sábado, abril 26, 2014

Não se esqueçam de Tchernobyl !




Foi há 28 anos que aconteceu a maior catástrofe da indústria nuclear na Central Nuclear de Tchernobyl. Uma explosão num dos reactores lançou para a atmosfera nuvens radioactivas que efectaram não só a Ucrânia, mas também numerosos países do Leste e do Norte da Europa. Os prejuízos humanos e económicos são incalculáveis, tendo essa explosão provocado um dos “abalos” que contribuiu para o fim da União Soviética.
Hoje, os perigos do nuclear na Ucrânia aumentam à medida que o conflito entre o governo de Kiev e destacamentos armados separatistas se alarga a novas regiões.
Além disso, tendo em conta a forte deterioração das relações entre a Rússia e a Ucrânia, o governo de Kiev levantou a questão de deixar de recorrer aos fornecimentos russos de urânio para os seus 15 reactores nucleares e passar a adquiri-lo noutros mercados, nomeadamente nos EUA.
Anualmente, a Ucrânia compra urânio à Rússia no valor de 500 a 600 milhões de dólares e paga mais 200 milhões para que Moscovo aceite guardar os resíduos no seu território.
O Ministério da Energia da Ucrânia considera que é chegada a hora de diversificar as fontes de abastecimento de urânio, mas sublinha que isso deve ser feito com muito cuidado, ficar nas mãos dos cientistas, para que as centrais nucleares ucranianas não se transformem numa “bomba”. Isto porque, segundo os especialistas, a substituição do urânio russo por outro poderá obrigar a sérios cuidados para que não se repitam catástrofes como a de Tchernobyl.
Dmitri Rorozin, vice-primeiro-ministro russo para o complexo militar-industrial e famoso pelas suas posições nacionalistas e xenófobas, está preocupado com o caso e declara: “Se Kiev decidir utilizar nas suas centrais combustível nuclear americano, é porque não tirou conclusões de Tchernobyl”.
Claro que se trata de uma situação muito preocupante, mas mais preocupante ainda é o alargamento do confronto entre federalistas e separatistas pró-russos, de um lado, e o governo de Kiev, por outro. Para já não falar num envolvimento directo das tropas russas do lado dos primeiros.
Neste caso, as centrais nucleares poderão transformar-se em armas de chantagem e de destruição massiva.
Entre acusações mútuas de não cumprimento dos Acordos de Genebra, os separatistas em Slavyansk fizeram reféns observadores militares da OSCE, a pretexto de puderem ser espiões. Segundo fontes locais, o dirigente dos separatistas consulta Moscovo sobre o que fazer com representantes da organização internacional encarregada, inclusivamente pela Rússia, de estabelecer o diálogo entre as partes do conflito.

O representante russo junto da OSCE, Andrei Kelin, afirma que o seu país está fazer tudo para libertar os observadores, mas acusa as autoridades ucranianas de não lhes terem garantido segurança!

44 comentários:

chukcha disse...

Note-se que não são observadores da missão da OSCE para a Ucrânia. São observadores MILITARES convidados pela junta de Kiev, avompanhados por SOLDADOS DA JUNTA.

A própria OSCE diz que não lhes falta ninguém!!!!!

c.f. na fonte http://www.osce.org/ukrainemonitoring

Já agora um dos rapazes "raptados"

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=152730924849435&set=pb.100003375860373.-2207520000.1398504166.&type=3&theater

Só para nao pensarem raptaram gente que estava a promover a pacificação da Ucrânia...

José Milhazes disse...

Chukcha, eles são observadores da OSCE ou não? Estão lá em conformidade com o Acordo de Viena. Não chega?

Nuno Rolo disse...

Bom dia,
Gostaria saber a sua opinião JM, se acha possível as autoridades de Kiev ou os separatistas utilizarem as centrais nucleares para fim militares?

Pippo disse...

JM, está mal informado, os "observadores da OSCE" são, na verdade, observadores militares (4 alemães, um polaco, um dinamarquês e um sueco) convidados pelo governo de Kiev. Andavam acompanhados por militares de Kiev e entraram em território que não está sob a sua alçada.

Naturalmente, foram capturados, pois não foram convidados pelo governo das áreas federalizantes.

Note-se que, inicialmente, o ministério "ucraniano" do Interior tinha indicado que se tratava de representantes da OSCE, mas esta Organização desmentiu a declaração, informando que são observadores militares enviados ao abrigo de acordos bilaterais a pedido de Kiev.

Ou seja, um governo que não tem legitimidade pediu a países aliados a presença de observadores militares... para fazerem o quê, concretamente? Serão eles observadores ou conselheiros?

Entretanto, na pista de aviação de Kramatorsk, ocupada pelas forças de Kiev, um Mi-8 (ou 17) foi destruído foi atingido por um RPG e explodiu. Infelizmente, o piloto ficou ferido.

PortugueseMan disse...


"Chukcha, eles são observadores da OSCE ou não? Estão lá em conformidade com o Acordo de Viena. Não chega?"

Meu caro,

Você está a brincar com as palavras.

Algo que nunca aceitou, quando era a questão das mentiras de Putin e os "homenzinhos verdes".

Eles são observadores? são.

Mas a própria OSCE distingue a coisa como 2 equipas.

Uma equipa OSCE e uma equipa militar de observação.

...Team not OSCE monitors but sent by States under Vienna Doc on military transparency...


...Military verification team sent following invitation from Ukraine under terms of Vienna Document 2011...

A confusão está nesta equipa, porque a OSCE diz que a SUA equipa, está tudo ok.

Portanto dada a situação no terreno, se calhar teria sido bom evitar esta confusão, e começar com mais calma enviando apenas a 1ª equipa.

A coisa vai resolver-se, embora os pontos estão ganhos. Ao gerar esta confusão, os separatistas perdem na imprensa e a Junta soma uns pontos.

Seja como for a mim parece-me natural esta desconfiança desta 2ª equipa, por parte dos separatistas.

Mas à parte disso, a coisa ficará resolvida e esclarecida. São situações causadas pela própria tensão que existe no terreno.

Carlos Caseiro disse...

Chernobyl afetou-me bastante em termos de saúde. Só recuperei depois de regressar a Portugal. Só espero que haja consciência naquelas cabeças e comecem a falar em paz e não em Guerra.

Carlos Caseiro disse...

“Foram encontrados na sua posse Mapas de Slavyansk com marcação dos checkpoints, munições, emblemas militares” – informou o porta-voz da Milicia, mostrando os documentos dos detidos emitidos em nome de Krzysztof Kobel'skii (Polónia), John Christensen (Dinamarca), Axel Schneider (Alemanha).
Ao mesmo tempo, um dos líderes da "República Popular de Donetsk" Denis Pushilin, que está atualmente em Slavyansk, disse, que os peritos militares, entre os quais cidadãos de Bulgária, Dinamarca, Polónia, República Checa, bem como quatro representantes da Alemanha, "estavam a fazer espionagem para a NATO".
O mesmo afirmou também que os detidos estão a ser trocadas por "nossos prisioneiros, em particular «o governador do povo» de Donetsk Pavel Gubaryov".
Fonte: http://fakty.ua/180775-slavyanskie-separatisty-ne-sobirayutsya-otpuskat-shpionov-iz-obse

José Milhazes disse...

Caro Pippo e &. São ou não observadores da OCSE?
Carlos Caseiro, pensei que conseguisses melhor a coisa, mas não é o caso.
Lembram-se quando os "homenzinhos verdinhos"correram a tiro o vice-secretário-geral da ONU da Crimeia?
Chukcha, ora Putin não mentiu? Bravo!

José Milhazes disse...

Caro Pippo e &. São ou não observadores da OCSE?
Carlos Caseiro, pensei que conseguisses melhor a coisa, mas não é o caso.
Lembram-se quando os "homenzinhos verdinhos"correram a tiro o vice-secretário-geral da ONU da Crimeia?
Chukcha, ora Putin não mentiu? Bravo!

José Milhazes disse...

Caro Pippo e &. São ou não observadores da OCSE?
Carlos Caseiro, pensei que conseguisses melhor a coisa, mas não é o caso.
Lembram-se quando os "homenzinhos verdinhos"correram a tiro o vice-secretário-geral da ONU da Crimeia?
Chukcha, ora Putin não mentiu? Bravo!

PortugueseMan disse...

Caro Pippo e &. São ou não observadores da OCSE?

É impressionante a sua teimosia para os detalhes que acha que o fazem ganhar pontos neste tópico.

Relativamente à sua pergunta.

Penso que não são observadores da OSCE.

Agora a missão é da OSCE.

E francamente, acho feio o caminho que está a percorrer, só para poder apontar o dedo, que "observadores" da OSCE foram feitos reféns.

Estes "observadores" não deveriam estar numa zona de conflito, como está a Ucrânia neste momento.

Estes "observadores" tem uma outra missão que nada tem a ver com o actual conflito.

O que estavam a fazer estes observadores ali? Isso é o que eu gostava que fosse explicado.

José Milhazes disse...

Caro PM, eu também gostaria de saber, por isso não me precipito a tirar conclusões.

PortugueseMan disse...

Meu caro,

Dado que há demasiado "ruido" nas notícias, venham de onde elas vierem, aguardemos pelo o esclarecimento dos factos.

Pessoalmente, na MINHA opinião, foi uma enorme asneira esta 2ª equipa ter ido para aquela zona.

Dado que do lado dos separatistas, a coisa não é governo,não é uma entidade oficial, e sempre desconfiados do que poderão ser as coisas, é a na minha opinião aceitável que tenha havido percepção que eles estariam ali, para ver como andam as coisas por aquelas bandas.

Foram detidos e agora estamos num período de esclarecimentos, para se perceber se são que o dizem ser, o que se faz com eles, etc, etc, etc...

Por isso eu acho, que as coisas serão esclarecidas, negociadas com algum representante e vão ser soltos.

Até lá serão bem tratados, porque não há outra maneira de o fazer, afinal os separatistas não vão querer fazer má figura.

Agora não se use isto, como argumento do quer que seja.

Aproveito que acho bem mais preocupante as notícias que andam a sair que a água foi cortada para a Crimeia.

Isto é uma coisa deveras feia se realmente for verdade.

Feia e muito perigosa.

chukcha disse...

"Chukcha, eles são observadores da OSCE ou não?"

Agora, muito sinceramente não sei. Quando publiquei o comentário anterior apenas queria salientar que nao se tratavam dos 500 observadores enviados após DECISÃO DA OSCE (em reunião com os estados membros e tal) para estabilizar a situação da Ucrânia. Supostamente são (e admito que sejam) mas causa-me alguma estranheza o Silêncio, passado 24 horas, quer da própria OSCE, quer dos governos/media destes países.

Sejamos claros: Se fossem "os "gajos bons" da tipica missão inútil da OSCE (geralmente deputados, europeus, em idade de pré-reforma, a trabalhar no reforço da pensão) haveria tamanho berreiro mediático que nao se aguentava. mas quando até a OSCE está calada... bom... estranho no mínimo...

Por isso, se a OSCE não está procupada, também não se preocupe com isso, que não vale a pena. Como diz o PM, as coisas resolvem-se. Mais arriscado foi o caso do Simon Ostrovsky, e esse já está livre...

Mas a questão, e se calhar é a isso que se deve o silêncio mediático, é mesmo, no que consistia a missão? Que andava AQUELA gente a fazer ali? Não seria a promover a paz e a garatir os direitos humanos concerteza...

"Chukcha, ora Putin não mentiu? Bravo!"

Se mentiu ou não, não sei. estou aqui para defender a honestidade de Putin, ou o próprio Putin. (Infelizmente, mas estou aberto a isso, ó embaixada da RU!, que a vida tá dificil) Não recebo subvenção por defender Putin... e, provavelmente, se vivesse na Rússia, não apoiaria o actual governo...


Mas já lhe pedi, mais que uma ve a demonstração da mentira - bastam 2 links - 1 para a mentira, outro para o facto!

José Milhazes disse...

Chukcha, você ainda não encontrou links sobre as declarações contraditórias (mentiras) de Putin sobre a presença militar russa na Crimeia? Deve andar muito distraído. Procure melhor.

José Milhazes disse...

Chukcha, apenas uma ajuda: "Я уже говорил в своём недавнем выступлении в Кремле о том, что Россия никогда не планировала никаких аннексий и никаких военных действий в Крыму, никогда. Наоборот, мы исходили из того, что мы будем строить наши межгосударственные отношения с Украиной исходя из сегодняшних геополитических реалий. Но мы также всегда думали и надеялись на то, что наши русские люди, русскоязычные граждане Украины будут проживать в комфортных для себя политических условиях, в комфортной обстановке и не будут никак притесняться, им не будут угрожать.

Вот когда возникла именно такая ситуация – ситуация с возможными угрозами и притеснениями, и когда народ Крыма начал говорить о том, что он стремится к самоопределению, тогда, конечно, мы и задумались о том, что нам делать. И именно тогда, а не какие-то там 5, 10, 20 лет назад было принято решение о том, чтобы поддержать крымчан."

chukcha disse...

"Chukcha, você ainda não encontrou links sobre as declarações contraditórias (mentiras) de Putin sobre a presença militar russa na Crimeia? Deve andar muito distraído. Procure melhor."

Caro Milhazes,

Não se apoquente muito com isso, homem... Faça lá um post (pode ser curtinho) sobre isso ;)Ninguém levará a mal.

Mas olhe que até agora nem a CNN consegui fazer isso...

(não que Putin e Lavrov sejam muito mais honesto que a pandilha ocidental, mas ao menos fazem às coisas bem feitas, contrariamente aos idiotas que em Geneva e Washington debitam idiotices sobre soldados e tanques russos, e pogroms anti-semitas no Donbass etc, - e pronto, lá se vai a minha putativa avença).

P.S. Caro Pippo e restantes convivas, já devem ter visto isto, mas aqui fica a nota da insuspeita TIME, sobre os barbudos (também estes na pré-reforma, mas bem mais úteis que os da OSCE) da spetznaz no Donbass http://time.com/74405/exclusive-pro-russian-separatists-eastern-ukraine/

P.S.2. Alguém se lembrou que se calhar o facto de o exercito Ucrâniano andar a promover o assassinato indiscriminado de activista do Donbass nos block posts, sem objectivo táctico específico (assassinar e retirar) faz de todos os militares na zona um alvo?

chukcha disse...

Caro Milhazes,

A afirmação, por Putin, de que nunca planeou a anexação ou intervenção na Crimeia, que sempre pensou na sua relação com a Ucrânia nos trâmotes do direito internaciona, acreditando que os russofonos seriam respeitados e viveriam confortavelmente e que apenas tomou a decisão de apoiar a secessão da Crimeia depois de vêr a vontade do povo da Crimeia na sua autodeterminação, e não anos atrás, em nada prova a uma menitra, bem pelo contrário!

Aliás, confirma a narrativa de Moscovo: teve que intervir por vontade das populações ameaçadas, e afinal isto não se trata de um land-grab maquivélico, como o descrevem os propagandistas ocidentais! ;)

José Milhazes disse...

Chukcha, esse do povo pedir, fez-me lembrar uma antiga história: "O povo pediu e Adolfo deu-se!"

N. Amorim disse...

Caro JM, voce já tem idade para entender melhor algumas coisas. Deixe essa demagogia barata que só ve o Putin a mentir, é um disco riscado muito chato, quae tão patético como as constantes mea-culpa que ultimamente se tem verificado (fotos da Nato de 2013, o panfleto sobre o recenseamento do judeus, e a ultima sobre novamente fotos, desta vez de hormens com barba)

Aproveite para ouvir
https://www.youtube.com/watch?v=uE9jULgC42o

se não estiver de acordo, está no sei direito, como assim a sua parcialidade já é mais do que notada por vários.

E lembre-se: Putin mente.

José Milhazes disse...

Caro N. Amorim, é curioso que eu estou de acordo com algumas coisas que esse especialista diz, eu li e leio atentamente as suas opiniões, mas posso ter a minha. Eu também conheço a Rússia e compreendo russo.

José Milhazes disse...

Para os que compreendem russo:
http://www.interfax.ru/russia/372634

Pippo disse...

Chukcha,

Já tinha lido sobre esses "perigosos agentes do GRU/FSB", etc., Mas gostei de ler este artigo da TIME. Muito instrutivo.

Gostei em especial do facto de serem COSSACOS (os tais que certos "amigos tropicais" que por aqui pululam acham que são exclusivamente ucranianos) quem está a ajudar os seus congéneres russos a resolver a questão.
Os mesmos cossacos que acabaram com as tentativas parvas das "Ratas Revoltadas" em dar espectáculo em Sochi, e os mesmos que ajudam as forças federais no Cáucaso... como o faziam desde finais do séc. XVIII.

chukcha disse...

"Chukcha, esse do povo pedir, fez-me lembrar uma antiga história: "O povo pediu e Adolfo deu-se!"

Você sabe que não foi bem assim, foi:

"ALGUM povo pediu, o golpe deu-se,persegui-se a oposição e as minorias legislativa, cultural e fisicamente"

E isto aplica-se quer à Alemanha dos anos 30 quer a Kiev de hoje.

A única diferença, é que enquanto nos anos 30 os judeus, os ciganos, os comunistas e os sindicalistas iam desaparecendo e ninguém se importava (como reza o poema)), na Ucrânia de hoje resistiram, e o Presidente Putin e a Mãe Rússia estndeu-lhes a mão! :)

chukcha disse...

Caro Milhazes,

Mais uma vez, Peskhov jurar a pés juntos, que o chefe dele não mentiu, não é admissão de mentira (apesar de se enrredar numa cronologia, admito, um bocado estranha).

Note-se que eu nunca afirmei que peskhov, não mentiu (mas acho que nem desse vamos conseguir descobrir a mentira). Ele é assessor de imprensa, é o seu papel (e depois quando já ninguém o conseguir vêr mais é substituido por outro, sem beliscar o detentor do cargo).

E acrescento: apesar de tudo Peskov, quando comparado com os equivalentes ocidentais uma Peski ou um doméstico Relvas/Maduro têm uma honra de pioneiro (ou de escuteiro, para os menos versados na mitologia da URSS)!

José Milhazes disse...

Caro Chukcha, fiquei comovido. É extraordinário como se arranja justificação para tudo.

chukcha disse...

"Caro Chukcha, fiquei comovido. É extraordinário como se arranja justificação para tudo."

Diga isso à embaixada da RU, bem me podiam pagar uns camarões e uns tremoços ;)

Agora mais a sério: Você tem uma tese: Putin mentiu.

Eu tenho uma tese: Os oficiais russos são BEM mais fiáveis que os ocidentais, nas suas declarações públicas. Não inventam WMD, com fotografias, pogroms e agentes estrengeiros. etc. E se afirmam algo publicamente em princípio são confiáveis.

Note-se que isto não exclui que existam màquinas de propagada na Rússia, que "forcem a verdade", mas quanto aos "altos dignatários", são por norma bem mais fiáveis que os Ocidentais. Até porque falam bem menos...

e se Putin mentiu/mentir... bom... No mês em que você comprovar 1 mentira de Putin eu arranjo-lhe 5 do Obomba e 10 do nosso estimado e doméstico Passos Coelho ;)..

PortugueseMan disse...

Algo de interessante hoje:

Obama says US-European unity is needed for broader sanctions on Russia

For the US president, a united front with Europe is crucial.

“The notion that for us to go forward with sectoral sanctions on our own, without the Europeans, would be the most effective deterrent to Mr Putin, I think it is factually wrong,” Obama told a news conference.

“We are going to be in a stronger position to deter Mr Putin when he sees that the world is unified and the United States and Europe is unified rather than this is just a US-Russian conflict.”...


http://www.euronews.com/2014/04/27/obama-says-us-european-unity-is-needed-for-broader-sanctions-on-russia/


Pelas declarações de Obama, vê-se que estamos com problemas no que respeita a sanções à Rússia.

Parece que os EUA não querem lançar sozinhos as sanções e os Europeus não se entendem que tipo de sanções é que vão fazer sem dar autênticos tiros nos pés.

As ligações económicas entre Rússia-EUA/Rússia-UE são mais profundas do que nos querem dar a ver e não se sabe bem quem poderá perder mais com a brincadeira.

Tentativa de arrastar a Rússia para o chão económicamente, poderá arrastar também os autores da tentativa.

Ou seja pelas acções da Rússia, esta parece que calculou os custos de uma guerra económica.

Os EUA/UE já o calcularam?

Vamos a ver o tipo de sanções que aí vêem.

MSantos disse...

Os companheiros da VISA e da MasterCard já estão a miar com as quebras súbitas do uso de cartões na Rússia.

Relativamente aos políticos russos, Putin soube-se espaldar de homens de qualidade como Lavrov, Churkin (daria um ótimo presidente), Alexei Puskov.
O imbecil do Rogozin é a excepção que confirma a regra e mesmo esse tem andado contido e atinado nas declarações que faz.

Em contarpartida o Ocidente é só gentinha mediocre estilo Samantha Power ou a nulidade Nuland, tudo sem estartégia e mais baseado no ódio emocional do que na razão. O Obama coitado, parece um triste a dizer aquelas coisas a medo, mais para consumo interno (para os radicais republicanos não forçarem o impeachment) do que por convicção.

Cumpts
Manuel Santos

Pippo disse...

PM, O que os EUA categoricamente pretendem é usar a Rússia como alavanca para reafirmar o seu domínio sobre o "Velho Continente". A pressão exercida sobre a UE, as jogadas efectuadas na Ucrânia que comprometem, ou levam a comprometer, os países da União, são acções que têm como efeito obrigar a UA a tocar pelo mesmo diapasão de Washington.

Infelizmente isso não é devidamente abordado (IMHO) pelo autor do blog, que prefere martelar na Rússia e no bicho-papão do Putin.

PortugueseMan disse...

Caros,

Eu tenho neste blogue insistido bastante na situação económica russa ao longo destes anos.

Esta é uma excelente situação para se "medir" a "debilidade" económica do país.

É que considero que temos uma nova situação.

Uma coisa é o Ocidente unir-se para fazer sanções económicas a um pais do "eixo do mal", como é o caso do Irão.

Outra... é fazê-lo à Rússia.

Na minha opinião, temos uma grande diferença nesta guerra económica que se está a querer arrancar.

As guerras (Iraque, Afeganistão, Síria, Líbia) que se têm travado, não tem tido grande impacto nos EUA/UE.

Podemos dizer que têm servido de treino para os exércitos ocidentais, que armas foram testadas, a logistica, etc, etc.

Mas, a actividade nesses países, não se ressente significativamente, parte da economia até ganha fôlego, dado que são países produtores de armamento, ou seja, a vida continua alegremente, as pessoas fazem a sua vida e vêem na televisão a guerra lá ao longe.

Com a Rússia?

Bom, com a Rússia eu penso que vamos ter problemas. A Europa já tem muitas ligações e venha quem vier não é possível contornar a Rússia em termos energéticos. Portanto, sanções económicas, e a comprar energia a eles? a coisa não resulta, já para não falarmos das empresas energéticas europeias que estão de braço dado com os russos, devem estar neste momento com os cabelos em pé.

A acrescentar isto, o dinheiro que a Europa terá que ENTERRAR literalmente na Ucrãnia, eu começava a fazer as contas do quanto isto vai custar à UE. e a UE não pode falar muito alto, porque problemas económicos é coisa que não falta em casa.

Os EUA.

As ligações económicas poderão ser menores, mas já tivemos "guerras" semelhantes e os americanos ficaram com um sorriso mas foi amarelo.

Relembro o episódio da guerra do aço, onde os EUA começaram a barrar o aço vindo da Rússia ( e não só), isto numa altura que a Rússia estava numa situação bastante debilitada, portanto haveria grande prejuízo económico e social (porque teria que haver despedimentos, estão nesta indústria centenas de milhares de trabalhadores)

Mas, mesmo nesta altura a Rússia respondeu à letra, com a proibição de importação de frangos vindos dos EUA. A coisa parece meio anedótica, mas acertaram em cheio. A Rússia era um dos principais mercados para os produtores americanos e de um dia para o outro, deixaram de poder enviar. Lembro-me bem na altura de reportagens de produtores a pôr as mãos à cabeça com os prejuízos. Frangos a caminho barrados, armazens frigorificos lotados,frangos na altura certa para ir para o frigorifico a não poderem ir, pintainhos a crescer sem destino certo, mas têm que ser alimentados até se perceber.

Ou seja, a Rússia fez "shutdown" à cadeia de produção de frangos dos EUA.

Isto foi uma das guerras económicas travadas entre ambos.

A situação da Russia hoje está muitos níveis acima e a gravidade da situação da Ucrânia também está muitos níveis acima.

Portanto que sanções vêem ai? E qual resposta que poderá ser dada?

Pessoalmente, acho que a Rússia possui uma "bomba atómica" económica que ainda não foi usada. Mas que pode vir a ser, dependendo até onde se quiser ir nesta guerra.

Estou a falar em a Rússia deixar de aceitar o dólar como moeda de pagamento, para a venda de energia. Eu nem imagino o que acontecerá ao mundo se a Rússia o fizer.

Pippo disse...

Hoje, tentativa de assassinato de Gennady Kernes, presidente da câmara ("pró-russo") de Kharkov. O homem encontra-se em estado grave.

Obviamente, Moscovo também tem culpa por este quase assassinato pois em lugar de convencer os ucranianos de fala russa a agacharem-se aos "verdadeiros ucranianos" do Oeste, até os apoia nas suas reivindicações por autonomia ou irredentismo.

Malvados russos, que obrigam os "bons e pacíficos dos patriotas ucranianos" a prender e/ou matar federalistas, separatistas e todos aqueles que ousam preferir manter os laços com a Rússia em lugar de terem de optar pela UE!

Carlos Caseiro disse...

José eu não comentei nada. Apenas traduzi.
Fonte: http://fakty.ua/180775-slavyanskie-separatisty-ne-sobirayutsya-otpuskat-shpionov-iz-obse
Já agora. Não sabem de nada sobre o "bloqueio" da Ucrânia à Crimeia? O canal que trazia água do rio Dnyepr para a república está seco.

PortugueseMan disse...

Ui...

Se esta tentativa foi feita por operacionais estrangeiros a coisa vai ficar feia...

Se é para começar com os assassinatos...

Pippo disse...

"Estou a falar em a Rússia deixar de aceitar o dólar como moeda de pagamento, para a venda de energia. Eu nem imagino o que acontecerá ao mundo se a Rússia o fizer."

Já se tinha falado nisso, aliás, isso em concerto com a China, que queriam estabelecer um novo paradigma da moeda das trocas internacionais. Uma dessas moedas seria... o Euro!

Ora, diz-se por aí que o ataque ao Euro foi, precisamente, para evitar que esta moeda em expansão substituísse o USD nas transacções internacionais. Claro que isso tudo deve ser mentira...

Outra "bomba atómica" seria a Rússia decretar uma subida, perdão, uma "sobretaxa solidária" no preço do gás... solidária porque serviria para compensar as perdas sofridas pela economia russa.
E quem não gostasse poderia aquecer-se e cozinhar com o gás de xisto da Polónia ou dos EUA, ou então com troncos de madeira apanhados no quintal, como faziam os nossos antepassados, que é bem bom!

Astromac disse...

MSantos: tem razão, tal como Estaline, Putin faz-se rodear de homens de qualidade. O próprio Lavrov faz lembrar o Molotov. Por vezes quase que penso que é mesmo um clone do Molotov.

MSantos disse...

Porquê, Astromac? Por Lavrov ter dirigido aquelas célebres negociações que acabaram por impedir os seus queridos americanos de exportar "democracia e liberdade" para a Síria?

Cumpts
Manuel Santos

Anónimo disse...

T-72 ucraniano é detido por populares. Estes soldados estão a ser mandados por Kiev a submeter uma terra que não é a deles.

http://www.dailymail.co.uk/news/article-2605828/Tanks-bearing-Russian-flag-roll-cities-eastern-Ukraine-Vladimir-Putin-warns-country-brink-civil-war.html#v-3470479050001

PortugueseMan disse...

Estive a dar uma olhadela às sanções e nada me salta à vista.

Alguém reparou em algo de impacto significativo?

Parecem-me sanções cosméticas.

Astromac disse...

Lavrov faz lembrar Molotov porque encarna a figura de um robot. Com uma fachada de estadista e diplomata inteligente, uma pose neutra, correcta e imperturbável, Lavrov nunca deixa de ser mais do que a voz do dono. É impossível ouvi-lo a dizer algo original ou que não tenha sido previamente decidido. Não tem originalidade, independência, mas sobrevive como uma roda dentada do sistema. Implacável, é capaz de suster um discurso interminavelmente redundante e com o qual é inútil discutir sobre qualquer assunto -- nunca pode tomar alguma decisão por si próprio. É uma fachada perfeitamente artificial, sem um pingo de humanidade mas cheio de servidão.

chukcha disse...

Só uma nota rápida, que o tempo não abunda:

Lugansk já é do Povo e foi bonita a festa pá. Donbass está controlado e o mapa começa a compôr-se. Cimentar Mariupol e Donetsk até ao fim do mês. Depois segue-se kharkov e Odessa...

Eleições? Quais eleições? Esse comboio também já passou. Era tempo de os malucos de Kiev (e idiotas ocidentais que os apoiam) atirarem a toalha ao chão e agirem como gente...

Se isto continua podem acabar com a cabeça no cepo (literalemtente)...

N. Amorim disse...

Sr. JMse tiver tempo para ver, diga-nos o que acha da opinião deste professor, provavelmente já se deve ter cruzado com ele num corredor de uma universidade.

https://www.youtube.com/watch?v=GXLUJpqaQpY

MSantos disse...

Astromac, você não está a debater ideias ou procedimentos. Está pura e simplesmente a fazer juízos de carácter de alguém que você odeia por personificar um país que também odeia. Claro que um MNE segue a voz do dono. Que queria você que fosse? Que entrasse em contradição com o seu próprio governo? E discordo da falta de originalidade e independência pois foi ele que engendrou o plano que impediu os EUA de invadirem a Síria. Falo no aspecto qualitativo da acção e não se ela é boa ou má.

Cumpts
Manuel Santos

Astromac disse...

MSantos, está errado nos dois pontos. Eu não odeio o Lavrov e muito menos odeio a Rússia (nem nenhum outro país, já agora...).