domingo, maio 13, 2012

Porque eu odeio a União Soviética



Texto traduzido e enviado pelo leitor Jest:  
 
"O mentor da reforma económica georgiana, Kakha Bendukidze, conta essa história, pedindo as desculpas aos leitores mais jovens, “que podem achar que a estória, ou pelo menos uma parte dela é um absurdo, mas naquela época a vida era mesmo assim”.

Em 1981, após a pós-graduação eu comecei trabalhar em um lugar a 120 km de Moscovo, na pequena cidade de Pushino, especialmente construída para os cientistas, num dos institutos da Academia de Ciências da URSS.

Trabalhava muito, durante 14 horas por dia. O meu tutor estava contente com o meu trabalho, eu também, parcialmente. Chegava ao serviço após 11 horas, mas ficava até mais tarde a noite, até duas – três de manha.

Depois morreu Brejnev e chegou Andropov.

Andropov começou impor a ordem, começou lutar pela disciplina no Instituto, do tipo que toda a gente deveria chegar às 8h00 de manha. Na primeira vez eu cheguei na hora certa e adormeci no laboratório, no segundo dia cheguei tarde e não me deixaram a entrar, no terceiro dia cheguei quando as pessoas já iam almoçar. Foi ter com o secretário do partido comunista e disse: eu não consigo trabalhar nas manhas, se vocês não gostam, ou acham que eu trabalho pouco, podem dizer, eu vou me embora ou então, me deixem em paz.

Ele pensou um pouco e disse, venha quando quiseres. Provavelmente entendeu, que me castigando, não ia conseguir nada, pois aquilo que eu fazia era importante ao Instituto e talvez por isso não me despediram, pois mesmo antes, eu não tinha um carácter calmo e a língua curta, nas reuniões sempre fazia umas perguntas, não concordava com os chefes e discutia.

Mas ele memorizou a situação.

Um ano depois, nos visitou professor Iain Macintyre, famoso endocrinólogo molecular. Após umas conversas, me propôs trabalhar com ele por alguns anos.

Eu estava muito contente, isso me dava a possibilidade de trabalhar em um outro nível. Os EUA e a Inglaterra eram dois países mais importantes para os biólogos da minha geração. Eu perguntei o meu chefe o que ele achava. Ele disse, sei e apoio, mas tu conheces as regras? As regras eram: antes de trabalhar no Ocidente, se deveria trabalhar num país dito socialista. O meu chefe pediu o amigo dele e me convidaram para trabalhar na Hungria durante um ano.

Para visitar Hungria era necessária a característica do comité (local) do partido comunista. Depois do comité do bairro. Eu cheguei na reunião do comité local do partido, que deveria passar uma caraterística tipificada. Lá deveria estar escrito: politicamente competente, moralmente equilibrado, na vida familiar comedido.

Começaram discutir a minha pessoa, recordaram tudo, e perguntas nas reuniões, e discussões e atrasos. Mas não conseguem situar nada naquela tríade.
      
Na linguagem da burocracia partidária, “politicamente competente” significava que a pessoa leu Lenine e outros canibais e lia os jornais – a quantidade do lixo que eu tinha e tenho na cabeça … eu lhes poderia explicar.

“Moralmente equilibrado”: os escândalos sexuais geralmente se referiam aos casados, não pegava.

“Comedido na vida familiar”: era sobre as bebedeiras, mas eu não bebia na altura.

O que fazer? Uma pessoa teve a ideia, vamos escrever que, digamos, é temperamental. Eu disparei: que bobagem é essa, toda a gente possui algum tipo de temperamento, então podem escrever sobre o meu tipo do temperamento: flegmático, melancólico, sanguíneo ou colérico, ou me descrevem nos termos extravertido – introvertido…

Em algum momento achei que tudo se compôs, começou a discussão. Na época eram populares os livros do Vladimir Levi. Eles o leram e cada um mostrava o seu conhecimento psicológico. Mas eu defendia a minha dama

Após um barulho de meia hora, o mais velho e experiente deles disse: gente, vocês não estão ver, ele nos enlouquece, estamos discutir o que, vamos escrever aquilo que queríamos e fim nisso. Assim escreveram:

Politicamente competente, moralmente equilibrado, na vida familiar comedido. Temperamental.

Ou seja, mesmo assim, não era aquilo que foi necessário. Não podia ir para Hungria, sobre a viagem para Inglaterra nem deveria sonhar…

Um ou dois anos depois, eu estava caminhando no Inverno, numa rua congelada. Do clube ouvi a canção. Eu gostei de sons e parei para escutar. Canção acabava assim:
      
Goodbye, America, ooo,
Onde eu nunca estarei.
Será que escutarei canção,
Que para sempre eu recordarei.

E de repente, eu vi com muita clareza que nunca conseguirei sair da União Soviética, e que alguém escreveu uma canção sobre isso, que “Goodbye, America, ooo, Onde eu nunca estarei...”

Depois eu soube que o grupo se chamava Nautilus Pompilius.

Nunca, de maneira nenhuma…

Naquele dia, eu irreversivelmente odiei a União Soviética…

Fonte:

19 comentários:

Aleph disse...

Apesar do mau português, este texto é simplesmente excelente!

Manuel Goncalves disse...

Vejemos e saibamos separar o trigo do Joio sera o odiar a Uniao Sovietica ou simplesmente odiar todas as dificuldades de leis e regras para cumprir impostas pelo regime comunista , sera odiar um Pais , uma patria ou o regime comunista , em Portugal muita gente odiava e detestava o regime de ditadura mas mesmo hoje quem viveu ainda esse regime continua a adorar Salazar o homem que comandou esse mesmo regime .

Jose Milhazes disse...

Leitor Aleph, trata-se de uma tradução feita por português por uma pessoa que não é portuguesa. Eu não mexo no texto. Por isso, apenas posso agradecer ao leitor Jest por participar na escrita do meu blog.

Jest nas Wielu disse...

O autor do texto é georgiano e eu não queria mexer muito no texto para não alterar o sentimento original...

PEDRO LOPES disse...

Tretas á Jest.

Sempre a mesma tónica.
Na Internet é possível encontrar tudo.
Na Internet existem sites que glorificam Hitler e os Nazis.
Encontra-se sites que glorificam a URSS.
Facilmente encontramos coisas adequadas ás nossas crenças e mitos.

A URSS já não existe há 21 anos.
Mas para o Jest ela continua a existir. Os seus posts é 90% a malhar na velha e medonha URSS.

E a verdade é que na Rússia existe muita gente que preferia a URSS de volta e muita gente que a rejeitaria.

Isto depende muito da situação de cada um na sociedade. Quem estava mal não gostava dela, quem tinha um bom tacho no aparelho comunista talvez gostasse e gostaria que o tempo voltasse atrás.

É como por cá, muitos que estão de barriga cheia são indiferente ás politicas nefastas de austeridade que nos impuseram(Até acham bem).
Esses alias provavelmente olham para quem está no desemprego como sendo um malandro que não quer trabalhar. E para eles quem criticar o Capitalismo é porque é falhado e anti-democrático e que defende regimes déspotas.

Anónimo disse...

Uma coisa é certa. No Portugal capitalista não me deixam entrar no trabalho às 11:00

URAGAN disse...

É legal relembrar o passado, mais a União Soviética não existe mais. E se existiu, foi por opção do próprio povo russo, que aceitou a ideologia política de seu país.

A União Soviética teve seus contras, mas também teve seus prós. Porém, suas reformas falharam, em parte por culpa de Gorbachev, que governou para o Ocidente. A União Soviética caiu, o comunismo também.

Hoje, basicamente o que sobrou da União Soviética é a Rússia, que é uma democracia jovem e bem vinda. E é a Russia que assumiu todo o legado, que é reverenciado por boa parte de sua população.

E é essa mesma população que botou no poder Putin, que irá reger os acontecimentos desse país maravilhoso pelos próximos anos!

Parabéns a Rússia e parabéns pelo BLOG.

Toino disse...

Alguém me sabe dizer qual seria o horário dele nos EUA?

Wandard disse...

Com todo o respeito,


O texto de excelente nada tem.


Apenas demonstra a burocracia do estado soviético e detalhes de sua ideologia já extensamente cantada em versos e prosas pelos outroras soviéticos carregados de ódio e frustrações.

Façamos o que a burocracia que aqui possuímos e da Europa herdamos geralmente faz "arquive-se"

A União Soviética se foi, assim como a Alemanha Nazista.

Porém os interêsses individuais e disputas entre nações continuará e em alguns casos, determinadas "UNIÕES" continuaram só existindo no papel e na nomenclatura, pois os interêsses dos Estados Nacionais sempre será superior ao interêssse da "UNIÃO"

Jest nas Wielu disse...

2 PEDRO LOPES
Bem dito, como não tivemos “um bom tacho no aparelho comunista” e apenas trabalhávamos muito para ganhar pouco, definitivamente não gostamos da URSS.

2 Anónimo
Se V. Excia tiver 1/10 do talento que Kakha teve, se calhar, poderia trabalhar à partir da sua própria casa.

2 URAGAN
Usando a lógica da V. Excia podemos dizer que: “se a União Soviética não existe mais, foi por opção do próprio povo”, pois como ensinam os marxistas, qualquer revolução só é possível se existir a vontade do povo.

Jest nas Wielu disse...

2 Wandard

Um reparo interessante, não é por acaso que Vladimir Bukovsky (dissidente soviético trocado pelo líder dos comunistas chilenos) chama a UE da nova URSS (vejamos se essa nova URSS sobreviverá a crise grega): http://www.youtube.com/watch?v=bM2Ql3wOGcU

PEDRO LOPES disse...

"Um reparo interessante, não é por acaso que Vladimir Bukovsky (dissidente soviético trocado pelo líder dos comunistas chilenos) chama a UE da nova URSS (vejamos se essa nova URSS sobreviverá a crise grega): http://www.youtube.com/watch?v=bM2Ql3wOGcU"

JEST,

Não costumo concordar muitas vezes com as suas postagens, mas neste caso tenho de concordar e agradeço sinceramente ter posto o link deste este video.

Vi o vídeo e de facto faz muito sentido o que este senhor Russo que conhece as duas realidades disse.
Hoje é verdade que a maioria das decisões que nos afectam a vida são tomadas por um pequeno núcleo de burocratas não eleitos, portanto a UE nada tem de democrática.
Nem o parlamento Europeu decide nada de relevante.

A EU cada vez mais se parece com a defunta URSS, embora com alguns tiques de NAZISMO á mistura.

Parece que os poderes obscuros desta UE estejam a projectar algo medonho, com base nas experiências politicas do Nazismo e da URSS.

Já agora voçê gostaria de ver a sua Ucrania aderir a esta EU?

Vejam lá no que se metem.
No inicio é tudo rosas, são fundos para isto e para aquilo, mas depois tem de pagar a factura.

Anónimo disse...

Cá em Portugal há muita gente que tem horários de trabalho personalizado, por exemplo, quando eu andava na faculdade tinha alguns professores que davam 20 minutos de aula, outros 1h, ainda alguns nem sequer punham lá os pés. Em comum tinha todos a particularidade de serem dispensáveis, assim como muitos que trabalham sem realmente nada de produtivo trazerem para a sociedade, seja no sector público ou privado.
Na RTP o Almerindo saiu de lá a querer despedir o José Rodrigues dos Santos porque esse individuo ao que parece não cumpria com os horários, entrou outro director e continuou a mamar.. é para ter tempo para escrever os seus fantásticos livros..

Francamente, não sei como alguém sério pode sequer por em causa o dever de pontualidade, é por essa forma de pensar que as sociedades não funcionam. Há gente que procura tudo para criticar, é não se dá conta do ridículo.

u não sou comunista, mas pelo que sei, Andropov foi um grande homem incorruptível que estava a por a URSS a funcionar à séria de forma eficiente. Não é por ser comunista que é má pessoa, assim como o Cavaco ou o Sócrates não são fantásticos porque são capitalistas, mas aqui este Jest é uma criança ou tem cérebro de criança?!

Quem fique bem claro, quem gosta de MAMAR adapta-se bem ao regime comunista e capitalista, isso é transversa meus caros..! O durão era bom como Maoista e melhor ainda é como capitalista.
Não deixa de ser irónico, no momento em que esta sociedade está a colapsar moralmente, demograficamente e financeiramente venham aqui fazer propaganda anti-URSS, parece que estão com medo do regresso dos soviéticos. No momento em que os povos europeus estão a ser substituídos por imigrantes do 3º mundo em que a miséria, injustiça, o crime e a imoralidade alastra, veem criticar quem???? A URSS. Gente patética meu deus.

João Tavora

Anónimo disse...

Já agora, caso não tenham reparado a UE é uma cópia RASCA da URSS

a URSS acabou em 91' a UE foi criada em 92'

Jest nas Wielu disse...

Sobre as ligações entre Gestapo e NKVD http://www.youtube.com/watch?v=R0pGB_JqMow&feature=fvwrel

Europeista disse...

A UE nao tem absolutamente nada a ver com a URSS. A UE é um projeto pacífico e a URSS, qual o escopo desse país? Dominar povos. Uma nacao belicista que invadiu e destruiu a soberania de muitas outras. Que apontava suas armas nucleares pra todo o resto do mundo. O que tem de pacífico aí?

Os países da UE são democráticos e os da URSS? Para entrar na UE é preciso ser democrático. Tanto que as negociacoes com Ucrania estao paradas gracas ao autoritarismo de seu governo. A Hungria, que já está na uniao, teve negado um pedido de empréstimo por conta dos desmandos autoritários de seu atual primeiro-ministro. Belarus tb foi pra geladeira.

A UE é um projeto ocidental. A URSS não era ocidental. A UE carrega consigo todo o peso da cultura ocidental. Sua civilizacao, arte, ciencia, filosofia, cultura...

A UE respeita e defende os direitos humanos. Isto está nos seus principios. Quanto a URSS.... nao precisa nem falar né?

AS diferencas sao gritantes! Só nao aceitam isso a extrema-direita e esquerda, a direita americana, os antiocidentais e a corja comunista que assola a Europa atualmente... sempre aparecem em tempos de crise! As comparacoes sao oportunismo!

Jest nas Wielu disse...

2 PEDRO LOPES

De nada, Bukovski diz aquilo que pensa e eu também. UE é ok para aqueles que querem e gostam de trabalhar e não pretendem de viver acima das suas possibilidades, por isso não vejo nenhum problema de aderir ao bloco.

2 João Tavora

Não é pelas rusgas nos cinemas e cabeleireiros que podia ser salva a URSS. É tão ridículo pensar nisso como achar que Sebastião de Melo salvou a monarquia através do Processo dos Távoras...

julio cesar disse...

comunismo=fascismo

julio cesar disse...

comunismo=fascismo=nazismo=racismo