi e para o principal parceiro de Putin, a Alemanha, a Gazprom iria fazer descontos maiores do que os 20% para a Ucrânia
Estamos perante o comportamento aventureiro clássico de Iúlia Vladimirovna, mas aqui não cheira a crime".

PortugueseMan disse...

Meu caro,

Isso não são dados. Não explica a sua posição de que a Ucrânia está a pagar preços de mercado e o que está aí dito tem muito que se lhe diga.

Mas preciso de tempo para isso, retomamos a conversa assim que puder pois de momento tenho que me ausentar.

P.S. E veja lá bem, essa sua ideia que de a Ucrânia paga preços de mercado.

MSantos disse...

Muito pelo contrário a informação está lá e confirma o facto de a Ucrânia não estar a pagar os preços de mercado:

"e para o principal parceiro de Putin, a Alemanha, a Gazprom iria fazer descontos maiores do que os 20% para a Ucrânia"

E se a Ucrânia foi preterida em relação à Alemanha, todos nós sabemos as razões.

Cumpts
Manuel Santos

António Campos disse...

Pra ajudar a esclarecer esta trabalhada, há que adiantar que o “desconto” russo sobre o gás foi uma trafulhice, uma vez que, ainda que tenha tido como base um desconto inicial de 100 dólares/Mm3, continua a ser usada a fórmula do cálculo do preço negociada em 2009 entre Putin e Tymoshenko, que considera um preço base superior ao negociado para os países da Europa ocidental. Com base nessa fórmula, os preços andaram a subir cerca de 25 dólares/Mm3 a cada trimestre e é por isso que neste momento o preço do gás para a Ucrânia está muito próximo do praticado pela Gazprom para a Europa, sendo nalguns casos até superior. De facto, em 2010, o Reino Unido pagou à Gazprom em média 191 dólares/Mm3; a Alemanha e a Finlândia pagaram em média 271 euros/Km3. Tendo em conta que o preço médio pago pela Ucrânia em 2010 andou em torno dos 250 euros, (tendo atingido os 295,6 dólares/Mm3 na fronteira oriental no segundo trimestre deste ano) e que a Gazprom afirmou, segundo a Reuters, que os preços para a Ucrânia no final de 2011 iriam atingir os 500 dólares, o mesmo preço médio avançado para a Europa Ocidental, não consigo ver em lado nenhum onde é que se meteram os tais “subsídios”…para não falar no facto de a Ucrânia ter sido entalada forte e feio com uma fórmula de cálculo do preço de trânsito que produz valores excessivamente baixos, também negociado por Tymoshenko.

É só rir…

António Campos

PortugueseMan disse...

Ora vamos lá a ver, podemos recordar o que foi escrito aqui no ano passado:

Rússia reduz preço do gás à Ucrânia em troca de prolongamento de presença militar no Mar Negro

A Rússia reduzirá em 30% o preço do gás vendido à Ucrânia, um desconto considerado uma compensação pelo prolongamento do prazo de aluguel da base naval russa da Crimeia...

...Os nossos parceiros ucranianos terão um desconto no preço do gás que chegará a 100 dólares se o preço (por 1.000 metros cúbicos) for de 330 dólares. Se o preço for inferior, será 30% do preço", disse Medvedev...


http://www.blogger.com/comment.g?blogID=25069983&postID=3754597369021182912

Aconselho a rever o artigo e a rever também os comentários, está lá a minha opinião e de outros comentadores, também.

A Ucrãnia está a ter um desconto de 30% o que permitiu pagar valores a rondar os 220 dólares, e desde que o preço de mercado não excedesse os 330 dólares, o desconto de 30% é aplicado. Acima deste valor, bate no tecto máximo que o acordo definiu, o valor máximo de desconto aplicável é de 100 dólares.

É necessario recordar que os valores que a Ucrânia não suportou pagar andavam nos 300 dólares. Com valores destes a Ucrânia foi-se abaixo.

O desconto russo negociado em 2010, protegeu a Ucrânia de valores destes, pois até sensivelmente Abril de 2011 (um ano depois do acordo) o preço não excedeu os 330 dólares, sendo aplicado valores de desconto muito próximos do máximo acordado, os 100 dólares.

O problema é que este ano, o gás não tem parado de subir, e a este ritmo de subida, a GAZPROM indicou que podem ser atingido os 500$ dólares no Inverno com o aumento da procura.

Se for atingido por exemplo este valor, sendo o máximo de desconto de 100 dólares, a Ucrânia estará a pagar no Inverno 400$.

Isto é um preço LETAL para a Ucrânia. A Ucrânia afundou, já tem empréstimos do FMI, descontos da Rússia e não tem por onde fugir.

Resultado: como eu disse no passado a Ucrânia vai ter que pagar e MUITO pelo desconto actual, mas para ser protegida de valores de energia como os que se esperam para o final deste ano, a minha imaginação não chega a tanto.

A Ucrânia está enfiada num autêntico molho de bróculos e considero impressionante como é que alguém pode pensar que é um país com todas as condições para ser independente.

O país arrisca-se a enfiar-se num conflito interno GRAVE.

Jest nas Wielu disse...

Enfim, se ela foi menos honesta, partilhou os lucros com Putin-Medved e Gazprom...

PortugueseMan disse...

...Caro Pipo, as negociações sobre fornecimentos de combustíveis entre a Rússia e a China decorrem com bastantes dificuldades, pois Pequim não quer pagar o que os russos pedem. Por isso, as coisas não são assim tão fáceis...

Caro JM,

O Pippo está correcto na sua observação. Não interessa se as negociações são mais ou menos duras, mais ou menos longas. É normal dado que estão a negociar um contrato de longo prazo.

Mais cedo ou mais tarde, a Rússia vai começar a enviar para o mercado asiático grandes quantidades de energia.

Da mesma maneira que mais cedo ou mais tarde a Rússia vai ter novas ligações com a Europa, diminuindo significativamente o papel da Ucrânia.

A Ucrânia num contexto energético para a Europa, deixa de ter importância, sendo apenas mais um país de trânsito disponível.

É excelente para a segurança energética europeia, é péssimo para a Ucrânia.

MSantos disse...

Caro PM

A situação da Ucrânia face à Rússia é tristemente análoga à portuguesa face ao FMI.

Em ambos os casos, eles subsidiam-nos a economia e ficam com os monopólios estatais lucrativos.

Cumpts
Manuel Santos

MSantos disse...

E já agora se a Ucrânia está tão mal servida com o gáz russo, porque não tem alternativas melhores no mercado do gáz?

Cumpts
Manuel Santos

Jose Milhazes disse...

Caros PM e MSantos, porque será que a actual direcção ucraniana pró-russa está a julgar a antiga primeira-ministra que assinou um acordo tão vantajoso com a aliada Rússia sobre fornecimentos de gás? O que leva o actual primeiro-ministro russo, pró-russo, que não fala ucraniano, a exigir a revisão dos contratos?
Caro MSantos, a Ucrânia não tem alternativas ao gás russo, porque uma das vias de transporte do gás russo para a Europa atravessa a Ucrânia.

PortugueseMan disse...

Caro JM,

Escapa-me algo. Que contrato vantajoso é que ela assinou? O que ela assinou implicava preços de mercado para 2010. Acha isso vantajoso?

...O que leva o actual primeiro-ministro russo, pró-russo, que não fala ucraniano, a exigir a revisão dos contratos?...

Bom, eu já respondi a isto, se o preço de mercado chegar aos 500$ consegue a Ucrânia pagar 400$? não consegue, eles vão ter que renegociar, melhor dizendo SUJEITAR às condições que os russos vão colocar.

...Caro MSantos, a Ucrânia não tem alternativas ao gás russo, porque uma das vias de transporte do gás russo para a Europa atravessa a Ucrânia.

Disparate meu caro. A Ucrânia não tem alternativas, porque as alternativas cobram preços de MERCADO.

Jose Milhazes disse...

PM, essa dos disparates, bem, deixo sem comentário. Então explique lá, quando é que a Rússia fez os descontos? E porque é que a actual direcção ucraniana está tão indignada?

PortugueseMan disse...

Desculpe lá, está a brincar comigo?

Você ainda acha que a Rússia não aplicou descontos? você desconhece que o contrato estipulava que em 2009 pagariam 80% do valor de mercado e em 2010 pagariam preços de mercado?

Você sabe ou não sabe das condições do contrato que foi assinado?

Você parece estar a comentar um assunto que desconhece.

E além de colocar APENAS peguntas devia responder às minhas questões.

Porque afirma que o contrato assinado é vantajoso?

Anónimo disse...

A Ucrânia deveria urgentemente investir em novas fontes de energia se quiser algum dia ter um sopro de indepenência em relação a Rússia. Um bom exemplo para a Ucrânia seria o Brasil, já que as condições lá sãp favoráveis, eles poderia como aqui, no Brasil, investir fortemente em Usinas Hidroelétricas. Um alternativa tb pederia ser a participação da Urânia nesse projeto de trazer gas do Arzebaijão.

MSantos disse...

"Caro MSantos, a Ucrânia não tem alternativas ao gás russo, porque uma das vias de transporte do gás russo para a Europa atravessa a Ucrânia."

Não concordo. A Ucrânia poderia construir terminais LNG nos seus portos do Mar Negro e receber abastecimentos, por exemplo da Argélia, tal como nós. Não há nenhuma lei da física que impeça inverter o sentido em que o gáz flui, podendo ele vir da Europa Ocidental que o receberia por sua vez por terminais marítimos LNG.

Porque tal não acontece? Porque esta via obviamente tornaria o preço incomportável face à alternativa russa.

E acho triste que os habituais defensores do fundamentalismo de mercado quisessem ver esse mesmo mercado subvertido, o qual tanto defendem, só para prejudicar o país pelo qual nutrem um ódio obssessivo: a Rússia.

Cumpts
Manuel Santos

MSantos disse...

"Caros PM e MSantos, porque será que a actual direcção ucraniana pró-russa está a julgar a antiga primeira-ministra que assinou um acordo tão vantajoso com a aliada Rússia sobre fornecimentos de gás? O que leva o actual primeiro-ministro russo, pró-russo, que não fala ucraniano, a exigir a revisão dos contratos?"

Porque talvez a actual direcção pró-russa zele mais pelos interesses do seu país do que a anterior cujo objectivo era apenas afrontar cegamente em todos os aspectos a Rússia, em nome de um atlantismo doentiamente caceteiro e totalmente subserviente e que no caso da senhora serviu apenas os seus joguetes pessoais.

Talvez.

Outra razão que ainda considero mais válida é a do PM ao referir que se preparam para inputar à senhora a responsabilidade da situação que aí vem.

Cumpts
Manuel Santos

PortugueseMan disse...

...se preparam para inputar à senhora a responsabilidade da situação que aí vem...

E até confesso sentir alguma pena por ela se de facto é isso que o governo procura agora, um bode expiatório para as medidas que aí vêm.

Quem deveria estar no banco dos réus era o Yushchenko, esse é o principal culpado da situação do país. Como é possível alguém prejudicar tanto a sua pátria, as opções deste homem, comprometeram o futuro do país.

Acusar Timochenko do contrato que fez, ela na altura fêz o que pôde e conseguiu arranjar descontos de 20% foi uma sorte, o país já estava a mergulhar no abismo e Putin estava danado.

A Ucrânia colocou em causa a Rússia como fornecedor fiável e a imprensa só falava nisso, a imprensa nunca colocou em causa a Ucrânia como país trânsito responsável.

O verniz estalou e Timochenko tentou salvar o que pôde, mas foi um contrato duro para a Ucrânia e ditou o destino para as eleições de 2010.

Mas por vontade de Yushchenko, eu não sei, ele queria forçar a situação e tentar prejudicar a Rússia de qualquer modo, sem querer saber o que a Ucrânia iria pagar por isso.

Para mim, é um traidor da pátria. O que ele fez foi meter a Ucrânia no lodo e para mim para tirar de lá o país, vão ser preciso anos e anos, décadas mesmo.

Jose Milhazes disse...

PM, sim, é para si, e releia o que Boris Nemtsov disse.

MSantos disse...

Nada do que Nemtsov referiu desmente a linha de pensamento do PM com a qual também concordo.

Falámos milhentas vezes neste blog quais eram as verdadeiras intenções do Sr Iushenko, e sobre o objectivo final de trazer um bastião da aliança militar atlântica dirigido ao coração da Rússia. A sua obessessão neste sentido era óbvia: tudo passava pela integração da Ucrânia na NATO, não olhando à sua dependência económica do vizinho russo chegando ao ponto de querer gáz subsidiado pela Rússia e albergando a potêncai antagonista desta.
O resultado foi o previsível.

Cumpts
Manuel Santos

PortugueseMan disse...

Seja.

...Iúlia Vladimirovna, na vésperas das presidenciais, tinha de regularizar de qualquer forma o conflito com Moscovo em torno do gás...

Disparate.

Nas "vésperas" das presidenciais?! o gás CORTADO para a Europa em PLENO Inverno e o que ela pensava era nas presidenciais de 2010?! Esta tem piada.

...Quem conhece o seu carácter, não tem dificuldade em adivinhar que o desconto no preço do gás por um período de dois anos lhe permitia ganhar pontos para essas eleições...

Disparate e ignorância.

O desconto do gás era só para 2009, 2010 seria praticado preços de mercado e seria com estes valores que ela iria ganhar pontos para as eleições?! ela quando assinou o contracto, acabou com qualquer hipótese de ganhar eleições! É imaginar a situação que a Ucrânia não estava para ela assinar a sua própria sentença de morte política.

...Ela não supunha que os preços do petróleo iriam ser superiores a 100 dólares por barril e os descontos iriam desaparecer...

Não posso classificar isto como disparate, é mesmo outra coisa.

...Ela também não sabia que, em 2011, o preço do gás para a Ucrânia seria mais alto do que para a Alemanha e Itália...

Disparate.

Mas o que é que os preços de 2011 para OUTROS países, tem a haver com os descontos praticados para a Ucrânia? Que raio de frase é esta, se quando ela assinou o contrato, estava estipulado que estariam a pagar preços de mercado em 2010?

Conclusão:

O que você me mandou ler, não tem ponta por onde se pegue, é LIXO. É colocar directamente no caixote.

Anónimo disse...

Sr, Manuel dos Santos,

Que obsessão ridícula para achar uma teoria conspiratória que ponha os EUA no centro de disputas de poder em todo o canto do globo terrestre. Pois fique sabendo que a atual administração da Casa Branca nao dá a mínima para a Europa do Leste. Não é mais um região prioritária. Agora os EUA se concentram muito mais no mundo árabe. É uma pena, eu acho isso lamentável. Os EUA não sabem o quanto perdem negligenciando essa região, uma Rússia influente e poderosa é uma ameaça a civilização ocidental e aos nossos valores. Não é à toa que a Rússia retomou sua influência em quase toda aquelas repúblicas soviéticas onde ocorrem as tais "revoluções coloridas". Maldito Obama! Nao não consigo engolir isso, como que alguém que vive e nasceu no Ocidente pode ser tão contr[ario a esse modelo de civilização. Eu me questiono o que vcs querem? Um novo regime como aquele, o nazista? O comunismo? O problema do Ocidente é que seus inimigos estão dentro de sua própria fronteira tb, ao contrário da Rússia que, como não é democrática, não admite a diferença de opinião. Veja o que eles fazem com alguém que é pró-ocidente lá na Rússia! As mais terríveis perseguições. Enquanto que aqui, graças a nossa democracia, vc pode entrar num blog para critica-la, tente criticar o poder na Rússia. Pois, eu amo a civilizaçao Ocidental, a mesma que criou a Filosofia, as Ciencias, a democracia, direitos humanos e etc...

PortugueseMan disse...

Quanto ao ACampos,

Lamento mas mixórdias com dados em dólares, euros e kms sem indicação das fontes dos valores e sabendo como ele gosta de manipular a informação a seu bel-prazer, não é comigo.

Gostos são gostos e se você gosta disso tem todo o direito.

PortugueseMan disse...

Quanto a você meu caro.

Você não é capaz de admitir que mentiu. Você afirma que a Ucrânia paga preços de mercado e tal não é verdade. Você diz que o contrato é vantajoso e é mentira.

E você insulta-me, dizendo que eu é que ando a fazer propaganda soviética, e em vez de responder às questões que lhe coloquei DIRECTAMENTE, manda-me ler LIXO.

Para uma pessoa que anda a publicar livros sobre o passado, distorcer um passado recente como o ano de 2009, parece-me a mim no mínimo estranho.

Jose Milhazes disse...

Leitor PM, você deve ser o único inteligente aqui, mas os seus cálculos sobre os políticos e as eleições merecem ser sublinhados. Acho que deve aprofundar os seus conhecimentos sobre política, principalmente da Ucrânia.

MSantos disse...

Caro anónimo das 02.08

O Sr fez-me o favor de reforçar os meus argumentos ao referir os principais pontos do globo onde os EUA estão a fazer as suas jogadas estratégicas. Rica legitimidade. Os EUA na Europa de Leste. Seria muito engraçado a Rússia establecer bases no México. Caso andasse atento ao que por aqui se escreve constataria que não tenho obessessão pelos malefícios dos EUA, nação que contem muitas das minhas referências, mas quando muito por determinada facção político-económica que pelos vistos é a sua.
Fala em nome do Ocidente mas pelos vistos temos conceitos opostos do que deveria ser o Ocidente. E o seu Ocidente já não tem a ver com direitos humanos mas sim com "economia de mercado".
Penso que me entenderá.
A tal civilização ocidental que falou no seu último parágrafo já não existe e tristemente é essa que tenho por referência. Se preza tanto estes valores, não andará o meu amigo enganado? E já agora porque com 20 anos de aplicação dessa vossa "maravilhosa" utopia, o mundo está na situação em que está, em particular o Ocidente?
já sei o que vai responder:
por causa do socialismo.

Cumpts
Manuel Santos

MSantos disse...

E apenas uma questão: se o senhor mandasse o que faria àqueles que entende como inimigos como é o meu caso?

Cumpts
Manuel Santos

Anónimo disse...

Segundo julgo saber, Iulia Timochenko já era arguida num processo do tempo da União Soviética, por fraude ou desvio de fundos, enquanto responsável política da URSS na Ucrância. Penso que havia até um mandato de captura da autotidades judiciais russas contra ela.

Paulo Glória