quinta-feira, dezembro 22, 2011

Será que Dmitri Medvedev ainda não se atrasou?

Ежегодное послание президента Дмитрия Медведева Федеральному Собранию РФ


O Presidente russo, Dmitri Medvedev, apresentou hoje um programa de reformas políticas com vista à modernização do sistema político na Rússia.
Pronunciado a poucos meses do abandono desse cargo, a sua mensagem ao Parlamento Russo é recebida como o seu programa à frente do Governo russo, pois Vladimir Putin prometeu nomeá-lo primeiro-ministro caso vença nas presidenciais de março de 2012.
Medvedev respondeu a algumas das mais importantes exigências da oposição russa, que se via impossibilitada de participar realmente na vida política, bem como de influir nas estruturas do poder: anunciou a eleição direta dos dirigentes das 83 regiões e repúblicas da Federação da Rússia e a remoção de barreiras com vista a permitir a participação das forças da oposição nas eleições parlamentares e presidenciais.
No fundo, Medvedev propõe a liquidação de barreiras criadas pelo seu antecessor e sucessor no cargo de Presidente da Rússia: Vladimir Putin.
O Presidente russo prometeu também continuar a luta contra a corrupção, um dos grandes obstáculos na via do desenvolvimento do país. Entre outras medidas, propôs o “controlo das depesas dos funcionários públicos” através das declarações de rendimentos e proibir a assinatura de acordos entre as estruturas estatais e empresas privadas controladas por familiares de funcionários públicos.
Dnmitri Medvedev fez um resumo dos avanços do país durante o período da sua presidência, sublinhando os êxitos no campo da natalidade e do aumento da esperança de vida, do aumento das pensões e salários.
No entanto, frisou que a Rússia deve estar pronta para enfrentar a grave crise económica mundial.
No campo da política externa, o dirigente russo sublinhou que o seu país irá continuar os processos de integração económica e militar com alguns dos serus vizinhos. Por exemplo, anunciou que a União Económica Euroasiática deverá estar criada até 2015.
Medvedev mostrou-se também disposto ao diálogo no que respeita à instalação de um sistema de defesa antimíssil conjunto na Europa com os Estados Unidos, mas frisou que “para isso é necessário que os nossos parceiros ocidentais nos ouçam”.
Caso contrário, lembrou que Moscovo tem resposta se os Estados Unidos avançarem sem a Rússia para a criação de um sistema.
Um discurso que vai ao encontro de algumas das mais importantes exigências da oposição russa, que convocou importantes manifestações de protesto para 24 de dezembro.
Porém, alguns analistas consideram essas medidas insuficientes e tardias.
Trata-se de passos lógicos, esperados, mas eles diferem, quanto ao dinamismo, da radicalização crescente da corrente de protesto. Não considero que nas palavras do Presidente haja uma resposta completa, sistemática, às exigências dos que pretendem participar nas manifestações”, afirmou o politógo Mikhail Vinogradov, citado pela agência Ria-Novosti.
A situação exige a aceleração na tomada de decisões. Mas é preciso compreender que o dinamismo do poder está, hoje, aquém, dos ritmos de radicalização do protesto”, concluiu.
Tudo isso é demagogia. Chegou tarde e o comboio já partiu”, comentou Eduard Limonov, líder da organização da oposição Outra Rússia.
Alguns líderes da oposição estão a interpretar esta mensagem de Medvedevb como sinal de fraqueza, o que também poderá contribuir para o incentivo dos protestos.


2 comentários:

Gilberto Mucio disse...

Não é bem um sinal de fraqueza...

É esperteza política mesmo. Tem que acalmar o povo.

Sabe que o povo está insatisfeito e tem que enrolar, ganhar tempo, empurrar com a barriga, pois logo mais tem eleições.

Miguel Loureiro disse...

José Milhazes
Bom Natal e um abraço!