segunda-feira, julho 09, 2012

Putin acusa Ocidente de tentar manter influência com “democracia de mísseis e bombas”


 O Presidente da Rússia, Vladimir Putin acusou o Ocidente de tentar conservar a sua influência através das chamadas operações humanitárias, da exportação da “democracia de mísseis e bombas” e da ingerência nos conflitos internos.

“O caráter multivetorial do desenvolvimento mundial, que se agudizou devido à crise, às dificuldades sócio-económicas nos países desenvolvidos, enfraqueceu o domínio do chamado Ocidente histórico”, declarou Putin num encontro com embaixadores russos.

“Isso já é um facto. Daí as tentativas de alguns participantes da política internacional de conservar a sua influência habitual, tirar vantagens geopolíticas a qualquer custo”, acrescentou.

“Isso manifesta-se nas chamadas operações humanitárias, na exportação da “democracia dos mísseis e bombas” e na ingerência nos conflitos internos, nomeadamente originados pela “primavera árabe””, precisou.

Nesse sentido, Putin considerou inadmissível a repetição do “cenário líbio” na Síria.

Segundo ele, “vemos quão contraditório e desiquilibrado é o processo de reformas no Norte de África e no Médio Oriente; os acontecimentos líbios trágicos estão perante nós e claro que não se deve permitir a sua repetição”.

“É preciso fazer tudo para obrigar as partes do conflito à elaboração de uma solução política pacífica de todas as questões litigiosas. É preciso querer e contribuir para esse diálogo. Claro que esse trabalho é tanto mais complexo e delicado quanto maior é a ingerência através da força, mas só ela pode garantir uma normalização duradoira e um desenvolvimento estável na região e na Síria”, considerou.

O dirigente russo defendeu que nenhuma intervenção armada contra qualquer Estado deve realizar-se sem o aval do Conselho de Segurança da ONU.

Putin acusou alguns países atingidos pela erosão de denegrirem conscientemente a imagem da Rússia.

“Por enquanto é preciso reconhecer que a imagem da Rússia no estrangeiro não é, no fundamental, criada por nós. Por isso é deturpada e não reflecte a situação no país, o seu contributo para a civilização, ciência e cultura mundiais”, precisou.

“Aqueles que disparem e lançam mísseis constantemente, são bons. Os que previnem da necessidade de um diálogo contido, esses são culpados de alguma coisa. A nossa culpa é que nós explicamos mal a nossa posição. Essa é a nossa culpa”, concluiu.

P.S. Qualquer pessoa que tenha acompanhado com atenção a catástrofe humanitária no sul da Rússia e a forma como as autoridades a geriram compreende que o poder russo já faz mais do que suficiente para denegrir a imagem do seu país.

É caso para recordar o ditado: “Agarra que é ladrão!”

Este discurso fez-me lembrar a propaganda soviética.




























9 comentários:

Gilberto Mucio disse...

É o sujo falando dos mal lavandos (EUA e seus lacaios).

isso que ele falou é verdade, mas é um truísmo cínico.

Pois Putin não está preocupado com a Síria e seu povo, mas sim em perder um cliente e um "aliado natural" na região, no tabuleiro geo-político.

José Manuel disse...

Independentemente da intenção com que foi dito, não deixa de ser verdade.

Pippo disse...

Caro JM, sabe perfeitamente que os seus últimos reparos eram perfeitamente desnecessários pois são apenas uma distracção daquilo que é essencial, que é:

1 - Alguns dos países "Ocidentais" continuam a fazer uma política externa de canhonheira, agora já não a exportar um domínio imperial tout court mas sim a exportar "democracias" as quais, obviamente, lhes terão de ser subservientes e bastante generosas quanto aos futuros contratos a celebrar com empresas "ocidentais";

2 - A imagem da Rússia continua a ser efectivamente veiculada por países terceiros e forças, ou agentes (chame-lhes o que bem entender) com uma agenda própria, desde os nacionalistas bacocos dos países vizinhos às empresas que tentam controlar fatias do mercado russo, nomeadamente o do mercado da energia.

anónimo russo disse...

"P.S. Qualquer pessoa que tenha acompanhado com atenção a catástrofe humanitária no sul da Rússia e a forma como as autoridades a geriram compreende que o poder russo já faz mais do que suficiente para denegrir a imagem do seu país"


Sim, sim, eu já desconfiava que Putin fosse culpado de todas as catástrofes naturais que acontecem na Rússia.

А вот ваш русский, тов. Мильязеш, лично меня совсем не впечатлил. Вот над этим бы и поработать, над падежами-склонениями-спряжениями.

PEDRO LOPES disse...

Um bom discurso do Vladimir.
São ditas algumas verdades óbvias.

Ainda na semana passada a aquela senhora que fez um largo sorriso quando lhe disseram que tinham morto o kaddafi, fez ameaças á Rússia e China dizendo "Vão pagar caro pelo vossa posição sobre síria".

Ou seja, é bem patente que os EUA acham de forma arrogante que tem o direito de "Mandar" no mundo. Que tem direito a impor a sua vontade sem qualquer discussão.
Ficam fulos quando alguém contrapõe as suas posições e auto intitulam-se de democráticos.É triste.
Quem lhes deu esse direito?Os povos que foram severamente bombardeados nas ultimas décadas?

É bom que apareça um contra-poder a nível mundial para evitar o alastrar desta subjugação á base da pornografia financeira e da democracia á bomba.

A Rússia oscila facilmente entre o lamber de botas e posições mais firmes e corretas.
Agora até já vieram declarar que não vão vender mais armamento á Síria enquanto a situação no terreno não for resolvida.

Só que provavelmente quando a situação no terreno for resolvida já está um extremista da Alquaeda no poleiro e esse não irá comprar mais armas á Rússia, mas sim ao amigo Tio Sam.

EUA e ALQAEDA = Amigos para siempre.

Um dia ainda vamos ver nos médias ocidentais artigos e reportagens dizer maravilhas da Al-Quaeda.

Jose Milhazes disse...

Anónimo russo, você além de cobarde, ainda é idiota, pois nem sequer sabe ler o que está escrito em português. Eu não escrevi que Putin seja a causa das catástrofes naturais, mas não escondo que ele e o seu regime é culpado pelo grande número de vítimas e estragos materiais. Como você sabe russo, leia o que escrevem os jornais russos sobre a actuação das autoridades face às inundações.
Quanto ao meu russo, é o que sei.

Anónimo disse...

As inundações na Rússia agravadas com as descargas podiam ter sido em qualquer país ocidental. Por acaso já esqueceu a Madeira? ou até Nova Orleans.

O seu asco político está a cegá-lo completamente pois cai no ridículo de vir buscar assuntos que não têm nada a ver com as declarações do texto além de insultar desnecessáriamente outros leitores.

anónimo russo disse...

"Cobarde, cobarde" - вот только и знаете одно и то же. Да живите, как хотите - мне лично absolutamente всё равно. Вот только вот так вот dar espaço всяким хохло-нацистским бандеровцам - это, по-моему, даже по каким бы то ни было евромеркам, - перебор. Остальное - на вашей евросовести, и на ваше евроусмотрение. Até breve, в общем. Не поминайте лихом.

Jose Milhazes disse...

Anónimo, os erros na Madeira e Nova Orleães não justificam erroe e crimes noutros lugares.