terça-feira, junho 24, 2014

Conversações de paz serão difíceis na Ucrânia


Finalmente, uma pequena, mas boa notícia do Leste da Ucrânia: começaram conversações entre as autoridades de Kiev e os separatistas das auto-proclamadas repúblicas populares de Lugansk e Donetsk.
E até já foi anunciado, na véspera, o primeiro resultado. A república popular de Donetsk comprometeu-se a respeitar o cessar de fogo até ao dia 27 de junho. Esta declaração foi feita por Alexandre Borodai, um dos chefes dos separatistas.
Segundo ele, a OSCE e a Rússia irão velar pelo cumprimento dessa decisão.
Além disso, as partes das conversações tencionam continuar o diálogo para encontrar uma solução política para a situação no Leste da Europa.
Hoje, as partes do conflito acusam-se mutuamente de violar o cessar de fogo, o que não é de estranhar, visto que são numerosos os grupos que actuam no terreno, mas mesmo isso não retira importância ao início das conversações.
As conversações são a única possibilidade do novo Presidente da Ucrânia, Petro Porochenko, pacificar o Sudeste do seu país, estabilizar a situação política e evitar a desintegração da Ucrânia. Para os separatistas, poderá ser uma oportunidade de sobrevivência política e de conseguir maior autonomia para o Sudeste do país.
Nas conversações de paz participaram Mikhail Zubarov, embaixador da Rússia em Kiev, Haidi Talyavini, representante da direcção da OCSE, Leonid Kutchma, segundo presidente da Ucrânia, Victor Medvedtchuk, político pró-russo e dirigente da organização “Opção da Ucrânia”, dirigentes das auto-proclamadas repúblicas de Lugansk e Donetsk, nomeadamente Alexandre Borodai e Oleg Tzariov.
É de salientar a presença do embaixador russo nessas conversações, sinal de que Moscovo se decidiu a participar na busca de uma solução política para o problema. A continuação do conflito não só aumentará a entrada do número de refugiados no território russo, mas poderá levar o Kremlin a intervir militarmente na Ucrânia.
Como já escrevi várias vezes, Vladimir Putin, para salvar a sua face no interior da Rússia, não pode abandonar os separatistas, pois será acusado de traidor por muitos russos. Ao ocupar a Crimeia, o dirigente russo criou grandes expectativas não só entre as populações russófonas do Sudeste da Ucrânia, mas também no interior do seu país.
Por isso, as conversações de paz são a melhor forma para o Kremlin sair desta crise com o mínimo de prejuízos e normalizar as relações com o país vizinho. Em caso de intervenção militar, Putin arrisca-se a mergulhar num conflito com consequências funestas para o futuro da própria Rússia.
Petro Porochenko também procura uma solução política para o problema, pois essa é a única forma de evitar a degradação da já grave situação económica e social na Ucrânia.
A União Europeia também deve envolver-se fortemente no processo de paz para evitar o aparecimento de uma perigosa zona de instabilidade nas suas fronteiras.

Neste processo, em jogo não está apenas o destino da Ucrânia, mas também das relações entre a União Europeia e a Rússia.

10 comentários:

PortugueseMan disse...

...Por isso, as conversações de paz são a melhor forma para o Kremlin

sair desta crise com o mínimo de prejuízos e normalizar as relações com o

país vizinho...


Meu caro,

Eu ao ler este artigo, fico com a sensação, que isto dá mais jeito à
Rússia do que a própria Ucrânia.

É a Ucrânia que terá que tentar normalizar as relações com o país vizinho dada a sua dependência energética e de certa forma económica.

A Ucrânia está a ser obrigada a negociar, porque não tem outra hipótese.

Neste momento tem o gás cortado, a economia está a parar, não entra mais dinheiro do FMI até esta trapalhada estar resolvida e os amigos americanos/europeus, não apareceram para ajudar (€€€) nesta embrulhada e ainda vai ter que fazer uma série de reformas em casa, que o vão derrubar.

É uma perspectiva curiosa, imaginar que isto esteja a avançar porque Putin está com receio de que alguns russos fiquem muito aborrecidos e se juntem aos muitos "milhões" que se manifestam em Moscovo pelas mais variadas razões.

Putin alterou o mapa do Mar Negro, anexou parte do território ucraniano, cortou o gás à Ucrãnia, levou com as sanções do "mundo", mas vai para a cama preocupado porque alguns russos querem algo mais?

Por favor meu caro...

MSantos disse...

"Como já escrevi várias vezes, Vladimir Putin, para salvar a sua face no interior da Rússia, não pode abandonar os separatistas, pois será acusado de traidor por muitos russos. Ao ocupar a Crimeia, o dirigente russo criou grandes expectativas não só entre as populações russófonas do Sudeste da Ucrânia, mas também no interior do seu país."

Afinal e contrariamente ao que sempre disse quem se diz adorador do povo russo e opositor de Putin, Putin apenas segue a vontade do dito povo e aliás se anda a perder popularidade é por estar a ser considerado demasiado brando.

Lá se vai a tese de que se não é russófobo...

Cumpts
Manuel Santos

Jonatan Souza disse...

http://portuguese.ruvr.ru/news/2014_06_24/Como-responder-Kiev-pelo-uso-de-armas-proibidas-3058/

Jonatan Souza disse...

http://itar-tass.com/politika/1276357

José Milhazes disse...

PM, você faz lembrar os comunistas que tantas vezes previram o fim do capitalismo que eles proprios acabaram por cair antes. Quantas vezes você profetizou a falência da Ucrânia?

PortugueseMan disse...

Meu caro,

A Ucrânia está falida neste momento.

Desde quando ando a profetizar a falência do país? eu digo-lhe, desde a revolução laranja.

Desde a revolução laranja, que digo que um país dependente energéticamente de outro e de energia subsidiada, não pode voltar as costas a esse país e muito menos poderia permitir albergar um organismo militar hostil.

Desta vez a situação rebentou. A Ucrânia não vai voltar a ser o que era. A perda de integridade territorial é um facto. Não vai haver investimentos na Ucrânia, a indústria pesada terá que parar porque não está modernizada e está dependente de energia barata.

O que você poderia dizer é reconhecer que é nesta situação que estamos, podia dizer que eu tinha razão.

Mas você, nem que saia um documento oficial, feito pelas maiores autoridades Ocidentais a constatar esse facto, alguma vez reconhecerá que a Ucrânia está a pagar pelas suas escolhas.

Tal como você nunca leu nem vai ler o que foi escrito pelas entidades oficiais europeus sobre como as coisas aconteceram na sua tão falada "invasão" à Georgia.

A Geórgia tal como a Ucrânia fizeram as piores escolhas para o seu futuro. E ambos poderiam efectivamente ter o que pretendiam se o tivessem feito de modo diferente.

nuno_inzaghi disse...

JM a ucrania ja esta falida!! e so nao faliu ha mais tempo porque a russia lhes deu uns bilioes de euros. afinal quem e amigo??

Pippo disse...

"Quantas vezes você profetizou a falência da Ucrânia?"

Ahahah! Acho que o PM previu menos vezes a falência da Ucrânia do que o JM a ruína da Rússia! :0D

Jonatan Souza disse...

http://undhorizontenews2.blogspot.com.br/2014/06/criancas-ucranianas-se-tornam-as.html?m=1

chukcha disse...

«"Quantas vezes você profetizou a falência da Ucrânia?"
Ahahah! Acho que o PM previu menos vezes a falência da Ucrânia do que o JM a ruína da Rússia! :0D»

Hehehe!

Bom neste momento A UCRÂNIA É UM ESTADO FALIDO. Por isso não há grandes hipoteses de falha na previsão. ;)

O Milhazes se conhece bem o sistema de quecimento central soviético, eficaz e inieficiente. Você imagina quanto custaria esse sistema a preços de mercado?
Assim de repente, em Portugal, para as mesmas temperaturas seria entre 200€ e 500€/mês de Outubro a Março/Abril, por cada casa, com sistemas bem mais eficientes...

Quem já teve de pagar uma cont de gás/electricidade com aquecimento ligado, no soalheiro inverno Mediterrânico, sabe do que estamos a falar... Agora na Ucrãnia, com tubagens apodrecidas, fugas sistemáticas etc...

E reafirmo: FMI, FMI FMI... vem aí, o FMI, em Setembro aterra em Kiev, o FMI.

E além da questão económica há a questão politico-etnica, que os nossos amigos Ocidentais tanto gostam de "criar" quando lhes convém:

E agora? o Yarosh, o Lyashko, o Yats e o Porcocenco vão afirmar:

"Colorados, terroristas, vamos ser amigos como dantes! Desculpem lá os bombardeamentos, as vítimas. Mas olhem, abram uma conta no PrivatBank, do Kolomoisky, o que disse que dava $10k pela cabeça dos vossos filhos que estavam no check point..."

É isso?