domingo, agosto 21, 2011

Blog do leitor (Desconhecidos bandeirantes ucranianos)

 

Texto traduzido e enviado pelo leitor Jest:


"Durante longo período da ocupação soviética da Ucrânia, a bandeira nacional ucraniana era proibida e a sua posse ou exposição pública era sentenciada com a pena de morte ou a prisão nos campos de concentração.
por: Andriy Kvyatkovskiy *
Na Ucrânia o Dia da Bandeira Nacional é celebrado duas vezes, no dia 24 de Julho apenas em Kyiv (por ocasião do içamento da bandeira nacional na Câmara Municipal de Kyiv em 1990) e no dia 23 de Agosto, festa nacional estabelecida pelo Decreto presidencial de 2004 (o içamento da bandeira nacional no parlamento ucraniano em 1991). Mas nem sempre foi assim...
Em 1958 na aldeia de Verbytsya no distrito de Khodoriv na província de Lviv foi criado um grupo clandestino que içava as bandeiras nacionais e divulgava os folhetos anti-soviéticos. Em 1962 (durante a “primavera” de Khrushev!), o líder do grupo, Fedir Protsiv foi sentenciado à morte, outros 6 resistentes receberam as penas de prisão entre 8 à 15 anos.
Em Novembro de 1961 na aldeia de Vytvytsya na província de Ternopil, o miliciano soviético Mykhaylo Dyak içou a bandeira ucraniana. Ele não foi descoberto e serviu de inspiração para a criação da Frente Nacional Ucraniana, organização clandestina activa até 1967.
No dia 1 de Maio de 1966 dois jovens operários ucranianos, o serralheiro Georgiy Moscalenko e trabalhador da construção civil, Viktor Kuksa trocaram a bandeira soviética vermelha pela bandeira ucraniana no edifício do Instituto da Economia Popular de Kyiv (onde desde os anos 1960 estudavam os bolseiros da África lusófona). A bandeira ucraniana continha tryzub e as letras do Hino nacional ucraniano (também proibido na URSS). Quase um ano o grupo especial do KGB procurou pelos autores do acto corajoso, no fim eles foram sentenciados à 2 e 3 anos da prisão nos campos de concentração em Mordóvia. A procuradoria geral da Ucrânia já independente dificultou o processo de reabilitação do Georgiy Moscalenko e Viktor Kuksa, mas acabou por ceder perante a pressão da sociedade civil.
Para comemorar o 55° aniversário da proclamação da República Popular da Ucrânia Ocidental (ZUNR), na noite de 22 de Janeiro de 1973 na vila de Chortkiv, província de Ternopil, foram içadas 4 bandeiras nacionais e espalhados diversos folhetos. O povo repetia a frase do guarda do cinema local, onde foi hasteada uma das bandeiras: “Á noite olho – a vossa bandeira, de manha vejo – a nossa bandeira”. A acção era da autoria dos 9 jovens activistas da aldeia vizinha de Rosokhach, quase todos eles foram presos e enviados aos campos de concentração da Mordóvia.
O aposentado ucraniano Borys Zakharovych Nebesnyuk também tem uma história ímpar. O seu pai era camponês, em 1958 passou um ano na prisão pelo roubo de um saco de feno no kolkhoz. Tio – Vasyl Nebesnyuk foi membro da OUN desde década 1930, comandava uma unidade do UPA e morreu em combate em 1948.
Em 1964 Borys Nebesnyuk foi graduado pela escola de enfermagem de Kharkiv e enviado ao kolkhoz para ajudar na lavoura de repolho na província de Dnipropetrovsk (prática comum na URSS). Na escola de enfermagem, ele fazia parte de um grupo patriótico clandestino de 11 estudantes, chefiado pelo professor Hryhoriy Pysarenko. Professor Pysarenko pertencia à uma família ucraniana patriótica, alegadamente, ele manteve os contactos directos com os dissidentes ucranianos em Kyiv.
Juntamente com Nebesnyuk, foram enviados ao kolkhoz mais dois membros do grupo, Vasyl Osadchuk e Dmytro Sobolyuk, ambos tiveram os familiares a lutar no UPA. Nas vésperas do aniversário do golpe comunista de 1917, celebrado anualmente no dia 7 de Novembro, eles decidiram trocar a bandeira vermelha do clube local pela bandeira ucraniana. Compraram quatro camisas checoslovacas de nylon, duas azuis e duas amarelas, pediram sua amiga local, Zina, para fazer a bandeira. A rapariga não sabia o que fazia, disseram que era a bandeira estudantil. Zina não foi descoberta, ninguém do grupo denunciou-a. Os nossos “bandeirantes” nem sabiam direito a ordem da colocação das faixas na bandeira, que ficou “amarela e azul”, em vez de azul e amarela.
Quando a bandeira foi hasteada, o chefe do comité local do partido comunista avisou o KGB. Dois rapazes foram presos imediatamente, Borys Nebesnyuk fugiu, mas também foi rapidamente detido. A investigação se desenrolou em Kharkiv, ninguém denunciou os restantes colegas do grupo clandestino. O julgamento público decorreu no recinto da fábrica Malyshev em Abril de 1965. Os estudantes locais eram obrigados assistir o julgamento e gritar “Fu-zi-lar! Fu-zi-lar! Ban-deris-tas!”
Primeiramente, a sua sentença era de apenas 2 anos da cadeia, ao abrigo do artigo 140 do código penal ucraniano (“Roubo”), foram acusados de roubar as camisas compradas legalmente. Apenas dois meses antes do fim da pena foi feito o novo julgamento, eles foram acusados ao abrigo do artigo 142, parte 3 (“Roubo à mão armada que causou danos físicos severos”). Foram sentenciados à pena capital, que após apelação ao procurador – geral da URSS foi comutada para 15 anos da cadeia, mais 5 anos de degredo. Desta vez os amigos foram separados e Borys Nebesnyuk desconhece o seu destino. Ele cumpriu a pena em Kharkiv, em 1967, por ocasião do 50° aniversário do poder soviético foram lhe “perdoados” 4 anos, em 1970 (100° aniversario do nascimento do Lenin) “perdoaram” lhe dois anos do degredo. Também foram contabilizados dois anos da primeira pena. Assim Borys Nebesnyuk saiu em liberdade em 1972.
Viveu o degredo na república autónoma russa de Komi. Só em 1975 voltou para Ucrânia sem direito de viver nas grandes cidades (a regra do “101° quilómetro”). Trabalhou na construção civil. Aposentado desde 2006, a sua pensão é de 287 UAH (36 USD). Não foi reabilitado, pois era condenado pelos artigos “criminais”. A prática soviética e ucraniana determinava que os dossiers dos casos criminais (diferentemente dos casos políticos), eram guardados nos arquivos do Ministério do Interior durante um certo período de anos, depois eram destruídos. No caso do nosso “bandeirante”, desde a sua detenção já decorreram 47 anos...
Fonte:
* Sobre o autor: jornalista, editor do jornal ucraniano lendário “Post-Postup”, co-autor do livro “Cemitério de Lychakiv” (ISBN 9667188280)."

34 comentários:

Jest nas Wielu disse...

off top:

artigo interessante sobre o rock soviético:
http://musicstyles.org/sovetskij-rok/
pervye-zapisi-i-politika-zapreta/

Francisco Lucrécio. disse...

É permitido aos nacionalistas da Crimeia desfraldar as suas bandeiras? Porque não é permitido um referendo sobre o estatuto da Crimeia?

Jest nas Wielu disse...

2 Francisco Lucrécio 18:13
1) Os nacionalistas da Crimeia que desfraldam as suas bandeiras são enviados directamente para o campo de concentração no Metro de Lviv (http://lviv-metro.livejournal.com)

2) Porque não é permitido um referendo sobre o estatuto da Crimeia? Porque os Tártaros da Crimeia tem planos secretos de votar o retorno ao Imprério Otamano.

Anónimo disse...

Sr. Lucrécio,

É permitido aos nacionalists da Checênia desfraldar a bandeira de seu país? Do Daguestão?

A comparação é absruda, lembre-se de que a Criméia pertencia a Turquia, foi a Rússia que invadiu aquilo lá e tomou a península dela. Um pouco mais de histõria e menos retórica não faz mal a ninguém.

Francisco Lucrécio disse...

Jest.

A este tipo de respostas, diz-se na minha terra, fugir com o rabinho à seringa.

Anónimo disse...

Rrrronc! Que interess... uaaah (bocejo!)... ante.

Jest nas Wielu disse...

2 Francisco Lucrécio 22:38

Franc, V. Excia faz perguntas comicas e quer as respostas serias?

Zuruspa disse...

Pensava eu que "bandeirantes" eram exploradores, que se metiam pelas florestas desconhecidas para descobrir o que lá havia.

Com o tamanho da URSS e pouca populaçäo, näo me admirava que houvessem expediçöes semelhantes às do Brasil.

Afinal é só... enfim... e os anónimos que nem sabem que cada república russa tem bandeira própria, "desfraldável" quando os nacionais quiserem... se calhar näo podem é desfraldar a da Al-Qaeda!

Pippo disse...

A Crimeia não pertencia a Turquia, era antes um Canato autónomo que reconhecia a suserania otomana, suserania essa a que a Turquia renunciou, por tratado, no séc. XVIII (Tratado de Küçük Kaynarca). Só depois destre Tratado é que a Crimeia foi ocupada pelo Império Russo.

Conhecer História como deve de ser não faz mesmo nada mal a ninguém.

Zhirinovsky "The Bear" disse...

A Criméia é da Rússia, e a Frota Russa do Mar Negro nunca irá ser transferida de SEVASTOPOL!!!

E não se esqueçam que a população desta península é de maioria russa, e a lingua mais falada na Criméia é o russo... Portanto, é só uma questao de tempo para esta península se separar da Ucrania!!!

Anónimo disse...

Pippo,

A Criméia foi invadida e tomada dos turcos. A Rússia aumentou grande parte do seu território com conquistas e invasões.

Zhirinovisk, The Bear,

A Rússia usa o exemplo da Abkázia e Ossétia do Sul para amedrontar a Ucrânia em relação a Criméia e a Modálvia em relaçao a Transnídria. A Rússia, no tempo da URSS, estimulou a imigração de Russos nesses países eatamente para ter uma justificativa para invadir esses países.

Jest nas Wielu disse...

2 Zhirinovsky "The Ursov" 21:30
O bom senso manda nunca disser "nunca", o exemplo do Gaddafi é ilustrativo lol

Curiosidade: o consul-geral da Rússia em Cuba é georgiano Zurab Peradze…
http://www.bbc.co.uk/portuguese/
noticias/2011/08/110818_cuba_urss_mm.shtml

Jest nas Wielu disse...

Selos da Ucrânia, desde a República Popular da Ucrânia (1918), passando pelo Governo ucraniano no exílio, até a Ucrânia independente:
http://www.istpravda.com.ua/artefacts/2011/01/27/18559/

Além disso, os selos da clandestinidade ucraniana:
http://www.istpravda.com.ua/artefacts/2010/10/18/628/

Zhirinovsky "The Bear" disse...

A Ucrania é a Argentina do Leste Europeu... Sempre em 2º lugar!!!

Anónimo disse...

Zhirinovsky

A selecção de futebol ucraniana é melhor que a selecção russa. A polaca também é melhor... lol

Jest nas Wielu disse...

2 Zhirinovsky "The Ursowsky" 14:43
Sabe, para dizer verdade, nem me importo de ficar sempre em 2º lugar, nem importo de parecer com Argentina...

p.s.
Não comenta nada sobre o “voo razante” do T-50? 5ª geração e tudo o resto...

Pippo disse...

"A Criméia foi invadida e tomada dos turcos."

Falso. Como eu disse, a Turquia (Império Otomano) não dominava directamente a Crimeia. O Canato da Crimeia reconhecia a suserania otomana, mas os otomanos renunciaram a essa suserania através de um tratado celebrado com a Rússia.
Posteriormente, a Rússia invadiu o Canato da Crimeia, o que foi bem merecido já que o Canato tinha atacado e invadido a Rússia milhentas vezes ao longo da sua História.

Mais uma vez, conhecer a História dá mesmo muito jeito.

"A Rússia aumentou grande parte do seu território com conquistas e invasões."

Pois, normalmente os países aumentam o seu território através de conquistas e invasões... conhece alguma excepção da qual nos queira informar?

Jest nas Wielu disse...

Crimeia: sempre me surpreendo com a linha do pensamento imperialista. Rússia pode invadir e ocupar e é “perfeitamente normal” e “historicamente aceitável”. Mas Ucrânia que herdou Crimeia através de um processo histórico já deve se sentir de alguma maneira diminuída, pois a razão histórica … já não se aplica aqui… lol

Pippo disse...

A Ucrânia herdou a Criméia através de uma atribuição efectuada nos tempos soviéticos, não foi?

Ora, se há ucranianos que contestam tanto os tempos soviéticos, a ponto de "postar" aqui as vicissitudes dos "bandeirantes ucranianos" ou de dizer que a Rússia é responsável por Katyn, etc., então esses mesmos ucranianos também terão de contestar esta atribuição soviética e, consequentemente, lutar pela devolução da Criméia à Rússia.

Posteriormente, seria a Rússia a tratar da questão da devolução da Crimeia aos tártaros, pois foi ela (e não a Ucrânia) quem invadiu e dasapossou os Tártaros do seu Canato.

Anónimo disse...

Viva a Ucrânia independente e parabéns pela liberdade conseguida por este grande povo.


Cumprimentos!

Anónimo disse...

"ou de dizer que a Rússia é responsável por Katyn"


E NÃO FOI? rs...

Anónimo disse...

Esse Pippo realmente não conhece história, por acaso a Guerra da Criméia foi a celebração de um acordo? A Rússia conseguiu esse território, que era legítimo dos turcos, através de guerras e invasões: http://pt.wikipedia.org/wiki/Guerra_da_Crimeia

Atenha-se à História e não a sua coveniência. A Rússia sim que cedeu a Criméia à Ucrânia através de um Tratado. Totalmente legítimo! A Criméia é da Ucrânia.

Pippo disse...

Ai Jesus, que cambada de ignorantes! E ainda por cima enterram-se com os artigos da Wikipédia com que pretendem justificar as suas afirmações néscias! :o)

A Guerra da Crimeia (leiam o artigo da Wiki com atenção, sff!) veio na sequência de uma guerra russo-turca nos Balcãs (e já agora, também no Cáucaso) e, sobretudo, devido à destruição da esquadra turca em Sinope (1853).

O Reino Unido, preocupado com a vulnerabilidade dos Estreitos (Bósforo e Dardanelos) face a uma investida da esquadra russa, a qual poderia ameaçar a navegação britânica no Mediterrâneo Oriental, atacou a Rússia com o fim de destruir a sua esquadra ancorada em Sevastopol.
A França aproveitou o embalo para se afirmar como protectora dos cristãos no Império Otomano (leia-se Líbano e Palestina), e a Sardenha/Piemonte entrou na guerra para se afirmar internacionalmente pois visava tornar-se (como veio a acontecer) o polo aglutinador de um futuro Reino de Itália.

Se os meninos quiserem realmente aprender, leiam umas coisas. Podem começar por aqui:
http://en.wikipedia.org/wiki/Treaty_of_K%C3%BC%C3%A7%C3%BCk_Kaynarca

(já agora, lê-se "KainarDJa", e não "KainarCa", pois em turco o "c" lê-se "dj", como em "djami" - "cami"=mesquita)

E o que é que o artigo da Wiki diz?

"The Crimea was declared independent, but the sultan remained the religious leader of the Tatars as the Muslim caliph. (...) Russia gained Kabardia in the Caucasus, unlimited sovereignty over the port of Azov, the ports of Kerch and Enikale in the Kerch peninsula in the Crimea, and part of the Yedisan region between the Bug and Dnieper rivers at the mouth of the Dnieper. This latter territory included the port of Kherson. (...) The Crimean Khanate, while nominally independent, was dependent on Russia and was formally annexed into the Russian Empire in 1783."

O correspondente artigo sobre a Crimeia (http://en.wikipedia.org/wiki/Crimea#Early_history) vem esclarecer algumas coisas:
"After the capture of Genoese towns, the Ottoman Sultan held Meñli I Giray [o líder tártaro] captive, later releasing him in return for accepting Ottoman sovereignty above the Crimean Khans and allowing them rule as tributary princes of the Ottoman Empire. However, the Crimean Khans still had a large amount of autonomy from the Ottoman Empire. In 1774, The Crimean Khans fell under Russian influence with the Treaty of Küçük Kaynarca and, in 1783, the entire Crimea was annexed by the Russian Empire."

Portanto - e isto é importante para não virem aqui armados em conhecedores de História - a Criméia era parte do Império Otomano, apesar de ser governada autonomamente (e não directamente, como a maior parte das províncias). A partir de 1774 passou a ser independente.
Portanto, quando foi invadida em 1783 (e não em 1853!), não pertencia ao Império Otomano.

Esclarecidos?

Quanto à atribuição da Crimeia à Ucrânia, não sabia que a Rússia tinha acordado isso... fico pois esclarecido.

Jest nas Wielu disse...

2 Pippo – Filipe 17:17
Nenhum Governo ucraniano pós-1991 jamais contestou as fronteiras pós II G.M., nem as fronteiras territoriais da URSS, como tal, Crimeia pode permanecer ucraniana lol

Tal como a questão de Cabinda hoje não diz respeito a Portugal, questão da Crimeia só diz respeito a Ucrânia.

Pippo disse...

"Nenhum Governo ucraniano pós-1991 jamais contestou as fronteiras pós II G.M., nem as fronteiras territoriais da URSS, como tal, Crimeia pode permanecer ucraniana lol"

Pois é, mas o problema é que a Rússia e a população russo-ucraniana da Criméia, mais dia menos dia, irão contestar as fronteiras ucranianas LOL

E se algum dia um governo ucraniano contestar as fronteiras pós II G.M., então terá muito território para devolver à Polónia LOOOOL

Jest nas Wielu disse...

2 Pippo Filipe 17:21
Cliché e mais uma vez clichés...
A populaça russa não se atreverá contestar nada, pois Yanukovich não é um democrata, como tal, qualquer separatismo será estrangulado de uma maneira algo brutal... Isso também vale para Polónia e para os seus advogados pippos ...

Bónus

As novas estradas da Geórgia:
http://cyxymu.livejournal.com/1008764.html

Pippo disse...

2 Jest (is on you)

Continue a ter ilusões!, mas quando o amigo moscovita já tiver a economia ucraniana completamente controlada (e já lhe faltou mais!), vai ser apenas uma questão de tempo até ele mostrar quem é que manda e mandar fazer uma pequena revolução na península.
Com ou sem líder "democrático" (como se o anterior Presidente ucraniano o fosse!), a Crimeia caminhará para uma autonomia cada vez mais alargada. Mais cedo ou mais tarde tornar-se-á virtualmente independente, e depois, quem sabe...

E se os jesters da Galícia se armarem em espertos, corta-se o aquecimento no Inverno para o Oeste da Ucrânia, só por causa das tosses! Por essa altura o gás já poderá ser livremente vendido à Alemanha sem necessidade de empecilhos por isso a Rússia não será afectada pelo corte.

Jest nas Wielu disse...

2 Filipe aka Pippo 23:15
Bem, espero que estes cenários lhe poderão servir de algum alívio na actual situação económica e financeira do seu próprio país.

Quando à Crimeia & gás: não há melhor maneira de verificar quem é que terá a razão do que esperar para ver...

Pippo disse...

2 Jest (is on you)

"Bem, espero que estes cenários lhe poderão servir de algum alívio na actual situação económica e financeira do seu próprio país."

E aliviam-me ainda mais quando vejo a situação económica, social, política e financeira do seu!!! LOL

Quando à Crimeia & gás, espere, sim, mas espere aí em Maputo, que é onde está mais quentinho, caso contrário ainda é capaz de se constipar :o)

Jest nas Wielu disse...

2 Filipe aka Pippo 22:10
Tudo bem, cada um é cada qual... Vejo que as leituras do Dugin e K˚ fazem que V. Excia fica aliviada com os problemas dos outros, é o habitual modus vivendi russo, nada a fazer...

Pippo disse...

Não, não é a leitura do Dugin, é a visualização das óperas tragicómicas ucranianas que nos são fornecidas pelo Jest de serviço LOL!!!

Jest nas Wielu disse...

2 Filipe aka Pippo 17:24
Bem, já que és um apreciador nato de cultura, então toma lá este verso, parece que foi especialmente escrito sobre e para si... (“Sobre mim e o meu vizinho Petrov”): http://primkray.ru/node/494

Pippo disse...

2 Jest aka Afric Dymon/Simon

Já que gostas tanto de pesia, toma lá estes versos:
http://simeao.blogspot.com/2004/11/gua-por-manoel-maria-barbosa-du-bocage.html

Jest nas Wielu disse...

2 Filipe aka Pippo aka Bocage
Talvez a diferença reside no facto do que os nossos poetas sabem escrever melhor, mesmo as obscenidades e pipos bocasges só escrevem aquilo…

p.s.
A história do Estado Clandestino da Polónia e da Armia Krajowa:
http://www.istpravda.com.ua/articles/2011/09/2/53816/