segunda-feira, outubro 22, 2012

Jovens do grupo-punk Pussy Riot transferidas de Moscovo para colónias penais em zonas remotas do país



As duas jovens do grupo-pink Pussy Riot, condenadas a dois anos de prisão por terem entoado uma canção anti-Putin num templo ortodoxo da capital russa, foram transferidas para colónias penais diferentes, revelou Piotr Verzilov, marido de uma delas.

Segundo ele, Maria Aliokhina teria sido enviada para um prisão no distrito de Perm, na região dos Montes Urais, e Nadejda Tolokonnikova para a Mordóvia, república situada a mais de 700 quilómetros a sudeste de Moscovo.
As duas jovens do grupo-pink Pussy Riot, condenadas a dois anos de prisão por terem entoado uma canção anti-Putin num templo ortodoxo da capital russa, foram transferidas para colónias penais diferentes, revelou Piotr Verzilov, marido de uma delas.
Um dos advogados de defesa, Mark Feiguin, confirmou em declarações por telefone à Lusa, que as jovens foram transferidas durante o fim de semana, “para que o impacto mediático fosse menor”, mas acrescentou que ainda não tem informações sobre as prisões onde elas se encontram agora.
Em finais de Agosto, um tribunal de Moscovo condenou três membros do grupo punk Pussy Riot a dois anos de prisão por “holiganismo”. No início de outro, o tribunal da relação libertou com pena suspensa Ekaterina Samutzevitch, mas manteve a pena inalterada para as outras duas.
Os advogados de defesa recorreram da pena, mas isso não impediu que as jovens tenham sido transferidas para colónias penais bem longe de Moscovo.
Esta condenação provocou ondas de protestos no interior e fora da Rússia, tendo alguns conhecidos nomes da música, bem como organizações de defesa dos direitos humanos apelado à sua libertação.

6 comentários:

Marshall Zhukov disse...

Esse grupo lésbico deveria ser enviado á uma divisão de infantaria russa na Sibéria, passar uma semana lá acampadas com os soldados...

Ricardo disse...

Aprende Brasil

Anónimo disse...

O regime russo está cada vez mais parecido com uma republica das bananas, onde qualquer coisa que ofenda ou seja oposição ao "grande líder", haverá punição deste tipo que vemos...

Anónimo disse...

Não tinha ideia que tivessem sido condenadas por "entoarem uma canção anti Putin", o que cairia na alçada da liberdade de expressão...ate hoje julguei que se tratava de algo como "hooliganismo", ofensa a sentimentos religiosos ou coisa do género...
FM

Anónimo disse...

O que a gente aprende aqui! Existe uma república da Mordóvia cuja capital é Saransk cujas línguas oficiais são o morduíno e o russo. A Rússia é um universo demasiado imenso.

Pedro Correia Ribeiro disse...

Por entoarem canções anti Putin? Hum... Parece-me que foram condenadas por usarem um espaço religioso para as suas músicas farfalhudas (alguém conhece uma só música destas miúdas?) e, assim, violentarem os sentimentos religiosos dos russos. Em Portugal, um crime desses ["profanar lugar (...) de culto ou de veneração religiosa, por forma adequada a perturbar a paz pública"] é punido com multa ou pena até um ano de prisão. Aliás, a prova disso, é o facto de estas meninas terem realizado anteriormente vários eventos daqueles sem sofrerem quaisquer sanções legais relevantes. A diferença é que não foram em lugares de culto religioso. Quiseram dar nas vistas e conseguiram. Os atos têm consequências.