quarta-feira, março 12, 2014

Esquadrão judaico da Centena Celestial



"A propaganda anti-ucraniana que tenta, de alguma maneira vil e ignóbil, ligar a Revolução ao “fascismo – nazismo – anti-semitismo” não para nem um segundo. Apesar disso, uma grande maioria dos judeus ucranianos apoia a Revolução, diversos ativistas colocaram as próprias vidas ao seu altar...  

por: Vyacheslav Likhachev (versão curta)
tradução e prefácio: Dmytro Yatsyuk, jornalista e blogueiro

Na Ucrânia, assim são chamados aqueles que foram mortos na Maydan, “Centena Celestial”. A Centena é uma unidade estrutural da autodefesa da Maydan, equivalente à uma companhia militar. As Centenas foram formadas durante os meses de protestos. /.../ Nem todos os que foram assassinados pelo regime criminoso eram os membros ativos dessa estrutura, mas o nome ficou. Existe a proposta de rebatizar a rua Instytutska, onde teve o lugar o massacre do dia 20 de fevereiro, pelo nome da Centena Celestial, para honrar a memória das centenas caídas. /.../

Todos são iguais no céu, velhos e jovens, intelectuais universitários e trabalhadores comuns; um rapaz que fugiu para Maydan em segredo da sua família e foi morto por um franco-atirador, duas horas depois; os ativistas das autodefesas ucranianas, que eram belarusos, ucranianos, russos, arménios, georgianos ou judeus.

Joseph Schilling era bem conhecido na comunidade judaica de Drohobych, província de Lviv. Tinha 61 anos. Com a esposa Ana, criou duas filhas, tinha quatro netas. Um empreiteiro da profissão, nos últimos anos trabalhava na Itália, onde também laborou a sua esposa.

Um atirador o matou com um tiro preciso na cabeça, perto do “Palácio de outubro” (nos anos 1930-1940, as caves do palácio eram usadas pela NKVD para fuzilar os cidadãos, considerados “inimigos do povo” pelo regime comunista).

Olexander Scherbanyuk foi enterrado em sua Chernivtsi nativa em vyshyvanka (a camisa bordada tradicional ucraniana). No caixão também foi colocada uma máscara anti-gás, um capacete e uma quipá. Ele era membro da comunidade “Beit Simkha” (Casa da Alegria) /.../, foi sepultado com a oração de um rabino.

Milhares de pessoas vieram a despedir-se dele. O centro da cidade foi fechado para a passagem do cortejo fúnebre. A banda militar tocou no túmulo do herói, os policiais uniformizados e os militantes do “Setor da Direita”, usando máscaras, deram os tiros de despedida.

A sua esposa (eu não posso chamá-la de viúva) disse que tentou dissuadi-lo, dizendo que as pessoas morrem na Maydan. A sua resposta foi que isso não seria a pior causa de morte.

Olexander tinha 46 anos, era veterano soviético da guerra no Afeganistão, da onde saiu ileso. Tive três filhos, um deles estuda na yeshiva (a escola judaica). Era ativista político desde 2004, liderou a célula local do partido “Batkivshchyna”. Profissionalmente, geria uma empresa de construção – a sua publicidade ainda está nas ruas, mas eles já não será capaz de atender o telefone.

A primeira bala o atingiu na perna /.../, ele deixou cair o seu escudo, a próxima – atravessou o seu coração...

Yevgen Kotlyar de Kharkiv tinha 33 anos. Ele era conhecido entre os ativistas de esquerda e os ambientalistas que lutaram contra a destruição dos parques da cidade pela prefeitura, administrada pelos mafiosos. /.../ O atirador o matou na rua Instytutska.

Da direita e da esquerda, jovens e idosos, do leste ou do ocidente, nenhum deles estava armado. Todos foram mortos por tiros de franco-atiradores profissionais que escolhiam os seus alvos de uma maneira perfeitamente consciente.

Um regime cínico, que, na verdade, perdeu a guerra contra seu próprio povo, matando de maneira cruel e sem piedade. Afinal, a etnia e a religião das vítimas realmente não importam, pois não importa a sua idade, gênero, opiniões políticas – nada importa, exceto o fato de que todos eles eram ucranianos e heróis que morreram pela Ucrânia, lutando contra o mal e a injustiça.

No entanto, os propagandistas de Kremlin, assim como os consumidores de propaganda, presos aos clichês tão profundamente que não conseguem abrir os olhos e encarar a realidade, ficam repetindo o uivo ritual sobre o “anti-semitismo dos nacionalistas que ocuparam o poder (em Kyiv)”.

Por favor, esfreguem este texto nos seus rostos.

Glória aos Heróis!

Versão original (em russo):

4 comentários:

Antonio Cristovao disse...

algum indicio mais seguro de que os atiradores estavam do lado dos revoltosos?

Pippo disse...

O pobre coitado do judeu foi e continua a ser usado como arma de propaganda política pelos mesmos indivíduos que o mandaram matar, bem como pelos seus acólitos chauvinistas e russófobos.

E quem é que o mandou matar? Eis a resposta:

http://www.dailymail.co.uk/news/article-2573923/Estonian-Foreign-Ministry-confirms-authenticity-leaked-phone-call-discussing-Kiev-snipers-shot-protesters-possibly-hired-Ukraines-new-leaders.html

Anónimo disse...

Vamos esperar alguns meses...talvez o autor do artigo se arrependa...na Alemanha, em 1933 também havia judeus que encaravam o regime de Hitler como libertador...a maioria não teve tempo de se arrepender...
FM

Anónimo disse...

http://pt.euronews.com/2014/03/13/austria-detem-um-dos-homens-mais-ricos-da-ucrania-a-pedido-do-fbi/