quarta-feira, dezembro 12, 2012

Dilma Rousseff pretende diversificar relações entre o Brasil e a Rússia



O Brasil quer cooperar com a Rússia não só na esfera do comércio e da economia, mas também nos campos da defesa, ciência e tecnologias, declarou Dilma Roussef, que na quinta-feira inicia uma viagem de dois dias  à capital russa.
“Nós queremos desenvolver e intensificar a cooperação no campo da ciência e da troca de tecnologias. A Rússia acumulou uma enorme reserva de conhecimentos em diferentes áreas. Gostaríamos de desenvolver a cooperação no campo da defesa, Espaço e em muitos outros  campos”, precisou a Presidente do Brasil numa entrevista a vários órgãos de comunicação russos.
“Da nossa parte, gostaríamos de compartilhar os nossos êxitos no campo das nano e biotecnologias”, acrescentou.
Dilma Rousseff defende que os dois países devem deixar de ser apenas exportadores de matérias-primas.
A dirigente brasileira frisou também a importância dos BRICS, organização que reúne o Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, na construção de um mundo multipolar.
“Hoje, os nossos países são responsáveis pelo desenvolvimento mundial e pela política que nós realizamos, que é uma garantia do desenvolvimento”, disse.
Na sexta-feira, Dilma Rousseff irá reunir-se com o seu homólogo russo Vladimir Putin.
“Durante as conversações russo-brasileiras ao mais alto nível, planeia-se analisar questões do aumento e diversificação do comércio bilateral, perspetivas de aprofundamento da parceria estratégica em campos como a energia, Espaço, cooperação técnico-científica, preparação de quadros, laços culturais e humanitários”, lê-se num comunicado publicado pelo Kremlin.
As mesmas questões irão ser abordadas na reunião da Presidente do Brasil com o primeiro-ministro russo Dmitri Medvedev.
Dilma Roussef vem acompanhada de uma numerosa comitiva de homens de negócios brasileiros.

2 comentários:

Marshall Zhukov disse...

Meu país precisa comprar uns 500 caças da SUKHOI, centenas de mísseis anti-navio do tipo MOSKIT,algumas baterias de mísseis balísticos do tipo ISKANDER, sistemas de defesa aérea PANTZIR, BUK-M2, S-400 e também uns 12 navios destroyers da classe UDALOY ou SOVREMENNY!!!

Pedro Hermes disse...

O Brasil está candidato para sair dos BRICs, conceito criado por Jim O’Neill em 2001, que acertou com tudo quanto a Rússia , Índia e China.
Em 2001 o Brasil apresentava resultados na safra de grãos de quase o dobre em relação a 1994; a Petrobras praticamente duplicara sua produção em relação a 1995; o equilíbrio fiscal e a defesa do estado de direito em garantir contratos e deveres com credores era bem definido nas ações do governo federal; passamos de 4 montadoras de automóveis em 1995 para 12 ou 13 (Honda, Toyota, Mitsubish, Renault e outras); saíamos de 14 milhões de terminais telefônicos para 90 milhões; nosso sistema bancário totalmente refeito, com o dasaparecimento de 30 marcas de bancos, e com aplicação de regras interncionais era considerado um dos mais modernos do mundo (como é hoje); a estabilidade financeira alcançada a partir de 1993 permitia crédito mais longos para consumo e previsibilidade para investimentos de prazo maior; siderurgia e metalurgia estavam em franco crescimento como resultado das privatizações no setor feitas a partir de Collor, Sarney e Itamar; éramos um Banco Central como guardião do valor da moeda e com liberdade em relação ao Tesouro da União; todo sistema de bancos públicos saneado com privatizações ou capitalização via Tesouro; etc. e tal.

Entrevistem agora esse Jim O’Neill para que ele reconsidere ou confirme seu conceito.